FÓRMULA 1



McLaren-Honda revela o novo MCL32

 

Novo carro para a temporada deste ano traz design inédito e melhorias mecânicas importantes

Reino Unido – A McLaren-Honda revelou hoje seu novo bólido, o McLaren-Honda MCL32, antes dos testes de inverno no circuito de Barcelona-Catalunya, para a temporada de 2017 do Campeonato Mundial de Fórmula 1.

O motor Honda RA617H, 1.6 V6 turbo, com ERS, teve seu peso reduzido e o centro de gravidade rebaixado para aumentar o equilíbrio dinâmico do carro e gerar mais potência no motor a combustão. Esse conjunto mecânico será adotado no MCL32 para a temporada de 2017.

O MCL32 segue os passos revolucionários dos seus dois antecessores imediatos, o MP4-30 e o MP4-31, recebendo melhorias de design em todas as áreas possíveis, com base nas novas regras de aerodinâmica aprovadas para a temporada deste ano.

Para mais informações sobre o McLaren-Honda MCL32: http://www.mclaren.com/formula1/

Sobre a Honda no Brasil: Em 1971, a Honda iniciava no Brasil as vendas de suas primeiras motocicletas importadas. Cinco anos depois, era inaugurada a fábrica da Moto Honda da Amazônia, em Manaus, de onde saiu a primeira CG, até hoje o veículo mais vendido do Brasil. De lá para cá, a unidade produziu mais de 22 milhões de motos, além de quadriciclos e de motores estacionários que formam a linha de Produtos de Força da Honda no País, também composta por motobombas, roçadeiras, geradores, entre outros produtos. Para facilitar o acesso aos produtos da marca, em 1981 nasceu o Consórcio Honda, hoje a maior administradora de consórcios do mercado nacional, que faz parte da estrutura da Honda Serviços Financeiros, também composta pela Seguros Honda e o Banco Honda. Dando continuidade à trajetória de crescimento, em 1992 chegavam ao Brasil os primeiros automóveis Honda importados. Em 1997, a Honda Automóveis do Brasil iniciava a produção do Civic, em Sumaré (SP), de onde já saíram mais de 1,5 milhão de veículos. Durante esses anos a empresa também inaugurou Centros Educacionais de Trânsito, de Treinamento Técnico, de Distribuição de Peças e de Pesquisa & Desenvolvimento. Estruturou uma rede de concessionárias hoje composta por aproximadamente 1500 endereços. Em 2014, em uma iniciativa inédita no segmento, a Honda inaugurou seu primeiro parque eólico do mundo, na cidade de Xangri-Lá (RS). O empreendimento supre toda a demanda de energia elétrica da fábrica de Sumaré, reduzindo os impactos ambientais das operações da empresa. Em 2015, a Honda Aircraft Company anunciou a expansão das vendas do HondaJet, o jato executivo mais avançado do mundo, para o Brasil. E a segunda planta de automóveis da marca foi construída na cidade de Itirapina (SP) porque muito mais está por vir. Saiba mais em www.honda.com.br e www.facebook.com/HondaBR

 

Fonte: Honda

Assessoria de imprensa

Rodrigo Leite

Viviane Costa

Marcel Dellabarba

www.honda.com.br

Comente aqui


Tarso Marques narra emoção de voltar a pilotar seu Formula 1 de 2001, em Ímola, na Itália

Auguri, Minardi!

Por Tarso Marques

“Foi uma das melhores experiências da minha vida voltar a pilotar meu PS01 no Historic Minardi Day, no último sábado, dia 25 de junho. O evento foi superbacana, com muitos carros de F1 e histórias. Na sexta, tivemos uma noite de gala, um jantar, com vários pilotos que fizeram parte da história da Minardi, com muitos patrocinadores e imprensa italiana. Foi extremamente gratificante poder reencontrar o Giancarlo Minardi, que deu minha primeira oportunidade de testar um Formula 1 quando eu ainda competia na extinta F-3000. Tenho admiração especial por sua história como chefe e dono de equipe.

No sábado, dia da programação oficial, havia dezenas de carros históricos de F1 da Minardi, além de modelos da Ferrari da época do Alain Prost; e a Williams do Keke Rosberg. Foi muito bom rever todo mundo, engenheiros e mecânicos de minha antiga equipe. Fiquei muito contente por poder voltar a pilotar. Durante todo o tempo fui acompanhado pelo meu grande irmão Giovanni Minardi, filho do Giancarlo que também era um dos diretores da equipe em minha época. Somos muito amigos até hoje e temos uma amizade legal e próxima.

O calor estava muito forte, em um dia muito quente até para um padrão de corrida, o que não era o caso. Por este motivo o cuidado com os carros de F1 que estariam andando na pista foi muito grande. Todos mantinham excelentes condições de funcionamento, estavam bem conservados e restaurados dentro da maior originalidade possível. No entanto, foram levados para a pista em uma configuração para tempo mais frio. Quando o clima está quente, devem ser alterados alguns parâmetros aerodinâmicos, inclusive com a troca das saias laterais e outros componentes, para aumentar a refrigeração do motor.

