NATAÇÃO



Com 7 ouros, Matheus Gonche dá show no Estadual de Natação Júnior de Inverno

abremat

Nadador de Rezende mantém 100% de aproveitamento e ainda quebra 3 recordes

Mesmo diante de grandes nomes da natação brasileira, o jovem Matheus Gonche, de 17 anos, surpreendeu e foi o principal destaque do Campeonato Estadual de Natação Junior e Senior de Inverno, disputado na piscina do Botafogo FR, no Rio de Janeiro (RJ). O nadador de Resende encerrou sua participação no evento neste domingo (3) com sete medalhas de ouro e três recordes quebrados.
“Ele nadou muito bem, conseguimos explorar bem a saída de bloco, que vem sendo seu ponto mais forte. Apesar de estarmos em um período de base, preparando para os compromissos do segundo semestre, os resultados mostram que ele está evoluindo rapidamente e pode melhorar cada vez mais”, avalia o técnico Marcelo Silva.


Logo na estreia, na sexta-feira (1), o atleta levou para casa o ouro nos 100m borboleta, com direito a novo recorde do campeonato (56s58), o título nos 200m medley (2min12s85) e o primeiro lugar junto com o revezamento 4x100m livre (3min30s07). Depois, o nadador do Fluminense venceu os 50m borboleta (25s79) e os 200m borboleta, também superando a melhor marca do campeonato na prova (1min59s58). O atleta ainda ajudou seu clube a conquistar o título dos revezamento 4x50m livre (1min38s15) e 4x100m medley (3min50s46 – novo recorde do evento).
O atleta é uma das principais promessas da natação brasileira para a Olimpíada de Tóquio 2020. Em 2016, o nadador do Fluminense já participou de outra etapa do Sul-Fluminense, que ocorreu em Valença, do Troféu Maria Lenk – Seletiva Olímpica no Rio de Janeiro, do Torneio Sudeste de Natação Juvenil, Junior e Sênior em Belo Horizonte (MG) e de duas etapas do Circuito Carioca de Natação.
Matheus Gonche tem 17 anos e acumula resultados expressivos nas categorias de base da natação. Ele é patrocinado pela POUPEX, usa Hammerhead como material esportivo, é contemplado pela Bolsa Atleta do Ministério do Esporte e recebe apoio da Onboardsports, Reserva Fitness, Parada do Milho. O nadador defende o Fluminense e é treinado por Marcelo Silva em Resende (RJ).
Fonte: Flávio Perez
www.onboardsports.com.br

Comente aqui


Mare Nostrum: Jhennifer Alves se aproxima dos melhores tempos na etapa de Canet

unnamed

Nadadora do E.C. Pinheiros fica com a medalha de ouro nos 50 m peito do evento na França

Jhennifer Alves, nadadora do Esporte Clube Pinheiros, ficou com a medalha de ouro da prova dos 50 m peito do Circuito Mare Nostrum 2016 – etapa de Canet, na França. Nesta quinta-feira (9), a atleta de Nova Friburgo (RJ) fez 31s34, sua segunda melhor marca na distância. Apesar de a prova não ser do programa olímpico, a nadadora de 19 anos comemorou o resultado.”Confesso que não esperava ter tempos bons, pois estava um pouco pesada com uma sequência de treinos bem intensa. Os resultados foram surpreendentes e isso só me anima a continuar trabalhando. Quando estiver polida posso dar os melhores tempos na minha carreira. Estou feliz por ter vencido nessa minha estreia no Mare Nostrum. Vou mais confiante para a etapa de Barcelona, que será dia 11 e 12”, disse a brasileira.
Nos 100 m peito, Jhenny foi a sétima na véspera com 1min09s81, um pouco mais de um segundo do seu melhor. Ao todo, o Brasil ganhou sete medalhas no Mare Nostrum – 3 de ouro, 2 de prata e 2 de bronze. Na próxima etapa do evento, a atleta também nadará os 100 m peito e 50 m peito.


