Museu



Intuitive Appz utiliza a tecnologia de beacons em museu da Mercedes-Benz

20160211_33d0e4bc8edc4317a7b08a9c75be27f9_destaque4 

Em parceria com a The Front, agência que coordena o evento comemorativo aos 60 anos da Mercedes-Benz no Brasil, Intuitive mostra veículos históricos por meio dos beacons

Abril de 2014 – A Intuitive Appz – desenvolvedora de interações digitais em dispositivos móveis marca presença na comemoração de 60 anos da Mercedes-Benz no Brasil, que ocorre entre os dias 28 de abril e 5 de maio, na fábrica da empresa em São Bernardo do Campo (SP).

Para o evento, que foi coordenado pela agência The Front, a desenvolvedora preparou uma experiência única no museu temporário que contará a história de seus veículos ao longo desses 60 anos. Por meio de beacons, os visitantes, ao se aproximarem de cada um dos produtos Mercedes-Benz expostos, poderão acessar vídeos exclusivos daqueles ônibus, caminhões, vans e carros.

Para o diretor da Intuitive Appz, Leo Gmeiner, além do estímulo tecnológico para fortalecer o relacionamento entre marca e visitantes, o projeto é funcional porque os beacons são pequenos, discretos e extremamente precisos, explica. Gmeiner acredita que, com a tecnologia mais próxima do usuário, a aposta é encantar os visitantes por meio da interação.

Sobre a Intuitive Appz

A Intuitive Appz, vencedora de dois Prêmios Tela Viva Móvel, é uma desenvolvedora brasileira de interações digitais para dispositivos móveis e outras plataformas que, desde 2010, tem criado e desenvolvido aplicativos para empresas como Qualcomm, Foroni, Mattel, Disney esRed Bull, entre outras marcas, utilizando tecnologias como Realidade Aumentada, RFid e outras.

Fonte:

Caique Fernandes
www.corecomunicacao.com.br

corecomunicacao

Comente aqui


No coração de São Paulo Honda inaugura concessionária com museu

Nova Honda Dream Moto Remaza cria espaço exclusivo permanente
para a exposição de modelos ícones da marca em duas rodas

Inovador, diferenciado e acessível. Assim pode ser definido o novo espaço que foi inaugurado ontem (16/03) e marca o início das atividades da mais nova concessionária Honda Dream Moto Remaza, na zona sul de São Paulo. Com uma área total de 1.880 m², o Collection Hall manterá ao público uma exposição exclusiva e permanente dos principais modelos que contribuíram para a história da Honda no Brasil e no mundo. O objetivo é agregar uma nova proposta de lazer e cultura ao já consagrado conceito Dream, focando mais comodidade e diferenciação em um ambiente único para clientes.

Todos os meses estarão expostos entre 20 e 25 modelos clássicos da marca. O acervo, restaurado com critérios de máxima qualidade e originalidade, pertence à própria Honda Dream Moto Remaza e conta com dezenas de motocicletas Honda que fizeram sucesso nos últimos 50 anos. Estão confirmados clássicos como a CB 750 K0 (1969), Monkey (1969), CG 1976, CG 125 (Comemorativa 35 anos), Turuna 125 (1979), CB 50, CB 125, CB 350, ML 125, XL 250R (1982); além de modelos de competição das Fórmulas 400 e Fórmula Honda (1979).

Novo conceito
O showroom da nova Honda Dream Moto Remaza será atualizado constantemente com objetivo de tornar o local não apenas um ponto de vendas da marca, mas também de encontro entre os apaixonados pelo mundo Honda. Nos dois pavimentos principais de 650m² o público contará com quatro espaços: um específico para o Conceito Dream para as motocicletas de alta cilindrada; outro para os modelos menores da linha; uma área dedicada aos produtos Off-Road, além do museu Collection Hall.

As instalações contam com prédio totalmente novo e possuem dois acessos interligados (tanto pela Av. Ibirapuera como pela Av. Bem-te-Vi) com grande integração de espaço, dispondo de showroom de vendas, oficina para atendimento personalizado e boutique de roupas e acessórios. Outra novidade é o lounge exclusivo, decorado com requinte e sofisticação, que a concessionária pretende usar como sala de espera e para a realização de treinamentos, briefings, reuniões e apresentação de produtos. É mais um diferencial de comodidade e conforto à disposição dos clientes.

A criação do museu e do lounge teve como objetivo ampliar o conceito Honda Dream e surpreender os clientes com uma área ainda mais inovadora, sem deixar de lado o padrão Honda de qualidade de atendimento. Foram ideias desenvolvidas para racionalizar o espaço, visando melhor disposição física de forma a atrair não apenas o cliente de motocicletas, mas também grupos de amigos apaixonados pelos produtos Honda.

