Mês: fevereiro 2014



Posição do Maringá FC parece, mas não é boa

 

Permanecer em terceiro lugar, mesmo com a derrota para o Operário no último domingo, é uma posição na classificação do Maringá FC que parece, mas não é nada boa. Pelo contrário, preocupa em muito o time que corre real risco de não passar para a segunda fase. O torcedor menos atento poderá achar estranho a constatação, já que o time maringaense tem apenas um ponto a menos que os dois primeiros colocados, Coritiba e Rio Branco (13 a 14). Notem, porém, que essa pontuação é de míseros dois pontos para o 9º colocado, o primeiro que fica fora da próxima fase. Analisem a tabela e vejam que o time não pode se permitir a nenhum tropeço nos próximos compromissos que são: em casa, contra o Toledo, nesta sexta-feira, e duas vezes longe da torcida diante de Atlético e Rio Branco, respectivamente.

 

Risível

Equilibrado como está o Paranaense nesta primeira fase — quem hoje lidera pode não se classificar e até o lanterna Toledo reúne chances matemáticas de qualificação à fase seguinte —, existe a possibilidade de que tenhamos uma risível situação na rodada final. Há uma combinação de resultados possível que pode até determinar que a um time será interessante não vencer, para escolher adversário nos confrontos ‘mata-mata’ que vão definir os semifinalistas da competição. Se, por exemplo, o Coritiba chegar à rodada final como está hoje, líder, e o Atlético, como parece vai acontecer, numa posição entre o 4º e 8º lugar, o Coxa pode até perder a partida final para não cruzar com seu principal rival. Ocorre que diferentemente do que fez até agora, o Atlético deve usar sua equipe principal para os jogos da segunda fase.

 

 

Desfalques

O zagueiro Marcelo Xavier, que se contundiu na clavícula, e o volante Zé Leandro, com acúmulo de três cartões amarelos, vão desfalcar o Maringá FC na partida da próxima sexta-feira, às 20h, no Estádio Willie Davids. Juninho tende a ser o parceiro de Fabiano na zaga e Baiano concorre com Fábio Gomes pela vaga no meio-campo.

 

Fase

Não é boa a fase do goleiro Nei. Profissional de indiscutível qualidade, mas precisa dar um tempo na condição de titular até para não se queimar ainda mais. Falhou no Clássico do Café, voltou a ter erros diante do Cianorte e contra o Operário cometeu um pênalti que não poderia, inviabilizando o empate que seria excelente resultado para o Tricolor.

 

Estranho

Sobre o post neste blog tratando da questão de ex-jogadores barrados no Willie Davids, surpreenderam a esse colunista os ‘comentários’ que foram democraticamente publicados. As pessoas fizeram observações como se houvesse a defesa de que todos os ex-jogadores deveriam entrar sem pagar. Não leram com atenção o texto que pede essa honraria apenas para os que integram a galeria de campeões estaduais e esses podem ser contados nos dedos de uma só mão.

 

Arena da Baixada

Surgem indícios de que o estádio do Atlético vai realmente ficar pronto para a Copa do Mundo e o Paraná não vai pagar mico na principal competição do planeta. Faltando pouco mais de 100 dias para a abertura da competição, a praça esportiva chegou a 94% de conclusão. O número de operários no canteiro de obras passou de 980 para 1,5 mil. A previsão é que a entrega do estádio ocorra até o dia 15 de maio, a menos de 30 dias do Mundial.

 

Calendário

Todo o investimento, grande parte de dinheiro público, está sendo feito para que ali sejam realizados quatro jogos da primeira fase. No dia 16, recebe a partida entre Irã e Nigéria. Quatro dias depois, será a vez de Honduras e Equador jogarem no estádio. No dia 23, Austrália e Espanha se enfrentam e por fim, no dia 26, se enfrentam Argélia e Rússia, no dia 26.

