Mês: junho 2015



MP vai processar Richa, Francischini e oficiais por operação de 29 de abril

Texto do jornalista Marcelo Frazão, do Jornal de Londrina, foto Gazeta do Povo

O Ministério Público do Paraná (MP-PR) vai entrar com uma ação civil pública contra o governador Beto Richa (PSDB), o ex-secretário e atual deputado federal Fernando Francischini (SD) e os coronéis César Kogut, Arildo Luís Dias e Nerino Mariano de Brito e ainda contra o tenente-coronel Hudson Leôncio Teixeira, comandante do Bope.

Eles foram apontados como responsáveis pela operação policial do dia 29 de abril, no Centro Cívico, em Curitiba, que resultou em mais de 200 feridos.

tn_658_645_Processados

O resultado de 60 dias de investigação foi anunciado na tarde desta segunda-feira (29) pelos procuradores de Justiça Eliezer Gomes da Silva e Marcos Bittencourt Fowler e pelos promotores de Justiça Paulo Sérgio Markowicz de Lima e Maurício Cirino dos Santos.

A promotoria também anunciou que irá recorrer à Procuradoria-Geral da República (PGR) para pedir a abertura de um processo contra Richa e Francischini por improbidade administrativa.

No dia 29 de abril, os professores da rede estadual protestaram contra a votação do projeto do governo do estado que reformou a previdência dos servidores. Segundo o sindicato da categoria, 22 mil pessoas participaram das manifestações. A prefeitura de Curitiba, que ajudou no socorro aos manifestantes, informou que mais de 213 se feriram.

Grave violação aos direitos de manifestar o pensamento

A petição principal tem 86 páginas. A ação é composta por mais de 5 mil páginas de documentos, entre os quais os depoimentos e laudos referentes a mais de 500 pessoas ouvidas. Os procuradores relataram “grave violação aos direitos fundamentais ao direito de manifestar o pensamento político”.

Segundo eles, estariam identificadas “prática de abuso de autoridade, de perigo comum e de arremesso de artefato explosivo que podem causar danos às pessoas, além de manejo de artefato de efeito asfixiante que podem causar danos aos manifestantes”. A apuração indicou uso de mais de mil bombas e granadas de gás lacrimogênio e mais de 2 mil balas de borracha.

Durante a entrevista coletiva, os promotores não falaram pontualmente sobre os pedidos da ação que, em casos de improbidade, geralmente estão limitados a ressarcimento de recursos públicos – no caso, em tese, a devolução de quase R$ 1 milhão gastos na operação – perda de cargos dos envolvidos, multas civis e impedimento de exercer novas funções políticas e públicas ao final do processo.

Para os procuradores, o governador Beto Richa tem responsabilidade nos fatos porque teria incorrido em omissão dolosa e por ser comandante da Segurança Pública do Paraná.

Segundo eles, Richa deu respaldo às ações da PM e à própria estrutura operacional, inclusive autorizando uso de instalações do Palácio Iguaçu, onde os procuradores relataram a existência de uma “sala improvisada para detenção de manifestantes”, e ainda um helicóptero do governo, empregado contra os manifestantes no “teatro de operações” no Centro Cívico.

Além disso, os procuradores destacaram que a responsabilidade do governador também ficou evidente após as tropas da PM terem sido homenageadas pelo staff do governo, no Palácio Iguaçu.

Para Richa, ação por improbidade é prematura e ilegal

Por meio do advogado René Dotti, o governador Beto Richa considerou a ação civil do Ministério Público do Paraná, na qual é acusado por improbidade administrativa; de “prematura e ilegal por não dar direito à defesa”. A informação é da RPCTV.

Já a Procuradoria Geral do Estado (PGE) enviou nota ao JL na qual “lamenta o comportamento da comissão nomeada pelo Ministério Público para investigar os fatos ocorridos em 29 de abril no Centro Cívico” e declarou que o órgão não teve acesso aos autos durante a investigação, apesar de tê-lo requisitado.

“A Procuradoria estranha o fato de o Ministério Público ter optado, primeiramente, em expor o caso à imprensa, sendo que, até o presente momento, não lhe foi possibilitado o acesso às conclusões. Tão logo a PGE tome conhecimento do teor da investigação agirá em defesa dos interesses do Estado”, diz a nota.

A Polícia Militar do Paraná também não quis se pronunciar sobre as acusações contra o alto escalão da corporação por entender que ainda estão em curso procedimentos militares internos sobre o caso.

 Veja, resumidamente, as principais imputações aos denunciados na Ação Civil Pública

Governador Beto Richa – conferiu respaldo político, institucional e administrativo às ações policiais. Institucionalmente é o comandante da Segurança Pública Estadual, segundo o Ministério Público.

