Opinião



Opinião

Do leitor Luciano aqui.

“É sempre muito frustrante ir passear em Paiçandu, eu que que sou natural daí, e ver que essa minha querida cidade caminha para trás. Observo transtornos, volto após algum tempo, e o problema ainda está lá: cristalizado.
Só desejo à esta nova equipe toda a sorte do mundo, e uma ótima administração, que com empenho, com certeza virá.
E espero ler aqui no blog, boas notícias em muito breve.”

Opinião
4 Comentários


Opinião

“Será que dentre estas metas, está asfaltar o Bela Vista I. Por que sinceramente é ridículo o primeiro bairro vindo de Maringá não ser asfaltado. A sensação que dá que a gente esta entrando em um sitio. Saindo da cidade rumo ao sitio.

Ficaria tão bonito este ser totalmente asfaltado sem contar que as lamas que vão para baixo no Pioneiro acabaria.
Que Deus possa iluminar e orientar o novo prefeito para que ele seja um homem digno da posição que ocupou. Indico para ele ler o livro de Neemias. Onde narra a trajetória de um grande líder que fez erigir os muros de Jerusalém.” (sic)

Da leitora Débora nesta postagem.

Opinião
4 Comentários


Leporinus obtusidens

Neste mês teremos em Paiçandu a tradicional Festa do Peixe, que NÃO acontecerá no aniversário da cidade que é dia 19. Mas sim no próximo final de semana.

Aqui no blog, há alguns dias contestávamos os motivos da não divulgação da festa. Esta semana veio a explicação: ela será terceirizada. (Ohhh!!)

A organização e a definição das atrações ficaram à cargo de uma empresa de Maringá, que já tem um formato pronto: a Barraca Universitária, que divulgamos no blog, antes de Rede Globo Paiçandu, embora ela diga o contrário.

Como eu disse, o formato já conhecido, com marketing forte, fará desta a maior festa que Paiçandu já viu… confesso, reconheço e torço por isso.

Porém, como é importante lembrar: talentos musicais, meios de comunicações locais, entidades… foram sumariamente ignorados (embora divulguem que parte da renda será destinada á entidades…quais?)… sem contar no comércio que sofrerá pela evasão financeira proveniente dela e não terá contrapartida nenhuma.

Mas vá lá… bola pra frente…

A festa será diferente dos anos anteriores: fulano pagará cincão e entrará no recinto, ele está credenciado a ver o rodeio, as barracas e os postes de luz…  Se quiser ver os shows e “andar” nos brinquedos aí é outra história: deverá desembolsar outras quantias. Tem um tal camarote de 1600,00 reais…

No domingo, 11, teremos o almoço – segundo está informado o cartaz do evento – com o prato típico de Paiçandu: piapara assada.  Leporinus obtusidens

Então pensei: Que mané piapara é essa que nem existe por aqui e é considerada nosso prato típico. Só se vê estes indivíduos ou nos pesqueiros ou nos freezers de supermercados.  Que contribuição este peixe oferece para nossa economia, nossa história, nossos produtores… que pode ser elevado a prato típico?

Se a intenção foi comercial, interessante. Porém não cria identidade nem fortalece segmentos vários…

– Mas que eu gosto de um peixe assado eu gosto.

E mais, se houver por parte da organização alguma contestação das informações aqui elencadas,  ou interesse em informar os moradores sobre a festa, fiquem á vontade. Nosso espaço é democrático e gratuito.

12 Comentários


Opinião

“No Império Romano uma das formas de desviar a atenção da população dos problemas causados pelo estado, era a política do PÃO E CIRCO.

Fico indignada com a indiferença de alguns representantes deste pais que poderiam fazer alguma coisa em Prol de uma sociedade mais justa e humana e não fazem.

Me solidarizo com todas as pessoas que ainda pensam numa educação de igualdade e saúde para todos.
SERIA O MÍNIMO!

Espero que nosso povo não se torne apenas uma população decrescente e sem horizonte.
Sendo assim à todos aqueles que lutaram por seus candidatos, por seus ideais, não tenham lutado meramente por cargos prometidos, e sim por uma cidade melhor mais segura, com saúde, Educação e Lazer.

Espero que a população não se contente apenas com arroz e feijão no prato, temos que exigir igualdade de condições.

Parabéns Tarcisio Marques Reis, a luta vai ser Árdua, porém nada é impossível, pois você agora é o nosso prefeito, o PREFEITO de PAIÇANDU!”

Da leitora Karla Beraldo.