A atleta estará na Rio 2016 no revezamento 4×100 m medley no peito. Ela deve também nadar sua especialidade nos Jogos: os 100 m peito. A nadadora, que possui o índice B exigido pela CBDA (1min10s22), foi a melhor brasileira na prova na última seletiva brasileira, o Troféu Maria Lenk, realizado em abril. Jhennifer fez o tempo de 1min08s31.
Jhennifer Alves é medalhista pan-americana e campeã sul-americana Juvenil. Em 2015 ela foi campeã absoluta dos 50m peito nas três principais competições do país: o Maria Lenk, o Troféu José Finkel e o Open. Natural de Nova Friburgo (RJ), a atleta já quebrou quatro recordes de campeonato, dois recordes estaduais absolutos, um recorde nacional absoluto e nove recordes de campeonatos de verão. Considerada uma das melhores nadadoras do estilo peito no país, Jhennifer representa o Esporte Clube Pinheiros.
Mais informações no site www.jhenny.com.br
Jhennifer Alves é medalhista pan-americana e campeã sul-americana Juvenil. Em 2015 ela foi campeã absoluta dos 50m peito nas três principais competições do país: o Maria Lenk, o Troféu José Finkel e o Open. Natural de Nova Friburgo (RJ), a atleta já quebrou quatro recordes de campeonato, dois recordes estaduais absolutos, um recorde nacional absoluto e nove recordes de campeonatos de verão. Considerada uma das melhores nadadoras do estilo peito no país, Jhennifer representa o Esporte Clube Pinheiros.
Fonte: Katarine Monteiro
www.onboardsports.com.br

 

Comente aqui


Thiago Pereira vence última prova antes da Rio 2016

thiagoabre

Brasileiro ganha ouro nos 200 m medley do GP de Santa Clara de natação

Thiago Pereira fez, neste domingo (05), sua última prova antes da Rio 2016. O atleta do Fiat Minas Tênis Clube fechou o ciclo de competições com a medalha de ouro nos 200 m medley do Grand Prix de Santa Clara, nos Estados Unidos. O brasileiro nadou sua principal prova em 1min57s77 e de quebra fez seu melhor tempo este ano, mesmo estando numa fase ‘pesada’ de treinos, onde os tempos mais baixos são menos comuns. Para se ter uma ideia, na seletiva olímpica – Troféu Maria Lenk – de abril, Thiago Pereira fez 1min57s91.
“Não esperava nadar tão bem nesta fase de treinamento, gostei muito da prova e do resultado. Agora está chegando a Rio 2016 e aproveito o momento para convidar a todos a acompanhar a olimpíada na minha casa”. As parciais de Thiago Pereira nos 200 m medley do GP de Santa Clara foram: 25s21 no borboleta, 29s55 no costas, 33s87 no peito e fechou o crawl com 29s14.
O atleta também nadou outras provas no GP de Santa Clara. Nos 100 m peito (1min02s02), o brasileiro fez o melhor tempo da carreira. Thiago também caiu na água para os 100 m costas (55s29), ficando em quarto lugar.


Recordes
O resultado em Santa Clara isolou Thiago Pereira na liderança entre os brasileiros que mais venceram em GPs dos Estados Unidos. Agora são 13 medalhas de ouro. Ao todo, o atleta de Volta Redonda (RJ) tem 25 medalhas, sendo duas de prata e dez de bronze. Foram 16 participações e 70 provas nadadas. Seu melhor desempenho foi nos 200 m medley, com oito medalhas de ouro.
E o atleta tem mais recordes pelo mundo. Thiago Pereira é o maior medalhista internacional do Brasil, levando em conta os eventos de primeira linha como mundiais, olimpíadas e pans. Ele tem uma medalha de prata nas olimpíadas de Londres, três pódios em mundias de piscina longa e 23 medalhas pan-americanas.
O medalhista dos Jogos de 2012 nos 400 m medley vai para sua quarta participação em olimpíadas – Atenas 2004, Pequim 2008, Londres 2012 e agora Rio 2016. O atleta cairá na água apenas nos 200 m medley no Parque Olímpico da Barra da Tijuca.
Thiago Pereira é patrocinado pelos Correios, Speedo International Ltd e P&G. O nadador defende o Fiat Minas Tênis Clube, tem 30 anos e é natural de Volta Redonda (RJ). É dono de 23 medalhas pan-americanas, um recorde histórico. Em Londres-2012, o atleta conquistou a medalha de prata na prova dos 400 m medley.
O medalhista olímpico também é vice-presidente da Comissão de Atletas da FINA – Federação Internacional de Natação – e integrante das Comissões de Atletas do COB – Comitê Olímpico Brasileiro – e da Odepa – Organização Desportiva Pan-Americana.
Fonte: Flávio Perez
www.onboardsports.com.br

