Vem aí mais campanha contra o tabagismo

De acordo com a Organização Mundial da Saúde (OMS), o tabagismo é a principal causa de morte evitável no mundo. Segundo estudos, o hábito é responsável pelo surgimento ou desenvolvimento de pelo menos 50 tipos de doenças diferentes. As principais delas são as cardiovasculares e o câncer de pulmão.

 

O consumo do tabaco também é um fator de risco para outros tipos de cânceres, como de boca, laringe, faringe, esôfago, estômago, pâncreas, fígado, colo de útero, leucemia, rim e bexiga, e pode causar outros problemas, como infertilidade e disfunção erétil.

 

Para reforçar a luta contra o uso, o próximo 29 de agosto foi instituído como o Dia de Combate ao Fumo, parte da luta contra um número terrível: todo ano, mais de cinco milhões de pessoas morrem em todo mundo por causas decorrentes do cigarro, um vício majoritariamente masculino – mais de um bilhão de homens fumam.

 

O mais comum de todos os tumores malignos é o câncer de pulmão, estando 90% deles relacionados ao tabagismo, seja ativo ou passivo.

 

No Brasil, em 2016, a estimativa oficial para novos casos era de 28.220, sendo 17.330 homens e 10.890 mulheres.

 

A prevenção ainda é uma das medidas mais importantes para o combate à doença. “O câncer de pulmão não dá sintomas nas fases iniciais, por isso o diagnóstico precoce é difícil de ser feito. Atualmente, a tomografia multislice de baixa dose é o melhor método para tentarmos diagnóstico nas fases iniciais, porém só está indicado em grupos específicos por conta do risco/benefício da radiação”, afirma o médico radiologista da Lucilo Maranhão Diagnósticos, Dr Marcos Miranda Filho.

 

“O câncer de rim é outra doença que está associada ao tabagismo, aumentando em até duas vezes o risco. No câncer de bexiga, ele é o responsável por 50% dos casos”, explica o urologista Guilherme Maia, do Hospital Santa Joana Recife. O médico ressalta que o fumo aumenta cerca de quatro vezes o risco de desenvolver o tumor na bexiga tanto para homens, quanto para mulheres. “Isso também pode aumentar proporcionalmente ao consumo por dia. Quanto mais cigarros, maior o risco”, afirma.

 

Além dos cânceres, o tabagismo também tem relação com a impotência sexual e infertilidade masculina. “As toxinas presentes no cigarro causam lesões nas artérias que levam sangue ao pênis impedindo a circulação normal”, explica o andrologista Filipe Tenório, complementando: “Já a infertilidade acontece porque o fumo afeta a quantidade e a qualidade do sêmen produzido pelo homem”.

Deixe um Comentário

Seu endereço de e-mail não será publicado.