Mês: junho 2011



Dupla de assaltantes é presa em Paiçandu

Eles foram detidos após roubar uma relojoaria, e são suspeitos de outros três assaltos na cidade.

Com informações de Larissa Ayumi Sato

Dois ladrões foram presos após assalto a uma relojoaria na manhã desta quarta-feira (29) em Paiçandu. A dupla é suspeita de praticar outros três assaltos na última semana na cidade.

De acordo com o sargento Gilberto Felipe, comandante do destacamento da Polícia Militar (PM) em Paiçandu, o assalto ocorreu por volta das 10 horas, na Avenida Vereador Silvio Alves, Jardim Pioneiros. A dupla abordou a funcionária do estabelecimento, fazendo menção de estar armada – com a mão debaixo da camisa – e deu voz de assalto, conforme o sargento; no entanto, a suposta arma era um pedaço de pau. Os indivíduos roubaram o relógio de pulso da moça, e outros dois relógios que haviam sido deixados por clientes para consertos, além de cerca de R$ 100 do caixa e empreenderam fuga em uma motocicleta, segundo o sargento.

“Quando a dupla estava se dirigindo em direção à rodovia, uma equipe desconfiou da atitude suspeita dos indivíduos, que trafegavam com a placa erguida, e fizeram o acompanhamento da motocicleta. Os dois foram abordados próximo à rodovia”, afirma o sargento. “Os detidos não tiveram o intuito de roubar uma relojoaria. O objetivo provavelmente seria trocar em drogas, e não visaram nem o local do assalto”.

A polícia suspeita de que os homens, de 28 e 34 anos, sejam os mesmo que praticaram três roubos na última semana na cidade: a um hotel, a um malote de uma empresa e a uma locadora. “É o mesmo estilo de assalto, com as mesmas características”, explica o sargento Felipe.

Segurança
Comente aqui


I Semana dos Cursos Técnicos em Administração e Informática

Será realizada a I Semana dos Cursos Técnicos em Administração e Informática do Colégio Est. Paiçandu. Nos dias 29 e 30/06 na Câmara Municipal de Paiçandu e 01/07 no Colégio Estadual Paiçandu.

Veja a Programação

Local: Câmara Municipal de Paiçandu

29/06 – Palestras

  • 19:30 “Abertura de Pequenos Empreendimentos sobre a ótica legal” – Miriam da Silva Braz e  Fernando Antonio Braz
  • 21:00 “A situação Social do País. Como estamos indo?” Profº Rinaldo Aparecido Galete

30/06 – Palestras

  • 19:30 “Mercado de Tecnologia da Informação Local, Oportunidades e Carreira” – Alisson Ferreira
  • 21:00 “A Magia do Verbo Acreditar” Profº Nilson de Oliveira

* Lançamento do site www.colegiopaicandu.net

Haverá apresentações e sorteio de Brindes durante todo o Evento!

 

Colégio Estadual Paiçandu

01/07 – Palestras/Oficinas

Curso Técnico em Administração

19:00  “Gestão da Qualidade” – Evando Ruiz Barbosa

20:00  “ISO: 9001 em Debate” Carlos Henrique Comini e Alunos do CTA

Curso Técnico em Informática

19:00- Oficinas de Informática com os Professores Rafael, Rubilei e Alessandro.

Comente aqui


Carreta com mil caixas de cigarro é apreendida na PR-323

Quatro pessoas foram detidas pela PF na tarde desta terça-feira acusadas de contrabandear cigarros do Paraguai. Cerca de mil caixas do produto foram encontradas em uma carreta, com placa de Umuarama, na PR-323, no distrito de Água Boa, em Paiçandu. Outros dois carros, um Fiat Strada e um Gol, que serviam como “batedores” (avisando o motorista do caminhão sobre a presença de policiais na estrada), também foram presos.

Os quatro estão detidos na sede da PF em Maringá. Os nomes também não foram divulgados. Segundo os agentes, um dos presos, que servia como batedor, é um empresário de Foz do Iguaçu.

Mais…

Comente aqui


Protesto: lixo é jogado na porta da Prefeitura de Paiçandu

Pelo flagrante feito por um leitor no sábado (25) a tarde, já encontraram um local  para jogar o lixo de Paiçandu.

A cena é o triste retrato de uma cidade carente por ações transformadoras.

Já comprometido, o serviço de coleta atrasou ainda mais, por conta do feriado prolongado.

Em tempo: Grande parte do lixo,  ainda está sendo levado ao aterro de Sarandi, já que o contrato foi renovado por mais três meses.

 

 

16 Comentários
 

Meet Up

No ultimo 25, aconteceu na Praça da Matriz, mais um Meet Up, campeonato de free step.

O free step (tradução – Passos Livres) é a evolução do antigo Rebolation, (não aquele do axé),  e tem tornado-se mania em todo país, é uma dança que consiste em deslizar sobre o chão fazendo movimentos com as pernas e geralmente também com as mãos sob as batidas de músicas eletrônicas. A dança se baseia em liberdade de movimentos, e até inclusão de outros passos dentro dele. A dança foi aderida por muitos jovens no país todo, mas a maior concentração de adeptos é na cidade de São Paulo.”

No “Meet Up”  os dançarinos competem entre si, sendo julgados pela inovação, sincronismo, perfeição, e criatividade nas sequências.

 

 

Comente aqui
 

Aposentada de 80 anos aguarda cirurgia há 15 dias

 

As filas do setor de ortopedia do Hospital Universitário (HU) continuam causando revolta nos pacientes que têm de esperar longos prazos para serem atendidos. A aposentada Adélia Palácio Lopes, 80, aguarda há quase duas semanas transferência para o HU, para poder receber cirurgia de correção do colo do úmero (no braço).