Ex-secretário Fernando Francisquini – considerado protagonista operacional e político da Operação Centro Cívico.

Ex-Comandante da PM César Kogut – emprestou a condição de comandante geral da PM, decidiu e participou de situações consideradas determinantes para o desfecho do caso, nomeando novo coronel para a operação Centro Cívico.

Coronel Nerino – subcomandante, tinha a gestão operacional e, na prática, segundo os promotores e procuradores, foi o articulador das decisões e determinações emanados do ex-secretário Fernando Francisquini.

Coronel Arildo – responsabilidade por execução parcial da operação.

Tenente Hudson, comandante do Bope – responsabilidade operacional.

Comente aqui


Empresa ligada a Abi pagou hotel para secretário da Fazenda de Richa

Fonte: Gazeta do Povo

Indiciado sob a acusação de ser o chefe político do esquema de corrupção na Receita Estadual do Paraná, o empresário Luiz Abi Antoun pagou despesas de hospedagem do secretário da Fazenda, Mauro Ricardo Costa, num dos principais hotéis de Curitiba. O pagamento de pelo menos seis diárias, no valor de R$ 1.751,40, foi feito pela empresa Alumpar Alumínios, de propriedade da família Abi Antoun.

Registro do hotel Bourbon, obtido com exclusividade pela reportagem da Gazeta do Povo, mostra que Mauro Ricardo Costa e a esposa se hospedaram no local entre os dias 31 de dezembro e 5 de janeiro. Segundo a reserva, que identifica Costa como “futuro secretário da Fazenda do PR” e foi feita em 9 de dezembro, o pagamento da estadia correu por conta da Alumpar. No total, cada diária na suíte premier do hotel saiu por R$ 278 mais 5% de ISS, totalizando R$ 1.459,50. O documento menciona que o “Sr. Pablo virá pagar no hotel”. Já as despesas extras, como o uso da garagem do hotel e o consumo de produtos do frigobar, foram pagas pelo próprio secretário – não há o valor no documento.

Outro registro aponta que Costa se hospedou no hotel entre os dias 7 e 8 de dezembro, também com a diária, no valor total de R$ 291,90, paga pela Alumpar.

Empresa de Abi

Sediada em Londrina, a Alumpar Alumínios pertence à GV Alumínios e à KLM Brasil Indústria Eletrônica. Esta última, com sede em Cambé, tem como sócios os dois filhos de Luiz Abi: Kouthar e Nemer Abi Antoun. De acordo com a certidão da empresa, Nemer é representado na sociedade pela mãe, Eloiza Fernandes Pinheiro Abi Antoun.

Os documentos da Junta Comercial apontam ainda que o próprio Luiz Abi constava como sócio da KLM quando ela foi criada, em setembro de 1990.O empresário, porém, deixou a sociedade em maio de 2012. Já Eloiza, que também participou da sociedade quando a KLM foi criada, deixou o controle da empresa em outubro de 1997. Em 29 de maio de 2012, voltou a figurar como sócia, mas, no mesmo dia, saiu da sociedade junto com o marido.

Fraudes

Há pouco mais de dez dias, o Grupo Especial de Combate ao Crime Organizado (Gaeco) indiciou 109 pessoas na segunda fase da Operação Publicano, que investiga um esquema de corrupção na Receita Estadual. Primo do governador Beto Richa (PSDB), Luiz Abi é apontado como o operador político do esquema, que consistia em uma rede de extorsão e subornos, pagos por empresários, para bloquear cobranças milionárias de impostos estaduais devidos por empresas de Londrina e região.

Em outra ponta, empresários também pagariam para se tornarem “blindados” e protegidos das fiscalizações da Receita. Segundo o Gaeco, o próprio Abi, por exemplo, teria ordenado o encerramento de uma fiscalização na GV Alumínios, uma das proprietárias da Alumpar.

“Confio em Deus e amo a minha família. Só isso que tenho a dizer”, afirmou Abi recentemente, na única declaração pública que fez sobre o tema. Já Richa sempre alegou ter apenas “relações sociais” com o empresário e ressaltou que não pode ser punido pelos erros de outras pessoas.

Comente aqui


Saboreie as delícias da GOLD CAFETERIA na região sul

As famílias da região sul tem um novo ponto de lazer. É a GOLD CAFETERIA, que fica no Muffato  da região sul.

 Na GOLD CAFETERIA você encontra porções, chopp gelado, pastéis, salgados, sanduíche, sucos naturais e as quartas-feiras, tem sopas e caldos. Tem também o tradicional cafezinho feito na hora.