 

PARANAENSE – CLASSIFICAÇÃO P J  V  SG

1° Coritiba                                          14 8  4  3

2° Rio Branco                                    14  8  4  0

3° Maringá FC                                   13  8  4  3

4° J. Malucelli                                   12  8  3  3

5° Londrina                                       12  8  3  3

6° Paraná                                           11  8  3  3

7° Cianorte                                         11  8  3  0

8° Prudentópolis                               11  8  3  -4

9° Operário                                        11  8  2  1

10° Atlético                                         9   8  2  3

11° Arapongas                                     7   8  1  -7

12° Toledo                                          4    8   1  -8

Quinta-feira – 27/2

19h30 Coritiba x Operário

20h Rio Branco x Cianorte

Sexta-feira – 28/2

20h Maringá FC x Toledo

20h30 Arapongas x Prudentópolis

Sábado – 1º/3

16h J. Malucelli x Atlético

16h Londrina x Paraná

 

 

1 Comentário


O WD é do Roderley, do Oliveirão, do Maurício Gonçalves…

 

Na Coluna de Edson Lima, leio, triste, que Roderley foi barrado na entrada do Estádio Willie Davids. Na verdade avolumou-se a minha tristeza, já que na mesma semana tinha recebido um pungente telefone de outro ídolo do futebol local clamando que havia sido alvo da mesma discriminação. Oliveira, o lateral que detém a condição de único jogador que esteve em campo em dois dos três títulos que o futebol profissional de Maringá conquistou (1963 e 1964), também teve acesso impedido por uma desinformada portaria. Tá que os profissionais destacados para controlar a entrada no estádio municipal não têm a responsabilidade de saber quem é quem. Mas eles também não sabem quem são os figurões que adentram a praça esportiva com verdadeiras comitivas sem desembolsar um único centavo. No entanto eles entram. Em profusão. Não é sábio condenar isso, pois os dirigentes exercem o direito de liberar acessos por motivos ou interesses pontuais. Agora, não é motivo mais que suficiente permitir que ex-jogadores que deram contribuição histórica para o futebol local também assistam as partidas como convidados especialíssimos? É, certamente é.

É imprescindível que se crie uma permanente para essas duas lendas (e algumas outras) dando-lhes a prerrogativa de adentrar o WD quando e onde bem quiserem. Afinal, suas hoje cansadas pernas percorreram centenas de quilômetros daquele gramado correndo atrás de conquistas que hoje nos orgulham. Não ganharam dinheiro, já que no dois casos são homens que vivem de forma modesta, mas têm seus lugares na história (e não no estádio) e isso precisa ser respeitado. O Willie Davids é do Roderley, do Oliveirão, do Maurício Gonçalves, do Itamar, do Wilsinho Capeta, do Bugrão…

12 Comentários


Maringá FC não deve mudar, mas poderia

 

Na boa sequência que teve nas quatro primeiras rodadas do Paranaense, Claudemir Sturion descartou mudar a formação titular do Maringá FC embasado no argumento de que em time que está ganhando não se mexe. Triunfos sobre Coritiba e Arapongas em casa, Paraná, em Curitiba, além do empate com o J. Malucelli, também na capital, levaram o treinador a considerar que tinha definido sua ‘espinha’ dorsal. Diante do Prudentópolis, derrota em casa, e contra o Londrina, novo insucesso no campo do rival, não abalaram a convicção do treinador que se mantém com a ideia de que alterações só devem mesmo ser feitas por imposições clínicas. Tanto que ele projeta repetir os titulares que caíram por 3 a 2 no Clássico do Café, mesmo tendo o meia Max recuperado e em condições de retomar a vaga que foi ocupada por Gilvan. Tá que o camisa 10 foi um dos destaques no prélio contra os londrinenses sendo, inclusive, autor de um belo gol. Mas, Max não poderia ser encaixado no sistema de meia-cancha para a partida diante do Cianorte? Ambos têm características ofensivas na armação e o time com eles teria força maior na frente. Fica a dúvida sobre quem perde a vaga para possibilitar essa constituição. São em dois setores as probabilidades: sacrificar um dos volantes — Zé Leandro ou Léo Maringá — ou abdicar de dois atacantes oficiais desfazendo a dupla Gabriel Barcos e Cristiano. É certo que Sturion tem essas fórmulas na cabeça, porém é pouco provável que ele use uma delas para começar o jogo desta quinta-feira. Com a partida em andamento isso acontecerá, certamente. Quer seja para correr atrás de eventual prejuízo, ou para administrar casual vantagem no placar.

Comente aqui


Clássico do Café. Então não é?

Há quem combata na defesa da tese de que a denominação Clássico do Café não se aplica no caso do jogo deste domingo, visto que opõe agremiações que vão se enfrentar pela primeira vez. O Maringá FC foi fundado em 2010 e só agora experimenta a divisão de elite do Estado. Mas é preciso ponderar que a expressão existe porque historia os feitos das duas cidades que desde o século passado polarizam as regiões onde mais se floresciam cafezais proporcionando o crescimento que hoje se vê.

