Cesta Nobre



Para alimentar a alma

Na sexta-feira passada, em pronunciamento exibido em rede nacional, a presidenta Dilma Rousseff anunciou a desoneração de todos os produtos da cesta básica, que passarão a ser isentos de impostos federais. O governo aproveitou a oportunidade para também ampliar o número de itens que compõem a cesta básica, que passará a ter: carnes (bovina, suína, aves e peixe), arroz, feijão, ovo, leite integral, café, açúcar, farinhas, pão, óleo, manteiga, frutas, legumes, sabonete, papel higiênico e pasta de dentes.

Para os idealizadores da campanha Leitura Alimenta, lançada oficialmente em São Paul (SP) há cerca de 15 dias, faltou um item básico e essencial na cesta básica brasileira: livros.

Olhando para o lastimável e sempre pouco lembrado setor da educação no País e amparados em estatísticas que revelam a falta do hábito da leitura por parte da maioria dos brasileiros, eles resolveram não esperar por um decreto ou projeto de lei para arregaçar as mangas e fazer algo para que os livros cheguem até as famílias brasileiras. Em parceria com a Livraria da Vila e com a empresa Cesta Nobre, a agência de propaganda Leo Burnett Tailor Made vem encabeçando essa campanha, que consiste em inserir um livro para cada cesta básica entregue.

Inicialmente, serão dois meses de campanha. Para conseguir acoplar um conservado livro dentro de cada uma das três milhões de cestas básicas entregues anualmente pela Cesta Nobre em vários Estados brasileiros, há sete pontos de coletas espalhados por lojas da Livraria da Vila, todas em São Paulo. Mas o Leitura Alimenta espera contar também com doações vindas de outras cidades. Para isso, disponibiliza no site do projeto duas alternativas para quem está longe e queira doar livros: a caixa postal para o envio das obras ou a compra simbólica de ebooks no valor de R$ 1 a R$ 200 e que será totalmente revertida na compra de livros novos (com 30% de desconto na Livraria da Vila) para a campanha.

Conheça o projeto no site: www.leituraalimenta.com.br

E leia matéria completa no D+, do Diário de Maringá.

1 Comentário