Sobre a Honda Dream
Inaugurado em 2011, o conceito Honda Dream conta atualmente com 75 concessionárias, distribuídas pelos grandes centros e principais capitais brasileiras. Seu maior diferencial é oferecer ao cliente um espaço diferenciado de atendimento na concessionária, com maior comodidade e exclusividade. Sua área conta com espaços diferenciados, com showroom exclusivo de modelos, produtos e acessórios Honda para o mercado de duas rodas.

Serviço:
Honda Dream Moto Remaza – Collection Hall
Av. Ibirapuera, 2.948 – Moema – São Paulo (SP)
Av. Bem-te-vi, 371– Moema – São Paulo (SP)
Fone: (11) 5533-1877
www1.motoremaza.com.br

Sobre o grupo Honda no Brasil – Presente no País desde 1971, quando começou a importar, e em seguida a produzir motocicletas em Manaus (AM), a Moto Honda da Amazônia Ltda. é atualmente a maior fabricante de motos do Brasil, com mais de 20 milhões de unidades produzidas. Desde 2001, a empresa produz, também em Manaus, modelos de motores estacionários, além de comercializar geradores, motobombas, roçadeiras, cortadores de grama e motores de popa importados de outras unidades da marca no mundo. Um ano depois iniciou a fabricação de quadriciclos na unidade. Em 1992, com a criação da Honda Automóveis do Brasil Ltda., a empresa entrou no competitivo mercado automobilístico brasileiro por meio de importações e, a partir de 1997, com a produção nacional de automóveis no município de Sumaré (SP). Em 2013, anunciou sua segunda planta de automóveis, em Itirapina, interior de São Paulo, com inauguração prevista para o primeiro semestre de 2016. Em uma iniciativa inédita no segmento automotivo no País, a empresa iniciou, no mesmo ano, a construção do seu primeiro parque eólico na cidade de Xangri-Lá, no Rio Grande do Sul, inaugurado em novembro de 2014. Para administrar as operações do parque, que supre toda a demanda de energia elétrica da fábrica de Sumaré, foi criada a Honda Energy do Brasil.No País, também faz parte do grupo a Honda Serviços Financeiros, que reúne o Consórcio Nacional Honda, a corretora Seguros Honda, a Leasing Honda e o Banco Honda. Presentes na rede autorizada de todo o Brasil, o serviços oferecidos facilitam o acesso dos clientes aos produtos da marca. Em 2015 a Honda Aircraft Company, subsidiária da Honda Motor Co. anunciou a expansão das vendas do HondaJet, o jato executivo mais avançado do mundo, para a América do Sul, sendo o Brasil o representante regional.

Fonte: Linkpress Comunicação Integrada
www.linkpress.com.br
Ricardo Ghigonetto

Comente aqui


Ford Modelo A, um ícone da propaganda de carros, é homenageado com museu

A Ford comemorou os 86 anos da decisão de produzir o Ford Modelo A, sucessor do emblemático Modelo T. O lançamento do carro, que acaba de ganhar um museu exclusivo nos Estados Unidos, foi marcado também por uma das maiores campanhas publicitárias da história em jornais e cartazes de rua, que levou à encomenda de 727.000 veículos em poucos meses.

Henry Ford aprovou a campanha de lançamento do Modelo A, considerada na história como a mais audaciosa da indústria automobilística em todos os tempos: somente nos Estados Unidos, quase 10 milhões de pessoas viram o carro nas primeiras 36 horas de exposição, em diferentes locais.

A expectativa era grande até a milionária campanha estrear em 2 de dezembro de 1927, em 2.000 jornais dos Estados Unidos, ocupando páginas inteiras durante cinco dias.

Os distribuidores Ford receberam cerca de 4.000 unidades do veículo para propaganda, além de fotos e cartazes. Houve ainda uma campanha itinerante com caminhões transportando o Modelo A. Eles paravam apenas uma hora em cada distribuidor para que os interessados pudessem vê-lo e fazer as encomendas.

Durante o período em que foi produzido, do final de 1927 ao começo de 1932, o Modelo A atingiu quase 5 milhões de unidades.

Missão difícil

A missão do novo veículo era difícil: substituir o ícone Modelo T, que teve 15 milhões de unidades produzidas e levou milhares de pessoas a escrever reclamando do seu fim. Em uma decisão ousada, em 25 de maio de 1927 Henry Ford paralisou suas 44 fábricas em todo o mundo, inclusive a de São Paulo, durante seis meses para a troca do modelo.

Nessa transição, milhares de pequenas ferramentas e aparelhos de precisão foram substituídos e como o novo Ford tinha cerca de 6.800 peças diferentes (o modelo T tinha menos de 5.000) novos fornecedores foram contratados.

