1ª Festa Literária de Maringá



O conto em questão na Flim

NOCAUTE. À esquerda, o escritor André Kondo, de Jundiaí ; ao lado, o santista José Roberto Torero: conto é tema da conversa

NOCAUTE. À esquerda, o escritor André Kondo, de Jundiaí ; ao lado, o santista José Roberto Torero: conto é tema da conversa

Por Wilame Prado

O conto, a inspiração e o processo criativo dos contistas José Roberto Torero, 51, e André Kondo, 39, são temas hoje para a mesa da 1ª Festa Literária de Maringá (Flim). O bate-papo com os autores começa às 19h30, no Auditório Hélio Moreira, no Centro de Convivência Renato Celidônio (ao lado do Paço). A entrada é franca.

Torero é conhecido pelos contos, pelas crônicas e também pelas participações em discussões futebolísticas. Mas o santista diz estar cada vez mais afastado do futebol. Nem a vitória do Santos sobre o Palmeiras no último final de semana pareceu animar o autor. “Estes últimos anos (o futebol) foi enfeiando tanto que me desinteressei. O Santos ainda consegue certos lances de beleza, mas são um tanto raros.”

Kondo se destaca pelos vários concursos literários conquistados escrevendo contos. Seu livro “Contos do Sol Nascente” dividiu, em 2011, o Prêmio Bunkyô de Literatura em língua portuguesa com “Nihonjin”, do maringaense Oscar Nakasato, e “Retratos Japoneses no Brasil”, organizado por Marília Kubota. Natural de Jundiaí (SP), pela Flim ele também dá a palestra “Produção literária” hoje, às 14 horas, no Hélio Moreira.

Em entrevista por e-mail, os dois escritores adiantaram um pouco do que falarão nesta noite a respeito dos desafios envolvendo a feitura de contos. Torero, engraçado e direto, considera um ato de sorte a sua conquista no Prêmio Paraná Literatura de 2012 com o livro de contos “Papis et circenses”, o que lhe rendeu R$ 40 mil.

Para ele, o conto sempre vem de algo já existente. “Em ‘Pequenos Amores’, um livro de contos de amor, eu olhava casais na rua ou em restaurantes (na época, era repórter do Guia 4 Rodas e ia a muitos restaurantes) e inventava uma história para eles. Já em ‘Papis et circenses’, fiz uma pesquisa histórica sobre os papas e ela serviu de ponto de partida. Ou seja, sempre parto de alguma coisa já existente. Talvez seja falta de criatividade”, comenta o vencedor do Jabuti de 1995 com “O Chalaça”.

Sem ainda ter se aventurado na prosa longa, Kondo diz não saber responder se é mais difícil fazer um conto ou um romance. Mas revela: gosta da liberdade que ele e seus personagens costumam ter nos contos. “Meu processo criativo é simples: apenas escrevo. Não tenho a disciplina de montar a história inteira dentro da minha cabeça antes de começar a escrevê-la. É arriscado, mas gosto de pensar que o meu personagem tem o mínimo de liberdade para caminhar pelo papel, para sonhar, para ter algo dentro dele que eu desconheço. Gosto de me surpreender com ele, de me emocionar. Enfim, gosto de me enganar, de acreditar que aquilo que escrevo é a mais pura verdade.”

Para o também autor dos livros “Além do horizonte”, “Amor sem fronteiras” e “O Pequeno Samurai”, o importante é que o conto emocione, seja por pontos ou nocaute. “Não se vence batendo no leitor, mas escrevendo algo tão bom que ele não queira te dar um soco na cara, mas um abraço”, diz Kondo. Para Torero, que aconselha a leitura dos contistas Dalton Trevisan, Luís Fernando Verissimo, Sérgio Sant’Anna e Luiz Vilela, o conto aceita o inusitado: “A prosa curta pede uma estrutura mais aparente, mais surpreendente. No romance um formato estranho pode cansar, mas no conto é algo bem mais suportável. Ele até pede uma certa estranheza.”

PARTICIPE
MESA: O CONTO,
A INSPIRAÇÃO
E O PROCESSO CRIATIVO
Com os contistas
José Roberto Torero e André Kondo
Mediação: Wilame Prado
Quando: hoje, às 19h30
No Auditório Hélio Moreira
Entrada franca

*Reportagem publicada nesta quarta-feira (22) no caderno Cultura, do jornal O Diário do Norte do Paraná

Comente aqui