Fotos: Fernando Mucci/OnboardSports e Flávio Perez/OnboardSports

Comente aqui


Jessica Bruin disputa seu campeonato favorito depois da Olimpíada, o Marenostrum

abrejessica

Nadadora do Sesi-SP compete no circuito nas etapas de Canet (FRA) e Barcelona (ESP)

Às vésperas de disputar sua primeira olimpíada, Jessica Bruin terá na próxima semana um grande teste no seu ‘campeonato favorito’. A nadadora do Sesi-SP embarca, nesta quinta-feira (2), com a seleção brasileira para a Europa visando a disputa do tradicional circuito Marenostrum de natação. As competições reúnem a nata das piscinas nacionais sempre na reta final para os maiores eventos do calendário mundial e por isso é uma grande chance de observar as principais adversárias que estarão presentes no Rio de Janeiro em agosto.
“É um campeonato muito importante! Sempre tenho boas memórias nadando muito bem. As grandes potências da modalidade participam do Marenostrum. Agora que todas as seleções estão praticamente formadas já dá pra saber quem serão nossos adversários e observar como está a preparação deles, o nível técnico. Além disso é uma boa chance de nos posicionarmos bem no ranking entre nações. Agora que estamos entrando na fase mais competitiva, os resultados podem começar a sair. Isso é importante pra gente saber se situar, definindo melhor a estratégia para agosto”, contou a pentacampeã brasileira dos 200 m livre.
A nadadora do Sesi-SP terá uma rotina cheia de provas na Europa. Em Canet, Jessica Bruin compete nos 100m, 200m, 400m e 800m livre e ainda os 200m borboleta. Já em Barcelona, a atleta foi escalada para os 100m, 200m, 400m e 800m livre.


A mineira, duas vezes medalhista pan-americana, foi uma das responsáveis pela classificação brasileira no revezamento 4×200 m livre para a Rio 206. No Mundial de Kazan, em agosto de 2015, ela, Manuella Lyrio, Joanna Maranhão e Larissa Oliveira terminaram as eliminatórias em 10º lugar e garantiram o lugar do time nas Olimpíadas. No Troféu Maria Lenk, última seletiva olímpica,Jessica Bruin não só confirmou sua vaga no quarteto que irá para os Jogos em agosto como fez seu melhor tempo na carreira nos 200m livre (1min59s05), terceiro melhor entre as brasileiras. Também irão integrar a equipe de revezamento 4×200 m livre Manuella Lyrio, Larissa Oliveira e Gabrielle Roncatto.
Jessica Bruin Cavalheiro tem 24 anos e defende as cores do Sesi-SP. Mineira de Belo Horizonte (MG), a atleta é treinada por Fernando Vanzella e tem o patrocínio dos Correios. Jiba, como é carinhosamente chamada pelos amigos, é pentacampeã brasileira dos 200 m livre e é duas vezes medalhista de prata pan-americana. Jessica deu as primeiras braçadas ainda criança. Aos 10 anos já integrava a equipe do Minas Tênis Clube. A atleta também passou pelo Fluminense.
Fonte: Flávio Perez e Andressa Rufino
www.onboardsports.com.br

Fotos: Fernando Mucci/OnboardSports

Comente aqui


Daniel Dias quebra recorde mundial dos 50m costas S5 em Portugal

unnamed

Brasileiro venceu o Campeonato Europeu e superou sua própria marca ao completar a prova em 34s95

05-05-2016

Dono de dez medalhas de ouro paralímpicas na carreira, o nadador Daniel Dias mostrou nesta quinta-feira (05.05) que tem tudo para aumentar a coleção nos Jogos Rio 2016. Disputando o Campeonato Europeu de natação, em Funchal, Portugal, o brasileiro venceu os 50m costas S5 e ainda quebrou o próprio recorde mundial com o tempo de 34s95.

A antiga marca pertencia ao próprio Daniel, conquistada justamente em Londres 2012, onde ele ficou com a medalha de ouro na prova. De acordo com o nadador, melhorar o tempo dos 50m costas é algo que ele já vinha mirando desde 2015.

