Mês: março 2018



Goleada histórica, mas missão cumprida

Nunca, desde a fundação do Maringá FC, em 2010, o time tinha sofrido tão humilhante derrota como a de domingo passado, ao cair frente o Atlético-PR, por 5 a 0 na Arena da Baixada. É certo que o Tricolor jogou diante da equipe com melhor desempenho na competição, teve um jogador expulso e não pode contar com quatro de seus titulares, mesmo assim foi de doer na alma da torcida tricolor. Serviu, a derrota, para a afirmação de que o técnico Fernando Marchiori acertava com o time titular que vinha mantendo. Quando ficou sem a formação que ele considera ideal o desastre se abateu sobre a equipe. Com um elenco de reconhecidas limitações — desde a montagem a própria diretoria alardeava que constituiu o time dentro das possibilidades orçamentárias – o MFC chegou até além do que se propunha. O objetivo de evitar o descenso, prioridade no discurso do coerente Fernando Marchiori, foi alcançado com algumas rodadas de antecedência; a vaga para a Série D (caso o time não suba para a C neste ano) está assegurada e são concretas as possibilidades do clube ficar entre os paranaenses que vão à Copa do Brasil em 2019. A distribuição das vagas será feita a partir da divulgação por parte da CBF do ranking nacional de clubes neste 2018 e os maringaenses apostam na quarta melhor campanha pelo Estadual para merecer estar entre os participantes. Convenhamos, foi melhor que a encomenda.

Classificação            P J V E D GP GC SG

1 Atlético-PR            25 11 7 4 0 18 4 14

2 Foz do Iguaçu       21 11 6 3 2 15 9 6

3 Paraná Clube        18 11 5 3 3 14 11 3

4 Maringá FC           17 11 5 2 4 14 10 4

5 Cianorte                 17 11 4 5 2 15 12 3

6 Coritiba                  14 11 4 2 5 11 13 -2

7 Londrina                14 11 3 5 3 14 12 2

8 Cascavel                 13 11 4 1 6 12 15 -3

9 Toledo                    13 11 3 4 4 9 12 -3

10 Rio Branco          10 11 2 4 5 16 28 -12

11 Francisco Beltrão 9 11 3 0 8 9 14 -5

12 Prudentópolis     8 11 1 5 5 8 15 -7

Comente aqui


Fernando Marchiori e as metas atingidas com o MFC

O Maringá FC, já abordamos neste espaço, vem ‘vencendo campeonatos’ gradualmente na atual temporada. Decorrência de acertos da diretoria no planejamento do clube. Entre as medidas acertadas, a contratação e manutenção do técnico Fernando Marchiori. Um profissional dos mais corretos, estudioso do futebol e coerente, coisa rara nesse meio onde existem muitos oportunistas e ‘enganadores’. O chefe da comissão técnica maringaense não se limita a escalar jogadores. Ele, desde que chegou, teve envolvimento na formação do elenco, detectou e se livrou de peças que eram nocivas ao grupo e foi sempre um exemplo de comprometimento com a agremiação. O resultado está na posição que o clube ocupa no Estado. Independentemente de chegar ou não à condição de finalista desta Taça Caio Junior, o Tricolor tem muito a comemorar: descartou a possibilidade de queda para a Segunda Divisão, medo maior da maioria (se não de todas) as equipes do interior a cada ano; assegurou a condição de disputar o Brasileiro da Série D em 2019 (isso se não ascender para a Série C neste ano) e tem matemáticas chances de ser um dos paranaenses na Copa do Brasil na próxima temporada. Convenhamos, não é pouca coisa.

COPA DO BRASIL

O Paraná tem direito a três vagas na Copa do Brasil em 2019. Todas serão definidas pela colocação na classificação geral do Campeonato Estadual. Fosse hoje, estariam credenciados para a competição o Coritiba (já é finalista por ter vencido a Taça Dionísio Filho), Atlético-PR e Foz do Iguaçu. Essa ordem muda no caso de um dos semifinalistas entre Maringá FC, Paraná Clube e Londrina, decidir o Estadual com o Coritiba. Isso acontecendo o Foz do Iguaçu perde a vaga.

Mas há possibilidade de o Estado ter número maior de participantes. No final deste ano, a CBF vai divulgar o seu ranking nacional. Os dez primeiros colocados têm vagas na Copa do Brasil, independente de colações nos estaduais. No caso de paranaenses se qualificarem nesta condição, o Estado poderá ter até cinco vagas, como aconteceu na atual temporada quando Coritiba, Atlético-PR, Paraná Clube, Londrina e Cianorte disputaram o torneio.

Esse critério da CBF para a destinação de vagas na Copa do Brasil, exclui os times que se garantirem via campeonatos estaduais; também são descartados os oito classificados para a Libertadores e os vencedores de torneios regionais, casos da Copa Verde e Copa do Nordeste, além do campeão da Série B. Neste 2017, por exemplo, o Londrina se classificou por esse critério sendo apenas o 45º no ranking nacional.