 A GOLD CAFETERIA funciona de segunda a sábado das 9h às 22h. Aos domingos, o funcionamento é das 9h às 18h. Venha prestigiar.

 O Muffato da região sul fica avenida Presidente Eurico Gaspar Dutra, 175, próximo ao viaduto do Cafezal na PR-445.

 

IMG-20150620-WA0002 IMG-20150620-WA0004 IMG-20150620-WA0003

1 Comentário


Ombudsman da Folha de São Paulo admite erro greva contra Lula

FONTE: BRASIL 247

Jornalista Vera Guimarães Martins destaca, entre outros erros cometidos pelo jornal na última semana, a manchete que atribuiu a Lula o habeas corpus que pedia para que ele não fosse preso; “Problema: a notícia foi ao ar antes que a reportagem ouvisse o Instituto Lula”; Vera também afirma que a seção “Erramos”, no site, “foi pensada para não aparecer”

images-cms-image-000442574

247 – “Foi uma semana infeliz para a Folha”. A opinião é da ombudsman do jornal, Vera Guimarães Martins, que acrescenta que “erros são da natureza extremamente dinâmica do jornalismo, mas o balanço de informações ou títulos incorretos dos últimos dias é preocupante e constrangedor”.

Vera destaca, entre outros erros cometidos nos últimos dias, a manchete publicada no site do jornal, sem antes confirmar a informação, que atribuiu a Lula o habeas corpus que pedia na Justiça para que o ex-presidente não fosse preso na Operação Lava Jato. “Problema: a notícia foi ao ar antes que a reportagem ouvisse o Instituto Lula”, diz Vera.

A ombudsman também critica o fato de a seção Erramos, segundo ela, estar escondida no site. “Se você nunca viu a seção Erramos no site, não é por distração, leitor. A impressão é a de que ela foi pensada para não aparecer. Não está integrada nos temas da barra superior e, por razão que me escapa, não é elencada em ordem alfabética da lista de “Seções” (botão azul à esquerda, no alto). Vem no fim: a lista tem 41 itens, o Erramos está no 39° lugar”.

Leia aqui a íntegra.

Comente aqui


Redução da maioridade penal é o principal tema da semana na Câmara

Conforme as informações da Agência Brasil, a votação da redução da maioridade penal de 18 para 16 anos é o principal assunto da semana na Câmara dos Deputados. O presidente da Casa, deputado Eduardo Cunha (PMDB-RJ), marcou o início da votação da proposta de emenda à Constituição (PEC 171/93) que trata do tema para terça-feira (30). Segundo Cunha, a PEC da maioridade penal é o único item da pauta.
De acordo com o presidente, se não acabar [a votação] na terça-feira, ela continua na quarta, na quinta, até acabar. “Depois da PEC da maioridade penal, tenho de votar a PEC da reforma política em segundo turno”, acrescentou. Desde que foi eleito presidente da Câmara, Eduardo Cunha defende a votação da proposta, em tramitação há mais de 20 anos.

A PEC teve sua admissibilidade aprovada pela Comissão de Constituição e Justiça da Câmara sob forte pressão de movimento sociais contrários à medida. Na comissão especial encarregada de apreciar o mérito da proposta, os deputados contrários à redução da maioridade penal protestaram durante toda a tramitação da PEC, com o argumento de que não se deve mexer na Constituição para reduzir a maioridade. Esse parlamentares concordaram em alterar o Estatuto da Criança e do Adolescente (ECA) para modificar as penas para menores infratores.

Os defensores da redução da maioridade, maioria na comissão, pressionaram e conseguiram aprovar o parecer apresentado pelo relator, deputado Laerte Bessa (PR-DF). Na primeira tentativa de votação, com o plenário lotado de jovens contrários à proposta, os seguranças chegaram a usar spray de pimenta para esvaziar o local. A votação e aprovação do parecer do relator ocorreu em reunião fechada.

Como o presidente da Câmara já tinha anunciado que a votação no plenário também seria sem a presença de manifestantes, lideres estudantis recorrem ao Supremo Tribunal Federal (STF) e conseguiram liminar da ministra Cármem Lúcia, do STF, para que representantes da União Nacional do Estudantes (UNE) e da União Brasileira dos Estudantes Secundaristas (UBES) entrem na Câmara para acompanhar a votação da PEC.

A proposta foi aprovada na comissão por 21 votos a 6, após muitas negociações e alterações no texto do relator. Para conseguir o apoio e os votos para aprovação, Bessa aceitou a redução da maioridade apenas para casos de crimes hediondos (como estupro e latrocínio), lesão corporal grave e roubo qualificado.

