Secretaria quer frear o avanço da sífilis

A Secretaria de Saúde está promovendo oficinas sobre sífilis para profissionais de saúde em quatro regiões do Paraná — Curitiba, Londrina, Maringá e Pato Branco. O objetivo é formar multiplicadores para a prevenção, controle e redução da doença no Estado.

“Os números de sífilis estão cada vez mais altos e isso justifica a necessidade de abordar o tema frequentemente e de atualizar os conhecimentos. Nossos médicos precisam estar prontos para fazer o diagnóstico e tratar a sífilis. Os enfermeiros devem estar aptos a acompanhar e orientar esses pacientes”, diz a chefe do Centro estadual de Epidemiologia, Júlia Cordellini.

A sífilis é uma doença infecciosa dividida em três tipos: adquirida (transmissão sexual), congênita (passa da mãe para o bebê) e em gestantes. Mara explica que a sífilis costuma ser assintomática e, por isso, é importante que as pessoas procurem as unidades de saúde e façam os testes rápidos gratuitamente para verificar a possibilidade de infecção.

Em 2016 foram registrados no Paraná, em torno de 4 mil novos casos de sífilis adquirida, 649 casos congênitos e 1.680 casos em mulheres grávidas. A expectativa do trabalho pioneiro da Secretaria é proporcionar conhecimentos que resultem na diminuição dos casos de sífilis.

Deixe um Comentário

Seu endereço de e-mail não será publicado.