No calor extremo, o desgaste ou a quebra de algum componente era o que mais preocupava os curadores dos bólidos uma vez que, agora, eram carros para exposição e eventos, não mais preparados para situações extremas. Mas isso é válido apenas para uma corrida. Naquele dia, um dos mais quentes registrados ultimamente em Ímola, tudo era exclusivamente festa e muita emoção. Por este motivo, estava arcada para eu andar no final do dia, quando a temperatura já era menor e o calor não exigiria muito do motor.

Durante as primeiras voltas, comecei a reviver a memória de minha época. Não há como negar a emoção. Havia me esquecido até o quanto era apertado aquele cockpit. Do acionamento do motor à saída dos boxes muitas coisas começam a vir à mente. Quando se está lá competindo, você está focado no trabalho e não tem tempo para certas sutilezas que acabam passando despercebidas em um final de semana de Grande Prêmio. Mas quando estamos lá como convidado, em uma grande festa entre amigos e relembrando uma época, tudo muda.

Neste sentido, foi impossível não lembrar da época do kart e da importância de minha família e de nossa ligação com o automobilismo para que eu pudesse chegar onde cheguei.

Obviamente estávamos lá apenas para homenagear a história da Minardi. Sem qualquer clima de competição ou disputa. Mas tentei aproveitar cada curva, cada passagem, cada segundo ali dentro do cockpit. Confesso que acelerar o PS01 na reta, com aquele ronco estridente dos antigos motores V10, me tirou o fôlego por muitas vezes. Não apenas pela potência de aceleração de um Fórmula 1, mas principalmente pelo saudosismo de uma época que guardo com muito carinho na memória.

Todo o reconhecimento e inspiração de meu trabalho atual como designer e empresário, foi conquistado direta e indiretamente graças ao automobilismo. E a Fórmula 1 representou o ápice deste momento. Por isso, poder beirar mais uma vez os 300km/h me levou de volta por alguns instantes a um passado muito especial para mim e, tudo isso, com a vantagem de não haver a rotina estressante de um fim de semana de corrida. Era apenas festa!

Obviamente o corpo e os reflexos não respondem mais como em 2001 no que se refere a pilotar um Formula 1, mas minha vontade era ficar ali, acelerando, por um dia inteiro. Em um determinado momento até, notei a emoção dando lugar à diversão e, ao final, eu ria feito criança por dentro do capacete. O instinto natural de piloto começou a voltar à tona e as entradas e saídas de curvas com freadas e acelerações mais fortes do que o normal foram inevitáveis. Nesta hora, inclusive, fui recompensado com algumas leves saídas de traseira controladas no contragolpe das acelerações bruscas das saídas de curva. Estava claro pra mim que ali não era mais um encontro entre carro e piloto, mas, sim, entre dois amigos que há 15 anos não se viam.

Após algumas voltas, mal pude acreditar na placa que pedia para eu voltar aos boxes. Parei o carro e enquanto nos recolhiam para dentro da garagem ainda tive tempo de agradecer o momento com dois leves tapinhas na direção, como quando dois velhos conhecidos se reencontram costumam fazer.

Por razões da circunstância, os anos da Minardi na Formula 1 foram difíceis, de muito desenvolvimento e aprendizado. E o mais legal de tudo isso e que, hoje, o público fã de automobilismo não apenas reconhece todo esse esforço como o admira. Prova é que, em uma breve caminhada a pé nas retas de Ímola, vi um Giancarlo Minardi emocionado ao ser saudado de pé por um público italiano já tão acostumado com as vitórias das conterrâneas famosas Alfa Romeo e Ferrari na história da Formula 1.

O carisma conquistado pela Minardi ao longo dos anos emociona.  E o primeiro “Historic Minardi Day” foi isso, emoção pura e para todos. Uma data para comemorar uma das maiores e mais queridas equipes da história da Formula 1. Equipe esta que tenho orgulho de poder ter ajudado a escrever a história!

Grazie Mille, Minardi!

Tarso Marques,

Ex-piloto pela equipe Minardi de Formula 1 (1996, 1997 e 2001)

Sobre a participação de Tarso Marques no “Minardi Historic Day”

O ex-piloto de F1 e atual designer, Tarso Marques, esteve  no autódromo de Ímola, na Itália, durante o último final de semana para um evento super especial. No sábado, dia 25/06, foi realizado o “Historic Minardi Day” com a participação de ex-dirigentes e ex-pilotos que fizeram parte da equipe Minardi na Formula 1.

O brasileiro foi um dos convidados e teve a oportunidade de voltar a pilotar seu antigo carro da temporada de 2001, junto com outros modelos da categoria máxima do automobilismo. O evento foi uma homenagem ao fundador  da equipe, Giancarlo Minardi, e seu legado construído como chefe e dono de equipe.

Sobre Tarso Marques
Experiente piloto do automobilismo, Tarso venceu em todas as modalidades do esporte a motor em que participou até chegar à Fórmula 1, onde disputou três temporadas. Consagrou-se também como o piloto mais jovem do mundo a vencer uma prova na Fórmula Chevrolet, Fórmula 3 e Fórmula 3000. Competiu ainda em três campeonatos de Fórmula Indy.