Por se tratar de agremiações diferentes, não se justifica deixar de usar o histórico nome. Fosse assim, poucas vezes teria sido disputado o jogo na condição de clássico, já que ao longo da história os times foram alterando suas razões sociais e até de cores mudando. O hoje Londrina Esporte Clube nasceu Londrina FC, passou a ser Londrina de Futebol e Regadas, foi Paraná de Londrina antes de assumir o nome atual. E nesse percurso até ostentou camisas vermelhas nos anos de 1970, 71 e 72. Pela Cidade Canção o Grêmio Esportivo Maringá (campeão em 1963 e 1964) se tornou Grêmio de Esportes Maringá (campeão em 1977), foi extinto e deu lugar ao Grêmio Maringá S/S e no entanto os confrontos entre os dois municípios seguiu sendo o Clássico do Café. Mesmo quando representavam os maringaenses o azul Maringá Esporte Clube, o tricolor Maringá Atlético Clube além do Galo Maringá. Estas agremiações poucas vezes disputaram a interurbana porfia, mas quando o fizeram sempre foi alcunhada de Clássico do Café. Noutras modalidades quando há o choque também se usa. “Ciagym e Londrina fazem o clássico do café no futsal”, sempre se lerá, ou no handebol, no vôlei, no basquete…

Enfim, se fosse para deixar de usar o termo toda vez que os clubes mudassem suas siglas, o confronto tinha que deixar de ser Clássico do Café há muito tempo. Mas não, foi mantido e hoje está consolidado. Maringá e Londrina vão se enfrentar, então vai ter Clássico do Café, mesmo que da cultura que Nelo Palheta trouxe para o Brasil o pouco que existia no nosso Paraná tenha sido dizimado na geada de 2012.

Tem peso histórico. Serve para que não nos esqueçamos da lavoura que alavancou esse progresso que hoje se contata neste pedaço de chão que o País todo respeita. Como será sempre da soja o clássico envolvendo Toledo e Cascavel, mesmo que, com lá também com frequência acontece, as siglas dos clubes sejam alteradas. Diferente não será com o clássico Algodão Doce, que não mudará de nome se Cambará e Bandeirantes voltarem à cena do futebol, mesmo que não seja com os inesquecíveis Matsubara e União Bandeirante.

Os clubes podem ser outros, mas as cidades e as torcidas, em consequência a rivalidade, se renovam mas não mudam.

4 Comentários


Cai Douglas Chiarotti e Argentino assume o Moda Maringá

 

Treinador do Vivo Minas na temporada passada, o argentino Horacio Dileo é o novo técnico do Moda Maringá nas disputas da Superliga Nacional de Vôlei Masculina. Ele será substituto de Douglas Chiarotti que se desligou do clube nesta quinta-feira. Sétimo colocado na classificação da principal competição da modalidade no País, o Moda Maringá briga por uma das oito vagas para os playoffs que vão definir as equipes para o torneio semifinal. No caso de não melhorar essa posição até o término da primeira fase, tende a enfrentar um dos favoritos ao título (Sada Cruzeiro ou Sesi) nos mata-matas. Além de Douglas Chiarotti, também o seu auxiliar Jarbas Soares deixou a equipe. A estreia do novo comandante técnico, que deve se apresentar nesta sexta-feira, será já no sábado quando o time enfrenta o São Bernardo, às 19h15, no Ginásio de Esportes Chico Neto.

Comente aqui


Derrota em casa é sinal de alerta para o Maringá FC

 

 

O lado ruim de ‘estar bem’ no Campeonato Paranaense é que resultado diferente de vitória tem consequências desastrosas. É o caso do Maringá FC com a derrota em casa diante do Prudentópolis no domingo. Exceto a condição de clube que mais leva torcida ao campo, o Tricolor sofreu considerável baque nas suas estatísticas. Perdeu a invencibilidade, distanciou-se da artilharia (Fabiano, zagueiro, com dois gols e o principal goleador); teve queda do percentual de aproveitamento de 83% para 66% e não tem a ‘gordura’ que poderia ter na classificação. Um novo insucesso na próxima rodada — vai enfrentar o Londrina no que, por mais que insistam, sempre será chamado de Clássico do Café —- corre risco de despencar para a sétima posição. Há uma combinação matemática que pode determinar essa tragédia. Além de que, na luta que trava com Rio Branco e J. Malucelli pela condição de ataque mais eficiente, viu os rivais avançarem com três gols de vantagem.

