Autor: Francês



Centro de Especialidades vai revolucionar o atendimento público de saúde

Reunião da vice-governadora Cida Borghetti com o ministro da Saúde, Ricardo Barros, e com o secretário de Saúde de Maringá, Jair Biatto, definiu a inauguração do Centro de Especialidades do Paraná em Maringá, para o próximo dia 15.

Com atendimento em horário prolongado, o Centro que será administrado pelo Consórcio Público Intermunicipal de Saúde do Setentrião Paranaense (Cisamusep) prevê, inicialmente, a realização de 20 mil procedimentos por mês, ou seja, uma oferta 60% superior à atual.  “Através do Centro o governo estadual estará proporcionando melhor atendimento em saúde à população. Serão médicos e funcionários de diversas áreas à disposição das pessoas que mais precisam de assistência rápida e com mais qualidade, além de ampliar ainda mais o polo de saúde de Maringá”, garante Cida Borghetti.

Localizado na mesma quadra onde estão localizados o Hospital Municipal, uma Unidade de Pronto Atendimento 24 Horas e a unidade do Samu de Maringá, além do novo prédio haverá alto investimento na compra de equipamentos, compondo 19 consultórios médicos, sete consultórios odontológicos e 13 para atividades de fisioterapia, fonoaudiologia, terapia ocupacional e outras especialidades não médicas. Também três salas cirúrgicas para pequenos procedimentos, e setor de imagem completo com 15 salas de exames e uma sala de observação.

Reunião da vice-governadora Cida Borghetti com o ministro da Saúde, Ricardo Barros, e com o secretário de Saúde de Maringá, Jair Biatto, definiu a inauguração do Centro de Especialidades do Paraná em Maringá, para o próximo dia 15.

Com atendimento em horário prolongado, o Centro que será administrado pelo Consórcio Público Intermunicipal de Saúde do Setentrião Paranaense (Cisamusep) prevê, inicialmente, a realização de 20 mil procedimentos por mês, ou seja, uma oferta 60% superior à atual.  “Através do Centro o governo estadual estará proporcionando melhor atendimento em saúde à população. Serão médicos e funcionários de diversas áreas à disposição das pessoas que mais precisam de assistência rápida e com mais qualidade, além de ampliar ainda mais o polo de saúde de Maringá”, garante Cida Borghetti.

Localizado na mesma quadra onde estão localizados o Hospital Municipal, uma Unidade de Pronto Atendimento 24 Horas e a unidade do Samu de Maringá, além do novo prédio haverá alto investimento na compra de equipamentos, compondo 19 consultórios médicos, sete consultórios odontológicos e 13 para atividades de fisioterapia, fonoaudiologia, terapia ocupacional e outras especialidades não médicas. Também três salas cirúrgicas para pequenos procedimentos, e setor de imagem completo com 15 salas de exames e uma sala de observação.

Comente aqui


Dengue pode proteger contra a Zika

Parece brincadeira de mau gosto, mas é real: um estudo realizado pelo Instituto de Arboviroses da Universidade de Wenzhow (China) e publicado ontem na revista Nature afirma  que a imunidade adquirida por uma infecção pelo vírus da Dengue pode proteger contra o vírus da Zika.

O estudo com camundongos observou que os animais que tiveram dengue desenvolveram a chamada proteção cruzada – termo utilizado para referir-se à transferência de microrganismos. Os animais foram divididos em dois grupos: um que havia sido infectado inicialmente com o vírus da dengue, após recuperados foram infectados com o vírus da Zika; e um segundo grupo foi infectado pelo Zika sem ter tido uma infecção prévia de dengue. Nos resultados, o grupo com infecção anterior de dengue apresentou uma carga reduzida de Zika no organismo: sangue nos tecidos e no cérebro. A imunidade adquirida em cobaias que tiveram o vírus da Dengue, e depois foram expostos ao vírus da Zika, também mostrou que a Dengue não seria potencializadora de infecções mais graves de Zika.

 

Uma das conclusões dos pesquisadores é que a presença de anticorpos por uma infecção de dengue, pode explicar por que nem toda mulher com Zika transmite a doença para o bebê e também por que algumas pessoas podem ter sido infectadas com Zika e nunca terem desenvolvido a doença.