Tarso Marques hoje dedica 100% de seu tempo a seus negócios no Brasil e nos Estados Unidos, além de também participar esporadicamente em competições automobilísticas no Brasil e exterior. Fundador da TMC (Tarso Marques Concept), uma das maiores empresas de design e customização de artigos de luxo da América Latina, com escritórios no Brasil e Estados Unidos. Das mãos do designer saem projetos exclusivos de motos, carros, iates e até aeronaves, uma vez que seus clientes sempre buscam um toque pessoal no visual e estilo.

A lista de clientes famosos inclui Arnold Schwarzenegger, para quem Tarso criou uma motocicleta customizada exposta em evento especial do ator; o ex-jogador David Beckham (Triumph Bonneville T100 que o craque utilizou no documentário para a BBC sobre a Amazônia); os pilotos e amigos Rubens Barrichello e Luciano Burti, além do apresentador Otávio Mesquita, entre outros.

Tarso Marques, que é detentor do título de tetracampeão mundial em customização de motos nos Estados Unidos, assina desde 2015 os projetos do quadro “Lata Velha”, colaborando ainda em outros como o “Visitando o passado” e “Mandando bem” todos do programa “Caldeirão do Huck”, da Rede Globo de Televisão. Na emissora participa ainda como colaborador do programa “Autoesporte”, que utiliza com frequência o espaço “A Caverna” pertencente a Tarso e dedicado a festas e eventos na capital paulista, como estúdio ambientado.

Fonte:
Linkpress Comunicação Integrada
www.linkpress.com.br
Ricardo Ghigonetto
Comente aqui


Tarso Marques volta a acelerar na Formula 1

Tarso Marques

Em evento que reunirá ex-pilotos e carros históricos da categoria neste final de semana, brasileiro irá pilotar sua Minardi de 2001 no circuito de Ímola

O ex-piloto de Formula 1 Tarso Marques está na Itália para participar de um evento muito especial neste final de semana. No sábado, dia 25 de junho, será realizado no tradicional circuito de Ímola o “Historic Minardi Day”, evento organizado por sua ex-equipe italiana Minardi na categoria máxima do automobilismo. A festa irá reunir pilotos, ex-pilotos e ex-dirigentes que fizeram parte da história da equipe fundada por Giancarlo Minardi, além de 70 carros de categorias como Formula 2, Formula 3, Formula Itália, F300 e GT, incluindo, claro, 17 exemplares de F1 que irão mostrar na pista.

“Será um dia muito especial, de rever amigos e histórias que marcaram minha carreira. Tenho um carinho muito grande pelo Giancarlo Minardi, pois foi através dele e de sua equipe que estreei na Formula 1, em 1996. Sinto uma honra e uma alegria enorme em poder estar presente neste dia e poder voltar ao cockipit do modelo PS01, de 2001, quando eu e Fernando Alonso defendíamos o team na temporada”, diz Tarso.

Além do brasileiro Tarso Marques, que competiu pela equipe nos anos de 1996, 1997 e 2001, já foram confirmadas as presenças dos pilotos Giancarlo Fisichella, Giovanni Lavaggi, Pier Luigi Martini, Gianni Morbidelli, Alessandro Nannini, Jarno Trulli e Pedro Lamy. Ao lado de Giancarlo Minardi, todos vão prestigiar a história desta lendária equipe que detém muito carinho e carisma entre os fãs do automobilismo mundial.

Para os presentes, além dos carros e ex-pilotos, haverá atrações como simuladores de corridas, lojas, e muita história em fotos e vídeos neste dia especial. Informações complementares sobre o evento podem ser obtidas no endereço www.minardiday.it.

Sobre Tarso Marques
Experiente piloto do automobilismo, Tarso venceu em todas as modalidades do esporte a motor em que participou até chegar à Fórmula 1, onde disputou três temporadas. Consagrou-se também como o piloto mais jovem do mundo a vencer uma prova na Fórmula Chevrolet, Fórmula 3 e Fórmula 3000. Competiu ainda em três campeonatos de Fórmula Indy.

Tarso Marques hoje dedica 100% de seu tempo a seus negócios no Brasil e nos Estados Unidos, além de também participar esporadicamente em competições automobilísticas no Brasil e exterior. Fundador da TMC (Tarso Marques Concept), uma das maiores empresas de design e customização de artigos de luxo da América Latina, com escritórios no Brasil e Estados Unidos. Das mãos do designer saem projetos exclusivos de motos, carros, iates e até aeronaves, uma vez que seus clientes sempre buscam um toque pessoal no visual e estilo.

A lista de clientes famosos inclui Arnold Schwarzenegger, para quem Tarso criou uma motocicleta customizada exposta em evento especial do ator; o ex-jogador David Beckham (Triumph Bonneville T100 que o craque utilizou no documentário para a BBC sobre a Amazônia); os pilotos e amigos Rubens Barrichello e Luciano Burti, além do apresentador Otávio Mesquita, entre outros.

