Criminosos criam página falsa da Receita Federal no Facebook

Você já deve ter ouvido de alguma tentativa de golpe pela internet que utiliza a Receita Federal como chamariz, certo? O caso mais comum é de e-mail em nome do Fisco informando pendências no Imposto de Renda contendo links ou anexos infectados por vírus. Outra modalidade de golpe são páginas na internet que simulam o site oficial da instituição. A última novidade dos cibercriminosos é uma página falsa no Facebook que simula um canal oficial da Receita.

Batizada de Restituição IRPF, a página promete facilitar problemas relacionados à declaração de imposta de renda. O problema é que o link divulgado, oferecido para que as pessoas verifiquem sua situação, redireciona o usuário para um site cujo único conteúdo é um download automático que faz com que o computador fique completamente vulnerável. Com isso, os hackers podem ter acesso a dados pessoais e outras informações sigilosas que podem ser usadas para ações criminosas.

Por isso, antes de clicar em qualquer coisa que seja aparentemente oficial observe bem o site e procure por indícios de que aquilo é verdadeiro. No caso das páginas do Facebook uma dica é observar os outros conteúdos postados e número de curtidas na página. A página verdadeira da Receita Federal, por exemplo, é seguida por 79 mil pessoas e traz conteúdos atualizados.

Comente aqui

Simpósio discute temas de grande relevância do Direito Tributário

PrintO Instituto de Direito Tributário de Maringá (IDTM) realiza nesta terça e quarta-feira, dias 23 e 24, o II Simpósio de Direito Tributário de Maringá. O evento contará com palestras ministradas por juristas de renome nacional, entre eles o ministro aposentado do Superior Tribunal de Justiça (STJ), José Augusto Delgado. O Simpósio acontece no Auditório D. Guilhermina (Av. Tiradentes, 710 – Centro) e as inscrições devem ser feitas pelo site www.idtm.org.br.

A presidente do IDTM, Rita Augusta Valim Rossi, explica que a carga tributária brasileira além de complexa está em constante transformação, e por isso é importante que os profissionais da área estejam sempre atualizados. “Nos últimos anos a legislação tributária sofreu diversas alterações importantes, e o evento se propõe discutir essas mudanças”, disse.

O evento traz para Maringá o debate sobre temas de grande relevância do Direito Tributário. Serão discutidos assuntos como desafios impostos pelo novo CPC; tributação e financiamento estatal em tempos de crise; planejamento tributário na jurisprudência administrativa atual; entre outros.

Segundo o vice-presidente do IDTM, Jaime Pego Siqueira, a programação foi formatada para abranger os assuntos mais atuais da área. “Nós buscamos os melhores profissionais do Direito Tributário. É um evento de nível elevado que normalmente só acontece em grandes centros”, reforçou.

Evento paralelo
Durante o Simpósio também acontecerá o I Encontro de Estudos Tributários. Na ocasião serão apresentados quinze artigos selecionados. Entre os temas abordados estarão imunidade tributária, prescrição de parcelamento tributário, imposto de renda pessoa jurídica e fiscalização tributária.

Mais de 300 pessoas são esperadas para o evento. A programação completa do evento está disponível no site www.idtm.org.br. Outras informações também podem ser obtidas pelo telefone (44) 3227-3312.

SERVIÇO:
Evento: II Simpósio de Direito Tributário de Maringá
Data: 23 e 24 de agosto
Horário: Terça-feira das 18h30 às 22h e Quarta-feira das 8h30 às 11h45 e das 14h às 21h45
Investimento: Profissionais: R$300 e Graduandos: R$ 60
Local: Auditório D. Guilhermina
Endereço: Av. Tiradentes, 710 – Centro
Inscrições e informações: www.idtm.org.br/ contato@idtm.org.br
(44) 3227-3312

Comente aqui

Tabela facilita divulgação de tributos na nota fiscal

Em vigor desde 2013, a lei 12.741/12 que obriga as empresas a informarem a carga tributária nos cupons e notas fiscais ainda não é cumprida por grande parte dos estabelecimentos. Segundo o Instituto Brasileiro de Planejamento e Tributação (IBPT) apenas 30% das empresas estão aptas a cumprir a legislação.