 

Essa descoberta da ação dos linfócitos T CD8 presente na defesa das infecções pelos vírus Dengue e Zika pode dar novos rumos às pesquisas com vacinas em andamento. Até agora, segundo o artigo a maioria dos testes com vacinas, atuam somente contra os linfócitos B – que produzem anticorpos após o contato com uma infecção. As células do tipo T têm uma ação direta sobre o microrganismo, agindo antes da infecção.O trabalho foi desenvolvido por um grupo de pesquisadores chefiado por Jinsheng Wen, da Universidade de Wenshou e teve parceria de outras universidades como o Instituto La Jolla de Alergia e Imunologia da Califórnia.

Comente aqui


Ministério da Saúde garante recursos para as APAEs

Os brasileiros com deficiência serão beneficiados com a ampliação de recursos federais para as Associações de Pais e Amigos dos Excepcionais (APAE). O Ministério da Saúde garantiu R$ 150 milhões para qualificação da Rede da Pessoa com Deficiência no país.

A maior parte, R$ 100 milhões, será destinada para a execução do Programa Nacional para qualificação e fortalecimento das ações e serviços de reabilitação no âmbito da Rede da Pessoa com Deficiência. Lançado ontem em Natal, durante o XXVI Congresso Nacional das Apaes, a novidade anunciada pelo ministro Ricardo Barros vai beneficiar mais de mil unidades: “É uma grande alegria falar com vocês que são voluntários, verdadeiros heróis brasileiros que trabalham com amor, dedicação, por uma causa tão nobre como é a reabilitação das pessoas com deficiência. Com esses recursos, estamos ajudando na reestruturação e no custeio das associações em uma merecida homenagem a esse maravilhoso trabalho que vocês fazem e sempre fizeram”.

Para ter acesso aos R$ 100 milhões do novo Plano as instituições participarão de chamamento público e devem apresentar projetos de qualificação da assistência à pessoa com deficiência. O edital será publicado ainda em novembro. Após a aprovação dos projetos apresentados, serão realizados convênios para o repasse da verba. Poderão ser beneficiadas até 1.068 instituições que hoje ofertam serviços pelo Sistema Único de Saúde (SUS). tros R$ 36 milhões são para reajustar os valores de cinco procedimentos de reabilitação previstos na tabela SUS e repassados pelo Governo Federal aos estados e municípios. O reajuste dos procedimentos de reabilitação vai ampliar e qualificar o acesso à estimulação neuropsicomotora em pessoas com deficiência, incluindo as crianças com a síndrome congênita associada à infecção pelo vírus Zika, como a microcefalia. A medida beneficiará imediatamente 724 unidades que hoje já realizam esses procedimentos que hoje equivalem, em média, 63% do faturamento das Associações.

Para ampliar o acesso à Rede de Atenção no país, o Ministério da Saúde também garantiu mais R$ 14 milhões destinados a financiar serviços de reabilitação em instituições que ainda não oferecem esses procedimentos. Com o recurso, 344 APAEs poderão ofertar: acompanhamento de paciente em reabilitação em comunicação alternativa; acompanhamento neuropsicológico; acompanhamento psicopedagógico; atendimento nas múltiplas deficiências e desenvolvimento neuropsicomotor.

Os recursos serão repassados após contratualização entre os gestores e as instituições que serão beneficiadas. Os valores, então, serão incorporados aos Tetos de Média e Alta Complexidade dos estados e municípios, que são os responsáveis pela contratualização com estabelecimentos de saúde no âmbito local.

1 Comentário


SUS inclui medicamento contra Alzheimer

Após avaliação, o Ministério da Saúde incluiu o medicamento memantina para casos de Alzheimer moderados e graves no SUS. A inclusão foi oficializada nesta quinta-feira (9) em publicação no Diário Oficial. O medicamento já é aprovado pela Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária).

A memantina age impedindo a ação do excesso do glutamato nos neurônios. Altos níveis do composto facilitam a entrada do cálcio nas células neuronais, levando-os à morte.

O medicamento foi indicado para casos moderados e graves. Não há indicação para casos leves. Para os casos graves, o composto deve ser combinado com medicamento inibidor de colinesterase, substância que inibe a ação de enzimas que destroem a acetilcolina, neurotransmissor atuante na memória. Já nos casos leves, a memantina pode ser usada isoladamente.

