Mês: março 2016



A goteira rente ao telhado

No futebol, sabemos todos, a goteira nunca cai longe do telhado. O início de temporada do Maringá FC, conturbado, atrasado, com evidência de dificuldades (confirmadas) por conta da falta de patrocinadores, além do racha entre dirigentes, autorizava a projeção de que a luta seria para evitar o rebaixamento. Não deu. A campanha pífia, com duas míseras vitórias, devolvem o time à condição de mais uma vez disputar a Segundona. Como fez em 2013. Ficam as lições, duras, de que existe a necessidade de união entre os donos da marca (Zebrão, seu irmão João Curitiba e Paulinho Regini). Os dirigentes, que logram êxitos paulatinos desde que fundaram a empresa em 2010, com acessos sequentes até a elite, em 2014, incluindo o vice-título, têm (juntos) potencial para fazer futebol profissional com mais eficiência. Vem aí a Série D do Brasileiro. É juntar os cacos e recomeçar. Vida que segue!

4 Comentários


Da própria força e do milagre

Das expressões prosaicas do futebol, duas das mais corriqueiras são ‘depende da própria força’ e ‘depende de um milagre’. Não raro recorremos a elas para definir situações de equipes que titubeiam ao longo da temporada por conta de questões que nem são tão relevantes quando a vaca põe uma das patas no brejo. É o caso do Maringá FC. Permitir que o Londrina chegasse ao empate no clássico do último domingo (vencia por 2 a 1, de virada, até os 30 minutos do tempo final) deixou a Zebra em situação pendular. Para se manter na divisão de elite necessita de triunfo sobre o Coritiba na rodada final, na capital. Com isso a degola não se consuma. Esse contexto sintetiza o ‘depender da própria força. Mesmo que perca o confronto contra o já classificado Coritiba, que não corre risco de ficar fora do G-4, os maringaenses poderão se beneficiados por uma eventual vitória do Rio Branco sobre o Cascavel, no oeste. Empates nos dois casos também servem para a Zebra. E aqui, convenhamos, nem é tão ‘depender de um milagre”.

De um milagre o time maringaense vai precisar mesmo é para, pasmem, classificar-se à fase seguinte entre os oito que vão definir os semifinalistas. E é matematicamente possível. Mas complicado.

Com nove pontos ganhos, o MFC, somando outros três diante do Alviverde, no Couto Pereira, chegará à frente de Rio Branco e Toledo, desde que essas equipes sejam derrotadas por Cascavel e Atlético, respectivamente. Toledanos e cascavelenses jogam em casa.

Outras possibilidades são derrotas de PSTC, contra o Paraná Clube, e do Foz do Iguaçu, diante do Operário. O primeiro joga com apoio do seu torcedor em Cornélio Procópio; o time da fronteira estará em Ponta Grossa enfrentando o Operário, lanterna na classificação mas ainda com chances de evitar o descenso. Nestes casos a Zebra precisará desbastar a diferença no saldo de gols que lhe é desfavorável: o Maringá FC tem -6, o PSTC -3 e o Foz -5.

CAMPEONATO PARANAENSE

Sábado – 19/3

J. Malucelli 0 x 0 Toledo

Domingo – 20/3

Maringá FC 2 x 2 Londrina

Rio Branco 0 x 1 PSTC

Cascavel 0 x 2 Operário

Foz do Iguaçu 3 x 3 Paraná Clube

Atlético 0 x 2 Coritiba

CLASSIFICAÇÃO P J V SG

1 J. Malucelli                         21    10    6    3

2 Paraná                                  20    10    6    5

3 Coritiba                               17    10    5    13

4 Atlético                               16    10    4    5

5 Londrina                            12    10    5    5

6 PSTC                                   12    10    3    -3

7 Foz do Iguaçu                  12    10    3    -5

8 Rio Branco                       11    10    3    1

9 Toledo                                11    10    3    -1

10 Maringá FC                    9    10    2    -6

11 FC Cascavel                    9    10    2    -8

12 Operário                          8    10    2    -9

Última rodada

Domingo – 27/3

16h Coritiba x Maringá FC

16h FC Cascavel x Rio Branco

16h Londrina x J. Malucelli

16h Operário x Foz do Iguaçu

16h Toledo x Atlético

16h PSTC x Paraná Clube

Comente aqui


O drama dos interioranos no Estadual

Equilibradíssimo na zona abaixo do quarteto da capital, o Campeonato Paranaense terá uma penúltima rodada dramática. Todas as equipes na briga por uma vaga entre as oito que passam à próxima fase e nenhuma delas sem chances de queda para a Segunda Divisão. Cruzes!, repito a expressão do post anterior. Será de choro, ranger de dentes e cheiro de enxofre o final de semana. A começar pelo clássico entre Maringá FC e Londrina. As equipes se enfrentam em combate que promete ser desesperador. Os donos da casa, com 8 pontos ganhos, estarão com os dois pés na Segundona se perderem para o Tubarão, como fizeram na decisão do título em 2014 e nas quartas de final do ano passado, no mesmo Willie Davids onde o choque vai acontecer às 11h. O Tubarão tem 11 pontos e também ficará em situação delicada se não somar pelo menos um ponto. Mas sobre os azuis a pressão é menor. Se não vencerem, terão a rodada final com uma partida em casa diante dos ‘parentes’. O Londrina, que tem como gestor o empresário Sérgio Malucelli, vai enfrentar o J. Malucelli. Alguma dúvida sobre o resultado se os pontos forem imprescindíveis para o LEC? A Zebra, então, tem que botar de molho as suas barbas.