11 Comentários


Opinião

Dentre alguns comentários feitos na postagem abaixo que mostra uma enquete das prioridades do eleitor de Paiçandu, um me chamou atenção por retratar bem como o eleitor faz seu voto de modo imediatista e muitas vezes sem analisar a fundo cada candidato, suas pretensões, propostas, passado, aliados, enfim, tudo que deve ser levado em conta na hora do voto. E como é fato também que após dado o voto o eleitor não participa mais, não quer mais saber do assunto política até que seja reclamado novamente que se compareça de forma obrigatória em outra eleição. Muitos sequer  lembram em quem votou, e como perguntar não ofende, segue o questionamento do leitor Rogério:

“Eu gostaria de perguntar a cada eleitor, a cada cidadão desses que votaram na enquete, se eles lembram em quem votaram na última eleição pra Deputado e Governador, e se lembram em quem foi, porque não usam OS MEIOS que hoje estão disponíveis, para cobrar os políticos, DEPENDE DELES para que se tenha uma saúde melhor, uma educação melhor, uma SEGURANÇA melhor.”

1 Comentário


Opinião

Os últimos e trágicos acontecimentos na PR 323, trouxeram à tona um assunto de extrema importância: A duplicação desta rodovia apelidada de rodovia da morte.

Muitos buscam nestes momentos apontar culpados, mas se faz necessário uma reflexão ampla passando evidentemente pela duplicação mas também por outros aspectos, e sob e esse ponto de vista a leitora Marcia deu a sua opinião:

“Acho sim que a rodovia deve ser duplicada, mas parem de se enganar e colocar toda a culpa no governo. Faz 3 meses que todo final de semana eu e meu marido fazemos o percurso de Maringá a Umuarama e a rodovia não é da morte, e sim os motoristas que são IRRESPONSÁVEIS. É REVOLTANTE quanta imprudência, ultrapassagem pelo acostamento, em faixa contínua, em final de subida, em curva, em ponte, excesso de velocidade, é uma roleta russa. Até quando iremos dizer que isso é culpa do governo? São assassinos atrás de um volante que se acham acima da lei e colocam vidas de pessoas inocentes em risco e geralmente quem provoca o acidente não morre. O problema do Brasil não são os políticos e sim os brasileiros, eles são apenas o reflexo de nosso povo, infelizmente. 
Degradação social pela perda de valores que precisa começar a partir de casa.”

Aqui.

1 Comentário


Opinião

Do leitor, falando sobre sonhos, pesadelos e urubus sobrevoando a carniça:

“Agora sim a candidatura do Paulo Soni vai crescer.
Ele trouxe como reforço o fantástico Luis do Postinho; O magnífico Zebrão; o salve-salve Bravin; o glorioso Sabóia; o super-simpático Heine Macieira e para fechar com chave de ouro, o campeão de votos de Maringá, o super presente Wellington Andrade…
Agora falando sério, Paulo Soni prefeito, Carlos da creche vice e esse bando relacinado acima apoiando, isso tá mais para pesadelo né!
Sabem que estão mortos politicamente em Maringá e querem botar banca aqui em Paiçandu!
Depois eu que sou palhaço, né!
Se o povo eleger esses cidadãos, quem será palhaço?”

Opinião
33 Comentários


Opinião

Da leitora Claudimara, dividindo as responsabilidades sobre os últimos acontecimentos.

“O que está acontecendo em Paiçandu é que o Estado, através da Promotoria, saiu de seu gabinete para vir “in loco”,  fiscalizar as ações do Poder Executivo.

Essa não seria uma função dos vereadores?

Afinal, não seria para isso que são pagos? Cadê a Comissão da Saúde formada por vereadores e vereadoras? Pra que mesmo que serve essa Comissão? Será que mesmo depois de ouvir tantas queixas de pacientes e funcionários de maneira geral, não seria o caso de os nobres vereadores fazerem esse trabalho que está sendo feito pelo Ministério Público, e de maneira menos traumática?

Agora as coisas chegaram no ponto máximo de desprezo e abandono com a coisa pública que não sobrou outra alternativa, a não ser o Estado acampar a cidade.

Que lástima. Que vergonha.

Só espero que cada responsável, assuma sua parcela de culpa por negligenciar com suas funções de representar e defender os direitos dos cidadãos paiçanduenses.”

Opinião
27 Comentários


Moção de Repúdio

Moção de Repúdio à desorganização do espaço noturno paiçanduense!

Paiçandu cresceu como um povoado de gente honesta e trabalhadora, de famílias de agricultores e de pioneiros que aqui se estabeleceram dispostos a construir a cidade que seria aquela de seus sonhos, onde os laços de amizade e de simplicidade de seus habitantes são os traços que permitem que o progresso conviva com a tranqüilidade característica desta cidade que é a um só tempo urbana e rural.

No entanto, o passar dos anos apresenta alguns desafios a serem enfrentados pela sua população. A localização de Paiçandu no que se convencionou chamar de Região Metropolitana de Maringá e a conurbação entre Sarandi, Maringá e Paiçandu insere o município no contexto dos problemas metropolitanos.

E um dos principais desafios a serem enfrentados por uma região metropolitana é a organização do espaço e de sua utilização. Cabe ao poder público disciplinar as formas de utilização desta geografia espacial, buscando a satisfação das demandas públicas por saúde, educação, segurança, esporte, cultura, lazer e habitação.