De acordo com a lei todos os estabelecimentos que ofereçam produtos e serviços diretamente ao consumidor final devem discriminar nas notas ou cupons fiscais o valor ou percentual aproximado correspondente à totalidade dos tributos embutidos no preço de venda. No total, são sete tributos que devem ter seu valor informado (ICMS, ISS, IPI, IOF, PIS/Pasep, Cofins e Cide).

Para ajudar o empresário nessa tarefa o IBPT desenvolveu uma tabela que integrada ao software de emissão da nota fiscal faz automaticamente o cálculo dos tributos. A solução gratuita pode ser baixada no site www.deolhonoimposto.ibpt.org.br. Depois de fazer o download o empresário precisa solicitar a atualização do sistema emissor de nota fiscal ao seu fornecedor de software.

A última versão da tabela (16.2.a) contém a atualização das alíquotas de todos os produtos já com as novas regras de ICMS. Além disso, uma das vantagens de se utilizar a ferramenta é que a responsabilidade pelo cálculo é da entidade e não da empresa. No entanto, é necessário citar a fonte para configurar a isenção de responsabilidade.

Segundo a empresária contábil Miriam da Silva Braz quem descumprir a lei pode ser enquadrado no Código de Defesa do Consumidor. “A empresa fica sujeita a multa, suspensão da atividade e pode até ter a sua licença de funcionamento caçada”, explica.

Tributos
Comente aqui

Ter contador só para pagar imposto não faz sentido

O ato de pagar imposto no país da burocracia é a coisa mais chata do mundo. Para muitos contadores, preencher guias e guias é a parte mais tediosa das tarefas mensais de um profissional da contabilidade. O contador bom gosta de convencer o cliente a fazer certo e cada vez melhor a gestão de seu empreendimento.

Por incrível que pareça, esta parte chata que quase nenhum contador bom gosta de fazer é a parte de maior interesse da clientela. Pode? Muitos empresários só têm contador para pagar impostos e se satisfazem com isso, mesmo sabendo que podem usufruir muito mais deste investimento.

Como sou um amante do engajamento por paixão, espero que eu não esteja falando de você, caro empresário. De qualquer forma o conselho é: faça o seu lado empreendedor ter sentido e apaixone-se pela contabilidade da sua empresa. Não só de números viverá o homem, mas sem eles tudo pode acabar mal.

Contabilidade
Comente aqui

Cadastro Ambiental Rural é prorrogado para dezembro de 2017

O governo federal prorrogou até 31 de dezembro de 2017 o prazo para os produtores rurais se inscreverem no Cadastro Ambiental Rural (CAR). Criado pelo Código Florestal (Lei nº 12.561/12), o cadastro é obrigatório a todas as propriedades e posses rurais.

Os produtores que aderirem ao CAR terão a possibilidade de regularização, sem autuação, das Áreas de Proteção Permanente (APP) ou Reserva Legal com vegetação natural suprimida ou alterada até 22 de julho de 2008. Também haverá suspensão de sanções em função de infrações administrativas por supressão irregular de vegetação nessas áreas cometidas até esta data.

Outro ponto importante é na obtenção de crédito agrícola, uma vez que o CAR é pré-requisito para liberação dos recursos junto às instituições financeiras que operam recursos para o setor. No Paraná, o cadastro também é necessário para entrar no Programa de Regularização Ambiental (PRA).

Sem categoria
Comente aqui

Governo do Paraná prorroga prazo para regularizar débitos de ICMS

O Governo do Paraná adiou para 19 de agosto o prazo para os contribuintes com dívidas do ICMS aderirem ao Programa de Parcelamento Incentivado (PPI). O programa vale para dívidas geradas até 31 de dezembro de 2014 e oferece descontos nas multas e juros.

Para pagamento em parcela única a multa é reduzida em 75% e os juros em 60%. No caso de parcelamento em até 120 meses, a multa diminui pela metade e os juros são reduzidos em 40%.

Para consultar débitos, realizar simulações, imprimir GR-PR para pagamento em parcela única ou realizar parcelamentos, o contribuinte deve acessar o endereço www.ppi.pr.gov.br.

Contabilidade
Comente aqui

Receita lança aplicativo para microempreendedor individual

A Receita Federal lançou no mês de maio um aplicativo para os microempreendedores individuais (MEIs). A ferramenta permite o acompanhamento de informações sobre o programa, débitos pendentes e emissão de boletos. O MEI, como é chamado o aplicativo, está disponível para os sistemas Android e IOS.