Preocupante por um lado, mas um sinal de alerta que se acende na hora certa. Notou-se um certo excesso de confiança no time de Claudemir Sturion com a sequência de resultados interessantes com vitória e empate em Curitiba diante de Paraná Clube e J. Malucelli, respectivamente, além dos triunfos em casa diante de Coritiba e Arapongas. Com isso, o time não absorveu o apoio da torcida e acabou surpreendido pelo Prudentópolis na derrota por 1 a 0 numa partida na qual até o antes destaque Gabriel Barcos teve atuação apagada. A mudança de última hora, com a impossibilidade de aproveitar o zagueiro Fabiano, com diarreia, e o meia Max, lesionado na coxa, desfigurou a formação titular de uma forma inexplicável. Desentrosada, a zaga, composta por Marcelo Xavier (que voltou ao time), e Diego (supriu a ausência de Fabiano), se mostrou preocupantemente confusa. Exemplo desse ‘branco’ foi o gol do Prudentópolis que saiu a partir de um arremesso manual. A bola, sem a velocidade que teria um cruzamento com os pés, passou a meia altura por todo o sistema defensivo e foi encontrar no interior da área pequena, desmarcado, o oportunista Wellington que marcou o gol da justa vitória da equipe de Ivair Cenci.

 

Público

Maringá segue sendo destaque no que concerne à presença de público no estádio. Na partida diante do Prudentópolis o número de pagantes foi praticamente o mesmo do Atletiba. Os melhores públicos foram: Atlético x Coritiba – 5.387 pagantes, 6.278 no total; Maringá FC x Prudentópolis – 5.284 pagantes, total 5.670; Operário x Paraná – 3.036 pagantes, total 3.528 e Arapongas x Londrina 2.407 pagantes e 2.693 no total.

 

 

Ingressos

Há um ruidoso movimento em relação à questão do acesso ao Estádio Willie Davids para aposentados. Como nas duas partidas anteriores a diretoria liberou a entrada para torcedores dessa categoria, houve muita reclamação quando o clube optou pela cobrança de meia entrada. O que diz a lei, segundo o Procon?

 

Obrigação

É prerrogativa da instituição promotora do evento liberar a entrada, mas obrigação mesmo é de cobrar meio ingresso. Leia: estudantes do ensino fundamental, médio e superior – público e particular – (Lei Estadual 11.182/1995); idosos – com idade igual ou superior a 60 anos – (Lei Federal 10.741/2003 – Estatuto do Idoso); doadores de sangue registrados em hemocentro e bancos de sangue de hospitais do Estado (Lei Estadual 13.964/2002); e professores da rede de ensino público e particular do Paraná (Lei Estadual 15.876/2008) têm direito à meia-entrada.

 

Opção

Ainda é comum a venda generalizada de ingressos com 50% de desconto, mediante a doação de um quilo de alimento. Neste caso, o estudante, professor, idoso, ou doador de sangue tem o direito a pagar a metade deste valor cobrado com a doação.

 

Sanções

Se o estabelecimento recusar-se a oferecer o desconto, é preciso guardar o comprovante do valor pago e ir até a sede do órgão, ou se dirigir aos Procons municipais para efetuar a reclamação, e trazer o RG, CPF e comprovante de residência. Caso a instituição promotora do evento não conceder o desconto da meia-entrada, poderá receber sanções administrativas, que incluem entre outras, multa e possível suspensão de alvará de funcionamento.

 

 

 

Coritiba

Em tese, quem conseguiu tirar pontos do Coritiba até agora conseguiu, pois doravante será difícil parar o Coxa que vai verdadeiramente entrar na briga pelo pentacampeonato da competição. Alex e companhia, que até agora estavam sendo poupados, entram em ação para tirar a equipe da esdrúxula 10ª colocação na classificação. A derrota no Atletiba do último domingo foi a última chance do time alternativo que perdeu duas vezes (para Maringá FC e Atlético), empatou outras duas (diante de Arapongas e Cianorte) e venceu apenas o Paraná Clube.