Comente aqui


UTC doou mais a Aécio que a Dilma na campanha de 2014

FONTE: BRASIL 247

Levantamento feito pelo site Às Claras, ligado à ONG Transparência Brasil, mostra que a UTC doou R$ 8.722.566,00 para a campanha a presidente de Aécio Neves, no ano passado. O valor é R$ 1,22 milhão superior ao valor doado à campanha de Dilma Rousseff na mesma época”, destaca Eduardo Guimarães, do Blog da Cidadania; ele diz “não entender” por que os grandes jornais destacaram como novas notícias que são, na verdade, “requentadas”; Guimarães coloca ainda a pergunta: “Diz o noticiário que Pessoa sentiu-se pressionado a doar a Dilma e ao PT porque tinha medo de que, se não doasse, o governo petista prejudicaria seus negócios. Por que Aécio, sem pressionar, recebeu mais do que Dilma?”

images-cms-image-000442547

 

Por Eduardo Guimarães, do Blog da Cidadania

Quem lê os principais jornais dando conta de que a UTC doou 7,5 milhões de reais à campanha de Dilma Rousseff fica com a impressão de que há, aí, uma grande descoberta e que a presidente foi especialmente beneficiada por essa empresa. Nada mais falso.

 

 Em primeiro lugar, se esses grandes veículos fizessem jornalismo deveriam esclarecer que essa empresa doou inclusive mais dinheiro à campanha de Aécio Neves no ano passado do que à de Dilma Rousseff.

Levantamento feito pelo site Às Claras, ligado à ONG Transparência Brasil, mostra que a UTC doou R$ 8.722.566,00 para a campanha a presidente de Aécio Neves, no ano passado. O valor é R$ 1,22 milhão superior ao valor doado à campanha de Dilma Rousseff na mesma época.

Diz o noticiário que Pessoa sentiu-se pressionado a doar a Dilma e ao PT porque tinha medo de que, se não doasse, o governo petista prejudicaria seus negócios. A pergunta que é obrigatório fazer, diante de tal acusação, é muito simples: por que Aécio, sem pressionar, recebeu mais do que Dilma?

Uma campanha recebeu 7,5 milhões de reais do empresário porque o intimidou e a outra – que, conforme a omissão do noticiário em citá-la, subentende-se que não intimidou – recebe 8,7 milhões de reais.

A primeira doação decorre de chantagem e a segunda de “amor” ao candidato?

Ora, façam-me o favor…

Mas o pior não é isso. Uma simples busca na internet revela que essa celeuma que dominou a grande mídia a partir da última sexta-feira (26) por conta das “novas” revelações de Ricardo Pessoa, da UTC, não tem a menor justificativa porque é matéria requentada.

Os três maiores jornais do país (Folha, Globo e Estadão) publicaram, neste sábado (27/06), praticamente a mesma matéria sobre o tema, inclusive com manchetes praticamente idênticas. Desse modo, tomemos como exemplo a matéria da Folha, que afirma que “Revelações de empreiteiro ampliam pressão sobre o PT”.

 O que você, atento leitor, entende dessa matéria e, sobretudo, da manchete que a intitula é que surgiu alguma novidade que “ampliou” a “pressão” sobre “o PT”. Ou seja, o que se subentende da manchete é que alguma coisa nova veio à tona.

Pois bem. Vejamos, então, matéria da mesma Folha de São Paulo publicada 49 dias antes, de autoria da mesma Estelita Hass Carazzai que assina a matéria publicada pelo jornal neste sábado.

 Alguém, por favor, ajude este desorientado blogueiro: o que é, diabos, que há de novo nas notícias recém-publicadas sobre as denúncias do empreiteiro Ricardo Pessoa? O que é que ele acrescentou ao que já havia dito que justifique que a mídia e a oposição façam esse estardalhaço e digam que, à luz das “novas” revelações, há que tirar o mandato de Dilma Rousseff?

O que esse estardalhaço todo significa é, no fim das contas, um imenso desrespeito pela opinião pública, obviamente vista pela mídia e pela oposição como desmemoriada, idiotizada, incapaz de juntar fatos escandalosamente óbvios e deles tirar uma simples conclusão.

Infelizmente, pensando bem, tanto a mídia quanto a oposição têm boas doses de razão para enxergar assim a sociedade brasileira, ou ao menos sua maioria esmagadora.