A recomendação da incorporação no SUS foi feita por comissão de avaliação em julho desse ano. O relatório concluiu que “apesar do tamanho do efeito ser pequeno, ele é significativo e influencia favoravelmente a qualidade de vida dos doentes e cuidadores”, diz.

O Alzheimer é uma doença neurodegenerativa que acomete 33% dos indivíduos com mais de 85 anos e compromete de mais de 35 milhões de pessoas no mundo. A condição leva ao declínio de habilidades cognitivas, como a memória e orientação no tempo e no espaço. Há também mudanças na personalidade e no comportamento, bem como prejuízos na habilidade de realizar funções diárias.

Comente aqui


Planos de saúde têm nova lista ampliada de obrigações

A Agência Nacional de Saúde divulga hoje, uma nova lista de procedimentos que deverão ter cobertura obrigatória pelos planos de saúde a partir do dia 2 de janeiro de 2018. Foram acrescentados 18 procedimentos à lista, entre eles cirurgias, exames e terapias.

Também será ampliada a cobertura para outros sete procedimentos, incluindo medicamentos orais contra o câncer e um remédio para tratamento de esclerose múltipla, algo inédito no Rol de Procedimentos, segundo a ANS.

Com relação ao preço, a ANS diz que após a ampliação dos procedimentos obrigatórios há uma avaliação que dura um ano. Caso seja identificado um impacto financeiro depois desse prazo, será feita uma avaliação para o cálculo de reajuste no ano seguinte. Por isso, por enquanto, não haverá alta nos valores.

Veja o que os planos de saúde serão obrigados a fornecer:

Câncer

  • 8 medicamentos orais para tratamento de cânceres – pulmão, melanoma, próstata, tumores neuroendócrinos, mielofibrose e leucemia (afatinibe, crizotinibe, dabrafenibe, enzalutamida, everolimo, ruxolitinibe, ibrutinibe e tramatinibe);
  • Tomografia Computadorizada por Emissão de Pósitrons (PET-CT) para diagnóstico de tumores neuroendócrinos.

Esclerose múltipla

  • Medicamento imunobiológico (natalizumabe).

Olhos

  • Quimioterapia com antiangiogênico e tomografia de coerência ótica para tratamento do edema macular secundário, retinopatia diabética, oclusão de veia central da retina e oclusão de ramo de veia central da retina;
  • Radiação para tratamento de ceratocone.

Mulheres

  • Cirurgia laparoscópica para tratamento de câncer de ovário (debulking);
  • Cirurgia laparoscópica para restaurar o suporte pélvico (prolapso de cúpula vaginal);
  • Cirurgia laparoscópica para desobstrução das tubas uterinas;
  • Cirurgia laparoscópica para restaurar a permeabilidade das tubas uterinas.
  • Pesquisa em líquido amniótico por PCR: exame laboratorial para o diagnóstico da toxoplasmose gestacional.

Crianças

  • Endoscopia para tratamento do refluxo vesicoureteral, doença relacionada a infecções urinárias;
  • Terapia imunoprofilática contra vírus sincicial respiratório (palivizumabe).

Cobertura obrigatória

A nova cobertura atenderá 42,5 milhões de beneficiários que possuem planos de assistência médica e 22,6 milhões que têm planos odontológicos, de acordo com a ANS.

A multa prevista para as operadoras que não cumprirem a cobertura obrigatória é de R$ 80 mil por infração cometida.

A atualização do Rol de Procedimentos é feita após discussão pelo Comitê Permanente de Regulação da Atenção à Saúde (Cosaúde), composto por representantes do governo, do setor de saúde suplementar e de órgãos de defesa do consumidor.

Após essa etapa, o tema passa por consulta pública para manifestação da sociedade. A Consulta Pública nº 61 ficou disponível entre 27 de junho e 26 de julho de 2017 e recebeu 5.259 contribuições online – 53% de consumidores, 26% de contribuintes que se identificaram como “outros”, 13% de prestadores de serviço, 4% de servidores públicos, 3% de operadoras de planos de saúde e 1% de gestores.

O Rol de Procedimentos e Eventos em Saúde é obrigatório para todos os planos de saúde novos, ou seja, aqueles que foram contratados a partir de janeiro de 1999 ou que foram adaptados à nova legislação (Lei nº 9.656/98). A lista é atualizada a cada dois anos.