 

 

Tensão

Promete ser tenso o confronto entre Londrina e Maringá FC no próximo domingo no Estádio do Café. A posição das equipes na tabela permite uma troca de posição no caso de vitória do Tubarão por dois gols de diferença. Os maringaenses certamente vão em busca de um empate que, pelas circunstâncias, será considerado resultado muito bom

 

 

 

 

Comente aqui


Com 14 titulares, Maringá FC vive ‘bom problema’

Com 14 titulares, Maringá FC vive “bom problema”

 

A desgastada expressão ‘bom problema’ se aplica para o momento que vive o técnico Claudemir Sturion no comando do Maringá FC. Invicto no Estadual, liderando a competição e incensado por uma torcida que a cada rodada se empolga, o treinador tem ‘quatorze titulares’ para escalar diante do Prudentópolis neste domingo. Os treinos da semana indicam mudança na zaga, onde Marcelo Xavier tende a retornar para compor a dupla defensiva devolvendo Juninho para o banco de suplentes. Ocorre que enquanto esteve no time, Juninho atuou com destaque e o setor em nenhuma oportunidade viu adversário pôr bola na rede do goleiro Nei. Contra o J. Malucelli, 0 a 0, fora de casa; e diante do Arapongas 3 a 0. A estatística, então, está do lado do jogador, já que ele viu do banco o time tomar o único gol nas quatro partidas disputadas, que foi na estreia contra o Coritiba, no Willie Davids. Confirmando o retorno de Xavier, Sturion desmontará o paradigma de que em time que está ganhando não se mexe.

Na ala esquerda uma outra possibilidade atormenta o treinador. Fernandinho vem cumprindo seu papel, mas está acossado por André Medeiros que chegou com o status de quem foi titular no ASA de Arapiraca nas disputas do Brasileiro da Série B. Não foi contratado para ‘esquentar’ banco, há consenso sobre isso entre os próprios dirigentes. Neste setor a tendência é de que o nordestino tenha que provar seu direito á titularidade entrando no decorrer das partidas, por uma questão de justiça.

Onde parece mais fácil resolver a questão é no ataque, pela justificada constatação de que o artilheiro do time é o zagueiro Fabiano, com os gols que fez contra Coritiba e Arapongas. A média de gols feitos pelo homens de frente é baixa. Foram, dos seis gols marcados nas quatro partidas, apenas dois de ofensores especialistas – Gabriel Barcos e Fábio Martins. O que fecha a conta são os gols de Leandrinho e Max, meias de armação.

Isso estabelece perspectivas boas para Cristiano, artilheiro do time com 13 gols no título da Divisão de Acesso em 2013. Esteve no Misto-MS, voltou porque teve proposta irrecusável e seu faro de gols tem se evidenciado nos treinamentos. Como Gabriel Barcos é um dos preferidos da torcida e cumpre com êxito a função de “voltar para buscar o jogo”, a ameaça, neste caso, paira sobre Fábio Martins. Quem vai jogar? Façam suas apostas e confirmem o resultado momentos antes do jogo.

 

Conhecidos

Além dos técnicos Ivair Cenci e Joel Preisner (o time tem inédito duplo comando desde a Divisão de Acesso), o Prudentópolis apresentará no próximo domingo diante do Maringá FC, no Willie Davids, diversas caras conhecidas do torcedor. Os jogadores Tiaguinho, Sorbara, Edson Grilo, Thiago Henrique, Irineu e Cabixi estiveram no Metropolitano no ano passado.

 

Bombeiro

Para o forte calor que segundo a previsão voltará a fazer no domingo em Maringá, as autoridades deveriam providenciar a gentiliza do Corpo de Bambeiros de premiar os torcedores da arquibancada descoberta com uma refrescante ducha no intervalo do jogo. Isso já foi feito em épocas passadas e a felicidade da galera foi geral.

 

 

Torcida

Por justificados motivos, o torcedor do Maringá FC queria o êxito do Atlético Paranaense na partida da última quarta-feira quando o Furacão decidiu vaga na fase de grupos da Libertadores com o Sporting Cristal. É bom que o Rubro-negro continue focando o torneio continental e que siga desprezando o Estadual, como fez no ano passado. Dessa forma a tendência é que seja apenas o Coritiba o adversário a ser batido na briga pelo título do Paranaense, já que o Paraná também faz campanha pífia no regional.

 

Sofrimento

Os atleticanos conseguiram, nos pênaltis, superar os peruanos. Mas, convenhamos, foi um sufoco. O time deixou a desejar e apresentou nível técnico que deve fazer dele ‘saco de pancadas’ no principal torneio da América do Sul.