Tarso Marques, que é detentor do título de tetracampeão mundial em customização de motos nos Estados Unidos, assina desde 2015 os projetos do quadro “Lata Velha”, colaborando ainda em outros como o “Visitando o passado” e “Mandando bem” todos do programa “Caldeirão do Huck”, da Rede Globo de Televisão. Na emissora participa ainda como colaborador do programa “Autoesporte”, que utiliza com frequência o espaço “A Caverna” pertencente a Tarso e dedicado a festas e eventos na capital paulista, como estúdio ambientado.

Fonte:
Linkpress Comunicação Integrada
www.linkpress.com.br
Ricardo Ghigonetto
Comente aqui


Devialet faz parceria com Renault na Fórmula 1

unnamed

As francesas Devialet e Renault firmam parceria exclusiva. Pela primeira vez, a marca referência em amplificação sonora se associa a uma empresa da indústria automobilística. O objetivo da ação é unir a expertise das duas marcas e condensar novidades e tendências.

O Phantom, considerado um dos melhores aparelhos sonoros do mundo, dono de vários títulos de qualidade, estará presente nos paddocks de treinamento e, além disso, a marca estará adesivada nos carros dos pilotos Jolyon Palmer e Kevin Magnussen.

De acordo com o CEO da Devialet, Quetin Sannié, a empresa conta com 70 engenheiros de alto nível, que criam todos os dias a tecnologia do som de amanhã. “Compartilhamos com a Renault F1 uma obsessão do extremo, a superação dos limites supostamente insuperáveis, a perfeita equação entre design e tecnologia de ponta”, finaliza Sannié.

Devialet
www.devialet.com
Avenida Moema, 170- Cj. 101 – São Paulo.
Telefone: (11) 5051-4049. Atendimento com agendamento.
Facebook: www.facebook.com/pages/Devialet-do-Brasil
Instagram: @devialetbrasil

Fonte: Denise Delalamo Comunicação
Mais informações: Ingrid Morales

Comente aqui


NEC renova parceria com a Sahara Force India para a temporada 2016

 

A empresa mantém a posição de Premium ICT Partner da equipe de Fórmula 1

A NEC Corporation e a equipe de Fórmula 1 Sahara Force India anunciaram a renovação da parceria para a temporada de 2016. A multinacional japonesa segue como Premium ICT Partner, o que inclui a instalação de tecnologias de ponta da companhia na sede principal da escuderia, na Inglaterra. O acordo envolve ainda a divulgação da marca NEC na parte superior dos chassis do VJM09, nos macacões dos pilotos, nos capacetes e no uniforme da equipe.

Sobre o Sahara Force India F1 Team

A história da equipe de Fórmula 1 Sahara Force India se tornou em caso de sucesso. Fundada em 2008 por Dr. Vijay Mally, diretor general do Indian´s UB Group, a equipe se desenvolveu consistentemente no que se refere à competitividade nos últimos sete anos. Em 2011, uma sociedade histórica transformou a Sahara India Pariwar em co-proprietária da equipe, começando uma nova etapa de sucesso. Desde então, a presença e o atrativo da equipe aumentou em virtude do bom rendimento na pista e pela chegada de pilotos de classe mundial, como Nico Hülkenberg e Sergio Perez, que reforçam o compromisso da Sahara Force India com a excelência e o competitivo universo da Fórmula 1.   www.saharaforceindiaf1.com

Sobre a NEC Latin America

Na América Latina, a NEC oferece soluções de telecomunicações e TI para operadoras, empresas e governo. A NEC também desenvolve na região projetos para cidades inteligentes, broadcasting e segurança integrada. Com mais de 45 anos de experiência no mercado local, a empresa é subsidiária da NEC Corporation, uma das maiores companhias globais de tecnologia.

Sobre a NEC Corporation

A NEC Corporation é líder na integração das tecnologias da informação e redes que beneficiam as empresas e as pessoas de todo o mundo. Ao oferecer uma combinação de produtos e soluções que utilizam a experiência e os recursos globais da empresa, as tecnologias avançadas da NEC atendem às necessidades mais complexas dos seus clientes. A NEC conta com mais de 100 anos de experiência em inovação tecnológica, capaz de dinamizar a atuação das empresas, dos negócios e das pessoas.

Baseado no seu Plano de Gestão 2015, o Grupo NEC oferece “Soluções para a Sociedade” em nível mundial, que promovem a segurança, a proteção, a eficiência e a equidade da sociedade. Sob a mensagem corporativa da companhia “Orquestrando um mundo mais brilhante,” a NEC tem como objetivo ajudar a resolver uma ampla gama de temas desafiantes e criar novos valores sociais para o mundo de amanhã, que muda a cada momento. Para obter mais informações, visite o site http://www.nec.com/en/global/about/solutionsforsociety/message.html.