Museu Modelo A

O Modelo A acaba de ganhar um museu exclusivo em sua homenagem, inaugurado na cidade de Hickory Corners, a 185 km de Detroit. O prédio, de 1.200 metros quadrados, é a réplica de um distribuidor Ford de 1928, incluindo boxes de serviço e bombas de gasolina – registrando o preço de 18 centavos de dólar por galão.

“O Modelo A é um carro que marcou época”, diz Michael Spezia, diretor executivo do Gilmore Car Museum, onde o Museu do Ford Modelo A está instalado. “Foi um automóvel acessível e muito popular, que milhões de pessoas usaram e apreciaram.”

Entre as centenas de Modelos A expostos, estão o que Henry Ford dirigiu no final da linha de montagem em 1927 para apresentar ao seu amigo Thomas Edison. Há também um ônibus de 1930 baseado no Modelo A que foi usado para transporte escolar em El Monte, na Califórnia. Outros destaques são um caminhão original do serviço postal e um Modelo A especial com tração dupla utilizado na construção da famosa Barragem de Hoover, no Rio Colorado.

O museu foi construído pela Fundação Ford Modelo A (MAFFI), entidade sem fins lucrativos fundada em 1987 para preservar o veículo e objetos da época, com a colaboração de milhares de fãs. Além de automóveis, ele expõe motores, roupas, objetos, fotos da fábrica, desenhos e materiais de pesquisa.

O Modelo A original, produzido entre 1903 e 1904, foi o primeiro carro da Ford. Os seus sucessores também foram batizados com letras do alfabeto e, depois do Modelo T, Henry Ford decidiu reiniciar a série.

Fonte: (28/05/2013) Imprensa Ford

 

Comente aqui


O futuro da mobilidade no museu da Audi, em Ingolstadt

  • Exibição especial do “Audi future lab: mobility”
  • Três áreas temáticas: futuros motores, energias e urbanização
  • Diversos modelos em exposição, incluindo o R18 e-tron quattro, vencedor em Le Mans

Ingolstadt/ São Paulo, 04 de dezembro de 2012 – O museu móvel da Audi em Ingolstadt está com uma prévia do futuro da mobilidade. A exposição especial “Audi lab future: mobility”, que ocorrerá entre os dias 6 de dezembro de 2012 e 17 de março de 2013, visa mostrar as iniciativas da marca nas áreas dos futuros motores, energias e urbanização. As exposições mostram os sistemas de acionamento e combustíveis do futuro e também soluções de mobilidade para as metrópoles mundiais.

A área de exibição dos futuros motores da Audi apresenta as tecnologias em desenvolvimento, juntamente com os motores TDI e TFSI, que continuarão a ser os pilares de sustentação da marca. Esta área temática centra-se na eletrificação do powertrain dentro do conceito Audi e-tron. Esta tecnologia plug-in híbrida é um campo em que a montadora alemã está especialmente focada.

A Audi está centrada no desenvolvimento de novas fontes de energia para o futuro da mobilidade sustentável. Este é o assunto da área de exposição das futuras energias. Juntamente com parceiros especializados, a fábrica está trabalhando também no desenvolvimento do Audi e-gas. Ao mesmo tempo, a marca dos quatro anéis está envolvida em projetos para trazer novos combustíveis biodegradáveis para o mercado: o Audi e-ethanol e o Audi e-diesel, ambos de CO2 neutro.

A área de exibição do Audi Urban Future ilustra o quão intensamente a fabricante alemã está observando e avaliando as megatendências da sociedade. Este tema diz respeito ao design da Audi, bem como para a iniciativa do Audi Urban Future – uma rede global de especialistas que está gerando novas ideias para a mobilidade no mundo em grandes áreas metropolitanas.

O museu da Audi explora os três temas de formas atraentes. Incluem três veículos futuristas: a plataforma tecnológica do Audi R8, o Audi R18 e-tron quattro – o carro da corrida de Le Mans, e o novo Audi A3 Sportback TCNG, que funciona com o Audi e-gas. Os conceitos urbanos do Spyder e os estudos da Audi e-Bike Wörthersee oferecem vislumbres da mobilidade jovial e inteligente do futuro.