 

 

 

 

Comente aqui


Contra o Prudentópolis, Maringá busca confirmar bons números

 

Na partida deste domingo diante do Prudentópolis no Estádio Willie Davids, o Maringá FC estará em busca da confirmação dos bons números que alcançou com as quatro rodadas já realizadas. Manter a liderança isolada é o objetivo principal, fato que praticamente antecipará a classificação da equipe para as quartas de final. Depois, a meta é continuar como praça de melhor público. Nos dois jogos realizados no WD a média de torcedores é de 7.710 no total, com 6.611 pagantes. Outros números que o Tricolor tem como foco: manter o melhor saldo de gols (5); a melhor defesa (1 gol sofrido) e o mais elevado percentual de aproveitamento que é de 83,3%. Também querem os maringaenses alcançar e superar Rio Branco e Malucelli na condição de melhor ataque. Ambos marcaram sete vezes contra seis dos comandados de Claudemir Sturion. E, por fim, se possível for, colocar alguém na disputada da artilharia dominada pelo cianortense Marquinhos Cambalhota que marcou três vezes. Os goleadores de Maringá são o zagueiro Fabiano, que marcou duas vezes, Gabriel Barcos, Max, Fábio Martins e Leandrinho, com um gol cada.

Para conseguir o feito, o Sturion terá força total contra o time que tem duplo comando de conhecidos dos maringaenses: Ivair Cenci e o ex-jogador Joel Preisner. Marcelo Xavier se recuperou de contusão e pode voltar ao time no posto onde Juninho atuou (e correspondeu) nas duas últimas partidas. E poderá, se julgar necessário, lançar mão de dois reforços que tiveram documentação regularizada e estarão à disposição – o lateral-esquerdo André Medeiros e o atacante Cristiano. Medeiros disputou o Brasileiro da Série B pelo ASA de Arapiraca e Cristiano, que estava no Misto-MS, é o mesmo que na conquista do acesso no ano passado foi o artilheiro do Tricolor com 13 gols marcados.

 

 

Camisas

A motivação do maringaense pelo Maringá FC pode ser sentida com o crescente número de camisas usadas pelas ruas por torcedores demonstrando empolgação pela campanha até agora. Também está agradando os dirigentes o número de adesões ao plano Sócio Torcedor. Os que aderem pagam, em compra antecipada, somente meia-entrada nas partidas do time no Estádio Regional Willie Davids, têm descontos nos produtos oficiais do time e desconto também em lojas, supermercados e farmácias que se tornarem parceiras do clube. O custo da anuidade para obter o cartão do Sócio Torcedor é de R$ 348, que pode ser parcelado em 12 vezes de R$ 29.

 

 

Arapongas

Leandro Niehues é o substituto de Lio Evaristo no comando técnico do Arapongas, que divide a lanterna na classificação com o Atlético com apenas dois pontos ganhos. Com 40 anos o técnico, foi vice-campeão do Paranaense de 2009 com o J. Malucelli, esteve a frente do time principal do Atlético-PR durante o Campeonato Paranaense de 2010 e no Brasileirão 2010, mas neste mesmo campeonato, voltou a ser auxiliar técnico dessa vez de Paulo César Carpeggiani.

 

Calor

O forte calor que ‘queima’ em todo o Estado levou o Toledo a solicitar a alteração da mudança e horário do seu jogo do próximo domingo no Estádio 14 de Dezembro. Querem os toledanos que o compromisso diante do Cianorte, marcado para às 17h, seja transferido para às 19h. A sensação térmica na arquibancada descoberta chega aos 55 graus centígrados, argumentou o presidente do Porco, Irno Picinini no ofício enviado para a FPF pedindo a mudança.

 

 

Paraná Clube

Com três derrotas e um empate, a pressão sobre o técnico Milton Mendes do Paraná Club é grande. É pouco provável que o treinador se mantenha no cargo no caso de resultado diferente de vitória na partida deste domingo diante o Operário Ferroviário no Estádio Germano Krugger, em Ponta Grossa.

 

Coritiba

O Atletiba de domingo, às 19h30, será a despedida para o time B do Coritiba que vem atuando no Estadual sob comando do técnico Zé Carlos e faz campanha abaixo do esperado. A equipe ocupa a sexta posição, com cinco pontos ganhos. A partir da sexta rodada, no domingo seguinte, Alex e companhia, sob orientação de Dado Cavalcante, assume a responsabilidade de devolver à equipe coxa branca a condição de favorita ao título. O Alviverde á o atual tetracampeão.