“Foi muito bom, estou realmente feliz. Ano passado eu estava tentando melhorar esse recorde mundial, mas não deu certo. Hoje deu e isso me dá a motivação que eu preciso para me preparar para o Rio 2016”, comentou Dias.

danieldias

O pódio teve ainda o britânico Andrew Mullen, que ficou com a prata com o tempo de 37s92, e o vietnamita Thanh Tung Vo, bronze com 39s60.

O Brasil ainda subiu mais três vezes ao pódio nesta quinta. Nos 100m livre S9, Vanilton Filho foi prata com 57s92. Ele ficou atrás apenas do italiano Federico Morlacchi, campeão com 56s99. O bronze ficou com o britânico Lewis White, que completou a prova em 58s07.

Nos 200m medley SM10, Andre Brasil ficou com o bronze. O brasileiro terminou a prova em 2min16s01. O vencedor foi o ucraniano Denys Dubrov, que estabeleceu o novo recorde mundial com 2min08s71. A prata foi de outro nadador da Ucrânia: Dmytro Vazenko, com 2min15s80.

Já no revezamento 4x50m livre 20 pontos, a equipe brasileira foi prata com 2min32s19. O título ficou com a Ucrânia, nova detentora do recorde europeu da prova com 2min30s26. Completou o pódio a Itália, com 2min33s61.

Fonte: Comitê Paralímpico Internacional

Ascom – Ministério do Esporte

unnamed(1)

Comente aqui


Jessica Bruin integra o revezamento 4×200 m livre na Rio 2016

unnamed

Atleta de 24 anos confirma vaga na seleção brasileira de natação

A mineira Jessica Bruin pode dizer oficialmente que nadará sua primeira olimpíada. A atleta do Sesi-SP confirmou, neste domingo (17), vaga nos Jogos de 2016 no revezamento 4×200 m livre ao lado de Manuella Lyrio, Larissa Oliveira e Gabrielle Roncatto. Na final da prova dos 200 m livre no Troféu Maria Lenk, Jessica Bruin fez seu melhor tempo na carreira 1min59s05, terminando na terceira posição no geral.
É um dia histórico! Eu treinei muito pra chegar até aqui, muito mesmo, é um sonho desde criança. Vou para as Olimpíadas! Só tenho a agradecer meus amigos, minha família, principalmente. Essa vaga eu dedico a duas pessoas, meu irmão que mora na China e que só ia voltar para me ver nadar uma Olimpíada, e também ao meu psicólogo de 2011 que faleceu, e disse que nunca tinha treinado uma atleta sem ser olímpica, eu era a exceção, e agora não sou mais. Obrigada”, disse a emocionada Jessica.
Pentacampeã brasileira dos 200 m livre, Jessica Bruin por dois anos bateu na trave para nadar abaixo dos 2 minutos na distância . Nas finais do Open de 2014, por exemplo, fez 2min00s14. No Pan de Toronto 2015, a mineira fez 2min00s15. Já na primeira seletiva olímpica, em Palhoça (SC) conseguiu o feito terminando a final em 01min59s77. Neste domingo, nas eliminatórias, Jessica Bruin passou pra final com 1min59s43.


Sobre o nível do quarteto para os Jogos, Jessica disse que agora é possível sonhar com uma final olímpica nos 4×200 m livre.”Esse revezamento com o 57s da Larissa Oliveira deu um upgrade, a gente tem as quatro nadadoras agora abaixo de 2min00, isso é muito forte. Isso só dá mais confiança pra gente treinar e chegar na final, pra repetir o feito de 2004 das meninas e ser ainda melhor, eu estou muito feliz”.
A mineira, duas vezes medalhista pan-americana, foi uma das responsáveis pela classificação brasileira no revezamento 4×200 m livre para a Rio 206. No Mundial de Kazan, em agosto de 2015, ela, Manuella Lyrio, Joanna Maranhão e Larissa Oliveira terminaram as eliminatórias em 10º lugar e garantiram o lugar do time nas Olimpíadas.
Jessica Bruin Cavalheiro tem 24 anos e defende as cores do Sesi-SP. Mineira de Belo Horizonte (MG), a atleta é treinada por Fernando Vanzella e tem o patrocínio dos Correios. Jiba, como é carinhosamente chamada pelos amigos, é pentacampeã brasileira dos 200 m livre e é duas vezes medalhista de prata pan-americana. Jessica deu as primeiras braçadas ainda criança. Aos 10 anos já integrava a equipe do Minas Tênis Clube. A atleta também passou pelo Fluminense.
Fonte:
Flávio Perez e Andressa Rufino
www.onboardsports.com.br