Como denunciar uma operadora que não cumpre as mudanças?

O consumidor precisa entrar em contato com a ANS. Seguem os canais:

  • Atendimento telefônico: 0800 701 9656, disponível de segunda a sexta-feira, das 8h às 20h, exceto feriados;
  • Portal da ANS, que recebe denúncias 24 horas por dia pelo site;
  • Atendimento presencial: segunda a sexta-feira, das 8h30 às 16h30, exceto feriados, apenas em 12 cidades de cinco regiões do país.
Comente aqui


Câncer de próstata é o segundo mais comum

A Secretaria de Estado da Saúde reforça os cuidados com a saúde do homem em celebração ao Novembro Azul. A campanha tem o objetivo principal de combater o câncer de próstata por meio do incentivo à realização periódica dos exames em busca de diagnóstico precoce.

O câncer de próstata é o segundo tipo mais comum entre os homens. Apenas no Paraná são estimados mais 5 mil casos para 2017 e de acordo com o superintendente de Atenção à Saúde, Juliano Gevaerd, a única forma de aumentar as chances de cura do câncer de próstata é diagnosticando logo no início da doença:  “Atualmente, cerca de 25% dos casos levam à morte pois são descobertos já em estágios avançados. A recomendação é fazer uma visita anual ao urologista a partir dos 50, ou a partir dos 45 se tiver fatores de risco”.

O histórico familiar de câncer de próstata, principalmente em parentes de primeiro grau (pai e irmão); a obesidade; o tabagismo; o consumo de álcool em excesso; e sedentarismo são fatores de risco para o desenvolvimento da doença. A incidência também é maior em homens da raça negra, que devem fazer os exames anualmente a partir dos 45 anos.

O coordenador estadual da Saúde do Homem, Rubens Bendlin, explica que a doença dificilmente vai apresentar sintomas quando ainda está na fase inicial, por isso é necessária a realização dos exames. “Vontade de urinar com frequência, dor ao urinar, sangue ou sêmen na urina e dor óssea são sintomas que surgem já na fase avançado do câncer”.

Um dos principais exames para detecção é o PSA (antígeno prostático específico), que avalia a quantidade da proteína produzida pela próstata e, geralmente, quando a doença atinge essas glândulas essas níveis são aumentados. Cerca de 20% dos pacientes tem o câncer diagnosticado apenas com o exame do toque retal, que avalia o tamanho, a forma e a textura da próstata, o que permite detectar a presença de nódulos.

Os exames estão disponíveis na rede pública de saúde durante todo o ano. Para receber atendimento gratuito, é necessário buscar a unidade de saúde mais próxima da sua residência. “Além da consulta médica regular, o cuidado com a saúde começa com a prevenção. Por isso, incentivamos uma alimentação saudável, a prática de atividades físicas e a manutenção de uma boa saúde emocional”, ressalta Gevaerd.

Comente aqui


Mitos e verdades sobre mamografia

 

Que a mamografia é fundamental para o diagnóstico do câncer de mama, todo mundo sabe. No entanto, algumas dúvidas ainda pairam sobre esse tipo de exame. Pensando em desmistificar a ultrassonografia é que  duas médicas radiologistas, doutoras Norma Maranhão e Beatriz Maranhão, do Lucilo Maranhão Diagnósticos, elencaram as principais dúvidas acerca da avaliação por imagem.

 

O autoexame dispensa a mamografia?  Não dispensa. O autoexame funciona apenas para guiar alguma dúvida diagnóstica, alteração palpável, achado novo. O procedimento não é seguro para dizer que não existe alteração maligna. Desta forma, a mamografia  deve ser utilizada para encontrar achados assintomáticos.

A mamografia é o principal exame para detecção do câncer de mama?   É um dos principais exames, já que é feito para rastrear. A mamografia  foi o único exame que mostrou redução de mortalidade do câncer de mama.

 

A mamografia dói?  Geralmente não causa dor, mas pacientes – algumas  – podem apresentar uma sensibilidade natural, chamado de mastalgia (dores nas mamas). Para elas, a compressão da mamografia termina sendo sentida, causando relatos de dor durante a realização do exame.

