pais



Urubus na Zona 3

Wilame Prado
Agosto de 2015

Nunca saberemos ao certo de onde viemos e para onde vamos. Talvez seja melhor assim. Somos um pacote mal engendrado de costumes, tradições, culturas, rituais e manias. Viver é colecionar acontecimentos e sentimentos para, depois, no fim, morrer sem tirar muito proveito desta experiência.
Meu pai morreu aos 49 anos, em 2007. Descobri também que não sou pai. Perdi meu filho, que havia completado três semanas de vida dentro da barriga da mãe dele. Voltei para casa enquanto ela realizava um procedimento de curetagem. Uma espécie de colher metálica tirando do útero o resto de vida. Estava na sacada quando voltei a ver aquele enorme urubu pairando no ar. Ele insiste em trafegar pelo meu bairro, distante das zonas rurais, mas próximo de um parque ecológico. Não sei o que leva aquele urubu sobrevoar por entre prédios e casas da Zona 3 de Maringá.
A carniça, no entanto, está em todo lado. No jeito como as pessoas tratam as outras. Na política. Na CBF. E muito provavelmente na Zona 3 de Maringá. O urubu vai embora e preciso voltar ao hospital, onde visitarei uma paciente sem flores nas mãos, sem parabéns a desejar. Perdemos nosso filho, mesmo sem nunca sequer ter ouvido o batimento de seu coração.
Na primeira ultrassonografia, vi no semblante do médico que algo havia dado errado. Massas de cores acinzentadas foram as únicas imagens geradas num vexatório exame cujo outro homem introduz em sua mulher um objeto fálico, devidamente encapado com preservativo.
Naquele dia as temperaturas caíram no fim da tarde. Depois do exame, tive de voltar ao trabalho. Sem conseguir sequer olhar para os lados, com uma enorme pressão que parecia macetar meu cérebro, conclui rapidamente meus compromissos profissionais. No caminho de volta, senti o frio mais horripilante da minha vida: o frio da solidão dos derrotados. As lágrimas jorraram de minha face. Algumas pessoas testemunharam aquela cena grotesca: um homem barbado, em cima de uma moto, chorando copiosamente e seguindo o caminho.
É isso o que fazemos quando perdemos um filho: continuamos caminhando. Não tem o quê fazer. A depressão invade até a mais ínfima teia de aranha que se formou num canto obscuro do apartamento. Nessas horas, todos as pessoas do mundo – menos você – recebem a notícia de que serão pais, todas as propagandas são sobre xampus para bebês lindos que se divertem no banho.
Os conhecidos tentam um consolo. Procuram elencar os vários casos que têm conhecimento sobre gravidez interrompida por amigos, pais, parentes, irmãos, colegas, vizinhos, personagens de televisão. Poxa vida. Não é igual. Obrigado pelo consolo, mas não é igual, não é comum.
Não adianta, senhora obstetra, vir me dizer que, hoje em dia, 20% das gestações sofrem aborto espontâneo. O sofrimento individual não se ameniza com estatísticas.
Que se dane o mundo, a CBF, a Lava Jato, o urubu, a Zona 3. O sofrimento do mundo inteiro é menor que o meu. Eu perdi um filho. Eu perdi um pai. Os dias passam. A gente vai morrer. Todo mundo. Nunca saberemos ao certo de onde viemos e para onde vamos. Somos um pacote mal engendrado de costumes, tradições, culturas, rituais e manias. Talvez seja melhor assim.

Comente aqui


Quantos leitores tenho eu?

O meu colega jornalista, cronista e escritor Paulo Briguet, de Londrina, afirma, de quando em vez, que tem apenas sete leitores. Cá me pergunto, com pulga atrás da orelha e um tanto quanto apreensivo: imagine, então, quantos leitores há de se ter este pobre cronista que vos escreve (talvez dois, contando a minha mãe), hoje inaugurando este blog, mas que, desde janeiro de 2008, atualiza o agora de férias indeterminadas A Poltrona (www.apoltrona.blogspot.com) e que, desde o dia 18 de março de 2008, publica crônicas semanalmente para o caderno D+ do Diário do Norte do Paraná sob a alcunha de “Crônico” (www.odiariomaringa.com.br/cronico).

Para descobrir outros caríssimos leitores, sem contar os fieis amigos, conhecidos e parentes, apropriar-me-ei de uma técnica imbatível, utilizada há muito tempo pelos nossos professores. Assim como os mestres no primeiro dia de aula, começo me apresentando e peço para cada aluno, ou melhor, para cada visitante do blog, também se apresentar. Mas podem ficar tranquilos, pois, nesta brincadeira cordial, vocês não precisarão dizer o que fizeram nas férias e nem o que querem ser quando crescer. Apenas digam quem são por meio do espaço dedicado aos comentários do post. Apareçam!

Conheçam-me

E para quem ainda não me conhece, finalmente me apresento: eu me chamo Wilame Prado, tenho 24 anos, nasci em São Paulo-SP, já morei em Santa Fé-PR, há seis anos moro em Maringá-PR, já trabalhei em Mandaguari-PR, sou casado, jornalista, quero voltar a estudar História na UEM, ultimamente ando muito feliz com o fantástico futebol do Santos Futebol Clube, não tenho filhos, não plantei árvores, mas estou gerando um livro para tão logo e pretendo, com minhas atualizações diárias neste espaço, oferecer aos leitores (será que já tenho três?) crônicas, contos, artigos, textos, rascunhos, linhas, palavras, letras, assopros de ideias, tudo sobre as rotineiras canalhices da vida como ela é.

Para isso, é claro, preciso escrever sobre futebol, literatura, cinema, música, mulheres, cervejas, água mineral com gás, as nuances da nossa Maringá e região, Paraná, Brasil, mundo, mundão, mundinho, quadrinhos, desenhos, rabiscos, pichações, indústria cultural, jornalismo canalha, jornalismo decente, fotografia, crimes, castigos, promessas, politicagem, cidadania, malandragem, Chico Buarque, Gabriel García Márquez, gato, cachorro, rã, princesas, sapos, baladas, babados, boatos, fatos, divagações, devagarzinho, medo, delírio, motos, motores, velocidade, bicicleta, triciclo, bola quadrada, bola redonda, carnaval, Pierrot, Colombina, ressaca, quarta-feira de cinzas, sexta-feira da paixão, sábado de aleluia, sábado morto, terça-feira crônica, segunda-feira brava, domingo sangrento, domingo pé de cachimbo, quintaneja, que nojo, rock e bossa eu prefiro, chuva, sol, vento, brisa, mar, céu, nuvens, estrelas, amores, paixões, ódios, tiros, bala perdida, violência, solidão, flores amarelas, flores do caixão, cheiro de flores na morte, flores no canhão, travestis, heterossexuais, homossexuais, bichas, lésbicas, gays, machões, machinhos, homens, mulheres (de novo), gostosas, por quê não, filhos, pais, mães, irmãs, família, casa, apartamento, goteira, torneira, banho quente, vida, morte, severina, celestina, bizantina, margarina, as meninas, eu, eu mesmo, Irene, você, nós, todos, eles, mais ninguém, enfim, cabe sempre alguém. Ufa. Sejam bem-vindos.

Agora é a vez de vocês! Apresentem-se. Quem comentar no post inaugural do blog vai concorrer a uma surpresa literária!

* Observação: não reparem a bagunça.  Ainda estamos arrumando a casa. Prometo, dentro em breve, uma fachada melhor para o blog.

35 Comentários