PARANAENSE – TAÇA CAIO JUNIOR

Quarta-feira – 21/3

Paraná Clube 1 x 0 Maringá FC

FC Cascavel 2 x 1 Coritiba

Cianorte 1 x 4 Foz do Iguaçu

Prudentópolis 3 x 1 Francisco Beltrão

Toledo 1 x 1 Atlético-PR

Londrina 4 x 1 Rio Branco

CLASSIFICAÇÃO                P    J    V    E    D    SG

Grupo A

1 Paraná Clube                13    5    4    1    0    6

2 Maringá FC                  9      5    3    0    2    4

3 Foz do Iguaçu              9      5    3    0    2    3

4 Cianorte                        7      5    2     1    2    0

5 FC Cascavel                 3       5    1    0    4    -6

6 Coritiba                        3       5     1   0    4    -7

Grupo B

1 Atlético-PR                  11      5      3     2    0     8

2 Londrina                      8       5     2     2     1     4

3 Toledo                          8       5       2     2     1     1

4 Francisco Beltrão       6       5      2     0     3     1

5 Prudentópolis             5       5       1     2     2    -1

6 Rio Branco                  3       5        1      0     4     -13

CLASSIFICAÇÃO GERAL   

1 Atlético-PR                 25       11       7       4       0       14

2 Foz do Iguaçu             21       11       6       3       2        6

5 Paraná Clube              18        11       5       3       3       3

3 Maringá FC                 17        11        5       2      4        4

4 Cianorte                      17        11        4         5     2        3

6 Coritiba                      14          11        4       2       5        -2

8 Londrina                     14         11        3        5      3          2

9 FC Cascavel                 13          11        4       1      6         -3

7 Toledo                         13             11         3        4       4       -3

10 Rio Branco                10           11          2          4          5       -12

11 Francisco Beltrão     9           11         3         0       8        -5

12 Prudentópolis          8             11            1      5       5       -7

REBAIXADOS

Francisco Beltrão e Prudentópolis

SEMIFINAIS

Domingo – 25/3

16h – Paraná Clube x Londrina

20h – Atlético-PR x Maringá FC

Comente aqui


Os ‘campeonatos’ do Maringá FC no Campeonato

Há, embutidos no Campeonato Paranaense, vários campeonatos. Vencê-los gradualmente é a missão de uma equipe que tem a proposta do Maringá FC que é chegar à condição intermediará entre os clubes do País. Posição que ocupa o Londrina, por exemplo: integrante da Série B nacional, frequentador assíduo da Copa do Brasil e merecedor de ‘convite’ para fazer parte da Primeira Liga (foi campeão, inclusive).

Pois bem. O MFC já venceu o primeiro destes ‘campeonatos’. Ao passar pelo Foz do Iguaçu, na quarta-feira, o Tricolor saiu da disputa para evitar o descenso. Seus 15 pontos na classificação geral lhe dão o conforto de não ser mais alcançado pelo penúltimo colocado. Ufa!, certamente desabafou o visionário técnico maringaense, Fernando Marchiori, que na aurora da temporada declarou que sua meta, por conta das limitações que se apresentavam, era esta.

Mas a competição continua e os maringaenses focam outro ‘campeonato’ dentro do Campeonato. Qual é? A Copa do Brasil. Antes mesmo de pensar em vencer a Taça Caio Junior Filho e se consolidar como finalista do Estadual, o Maringá FC tem esse objetivo. O mais democrático dos torneios no País destina projeção para equipes emergente e, com o mínimo de desempenho em campo dá uma considerável compensação financeira. O próprio Maringá FC já provou deste licor quando em 2015 chegou à segunda fase do torneio passando pelo Madureira e enfrentado o Santos em dois confrontos (2 a 2 e 1 a 0). Essa trajetória curta pôs nos cofres do clube a maior receita do daquele ano.

Tem ainda objetivos menos glamourosos que são outros ‘campeonatos’ e que estão ao alcance do time da Cidade Canção: Brasileiro da Série D em 2019 (se o time não subir para a C neste ano); Campeão do Interior; indicação para a Primeira Liga, etç, etç e etç. Todos estes ‘troféus’ estarão na galeria do clube com tacada única, que seria a conquista do Paranaense, posto que o time esteve próximo em 2014 quando foi vice, na tarde de triste memória quando, nos pênaltis, perdeu em casa para o Londrina.

 

CLASSIFICAÇÃO GERAL        P     J    V    E    D  SG

1 Atlético-PR                                20   8   6    2    0   8

2 Foz do Iguaçu                           15    8   4    3    1   3

3 Maringá FC                               14    8   4    2    2   5

4 Cianorte                                     14    8   3    5    0   5

5 Coritiba                                      11     8   3   2   3   0

6 Toledo                                        11     8   3    2    3   -1

7 FC Cascavel                               10    8   3    1    4   -1

8 Paraná Clube                            9      8   2   3   3   -1

9 Londrina                                    7      8   1    4    3   -3

10 Rio Branco                              7      8   1    4    3    -5

11 Francisco Beltrão                  6      8    2    0    6   -3

12 Prudentópolis                        4      8   0    4    4   -7

Comente aqui