A mamografia funciona apenas para identificar o câncer de mama? O exame detecta câncer e alterações benignas, tais como alterações pós-cirúrgicas e avalia implantes mamários.

A mamografia digital é melhor do que a convencional? A mamografia digital é muito superior a convencional. Ela além de emitir menor radiação, ainda apresenta melhor qualidade de imagem.

A mamografia é cara? Relativamente não é um exame caro. Além de ser bastante disponível pelo SUS

 

Próteses de silicone atrapalham a mamografia?  Para quem tem silicone, o exame é feito de maneira diferente. Nesses casos, a mamografia precisa de um pouco mais de imagens. Por isso são oito radiografias, quatro de cada mama.  Sendo quatro com a prótese e quatro com uma manobra com a técnica que afasta a prótese para cima e para trás, sendo possível radiografar apenas o tecido mamário.

Todas as mulheres devem realizar a mamografia a partir da mesma idade? A recomendação atual é de que deve ser realizada anualmente a partir dos 40 anos para pacientes que não apresentam fatores de risco e a partir dos 35 anos para pacientes do grupo de risco.

A mamografia pode ser substituída por ressonância magnética ou ultrassonografia? A mamografia não pode ser substituída por ultrassom e ressonância, eles são exames complementares.

Mamografia –   é indicada como rastreio para paciente assintomático acima dos 40 anos.  É fundamental para avaliação de alterações e calcificações suspeitas, sendo o único método que rastreia tais calcificações.

Ultrassonografia – é método complementar para avaliação da mamografia, avaliação de nódulos, implantes e alterações palpáveis em mamas jovens.

Ressonância – é indicada para pacientes de alto risco, em estadiamento pré-operatório e com avaliação para quimioterapia neo-adjuvante.

Estou grávida, posso fazer mamografia? Paciente gravida não deve fazer mamografia, no entanto, se ao fazer o exame, não souber da gravidez, por ela estar ainda em estágio inicial, não há risco de teratogenicidade para o feto, pois a radiação é mínima.

 

Comente aqui


Desperdício: ministério implanta controle total sobre medicamentos no SUS

 

Os estados e municípios terão 90 dias para informar dados sobre todos os medicamentos adquiridos, armazenados e distribuídos no SUS. Os dados devem fazer parte de um novo sistema lançado ontem para tentar aumentar o controle da compra, estoques e oferta de medicamentos na rede pública. A medida decorre de auditorias do TCU (Tribunal de Contas da União) e de outros órgãos de controle, constatando falhas no monitoramento da assistência farmacêutica no país.

Nas unidades que não cumprirem a determinação dentro do prazo estipulado, o Ministério da Saúde irá suspender temporariamente o envio de verbas federais destinadas à assistência farmacêutica.

Relatório da CGU (Controladoria-Geral da União), concluído em abril, mostrou que 11 Estados e o Distrito Federal jogaram fora remédios de alto custo adquiridos em 2014 e 2015 com verbas do Componente Especializado da Assistência Farmacêutica, programa do Ministério da Saúde. As causas foram prazo de validade vencida e armazenagem incorreta. O valor do desperdício foi calculado em ao menos R$ 16 milhões.

A criação de um sistema integrado e o prazo para envio das informações foi acordado entre representantes de governo federal, Estados e municípios no início deste ano.

O ministro da Saúde, Ricardo Barros, atribuiu a medida à necessidade de organizar o sistema. A ideia é que, com o monitoramento, medicamentos próximos ao vencimento e sem previsão de uso possam ser direcionados a outros Estados com baixos estoques.

Um projeto-piloto feito em quatro Estados mostrou que, em média, 30% dos medicamentos, a maioria próximos do vencimento, poderiam ser remanejados de um Estado para outro, evitando o desperdício desses produtos.

Hoje, apenas 15 Estados utilizam o sistema Hórus, usado para controle de remédios de alto custo, e que agora deve ser integrado à nova base de dados. Os demais, que respondem por cerca de 80% dos dados de medicamentos, utilizavam planilhas, por exemplo. Segundo o diretor de assistência farmacêutica do ministério, Renato Alves Teixeira de Lima, a pasta também estuda, em conjunto com equipes da USP, criar alertas sobre o preço dos medicamentos, o que pode trazer dados sobre possíveis irregularidades na compra desses produtos.