Fonte: Assessoria de comunicação da NEC

A4&Holofote

Priscilla Tavollassi – Marília Pontes

FÓRMULA 1
Comente aqui


Equipe Renault Sport de Fórmula 1 tem novo visual

A Equipe Renault Sport de Fórmula Um revelou o visual definitivo que a escuderia vai exibir na edição 2016 do Campeonato Mundial de Fórmula 1

A equipe apresentou suas cores características – amarelo ouro e preto – durante um evento exclusivo nas Docklands de Melbourne. Os convidados puderam ver o R.S.16 literalmente surfar nas ondas da praia de Boat Harbour Park, bem perto de Sydney!
Acompanhados pela surfista profissional australiana Ellie-Jean Coffey, os pilotos da Equipe Renault Sport de Fórmula Um, Kevin Magnussen e Jolyon Palmer, participaram de uma filmagem na segunda-feira, às vésperas do Grande Prêmio da Austrália. O show car – para quem estava em dúvida se o carro estaria seco a tempo para a corrida do domingo – foi fixado a uma prancha de 7,5 metros de comprimento através de cabos feitos sob medida. Rebocado até o Oceano Pacífico, ele foi liberado em seguida para enfrentar suas primeiras ondas.

“Tínhamos que revelar o novo visual em Melbourne, mas queríamos fazer as coisas um pouco diferentes desta vez”, comentou Cyril Abiteboul, Diretor Geral da Renault Sport Racing. “Estamos na F1 para conquistar vários pontos nas pistas, mas também chamar muita atenção fora delas. É por isso que tivemos esta ideia. Pelo que sabemos, é a primeiríssima vez que um carro de F1 é visto surfando! Isso tem tudo a ver com o clima australiano e, principalmente, com o espírito aventureiro impregnado nos últimos modelos da gama Renault, como Captur e Kadjar”.

“O preto e amarelo Sirius são cores institucionais da Renault por natureza, mas elas também fazem parte da herança da Renault Sport. Em 1977, o primeiro carro de F1 concebido pela Renault – o RS01 – utilizava estas mesmas cores. Este novo visual presta uma homenagem àquele carro fantástico. Para fazer um link ainda mais tangível entre a Renault Sport Cars e a Renault Sport Racing, também utilizamos as cores para destacar o branco fosco encontrado no Renault Clio R.S. Trophy”.

“Também incluímos alguns toques de modernidade para que o R.S. 16 se destacasse. As cores metálicas vão refletir as luzes durante as corridas noturnas e o “diamante” na traseira do carro corresponde à nossa nova identidade. Já os reflexos dourados destacam nossas grandes ambições”.

“Estamos muito felizes com o novo visual do carro e esperamos que vocês gostem tanto do vídeo quanto tivemos o prazer de produzi-lo!”

Fonte: Sala de Imprensa Renault

Comente aqui


Fórmula 1: Renault anuncia retorno à categoria como construtor em 2016

F1 Renault

• Carlos Ghosn anuncia decisão sobre retorno da Renault à Fórmula 1 como escuderia a partir de 2016
• Com 12 títulos de construtores, a Renault é um dos players mais emblemáticos da história da Fórmula 1 há quase 40 anos, tendo participado ativamente para a evolução da categoria.
• A F1 é uma vitrine para novas tecnologias e um meio de acelerar o desenvolvimento das inovações e da gama esportiva da Renault.

Em setembro, a Renault comunicou que uma Carta de Intenções havia sido assinada com a Lotus. Paralelamente, as equipes da Renault mantiveram um trabalho de análise das condições de retorno da marca à Fórmula 1. Todas as atenções se voltaram à capacidade de a empresa participar do campeonato de forma bem-sucedida, bem como às condições econômicas deste retorno como escuderia a partir de 2016.

“A Renault tinha duas opções: voltar 100% ou abandonar completamente a categoria. Após uma análise detalhada, tomei minha decisão: a Renault estará presente na Fórmula 1 a partir de 2016. Os últimos elementos obtidos por parte dos principais players da F1 permitem que nos projetemos com confiança neste novo desafio. Temos a ambição de vencer, mesmo que isso leve um tempo razoável”, afirmou Carlos Ghosn, Presidente e CEO.

Tornando-se novamente uma escuderia independente, a Renault poderá tirar total proveito de suas conquistas. Posicionar-se como fornecedora de motores foi uma estratégia sensata, mas mostrou ter suas limitações. O retorno sobre a imagem e o investimento exigido com a entrada de uma nova regulamentação de motores se mostrou insuficiente.

Foi conduzido um trabalho para colocar em prática o acordo para a aquisição da Equipe Lotus de F1 dentro do melhor prazo. Os principais contratos foram assinados em 3 de dezembro de 2015. A Lotus se apresentou como a melhor escuderia parceira. Renault e Lotus F1 se conhecem há 15 anos e, juntas, foram campeãs do mundo em 2005 e 2006.

A Renault tem mantido uma presença contínua na Fórmula 1 há 40 anos. A Renault revolucionou a Fórmula 1, tendo inventado em 1977 o motor Turbo, que rapidamente se tornou imprescindível. A marca conquistou 168 vitórias, 12 títulos de construtores e 11 títulos de pilotos. A Renault já correu mais de 600 Grandes Prêmios!

Ao escolher estar presente na Fórmula 1 como construtor, a marca confirma que o automobilismo esportivo é um atributo essencial da Renault. A Fórmula 1 é a expressão máxima da paixão pelo automóvel. E a paixão constitui exatamente a identidade da Renault, expressa em sua assinatura ‘Passion for Life’. A Fórmula 1 é um forte motivo de conquista de inúmeros clientes, e um elemento motivador para os colaboradores. A Fórmula 1 é o suprassumo do automobilismo esportivo, que exige excelência tecnológica e operacional. Esta categoria é uma vitrine da expertise tecnológica que a Renault desenvolve para seus produtos em benefício de seus clientes.