Hipertensa e com diabetes, a aposentada está com o braço esquerdo enegrecido depois de dias de espera. Seus familiares temem que o membro tenha de ser amputado.

No dia 13 de junho, Adélia caiu sobre o braço enquanto caminhava na rua, quebrando o osso; no dia seguinte, deu entrada no Hospital São José, em Paiçandu, cidade onde mora. Segundo os familiares da aposentada, o hospital de Paiçandu afirma que não tem condições técnicas de realizar a cirurgia de correção e busca encaminhar Adélia para o HU de Maringá, porta de entrada para os hospitais de referência em ortopedia na região.

 

Adélia Lopes tem 80 anos A aposentada e os familiares não receberam nenhuma previsão de quando a cirurgia poderá ser realizada e de quantos pacientes há na frente na fila do HU.

 

A estudante Mara Duarte, neta de Adélia, demonstra preocupação com o estado de saúde da sua avó. “O braço dela está inchado, escuro. Os médicos dizem que ainda estão tranquilos, mas nós já ouvimos muitas histórias de diabéticos que perderam o braço ou o pé porque demoraram pra receber cirurgia”, diz.

Mara afirma que a pressão da vó não parou de subir desde a internação, por causa do estresse, e que os remédios habituais não estão conseguindo estabilizar sua hipertensão. “O pior de tudo é o descaso, estamos sem informação nenhuma. Nossa família está abandonada”, diz.

Com dificuldades de comunicação, Adélia demonstra um misto de amargura e esperança. “Não sei de mais nada, só que sinto muita dor e estou na mão de Deus. Se Ele é pai, não vai me deixar perder o braço”, diz.
Outro lado

O secretário de Saúde de Maringá, Antônio Carlos Nardi, afirma que não tem responsabilidade sobre o caso, pois o processo de transferência deve ser feito pela prefeitura de Paiçandu. A direção do Hospital São José também disse que o assunto só poderia ser abordado pela secretaria de Saúde de Paiçandu.

A reportagem tentou telefonar, na sexta-feira depois do feriado de Corpus Christi, tanto para o número geral da prefeitura de Paiçandu quanto para a secretaria de Saúde, mas em nenhum dos dois houve resposta. A reportagem também não conseguiu contato com o HU de Maringá.

Outras
28 Comentários


Kung Fu de Paiçandu disputará campeonato internacional

No próximo dia 03 de julho, a equipe de Kung Fu – Família Chuy Lung Chuan –  do Mestre Valdeir, estará disputando o Campeonato Internacional de Kung Fu.  13 competidores de Paiçandu, entre lutas e formas, participarão do evento.

No ano passado a equipe conquistou  22 medalhas, sendo 15 de ouro e 7 de prata, ficando em quinto lugar no ranking internacional de wushu kung fu.

Abaixo, imagens das apresentações dos atletas no ano passado.

 

 

2 Comentários


Opinião

“Venho estudando a questão das drogas há muitos anos e vejo com maus olhos a legalização da maconha em nosso país.
Os efeitos da maconha são os mais variáveis e estão intimamente ligados à concentração de Tetrahidrocanabinol (THC) da erva consumida e à reação do organismo do consumidor com a presença da droga. O teor de THC da maconha está entre 300% e 1000% mais forte do que na década de 70, ou seja, um “baseado” de hoje pode corresponder a 10 baseados da época, usados exatamente no mesmo espaço de tempo. Fatores como produção, processo de secagem e a presença de alguns produtos químicos alteraram a concentração da maconha e conseqüentemente o efeito dela no organismo, isso significa que seu poder de dependência e efeitos físicos efeitos psíquicos também aumentaram fazendo da maconha porta de entrada para drogas mais pesadas.
Os argumentos usados pelos adeptos à legalização não me convence, temos dois exemplos claros de drogas lícitas, um é o cigarro que mesmo legalizado ainda invadem nossas fronteiras em forma de contrabando e outro é o álcool que também legalizado destroem vida social e afetiva do individuo, e é o maior responsável por acidentes de trânsitos. Países que legalizaram a maconha hoje sofrem com aumento da violência e criminalidade.
O governo FHC, durante seus 8 anos, não abriu nem 250 leitos para Dependência Química em todo o Brasil. Como ele pode propor liberar a droga sem mencionar isto? Não sei se é má-fé ou apenas esquecimento, algo possível num homem de 80 anos.
Como sociólogo, o senhor Fernando Henrique Cardoso, deveria ouvir as famílias. Só quem tem este sofrimento dentro de casa é que pode dizer o que acontece quando seus entes queridos entram neste caminho, que sempre começa com a bebida e a maconha na infância e na adolescência, e, em seguida, a busca de drogas mais destruidoras.
Sabemos qual será a próxima fase: se a maconha for descriminalizada, milhares de jovens necessitarão tratamento. Onde? Quantos leitos o Sr. FHC abriu no Brasil para tratamento de dependentes químicos?

É irresponsabilidade e insensibilidade aceitarmos calados movimentos de legalização de drogas em uma realidade que é de lágrimas, desespero, incertezas e violência com filhos na fissura batendo em pais, assaltando nas ruas, sendo presos.
Precisamos formar opinião crítica e se opor a este crime contra a família se não daqui a 10 ou 20 anos estaremos assistindo manifestos para legalização da cocaína, do crack ou do oxi.

Usar drogas deixou de ser um problema de quem consome e sim um problema social e nós fazemos parte desta sociedade.”

 

De Alexandre Marques, sobre a questão da legalização da maconha.

Opinião
4 Comentários