Comente aqui


Saúde: vêm aí os monitores pessoais

A utilização de dispositivos móveis e wearables, como relógios e pulseiras inteligentes, são as novidades no campo da atenção e prevenção da saúde. Eles começam a ser introduzidos para monitorar a ocorrência de crises de saúde em indivíduos e contribuir para evitar parte das internações por meio da análise de dados usando tecnologias digitais.

A ideia é utilizar a tecnologia para proporcionar os melhores resultados para o paciente, de forma personalizada, assim como a redução de custos e a maior fidelização para empresas e operadoras de saúde. Os equipamentos devem ser introduzidos com base em pesquisas e análises comportamentais para se adaptar ao estilo e estágio de vida de cada indivíduo.

Essa é a grande novidade da edição do Healthcare Innovation Show (HIS) marcado para os dias 25 e 26 no São Paulo Expo. Será proporcionada pela Cognizant, uma das empresas líderes mundiais em tecnologia e negócios, apresentando sua nova solução HealthActivate.

A apresentação será feita na palestra de seu diretor da área de Healthcare, Alexandre Grandi, no dia 25, mostrando que a novidade funciona como uma solução integrada, que combina uma série de dados e indica a existência de alguma anomalia, antes que chegue ao extremo de uma crise. Assim, é possível atuar na prevenção e, nesses casos, procurar ajuda antes que algo mais grave aconteça.

“O incentivo à prevenção começa pelo detalhamento do dia a dia de cada paciente, passando por comportamentos mais saudáveis, que combinam com assistência e aconselhamento centrado em suas necessidades. Nossa solução permite que toda a cadeia seja beneficiada, passando pelas empresas até chegar ao consumidor final, que ganha em qualidade de vida e prevenção de doenças”, conclui Grandi.

Em verdade o que se abrirá com essa palestra e apresentação de equipamentos é uma visão do futuro com relação ao monitoramento da saúde, acabando com a necessidade de que a pessoa fique confinada a ambientes hospitalar ou mesmo doméstico, também garantindo o atendimento médico no momento anterior ou de uma crise, aumentando a qualidade de vida do paciente e custos menores para a operadora.

 

Comente aqui


Aumentam os casos de doenças sexuais entre idosos

Ser idoso já não significa falta de atividade, calmaria e tranquilidade. Atualmente a classe está cada vez mais ativa. Eles dançam, brincam, praticam esporte e, claro, mantém os prazeres da relação sexual ativos. Por isso as preocupações com as doenças sexuais transmissíveis precisam ser aumentadas.

Estudos demonstram que os idosos estão mais vulneráveis a infecções sexualmente transmissíveis e o motivo é a ausência do uso de preservativo. O número de casos de HIV (Vírus da Imunodeficiência Humana), entre pessoas acima dos 50 anos dobrou na última década, já que atualmente cerca 80% dos adultos entre 50 e 90 anos são sexualmente ativos. De acordo com os últimos dados do Ministério da Saúde, cerca de 4% a 5% da população acima de 65 anos são portadores do vírus HIV, um aumento de aproximadamente 103% Além da AIDS, outra doença que têm aumentado sua disseminação entre idosos é a Sífilis.

A Sífilis é uma doença transmitida pela bactéria Treponema pallidum, principalmente por via sexual, que não escolhe idade, sexo e nem classe social. A Sífilis aparece como feridas indolores no local da infecção, evoluindo para dores musculares, febre e dor de garganta. A falta de tratamento pode danificar órgãos como cérebro, nervos, olhos e coração, levando a cegueira, paralisia, demência e outros problemas de saúde.

É importante procurar exames laboratoriais. Para a Sífilis, por exemplo, o diagnóstico está muito fácil. Testes sorológicos eficazes são disponíveis no mercado, e o tratamento também não é complexo desde que seja tratado na fase primária da doença. Empresa presente em todo o mundo – mais de 150 países –  a EUROIMMUN disponibiliza para o mercado brasileiro o que há de mais moderno: seis testes para detecção da sífilis, inclusive em líquor, todos com validação e anuência dos órgãos aferidores de qualidade como a Fiocruz.

Prevenir é o melhor caminho, mas exames laboratoriais periódicos são necessários para salvaguardar a saúde suscetível da pessoa idosa.

Comente aqui