Fotos: @FernandoMucci e Heusi Action

Comente aqui


Luiz Altamir confirma vaga na Rio 2016 nos 400 m livre

unnamed

Atleta do Flamengo será o primeiro brasileiro na prova desde Atenas 2004

O Brasil volta a ter um representante nos 400 m livre da Olimpíada depois de 12 anos. Luiz Altamir será o nadador do País na prova na Rio 2016 após os resultados do Troféu Maria Lenk, evento-teste da modalidade que ocorre no Parque Olímpico, no Rio de Janeiro (RJ). O atleta do Flamengo confirmou sua participação na primeira seletiva, ainda em dezembro de 2015, no Open de Palhoça (SC), com 3min50s32. ”Estou muito feliz e emocionado! Não tenho palavras para descrever esse momento. É um sonho de criança que se torna realidade hoje. Treinei muito, suei bastante, batalhei todos os dias e agora tenho a chance de defender o meu País na Rio 2016. Espero evoluir ainda mais para baixar meus tempos”, disse o nadador de 19 anos. ”Represento o Brasil desde as categorias de base. No ano passado entrei para a seleção adulta e logo de cara competi o Pan de Toronto. É um orgulho fazer parte deste time”.
Nesta sexta-feira (15), na disputa do Troféu Maria Lenk 2016, Luiz Altamir não nadou abaixo do índice exigido, mas nenhum outro atleta superou sua marca de dezembro e ele será o único representante do Brasil nos Jogos por enquanto. O último nadador brasileiro que esteve nos 400 m livre em uma Olimpíada foi Bruno Bonfim, em Atenas 2004. Ele não tinha o índice individual, mas competiu a prova porque se classificou para o revezamento 4×200 m livre. Luiz Lima foi o último brasileiro a nadar a prova com índice exigido, ele terminou em 17º lugar nos Jogos Olímpicos de Sydney 2000.


Motivado para as próximas
Luiz Altamir busca neste sábado (16) o índice de 1min47s97 nos 200 m livre e consequentemente no revezamento 4×200 m livre. No Open de 2015, que valeu como primeira seletiva, o flamenguista fez 1min48s34, o melhor tempo de sua vida na distância. No domingo (17) o jovem de 19 anos compete os 200 m borboleta em busca do índice de 1min56s90. Está balizado com o tempo de 1min58s21.
A última seletiva olímpica é realizada na piscina do Parque Olímpico, no Rio de Janeiro, e vai até o dia 20 (quarta-feira). A competição é a última chance que os atletas possuem para entrar para o time olímpico.
Sobre Luiz Altamir
Luiz Altamir é atleta do Flamengo. O atleta, que é patrocinado pelos Correios, foi campeão pan-americano em 2015, medalhista olímpico da Juventude em 2014 e é uma das promessas da natação brasileira. Aos 16 anos foi morar no Rio de Janeiro (RJ) onde treina com Eduardo Pereira, o Duda, no clube da Gávea e na piscina do Maria Lenk.
Saiba mais sobre Luiz Altamir no site www.luizaltamir.com.br
Siga também no Instagram @luizaltamir96 e
Curta a fã page em www.facebook.com/ LuizAltamir
Fonte:
Flávio Perez
www.onboardsports.com.br

Fotos: FlávioPerez/OnboardSports

Comente aqui


Troféu Maria Lenk: João Gomes Jr faz o segundo tempo do mundo nos 100m peito

unnamed(1)

Com 59s06, o nadador do Pinheiros sai na frente na briga pela vaga olímpica em uma das provas mais disputadas. Daiene Dias e Etiene Medeiros alcançam índice olímpico para os 100m borboleta

15-04-2016

Na prova mais disputada do primeiro dia de competições do Troféu Maria Lenk, última seletiva da natação brasileira para o Rio 2016, atletas que já haviam conquistado o índice olímpico (1m00s57) nos 100m costas melhoraram suas marcas na manhã desta sexta-feira (15.04), na piscina do Estádio Aquático, no Parque Olímpico da Barra, no Rio de Janeiro. O destaque foi João Gomes Jr, que completou a prova em 59s06. Esse é o segundo melhor tempo do mundo em 2016, perdendo apenas para o britânico Adam Peaty (58s41). Com o resultado da eliminatória, ele sai na frente na briga por uma das duas vagas olímpicas nos 100m costas.

