Mês: fevereiro 2016



Estante: Bruna Siena lança livro, concurso literário em PE, João Santana romancista e uma indagação: ‘vale a pena ser escritor?’

Por Wilame Prado

DE VOLTA Bruna Siena, prodigiosa escritora de Maringá, agora é Siena Bruna Naamah, tem um selo editorial chamado Kadosh Publicações e está com o livro “Marduk” em pré-lançamento. À venda, por R$ 25, no site 29969.iluria.com.

LIVRO E DISCO Bruna, 22 anos, fará uma noite de autógrafos do livro em um festival de bandas que acontecerá no mês de março, com data ainda não definida. No mesmo dia, a banda maringaense Stolen Byrds lançará disco novo.

MELHOR QUE RELEASE Na ausência de um release, a escritora usou a criatividade para passar informações a este jornalista que vos escreve: simulou uma entrevista pingue-pongue com o namorado. Informou mais que qualquer release.

MACABRO “A Morte assassina, viola e arrasta, a Morte liberta.” Assim define, em poucas palavras, o seu novo livro, “Marduk”.

ALÉM “Talvez estejam esperando algo mais pornográfico, visto que ingressei na literatura transgressora falando sobre prostituição e questões puramente sociais. Porém, ‘Marduk’ tem um propósito e vai além… falo sobre a imortalidade da alma, a procura de um Deus que pode ter morrido no sétimo dia ou não”, explica a autora.

ESVAZIE A GAVETA O Concurso Literário de Pernambuco está com inscrições abertas. Escritores que tenham originais dentro das gavetas podem participar do concurso.

LIVRO+GRANA Aceita-se romance, livro de contos, poesia e literatura infantojuvenil. Os vencedores ganham a publicação do livro e ainda R$ 20 mil.

INFORME-SE O edital está disponível no site www.cepe.com.br.

POR AQUI… O Prêmio Paraná de Literatura está congelado desde 2014. Os escritores que venceram o concurso naquele ano tiveram de esperar até meados de 2015 para receber.

INDEFINIÇÃO Ainda não se sabe se teremos concurso paranaense em 2016. Aguardemos posição da Biblioteca Pública do Paraná, a coordenadora do prêmio literário.

NÃO VALE A PENA “Existem dezenas de maneiras de se tornar escritor. Talvez existam milhares, não tenho certeza. A única certeza que tenho hoje – depois de velho – é que não vale a pena.” Assim começa um texto o escritor e editor Sebastião Nunes.

LEIA, RECOMENDO O bom texto de Nunes pode ser lido aqui: http://zip.net/bgsWBS.

TEOLOGIA O servidor Renato Cesar Figueiredo, que mora em Centenário do Sul, lança em Maringá o livro “No Limiar dos Tempos”. O lançamento e manhã de autógrafos acontece às 10 horas de sábado, na Livraria Evangélica.

Entre outras experiências teológicas para a escrita da obra, Figueiredo aprofundou suas pesquisas escatológicas a partir de seminários promovidos pelo Ministério Palavra da Fé, da líder evangélica Valnice Milhomens.

ARTE IMITA A VIDA O romance “Aquele Sol Negro Azulado” conta a história de um casal brasileiro que reside em Washington e que retorna ao Brasil. Curiosamente, a ficção de 2003 prenunciou a realidade: esta semana, o seu autor – o publicitário João Santana -, ao lado da mulher, precisou retornar ao País após mandado de prisão temporária.

*Coluna Estante sai todas as quintas-feiras no caderno Cultura, do jornal O Diário do Norte do Paraná

Comente aqui


Rubros e diretos*

Tirinha de Tiago Silva, disponível em rubrosversos.wordpress.com

Tirinha de Tiago Silva, disponível em rubrosversos.wordpress.com

Por Wilame Prado

De Campo Mourão, Tiago Silva faz sucesso na internet com os Rubros Versos, projeto que mescla arte e crítica social

Muitos preferem o silêncio quando o tema é racismo, igualdade de gêneros, ditadura da beleza ou homossexualidade. Ao contrário da maioria, com o lápis na mão e a ideia na cabeça o cartunista e quadrinista Tiago Silva, 29 anos, costuma ser direto no que tem para dizer por meio de quadrinhos. É assim que os Rubros Versos (www.rubrosversos.wordpress.com) têm atraído milhares de pessoas na internet. Só no Facebook, a página do projeto já conta com mais de 40 mil curtidas. Os quadrinhos postados na rede social chegam a receber duas mil curtidas e uma infinidade de compartilhamentos.

Agora, Silva – que é natural de São João do Ivaí e mora em Campo Mourão – quer transformar os quadrinhos rubros (os tons avermelhados são característicos em todas as artes) em livro. Recentemente, ele começou uma campanha de financiamento coletivo no site Catarse para reunir quadrinhos em um volume impresso.

Os antagonistas e os coadjuvantes ganham vozes, corpos e destaque nos traços do quadrinista. Uma mulher acima do peso clama pela felicidade acima de qualquer padrão determinado pela mídia; uma garota com seu blackpower prega o fim da expressão “cabelo ruim”; e uma simples imagem de um recipiente e três escovas de dente sugere o amor livre entre casais ou mais pessoas.

“As pessoas me inspiram. A nossa diversidade cultural e toda essa complexidade humana que se deriva disso. Essas coisas me deixam sempre instigado a tentar entender tudo e expressar a minha visão”, revela Silva – um confesso seguidor de uma tríplice de respeito nos quadrinhos: Laerte Coutinho, Bill Waterson e Robert Crumb.

Ao evidenciar costumes e o cotidiano daqueles que não seguem o considerado padrão comum numa sociedade machista e autoritária, ele coleciona sim vários elogios, mas também represálias. “É corriqueiro meus quadrinhos serem denunciados pelos defensores da ‘moral e dos bons costumes’. Às vezes as denúncias não dão em nada, porém já tive quadrinhos sumariamente apagados da página e meus perfis no Facebook bloqueados algumas vezes”, lamenta ele, que, além do projeto pessoal, atua na edição gráfica do jornal Correio do Cidadão e já emprestou seus traços para o site Vida Breve e o jornal O Duque.

Do livro, porém, ninguém poderá apagar nada. Restando ainda 40 dias para o término da campanha no Catarse, o artista recolheu até então 9% do valor necessário para a tiragem da primeira impressão do livro “Rubros Versos”, que terá mais de 100 páginas e feito em A5, com ótima impressão gráfica. “O livro será um compilado de tudo o que saiu na página do Facebook, além de algumas páginas inéditas, que serão feitas especialmente para a versão impressa”, garante.

*Matéria publicada em 9 de fevereiro de 2016 no caderno Cultura, do jornal O Diário do Norte do Paraná

Comente aqui