Quando nos deparamos com a deturpação da ocupação noturna de áreas residenciais de Paiçandu por milhares de jovens, advindos em sua maioria da RMM – Região Metropolitana de Maringá, é de se imaginar o caos gerado, considerando o descasamento de propósitos entre a estrutura de uma área residencial de uma cidade outrora pacata com os objetivos dessa população de jovens, que buscam na noite motivos de diversão.

A amistosidade do povo paiçanduense foi confundida com permissividade e, em que pesem as tentativas de disciplinar a utilização do espaço impetradas pelo efetivo militar municipal, são flagrantes os desrespeitos às leis, às autoridades e às regras de boa convivência, sendo comuns nos principais aglomerados noturnos a ocupação completa de ruas, avenidas e calçadas, o uso de som alto nos carros, a utilização de entorpecentes ilícitos, a embriaguez ao volante, as brigas seguidas de morte, a prática de sexo em frente às residências e toda forma de lixo e excrescência deixados pelos forasteiros aos moradores no dia seguinte às festas.

Desta forma, manifestamos, por intermédio desta moção, o nosso repúdio a esses acontecimentos, solicitando a intervenção do poder público para disciplinar e fiscalizar a utilização deste espaço, fazendo uso de todas as prerrogativas legais como multas, bafômetros, apreensões de veículos e prisões, de forma a garantir o respeito à ordem pública.

Paiçandu é a cidade do futuro e foi contemplada com investimentos para a área do turismo que terão condições de elevar o município a um patamar superior de visibilidade. Resta-nos explorar com sabedoria as riquezas que temos e que construímos a cada dia. O vandalismo e o descaso com o espaço público podem prejudicar o município tanto quanto o toque de recolher indiscriminado das casas noturnas. Por isso acreditamos que seja preciso estabelecer regras claras para os estabelecimentos que vendem bebidas alcoólicas, de forma a chamá-los à sua responsabilidade socioambiental. E o primeiro passo seria não vender bebidas alcoólicas que não fossem para serem consumidas no próprio interior dos bares após às 23:00h. A intenção é causar o menor impacto possível na economia local ao tempo em que a sociedade avalia a eficácia e o cumprimento da medida.

Pronto! Nem tanto ao mar, nem tanto à terra. Afinal, muitos de nós queremos continuar freqüentando os barezinhos noturnos, mas em ambientes saudáveis, pois o que Paiçandu busca é a harmonia e o respeito entre jovens e pioneiros, moradores e visitantes.

Rosinéia Diana Balbino – Membro de conselho de segurança

10 Comentários


Opinião

Da Lirian, sobre protestos e consequências, respondendo à opinião do Marcel neste post:

Só queria deixar claro, que a caminhada foi em protesto. Nós sabíamos que em ano eleitoral, de fato nada seria solucionado (ou seria, por interesses políticos). Então, repito… a caminhada foi em protesto. Para mostrar a indignação do povo. Deixo claro novamente, que foi por esse motivo que não entramos na prefeitura para conversarmos com o prefeito, para respostas sem mais importância do que NÃO foi feito em um pouco mais de 3 anos de mandato.
Entendo as visões de que o protesto não resultaria em nada. Pois a própria palavra PROTESTO não combinaria com resultados a essa altura do campeonato (ou do mandato, no caso).
Sobre o que disse, em relação aos interesses individuais. Não foi bem assim, maioria dos que estavam lá eram de bairros pra cá da rodovia, e estavam reclamando dos atrasos da passarela. Democracia não se faz somente quando um líder representa à todos… E outra, falar disso na “falsa democracia” (isso na minha opinião) que vivemos, pra mim é bem questionável. Tanto que como eu disse anteriormente, um líder não conseguiria nos representar, e demonstar os anseios de todos. Estamos cansados de um mal líder dentro da cidade, e vamos escolher outro para protestar sobre o primeiro? Não faria sentido.


Mas infelizmente, reivindicações, protestos, manifestações, em sua maioria são vistas dessa forma. Acompanho as questões estudantis de dentro da UEM, e vejo como qualquer manifesto é visto como bagunça, vagabundagem. Opiniões contra as atitudes que temos não me abalam mais, principalmente de quem não está com a visão de dentro da situação. Muitos, inclusive eu, que estiveram no protesto, ficamos descontentes com várias coisas que aconteceram durante a realização do mesmo, mas nós temos condições de discutir sobre isso, por que fizemos parte do que aconteceu. Podemos nos ajudar e melhorar para uma próxima.
Só quero frisar que se o protesto tivesse sido de outra forma, teria gente questionando-o também.

E pra finalizar, queria demonstrar o meu descontentamento sobre a sua opinião ser mais ressaltada do que a dos demais que comentaram sobre o protesto neste blog. Acho válida a sua opinião, mas o que me deixou indignada, é que somente a sua foi postada como publicação. Acho até irônico, você vir comentar comigo sobre democracia, quando a sua opinião é colocada em ênfase em relação as outras.
Não quero parecer grosseira com minhas palavras, mas é a minha sincera opinião.

Opinião
4 Comentários