Fonte:

Comunicação Produto Audi Brasil

Charles Marzanasco

Supervisor de Imprensa

Departamento de Imprensa Audi Brasil

PR-Trainee

Bruna Cury

In Press Porter Novelli Assessoria de Comunicação

www.inpresspni.com.br

Paula Lario

Lia Mara Sacon

Comente aqui


O Museu e o Arquivo Técnico da Ducati foram reconhecidos como Patrimônio Cultural Italiano

O ministério do Patrimônio Cultural e Eventos italiano, através de sua seção regional Emilia Romana, oficializou o Arquivo Técnico e o Museu da Ducati como Patrimônio Histórico. Rico em documentação técnica e unidades muito bem preservadas tanto de motores como de motocicletas, além de um completo registro da empresa, o museu é também parte importante da história industrial italiana de 1946 até hoje, quando a Ducati começou a produção de motores a combustão e motocicletas. O reconhecimento oficial reforça a sua condição de marca icônica italiana.
Os visitantes do Museu Ducati acompanham os principais momentos da longa história da empresa, percebendo que a Ducati sempre teve uma paixão pela inovação, filosofia que ainda hoje norteia a companhia. A história vai desde o início em 4 de julho de 1926 pelos irmãos Adriano, Bruno e Cavalieri Marcello Ducati e seu humilde início como produtores de componentes de rádio, para o estabelecimento da atual fábrica em Borgo Panigale. Que foi construída no início da Segunda Guerra Mundial e destruída durante um bombardeio aéreo em 12 de outubro de 1944.
Mas os irmãos Ducati nunca desistiram. E depois de reconstruída,  a fábica entrou finalmente na era da produção de motocicletas. E já em 1946 começou a produzir o Cucciolo, um motor auxiliar para bicicletas, que foi um sucesso de produção em massa, em uma Itália pós-guerra desesperada para o transporte acessível.
Ao lado dos irmãos, a história da empresa se passa também com Giuseppe Montano, que entre 1952 e 1968 orquestrou a ação da Ducati nas corridas de moto, com a raça vencedora das soluções técnicas mais tarde usadas nos modelos de produção. Como é até hoje. E ao trabalho de Giuseppe Montano se somou o do lendário engenheiro Fabio Taglioni. A história da Ducati foi moldada pela carreira deste notável engenheiro, de inovadores projetos. Entre suas tantas  obras primas estão o sistema Desmodrômico de comando de válvulas e a configuração do motor L-twin, o bicilíndrico a 90º.
Em 1954  o mundo viu a chegada da Sport Ducati Gran 100, conhecida como a Marianna. Vieram também eventos como o A Volta da Itália e outras corridas de longa distância como a Milão-Taranto. E então em 1956 a primeira vitória internacional da Ducati, na Suécia, com a 125 Gran Prix Desmo. E no início dos anos 1960 vieram motocicletas de rua e estrada, como a Ducati 175 e Scrambler, um enorme sucesso no mercado norte-americano.
Em 1972 a Ducati venceu as  200 Milhas de Imola com a Desmo 750, um marco que introduziu a produção comercial da linha 750 Super Sport, mais tarde seguida pela Super Sport 900, uma versão de corrida da que foi montada para a vitória no Tourist Trophy em 1978, pilotada por ninguém menos que Mike Hailwood, um dos maiores campeões mundiais de moto – e depois de carro.
O modelo Pantah 500 de 1979 e a chegada de Claudio e Gianfranco Castiglioni – os donos da Cagiva, que assumiu a empresa – pavimentaram o caminho para a nova era das Superbike e da família Monster, de modelos em linha até hoje.
Em 1996, a Ducati foi comprada pela Texas Pacific Group e, mais tarde era operada na bolsa de valores como a Ducati Motor Holding. Hoje, a Ducati é de propriedade da família Bonomi e seu patrimônio histórico e cultural é cultuado em nome das pessoas dedicatas a este fabricante único, que continua a produzir modelos icônicos e cada vez mais especiais de motocicletas.
Na atualidade, enquanto a versátil Multistrada 1200, a Diavel revolucionária e a futurista Ducati 1199 Panigale são exemplos de Ducatis que vão garantir o sucesso mundial, a sua história agora garantida oficialmente como patrimônio italiano são autenticadas.
Sobre a Ducati – Fundada em 1926, a Ducati vem fabricando motocicletas de inspiração esportiva desde 1946. Elas são caracterizadas pela performance dos seus motores desmodrômicos,  pelo design inovador e tecnologia original e de vanguarda. Abrangendo diversos segmentos de mercado, a gama de motocicletas da Ducati é dividida em famílias de modelos, que incluem: Diavel, Hypermotard, Monster, Multistrada, Streetfighter e Superbike.
Estes autênticos ícones do “made in Italy” são vendidos em mais de 80 países ao redor do mundo, com concentração no mercado europeu, norte-americano, mercados da Ásia/Pacífico, e agora no Brasil.  A marca compete tanto na Superbike World Championship com uma equipe oficial, como no Campeonato Mundial de MotoGP. Na Superbike, ela tem mais vitórias e títulos que todas as outras marcas juntas. São 14 títulos mundiais de pilotos, 17 de construtores e mais de 300 vitórias. Na Moto GP tem também os títulos de pilotos e construtores em 2007.
Fonte:
Imprensa Ducati Brasil
Thomaz Magalhães

Comente aqui