Mês: julho 2014



De que lado, no Willie Davids, vai correr a musa assistente?

 

Que a presença de Fernanda Colombo Uliana como uma das assistentes para a partida de domingo entre Maringá FC e Brasil de Pelotas vai ampliar o número de torcedores no Willie Davids, neste domingo, não existe dúvida. Muitos vão acorrer ao municipal para ver de perto a musa que obteve projeção nacional por beleza no bem torneado corpo e por conta dos equívocos que cometeu bandeirando na Copa do Brasil, na vitória do São Paulo por 3 a 0 sobre o CRB, e também no clássico mineiro na Série A entre Atlético e Cruzeiro, que terminou com a vitória do Galo por 2 a 1. Nos dois confrontos, em maio, a bela cometeu ‘errinhos’ que a levaram a passar por um processo de reciclagem. Este blog recorreu ao consultor para assuntos de arbitragem, Dirceu Oscar de Mattos, para saber em qual dos lados do campo a musa vai correr no exercício do seu trabalho. E soube o seguinte. Como na escala da CBF ela aparece como assistente número 1 (é aspirante à Fifa), é norma que fique no lado onde estarão posicionados na mesa o delegado da partida e o 4º árbitro, que será o maringaense Paulo Roberto Alves Júnior. Então, a loira estará mais perto dos olhos do torcedores que se acomodarem nas cadeiras cobertas. Seu colega, o também catarinense Thiaggo Americano Labes, é assistente número 2 e estará trabalhando na linha próxima às arquibancadas descobertas.

1 Comentário


Sem ‘cão-de-guarda’, Felipão deve optar por três zagueiros

 

Sem cão de guarda, Felipão pode optar por três zagueiros

 

 

Há males que veem para solução. Felipão perde seu ‘cão de guarda’ Luiz Gustavo, volante essencialmente marcador e incapaz de uma assistência, mas ganha a oportunidade de refazer seu até então ineficiente sistema tático para sobreviver nessa preocupante Copa do Mundo. Diante da Colômbia, o treinador tende a adotar a utilização de três zagueiros. Foi com esse esquema que ele voltou da Ásia em 2002 comemorando o pentacampeonato. Então, Lúcio, Edmílson e Roque Júnior, guarneciam o setor defensivo permitindo profícuos avanços de Roberto Carlos e Cafu pelas alas. Esse comportamento permitia liberdade para a ação do trio Ronaldinho Gaúcho/Rivaldo/Ronaldo. E os gols saíram em profusão.

Felipão tem Ramíres e Paulinho para a substituição simples de um homem pelo outro. Usar Hernanes também é uma variação possível. Tomara que não faça isso. Com três zagueiros (Dante seria o outro, não Henrique), seus medianos laterais (Daniel Alves e Marcelo) poderão ousar como dianteiros e dividir a atenção dos marcadores proporcionando assim espaços para Neymar tentar jogar, coisa que não tem conseguido.

Comente aqui