A Fórmula 1 é um meio para a Renault acelerar seu desenvolvimento e continuar a estar um passo à frente nas principais evoluções tecnológicas da categoria, além de manter uma ponte entre as tecnologias mais avançadas, desenvolvidas para a Fórmula 1, e as tecnologias para produção em série, principalmente nas áreas de eletrificação e hibridização. Como consequência deste compromisso com a F1, a Renault vai desenvolver sua gama de modelos R.S., aumentando seus investimentos para estar presente em todos os continentes, com veículos adaptados em diferentes segmentos.
A Fórmula 1 é um vetor de notoriedade e imagem de marca em todos os seus mercados, em todo o mundo. A Fórmula 1 é um dos esportes mais midiatizados no mundo, nos 5 continentes, principalmente nos mercados emergentes, reunindo 450 milhões de telespectadores a cada ano em torno do esporte. A categoria oferece um grande potencial de crescimento, com oportunidades em torno de novas tecnologias, redes sociais, videogames, etc.

Agora, temos um encontro marcado para janeiro, quando anunciaremos outros detalhes sobre este compromisso, e em março de 2016, para a largada do campeonato.

Fonte: Assessoria de Imprensa Renault

Comente aqui


Grande Prêmio de Abu Dhabi de Fórmula 1

formula 1

Logo na largada, o piloto da Infiniti Red Bull Racing Daniel Ricciardo teve uma recuperação espetacular, conquistando um belo quarto lugar ao final do Grande Prêmio de Abu Dhabi. O australiano fechou com chave de ouro sua primeira temporada na escuderia austríaca. Já Sebastian Vettel não conseguiu acompanhar o ritmo implacável de seu companheiro de equipe e teve que se satisfazer com a oitava posição.

Jean-Eric Vergne quase conseguiu acumular pontos, terminando na 12ª posição para a Escuderia Toro Rosso. O francês ficou à frente de seu compatriota Romain Grosjean da Equipe Lotus de F1, que teve que obedecer a uma sanção no grid e uma penalidade de drive-through, ficando em 13º lugar. Will Stevens, que iniciou na Fórmula Um com a Equipe Caterham de F1 Team neste fim de semana, apresentou uma primeira corrida sólida, cruzando a linha de chegada na 17ª posição.

Pontos altos da corrida:

Com sua largada em meio ao crepúsculo, Abu Dhabi oferece um panorama arrebatador na etapa final e decisiva do Campeonato Mundial FIA de Fórmula Um. A queda das temperaturas na pista com o cair da noite também leva as equipes a adotarem diferentes estratégias em termos de pneus.

Largar a partir da reta dos boxes não impediu que a dupla Red Bull facilmente se juntasse ao pelotão em uma primeira parada com pneus médios. Ricciardo trilhou seu caminho em meio ao tráfego com mais facilidade e evoluiu para a quinta posição no momento de parar pela primeira vez nos boxes, na 28ª volta. Fazendo uma segunda parada rápida e constante, o australiano subiu para a terceira posição antes de trocar para pneus ‘supermacios’, a oito voltas da chegada. Ele conquistou o quarto lugar, uma posição melhor do que aquela obtida nos treinos classificatórios. Adotando a mesma estratégia, Vettel chegou também a melhorar sua classificação, sem contudo ter a mesma sorte. O alemão teve que se contentar com o oitavo lugar, mas conseguiu levar a melhor sobre Fernando Alonso e Nico Rosberg nas 10 últimas voltas.

As penalidades infligidas aos pilotos da Red Bull promoveram Kvyat à quinta posição no grid de largada e lhe deram a oportunidade de potencialmente computar uma nova e bela leva de pontos antes de deixar a Toro Rosso. Com uma largada impetuosa, o jovem russo caiu para a sétima posição e viu seu Grande Prêmio terminar de forma antecipada, quando um problema ocorreu com seu grupo propulsor. Seu companheiro de equipe Jean-Eric Vergne, por sua vez, se mostrou por muito tempo como sério candidato a ficar entre os 10 primeiros, mas acabou terminando na 12ª posição.

Os 20 anos de parceria entre a Equipe Lotus de F1 e a Renault Sport F1 terminaram com um 13º lugar para Romain Grosjean. O francês decidiu respeitar sua penalidade de ‘drive-through’ desde o fim da primeira volta, e melhorou sua classificação de forma regular durante toda a corrida. Menos sorte teve Pastor Maldonado, que precisou abandonar devido a um problema de propulsor na 28ª volta.

A Caterham marcou seu retorno à Fórmula Um com o 17º lugar de Will Stevens. O britânico evoluiu pela primeira vez neste nível principalmente após ter vencido duas corridas na Fórmula Renault 3.5 nesta temporada. Já seu companheiro de equipe Kamui Kobayashi não chegou a cruzar a linha de chegada.