“A gente nunca pode dizer que está 100% garantido, mas é legal porque os outros agora vão ter que correr atrás de mim. Lutei pra isso e estou conquistando meu objetivo. Minha marca na cabeça é o ouro olímpico, é só isso que eu almejo. À noite noite é confirmar meu nome na Olimpíada”, disse João Gomes Jr.

Ele acrescentou que vai brigar para nadar na casa 58s hoje à noite. “Quebrei o gelo na primeira caída. Estou com  o pé direito na competição, entrei do jeito que eu queria, e à tarde é baixar a temperatura, a euforia e ficar tranquilo para acertar e nadar na casa dos 58”, explicou.

João Gomes Jr comemora a marca nos 100m peito. Foto: Gabriel Heusi/brasil2016.gov.br

João Gomes Jr comemora a marca nos 100m peito. Foto: Gabriel Heusi/brasil2016.gov.br

Os outros três brasileiros que nadaram abaixo do índice na primeira seletiva olímpica, em Palhoça (SC), em dezembro do ano passado, são Felipe França, Pedro Cardona e Felipe Lima. Nesta sexta, Felipe França repetiu a marca feita em Santa Cantarina (59s56), Pedro Cardona fez 59s77, melhorando o resultado de Palhoça (1m0014) e Felipe Lima nadou para 1m00s06, pouco melhor que o 1m00s09 de dezembro. João Gomes Jr havia feito 1m00s00 em Santa Catarina.

Índice nos 100m borboleta

Daiene Dias nadou os 100m borboleta na terceira série em 58s04, tempo abaixo dos 58s74 que são o índice de referência para os Jogos Olímpicos. Na mesma prova, Etiene Medeiros fez 58s49 e também conseguiu superar o tempo exigido. Como terminou antes, Etiene ficou esperando na zona mista, onde ficam os jornalistas, o resultado da amiga Daiene. Ao final, as duas comemoraram juntas.

“Alcancei o índice em mais uma prova. Queria realmente fazer o índice nessa prova, só queria mais baixo. Mas fiquei megafeliz. Ainda vamos conversar sobre essa prova e foi muito bom”, disse Etiene Medeiros, que já tem índice nos 50m e nos 100m livre. Como a prioridade da atleta do Sesi é conseguir a marca para os 100m costas, prova que será realizada neste sábado (16.4), ela optou por não disputar a final dos 100m borboleta no fim de tarde desta sexta.

“Sabia que tinha que fazer minha parte, gostei do tempo, foi o meu melhor. Estou muito feliz, treinei muito para essa prova e tomara que eu consiga garantir (a vaga) à tarde. Eu sabia que tinha que ‘socar a bota’ de manhã, fazer meu máximo. Eu gosto de nadar de manhã e fui pra cima”, disse Daiene Dias.

Daiene Dias e Etiene Medeiros celebram o índice olímpico nos 100m borboleta. Foto: Carol Delmazo/brasil2016.gov.br

Daiene Dias e Etiene Medeiros celebram o índice olímpico nos 100m borboleta. Foto: Carol Delmazo/brasil2016.gov.br

Outras provas do dia

Também foram disputadas, na manhã desta sexta-feira, as eliminatórias dos 400m livre masculino e dos 400m medley nos dois gêneros. Não houve novidades em termos de marcas brasileiras para índices olímpicos. Luiz Altamir, que já fez 3m50s32 (abaixo do índice) na primeira seletiva olímpica, fechou os 400m livre em 3m57s23 e vai disputar a final B nesta sexta.

Nos 400m medley, Brandonn Almeida, que detém o recorde mundial júnior da prova com a marca que fez na seletiva de Palhoça (4m14s07), já abaixo do índice olímpico, completou a distância no Maria Lenk em 4m24s97. Na prova feminina, Joanna Maranhão nadou para 4m46s54. Ela superou o índice olímpico, que é de 4m43s46, em Santa Catarina, ao completar  distância em 4m40s78.