Outros jogos envolvendo equipes interioranas, veja tabela, também serão verdadeiras brigas de foice.

10ª RODADA

Sábado – 19/3

18h30 J. Malucelli x Toledo

Domingo – 20/3

11h Maringá FC x Londrina

16h Rio Branco x PSTC

16h Cascavel x Operário

16h Foz do Iguaçu x Paraná Clube

16h Atlético x Coritiba

ÚLTIMA RODADA

Domingo – 27/3

16h Coritiba x Maringá FC

16h Cascavel x Rio Branco

16h Londrina x J. Malucelli

16h Operário x Foz do Iguaçu

16h Toledo x Atlético

16h PSTC x Paraná Clube

CLASSIFICAÇÃO                   P        J          V          SG

1 J. Malucelli                            20      9          6          3

2 Paraná                                    19        9         6          5

3 Atlético-PR                           16        9         4          7

4 Coritiba                                14          9         4          11

5 Londrina                              11          9         5          5

6 Rio Branco                          11          9         3          2

7 Foz do Iguaçu                    11          9          3          -5

8 Toledo                                  10         9          3          -1

9 PSTC                                     9           9          2          -4

10 FC Cascavel                      9           9          2          -6

11 Maringá                              8           9          2          -6

12 Operário                             5           9          1           -11

Comente aqui


Na penúltima rodada, MFC x LEC pode ser jogo dramático

O TJD da Federação Paranaense de Futebol manteve a punição ao Londrina com perda de seis pontos por utilização irregular do volante Germano na partida de estreia do Campeonato Paranaense quando o Tubarão venceu o PSTC por 2 a 0. Germano não poderia jogar por conta da expulsão (por agressão ao atacante Negueba) na partida da semifinal de 2015 contra o Coritiba. A diretoria londrinense ameaça recorrer ao STJD. Tolice. As evidências de culpa são muitos fortes e a possibilidade de nova derrota é muito grande. Então, o LEC precisa se conscientizar que tem oito pontos na classificação e no caso de perder para o Operário, em Ponta Grossa, sua situação vai se complicar.

Com o eventual insucesso dos londrinenses no Germano Krügger e um triunfo do Maringá FC sobre o Foz do Iguaçu, no Willie Davids, nesta oitava rodada, o clássico MFC x LEC na rodada seguinte será (mais uma vez) dramático. Oporá os times com oito pontos e o perdedor poderá arder nas chamas do rebaixamento. Cruzes!!!

1 Comentário


Um campeonato embutido no Campeonato

Este sítio tratou, há alguns posts, do quão democrática estaria na atual temporada a luta para evitar o rebaixamento à Segunda Divisão do Estadual. Errou por isentar apenas o trio de ferro de fazer parte da lista dos concorrentes à degola. Não projetou que o J. Malucelli faria a exemplar campanha que está fazendo. Corrijamos então, a projeção: descartando o ‘quarteto’ da capital, todos os demais participantes do Estadual estão na luta para evitar o vexame do descenso para 2017. Todos. Incluindo, com chances maiores, inclusive, o atual campeão Operário e também embutindo nesse caldeirão o Londrina, um dos representantes do Paraná na Série B do Brasileiro.

Observem a tabela de classificação e encontrem, do Foz do Iguaçu abaixo, as equipes empatadas tecnicamente na pontuação que indica o campeonato medíocre que fazem os interioranos. Sete pontos têm Londrina, Rio Branco, Toledo e Cascavel; cinco fez o Maringá FC e quatro o Operário. O cenário que fechou a sétima rodada pode se alterar com os resultados da oitava, trazendo, inclusive, para essa ‘briga de foice’ o PSTC e o próprio Foz.

Então, nas três rodadas finais desta primeira fase teremos outro campeonato. Aquele que destinará duas equipes para arder nas chamas do rebaixamento; igual número formando a dupla dos que só perderam tempo na temporada (nada ganham e nada perdem) e quatro que vão meramente fazer figuração nas quartas de final. Vai ser emocionante!

Veja o trajeto das equipes ameaçadas no restante da competição. Observem que todas terão duas partidas em casa e duas fora, exceto o Cascavel, que vai jogar três vezes em seu campo.

Foz do Iguaçu – Rio Branco (c), Maringá FC (f), Paraná Clube (c) e Operário (f).

PSTC – Operário (c), Atlético (f), Rio Branco (f) e Paraná Clube (c)

Londrina – Atlético (c), Operário (f), Maringá FC (f) e J. Malucelli (c)

Rio Branco – Foz do Iguaçu (f), Toledo (c), PSTC (c) e Cascavel (f)

Toledo – Maringá FC (c), Rio Branco (f), J. Malucelli (f) e Atlético (c)

Cascavel – J. Malucelli (c), Paraná Clube (f), Operário (c) e Rio Branco (c)

Maringá FC – Toledo (f), Foz do Iguaçu (c), Londrina (c) e Coritiba (f)

Operário – PSTC (f), Londrina (c), Cascavel (f) e Foz do Iguaçu

1 Comentário