A Red Bull Racing e Ricciardo já tinham garantido o segundo e terceiro lugares em seus campeonatos respectivos antes da última etapa da temporada. Já Vettel desceu para a quinta posição na classificação dos Pilotos, já que os dois pontos obtidos na Yas Marina permitiram que Valtteri Bottas finalmente passasse à frente do tetracampeão do mundo.

Rémi Taffin, diretor das atividades de pista da Renault Sport F1:

“Final com diferentes emoções para todos nós neste domingo, mas a recuperação formidável dos pilotos da Red Bull nos serve indiscutivelmente de consolo. Mesmo se a escuderia já havia conquistado o segundo lugar entre os Construtores, Daniel e Seb mostraram mais uma vez todo o seu talento. Este resultado destaca também que progredimos até o final sem jamais parar de lutar. Por outro lado, peço desculpas à Lotus e a Pastor, bem como à Toro Rosso e Daniil, pelos problemas de propulsor que abreviaram o Grande Prêmio para eles neste domingo. Ainda temos muito trabalho a fazer para a temporada seguinte, mas já posso confirmar que continuaremos a melhorar em todas as áreas. Também faço absoluta questão de agradecer a todo o pessoal da Renault Sport F1, assim como aos nossos parceiros técnicos Mecachrome e Total, por seus esforços perseverantes durante todo o ano. Não foi uma temporada fácil, mais fizemos imensos progressos e nunca desanimamos. Sei perfeitamente que todos na fábrica de Viry-Châtillon conhecem o nível da qualidade da nossa concorrência. É por isso que me junto a eles para parabenizar o novíssimo campeão do mundo Lewis Hamilton, pela sua formidável temporada com a Mercedes. É este tipo de sucesso que nos faz redobrar nossos esforços, para reconquistar os dois títulos em 2015. Por fim, também quero agradecer a Sebastian pela fidelidade a toda a família Renault durante os últimos anos. Junto com a Red Bull Racing, ele marcou um novo capítulo glorioso à nossa rica história na Fórmula Um. Por isso, desejo a ele o melhor para o futuro de sua carreira.”

Fonte: Imprensa Renault

Comente aqui


Banco do Brasil e Sauber anunciam parceria na F1

Piloto brasileiro Felipe Nasr
A equipe terá o brasileiro Felipe Nasr como piloto na temporada 2015

O Banco do Brasil e a Sauber F1 Team anunciam parceria para a temporada 2015 de Fórmula 1. O piloto brasileiro Felipe Nasr, 22, patrocinado pelo BB, será titular da equipe. Os carros da Sauber terão o azul como cor predominante, com aplicação da marca Banco do Brasil nas laterais e na parte traseira do aerofólio.

O BB iniciou o patrocínio ao piloto Felipe Nasr em 2012, possibilitando a sua primeira participação na Fórmula GP2 Series, com objetivo de apoiar o desenvolvimento da carreira do jovem piloto, em busca de uma vaga na F1.

Hayton Rocha, diretor de Marketing e Comunicação do Banco do Brasil, reforça que a parceria consolida o BB como banco brasileiro que mais investe no esporte. “O principal objetivo da parceria é viabilizar a entrada de um piloto brasileiro na Fórmula 1, esporte que tem público cativo no País. Nós acreditamos no potencial de Felipe Nasr, apontado por especialistas como a maior promessa do automobilismo brasileiro desde Ayrton Senna. Além disso, é uma oportunidade de aumentar a conexão entre a marca BB e atributos como brasilidade, modernidade e tecnologia”.

Felipe Nasr iniciou sua carreira no kart aos sete anos, onde conquistou todos os títulos possíveis nos monopostos, até chegar à GP2. Ingressou na GP2 pela equipe Dams, terminando o campeonato de 2012 em 10º lugar. Já em 2013, mudou para a equipe Carlin e chegou em 4º lugar no campeonato. Atualmente, está na segunda posição na GP2 Series 2014 e é piloto substituto e de testes da equipe Williams.

O piloto destaca a importância desse momento: “É um passo muito importante na minha carreira assinar como piloto oficial da Sauber F1 Team para o Campeonato Mundial de F1 de 2015. Um momento inesquecível que eu devo a todos que os que me apoiaram: minha família, amigos, equipes, patrocinadores e ao nosso Brasil todo. O Banco do Brasil é muito mais do que um patrocinador para mim, é um parceiro também fora das corridas. É um orgulho poder levar as nossas cores e o nosso nome pelas pistas”.

A Sauber estreou na F1 em 1993 e seus carros foram conduzidos por pilotos como Robert Kubica, Sebastien Vettel e Nick Heidfeld, além dos brasileiros Felipe Massa e Pedro Paulo Diniz.

Segundo Monisha Kalterborn, chefe da equipe Sauber, Felipe Nasr merece a posição conquistada na Fórmula 1. “Estamos felizes por ele ser nosso piloto no próximo ano. Isso significa que o Brasil terá mais um jovem piloto talentoso no esporte. O Banco do Brasil tem sido um parceiro importante para Felipe e estamos muito satisfeitos que uma empresa tão renomada esteja ao lado dele nesse momento importante. Estamos ansiosos por essa parceria”.