“A ideia era ter segurado um pouco mais, mas aproveitei para nadar um estilo encaixado. No peito e o crawl eu dei uma segurada boa, principalmente no crawl, que faz a diferença no final de prova, é aquele negócio que você só consegue fazer em final de competição. Como era eliminatória e estava muito na frente, segurei”, explicou Joanna.

Formato e finais

As eliminatórias, disputadas pela manhã, classificarão oito atletas com os melhores tempos para nadar a Final A, sejam eles brasileiros ou estrangeiros. Os nadadores brasileiros que terminarem as eliminatórias da manhã entre a nona e a 16ª posições participarão da Final B.

O pódio da prova internacional (Final A) será definido logo após a disputa. Já o pódio do evento nacional será determinado depois da realização das duas Finais (A e B). Isso porque o atleta que nadar a final B terá a mesma oportunidade daquele que nadar a final A na busca do índice olímpico, na pontuação para seus clubes e também estará concorrendo ao pódio nacional. Dessa forma, as colocações e as pontuações do Campeonato Nacional só serão divulgadas após a realização das duas provas decisivas.

Programação do Troféu Maria Lenk 2016

-Eliminatórias a partir de 9h30
-Finais a partir de 17h30 até o dia 19, e a partir de 17h no dia 20

Sexta-feira (15.4)
» 400m medley masculino
» 100m borboleta feminino
» 400m livre masculino
» 400m medley feminino
» 100m peito masculino

Sábado (16.4)
» 100m costas feminino
» 200m livre masculino
» 100m peito feminino
» 100m costas masculino
» 400m livre feminino

Domingo (17.4)
» 200m livre feminino
» 200m borboleta masculino
» 200m medley feminino

Segunda-feira (18.4)
» 100m livre masculino
» 200m borboleta feminino
» 200m peito masculino

Terça-feira (19.4)
100m livre feminino
200m costas masculino
200m peito feminino
200m medley masculino

Quarta-feira (20.4)
» 50m livre masculino
» 50m livre feminino
» 100m borboleta masculino
» 200m costas feminino
» 1500m livre masculino
» 800m livre feminino

Carol Delmazo, brasil2016.gov.br

Ascom – Ministério do Esporte

unnamed

Comente aqui


Matheus Santana foca os 100 m livre na seletiva olímpica de natação

mateus abre

Nadador do Unisanta compete em três provas em busca de vaga na Rio 2016

O Troféu Maria Lenk, última seletiva olímpica, começa na próxima sexta-feira (15), no Rio de Janeiro. Um dos maiores nomes da modalidade atualmente é Matheus Santana! Com apenas 20 anos e recordes batidos, o atleta busca confirmar sua vaga no revezamento 4×100 m livre e na prova individual, além de tentar a vaga nas provas dos 50 m livre e 200 m livre da Rio 2016.
”Estou pronto, bem preparado e motivado para a Olimpíada. É um sonho que está prestes a se tornar realidade”. A competição, que vai definir o time olímpico, começa para Matheus no sábado (16) com a prova dos 200 m livre.
Na segunda-feira (18), Matheus Santana nada sua principal prova: os 100 m livre. No Open, realizado em Santa Catarina, ano passado, o atleta ficou com o segundo melhor tempo da prova, e consequentemente com a vaga individual, nadando as eliminatórias em 48s52. Com esse tempo também garantiu sua vaga no revezamento 4×100 m livre que reúne os quatro melhores da prova individual. Para assegurar seu lugar na Rio 2016, o carioca busca melhorar os tempos e corrigir pequenos detalhes. O objetivo é mais, quem sabe nadar na casa dos 47s.