O aplicativo conta com quatro funcionalidades: Simei, orientações, quiz e avaliações. Na opção Simei, a pessoa consegue consultar seu CNPJ, visualizar informações cadastrais, situação dos débitos e emitir o Documento de Arrecadação Simplificada (DAS), que deve ser pago todo mês. Em orientações, há informações gerais e os direitos e deveres dos empreendedores. Na parte do quiz, há um teste de conhecimentos e na funcionalidade avaliação é possível sugerir melhorias para a ferramenta.

Além do aplicativo, os empreendedores também contam com o site do Portal do Empreendedor para solicitar a inscrição de MEI, atualizar informações, emitir boletos e dar baixa no registro.

Contabilidade
Comente aqui

Receita libera nesta sexta (08) consulta ao segundo lote de restituição do IR 2016

A Receita Federal abre nesta sexta-feira, dia 08, a consulta ao segundo lote de restituição do Imposto de Renda Pessoa Física 2016. A restituição será paga a 1.490.266 contribuintes, totalizando mais de R$ 2,5 bilhões, no próximo dia 15.

Para saber se teve a declaração liberada, o contribuinte pode acessar a página da Receita na Internet ou ligar para o Receitafone 146. A Receita também disponibiliza aplicativo para tablets e smartphones que facilita consulta às declarações.

Caso o valor não seja creditado, o contribuinte poderá contatar pessoalmente qualquer agência do Banco do Brasil ou ligar para a Central de Atendimento: 4004-0001 (capitais), 0800-729-0001 (demais localidades) e 0800-729-0088 (telefone especial exclusivo para deficientes auditivos).

Comente aqui

Empresas com mais de cinco funcionários precisam de certificado digital

Desde 1° deste mês, as empresas do Simples Nacional, que possuem mais de cinco funcionários, estão obrigadas a usarem certificado digital para prestarem informações trabalhistas, fiscais e previdenciárias por meio da GFIP e do eSocial.

A adequação segue um cronograma, previsto desde dezembro do ano passado, quando empresas com mais de 10 funcionários foram obrigadas a adotar o certificado. Em julho de 2017 a exigência passará a valer para empresas com mais de três funcionários.

A maioria das empresas já possui o certificado digital por causa da nota fiscal eletrônica. Mas se esse não é o caso da sua organização, entre em contato com a sua empresa de serviços contábeis para saber como adquirir a certificação.

Contabilidade
Comente aqui

ISS para área da saúde em Maringá é tema de encontro no SESCAP-PR

Profissionais da contabilidade de Maringá e região estiveram reunidos na última terça-feira, dia 28, para discutir o tema “Tributação de ISS para Clínicas Médicas, Farmácias de Manipulação e Sociedades de Profissionais”. O debate foi organizado pela Câmara Setorial de Contabilidade do SESCAP-PR em Maringá no escritório regional da entidade.

Segundo a diretora regional do SESCAP-PR, Miriam da Silva Braz, estão ocorrendo divergências na interpretação da lei do ISS em Maringá e por isso o tema foi trazido para discussão na Câmara Setorial. “O contribuinte está entendendo a lei de uma forma e a prefeitura está interpretando de outra”, disse.

O especialista em Direito Tributário, Cléberson Schwingel fez uma apresentação na qual orientou os profissionais sobre como evitar a exclusão do ISS Fixo e sobre como proceder em relação ao tratamento tributário de clínicas médicas e farmácias de manipulação. “A prefeitura, sob o argumento que está interpretando a lei, cria requisitos para cobrar mais tributos, e os profissionais ficam sem saber com agir”, explicou.

Para a contadora Viviam Nunes Belli o debate foi produtivo e trouxe informações importantes sobre o tema. “As empresas estão sendo muito penalizadas com essas atitudes da prefeitura e nós contadores temos de ter a oportunidade de defender os nossos clientes”, afirmou.

Miriam informou que o próximo passo do grupo é procurar a prefeitura para abrir um canal de diálogo sobre o assunto. “Nós queremos ouvir deles o porquê dessas mudanças nesse momento tão difícil para os empresários”, disse.

Cursos
Comente aqui