O Banco do Brasil e o esporte

O Banco do Brasil é o Banco do Esporte Brasileiro e utiliza o marketing esportivo como plataforma de comunicação que promove relacionamento, inclusão social, retorno de imagem e ferramenta de apoio aos negócios.

A atuação no marketing esportivo teve início em 1991, com o patrocínio ao vôlei de quadra, masculino e feminino, desde as categorias de base, e o patrocínio ao vôlei de praia. Passados 23 anos do início da parceria com o voleibol, as seleções feminina e masculina estão hoje entre as melhores do mundo. Na praia, o Banco do Brasil apoia as seleções (masculina e feminina) e promove o Circuito Banco do Brasil Vôlei de Praia, competição nacional mais relevante da categoria.

Atualmente, o BB apoia também as seleções masculina e feminina de handebol.

Fonte: Assessoria de Imprensa BB

Comente aqui


Balanço do GP do Japão – Renault Sport F1

renault f1

Os corações de todo o pessoal da Renault Sport F1 estão com Jules, sua família e equipe

Pontos altos da corrida:

Fortes chuvas sacudiram o circuito durante o período da manhã e na formação do grid. Os pilotos tiveram que largar atrás do Carro de Segurança. A bandeira vermelha interrompeu pela primeira vez o Grande Prêmio depois de duas voltas, mas as condições climáticas melhoraram o suficiente para que voltassem os embates, sempre sob o regime do Carro de Segurança, que saiu de cena na nona volta, permitindo a continuação da corrida em pista húmida até a interrupção definitiva do Grande Prêmio na 44ª volta.

Vettel imitou a estratégia de paradas nos boxes feita pelos pilotos da Mercedes, e se manteve em pista uma volta adicional com pneus de chuva depois que o Carro de Segurança saiu da pista. Esta tática permitiu que o atual campeão do mundo levasse a melhor sobre Ricciardo, antes de partir ao encalço dos dois pilotos da Williams. Logo em seguida, Vettel se desvencilhou de Massa e Bottas, graças a duas manobras cheias de ousadia, sendo imitado por Ricciardo pouco tempo depois. Agora em quarto e quinto, a dupla da Red Bull partiu para cima de Jenson Button, que estava na terceira posição, aproveitando sua parada nos boxes para ultrapassá-lo. O britânico recuperou temporariamente seu lugar, mas as posições se inverteram novamente, quando Button parou para trocar de pneus pouco antes da interrupção definitiva do Grande Prêmio.

Jean-Eric Vergne, piloto da Escuderia Toro Rosso, ficou em nono lugar depois de ter largado do final do grid. O francês foi penalizado por ter utilizado um sexto motor a combustão interna. Graças a uma estratégia inteligente, Vergne teve uma corrida sólida, conseguindo acumular pontos. Já Daniil Kvyat teve um Grande Prêmio mais delicado. O jovem russo esteve várias vezes entre os dez melhores, mas terminou sem acumular pontos, na 11ª posição.

A Equipe Lotus de F1 se classificou em 15º e 16º lugares, com Romain Grosjean ultrapassando Pastor Maldonado sob a bandeira quadriculada.

Marcus Ericsson confirmou seus belos prognósticos neste fim de semana para a equipe Caterham de F1, terminando em 17º, uma posição à frente de Max Chilton. Kamui Kobayashi terminou seu Grande Prêmio em casa na 19ª fileira.

A escuderia Infiniti Red Bull Racing consolidou seu segundo lugar na classificação dos Construtores, enquanto que Daniel Ricciardo continua em terceiro entre os Pilotos. Já Sebastian Vettel está agora na quarta posição.

Rémi Taffin, diretor das atividades de pista da Renault Sport F1:

“Após o acidente que ocorreu ao final do Grande Prêmio, queremos, em primeiro lugar, dizer que nossos corações estão com Jules Bianchi, sua família e equipe. As condições incertas da pista fizeram desta uma corrida difícil para todo mundo, e cada equipe deu o seu melhor a partir das informações de que dispunha no decorrer da prova. Fizemos o possível para extrair a máxima performance de cada um de nossos grupos propulsores. Calcular o consumo de combustível, gerenciar a energia e definir as regulagens continua sendo, nestas circunstâncias, um exercício extremamente complicado. Por isso, propulsionar três monopostos que acumularam pontos, sendo um deles no pódio, foi um excelente resultado. Agora devemos ultrapassar nossos concorrentes em matéria de performance pura, mas queremos dar os parabéns à Red Bull pela conquista de um pódio e por ter levado um segundo carro à quarta posição. Parabéns também para a Toro Rosso. Vergne conseguiu mais uma vez uma espetacular recuperação, conseguindo acumular pontos, mesmo com a penalidade de motor. Isso demonstra que, mesmo se estes contratempos nunca são bem-vindos, eles podem ser superados graças aos grupos propulsores que temos agora. A Lotus e a Caterham também tiveram uma sólida atuação durante este fim de semana, e agora podemos partir confiantes para a Rússia. O traçado de Sochi deve ser favorável a nós e, por isso, estamos saindo do Japão com um programa de trabalho que inclui muitos pontos positivos.”

Fonte: Imprensa Renault

 

Comente aqui