”Trabalhei na Unisanta com meu treinador Márcio Latuf todos os fundamentos para alcançar os objetivos. A meta já é nadar na casa de 47s, acho que é bem puxado, mas a gente está encaixando aos poucos as provas de 100 m livre. Eu tenho já há algum tempo nadado na casa dos 48s com uma certa frequência, então só faltam pequenos ajustes pra chegar no 47s. Agora é firmar para essa prova, garantir no revezamento e tentar brigar nos 50 m livre e quem sabe também pela vaga nos 200 m livre. O resultado será consequência de todo nosso esforço”.
No último dia de competições (20), o jovem nada a prova mais rápida e mais concorrida da natação brasileira- os 50 m livre. Na prova ele está balizado com o tempo 22s17, e pretende ficar entre os dois primeiros para ir as Olimpíadas.
“Trabalhamos duro desde o início de janeiro, sem qualquer descanso, com um só pensamento inicial que é a vaga olímpica na prova individual dos 100 m livre e também estamos atrás da marca sub-48 que com certeza se vier será muito comemorada”, disse o técnico Márcio Latuf.
Matheus Santana tem 20 anos e já está no hall dos grandes nomes da natação brasileira e mundial. O nadador carioca tem resultados expressivos, que chamam a atenção na prova dos 100 m livre. O recorde mundial júnior – 48s25 – e as três medalhas na Olimpíada da Juventude, incluindo a de ouro na distância, são suas marcas importantes. Em 2015, o nadador conquistou ouro no Pan de Toronto no revezamento 4×100 m livre e o quarto lugar na mesma prova no Mundial de Kazan. O atleta defende a Universidade Santa Cecília – Unisanta e tem os patrocínios de Embratel, Claro, Correios e RP4.
Mais informações no site www.matheussantana.com
Fonte:
Flávio Perez e Andressa Rufino
www.onboardsports.com.br

Fotos: Flávio Perez / OnboardSports

Comente aqui


Natação: Jessica Bruin nada por vaga olímpica nos 200 m livre

jessica abre

Medalhista pan-americana quer também confirmar seu nome entre as quatro do revezamento 4×200 m livre

A nadadora Jessica Bruin está pronta para a última seletiva olímpica da natação, que vai definir a seleção brasileira para a Rio 2016. O Troféu Maria Lenk será disputado na própria piscina da Olimpíada e reunirá, de 15 a 20 de abril, os melhores atletas da modalidade do Brasil e de 11 países. Entre as quatro melhores nos 200 m livre, o que a coloca no revezamento 4×200 m livre, a mineira quer também disputar a prova individual nos Jogos. O índice para a prova é de 1min58s96. ”Estou me sentindo bem, trabalhei muito em cima do psicológico, do físico e principalmente o lado técnico. Estou pronta para dar o meu melhor resultado, mas a minha melhor fase espero que ainda esteja por vir”, disse Jessica Bruin. A prova está marcada para o domingo (17). A nadadora deve competir ainda os 200 m borboleta, 100 m livre e 800 m livre.
O melhor tempo da atleta do Sesi-SP nos 200 m livre é 1min59s77 (obtido no Open de 2015), mas nos treinamentos em São Paulo com o treinador Fernando Vanzella, Jessica conseguiu superar sua principal marca. No Sul-Americano do Paraguai, por exemplo, a nadadora fechou a prova na casa do 2 minutos sem estar 100% preparada. ”Mudei minha dieta, passei a malhar mais forte, e trabalhei muita técnica para aplicar melhor minha força na água. Por ser a seletiva olímpica já me motiva. Mas com a entrada das estrangeiras no Maria Lenk aumenta o nível técnico da prova, mas a competitividade em uma seletiva é intensa independente de qualquer fator extra”.
A mineira, duas vezes medalhista pan-americana, foi uma das responsáveis pela classificação brasileira no revezamento 4×200 m livre para a Rio 206. No Mundial de Kazan, em agosto de 2015, ela, Manuella Lyrio, Joanna Maranhão e Larissa Oliveira terminaram as eliminatórias em 10º lugar e garantiram o lugar do time nas Olimpíadas.


Jessica Bruin Cavalheiro tem 24 anos e defende as cores do Sesi-SP. Mineira de Belo Horizonte (MG), a atleta é treinada por Fernando Vanzella e tem o patrocínio dos Correios. Jiba, como é carinhosamente chamada pelos amigos, é pentacampeã brasileira dos 200 m livre e é duas vezes medalhista de prata pan-americana. Jessica deu as primeiras braçadas ainda criança. Aos 10 anos já integrava a equipe do Minas Tênis Clube. A atleta também passou pelo Fluminense.
Fonte:
Flávio Perez e Andressa Rufino
www.onboardsports.com.br

Fotos: Flavio Perez/OnboardSports

NATAÇÃO , , , ,
Comente aqui