 

 

Keirrison

Uma da metas da comissão técnica coritibana com a utilização da equipe alternativa era devolver ritmo de jogo para o atacante Keirrrison que se refez de cirurgia. Não deu certo. Em nenhuma das partidas o jogador conseguiu se apresentar bem e nem deve ser relacionado para jogos do time principal.

 

Homenagem

O Coritiba é um dos cinco grandes clubes brasileiros que têm suas camisas fornecidas pela Nike que lançaram oficialmente seus respectivos uniformes número 3, todos com predominância da cor amarela, em homenagem à seleção brasileira no ano em que o País será sede da Copa do Mundo. Os outros são Santos, Corinthians, Internacional e Bahia.

 

4 Comentários


Reflexões sobre a fase do Maringá FC no Paranaense

 

O grau de exigência em relação ao Maringá FC cresce à medida que o time se consolida como destaque do Paranaense 2014. No domingo, após o triunfo sobre o Arapongas, e em consequência a manutenção da liderança na classificação de forma isolada, ouviu-se muito mais críticas pelo pálido segundo tempo do que elogios pela quase perfeita primeira etapa, quando o time construiu o placar de 3 a 0. É assim. Não tem outra forma. Doravante não vai bastar ao time vencer oponentes e somar pontos; será preciso convencer torcedores e a crítica a cada jogo.

Têm razão os que condenaram a pouca objetividade da equipe de Claudemir Sturion na etapa final quando enfrentou um time de recursos técnicos limitados e que tinha um homem a menos (Rafael Santos foi expulso no final do primeiro tempo). Mas não se pode desprezar a naturalidade de um time que inconscientemente se poupa quando joga sob um calor de quase 40 graus e tem o resultado praticamente assegurado. Evitaram o desgaste. Tiraram o pé. Desviaram-se de situações com possibilidades de contusões de olho em compromissos vindouros, mas em nenhum momento colocaram a vitória sob risco, é preciso ponderar.

 

Bem

Sofrer uma pressão no segundo tempo da partida contra ao Arapongas, serviu para evidenciar que o goleiro Nei está em excelente fase. O guarda-metas fez duas defesas que deixaram bem claro ser ele o dono da titularidade na equipe.

 

Nome próprio

A torcida Fúria Alvinegra não optou por mudar de nome, mesmo com o time que apoia seja tricolor (preto, branco e verde). Natural que seja assim. Sabemos todos que a origem da organizada, em 2005, é o Galo Maringá que era bicolor. Não é necessária a mudança. É imprescindível que esse apoio continue até porque, diferentemente do que acontece em grandes centros, a facção maringaense é pacífica e ordeira.

Preocupação

Não faz sentido o temor de que ficar na ponta da classificação pode ser prejudicial para o Maringá FC em decorrência das campanhas ruins que fazem Coritiba, Atlético e Paraná. O argumento dos menos otimistas de que nos ‘mata-matas’ os clubes da capital vão usar seus times principais, deixam a impressão de que chegar na ponta da tabela pode ter esse desafio na segunda fase.

 

Projeção

Mantendo-se na liderança até o final da fase, o MFC vai enfrentar o oitavo colocado que ‘pelo trotar das potrancas’ pode ser um dos três curitibanos. Os confrontos serão 1º x 8º, 2º x 7º, 3º x 6º e 4º x 5º. Isso acontecendo, o Tricolor terá a vantagem de fazer o segundo confronto em seu estádio.

 

Série D

Além do mais, um bom desempenho na atual fase pode ser decisivo para assegurar uma das duas vagas que o Paraná terá para as disputas da Série D do Campeonato Brasileiro e, eventualmente, Copa do Brasil. A pontuação na classificação geral é que vai determinar o direito de disputa.

 

 Centenário

Na Segunda Divisão do Estadual, caiu no ano passado, o Iraty completa neste 2014 o seu centésimo aniversário. É o quarto mais antigo clube paranaense, atrás apenas de Coritiba, Rio Branco e Operário de Ponta Grossa.

 

Dança

Começou na quarta rodada a dança dos técnicos no Paranaense. Lio Evaristo, após perder para o Maringá FC no domingo, acertou na segunda-feira com a diretoria do Arapongas a rescisão de seu contrato. Deixa o time na lanterna da classificação com duas derrotas e dois empates.

 

1 Comentário