Comente aqui


No Ano Internacional da Luz, 1,5 bilhão de pessoas vivem no escuro pelo mundo

 energia elétrica

No Brasil, o programa Luz para Todos tem por objetivo  levar energia eléterica para todas as regiões do paísMarcello Casal JR/Arquivo/Agência Brasil

O Ano Internacional da Luz, criado pela Organização das Nações Unidas (ONU) para sensibilizar os governos do mundo para um fato grave, será comemorado ao longo de 2015. De acordo com a ONU, apesar de todos os avanços científicos da humanidade, 1,5 bilhão de pessoas ainda vivem sem energia elétrica no mundo.

Os desdobramentos do problema são muitos, entre eles a impossibilidade de estudar à noite, dificuldade de acesso à informação, desperdício de comida por falta de geladeira e insegurança. Segundo a Unesco, a prática cultural no continente africano de usar querosene como combustível para lamparinas mata 1,5 milhões de pessoas por ano e é uma das principais causas de problemas respiratórios em milhões de moradores da região.

No Brasil, há 12 anos o governo tenta universalizar o acesso à energia elétrica por meio do programa Luz para Todos. Entretanto, boa parte da população continua sem luz. Segundo o diretor do programa, Aurélio Pavão, do Ministério de Minas e Energia, cerca de 190 mil famílias brasileiras ainda vivem sem energia, a maior parte na zona rural.

Para o diretor, o avanço foi significativo desde 2002, quando o ministério estimou que 10 milhões de pessoas, cerca de 2 milhões de moradias, não tinham luz no país. “Em maio de 2009, o programa cumpriu a meta dos 10 milhões. À medida que avançamos, identificamos novas famílias e novos domicílios no meio rural que também precisavam de energia. O programa já levou energia a 15,5 milhões de pessoas”, esclareceu Pavão.

Ele explicou que são três as razões para a construção de muitas novas casas no país nos últimos anos. “O crescimento econômico, que gerou mais construções nas propriedades familiares, retorno de muitas famílias ao campo e os programas de assistência social, como Bolsa Família, que incrementou a renda das famílias.”

Segundo Aurélio Pavão, nas regiões Sul e Sudeste e parte do Nordeste o acesso à luz já está universalizado.  “A partir de agora, nosso maior desafio são alguns estados do Nordeste, principalmente Bahia, Piauí, Maranhão e Alagoas, além de Goiás, no Centro-oeste, e toda a região Norte.”  O novo prazo para universalização de energia no país é 2018.

Além das 190 mil residências mapeadas pelo ministério, Aurélio Pavão destacou a existência de comunidades isoladas na Amazônia. Elas não estão contabilizadas, mas não têm energia. Pavão explicou que o problema de levar energia para a região são as dificuldades de logística e obstáculos naturais.

Para superar os problemas, o programa foi modernizado com o uso de novas tecnologias, como cabos subaquáticos, postes de fibra de vidro, que boiam facilitando transporte pelos rios, e uso de energia solar. “Em tese, ainda temos uma população grande para atender nessa região, mas a o ministério está conseguindo avançar bastante”, acrescentou.

Até maio de 2015, os investimentos no programa Luz para Todos chegavam a R$ 22,7 bilhões.

Comente aqui


O que pode acontecer com seu carro caso você ocupe uma vaga de deficiente

Fonte: Pragmatismo Político

Um condutor estacionou seu carro parado em uma vaga reservada para deficientes na cidade de Maringá-PR. Quando voltou, se revoltou com o estado em que encontrou seu veículo e foi alvo de críticas e piadas dos populares que testemunharam a cena e de internautas que assistiram aos vídeos do incidente

carro maringá vaga deficiente
Um recente acontecimento em Maringá [vídeos abaixo], no Paraná, chama atenção para o desrespeito às vagas exclusivas para deficientes físicos no Brasil.

Estacionar em vaga para deficiente, mesmo não sendo portador de nenhuma necessidade continua sendo um fato comum e difícil de resolver. Apesar de saber desta proibição, muita gente ainda insiste em praticar tal ato.

Sem multa ou reboque, existem maneiras curiosas de conscientização. Mas, por essa, o condutor de Maringá não esperava.

Uma brincadeira, feita por um canal de humor no YouTube, chamou a atenção dos moradores da cidade. O veículo do condutor foi coberto por dezenas de adesivos que formavam o desenho que indica espaço reservado para deficientes físicos. Populares se aglomeraram para acompanhar a reação do motorista, que se irritou com a “pegadinha” pregada no carro irregular.

O condutor do veículo teve dificuldade de sair dirigindo. “Agora corta as pernas”, disse uma mulher. A história viralizou nas redes sociais.

O secretário de Trânsito e Segurança de Maringá, Ideval de Oliveira, diz acreditar que o condutor era um ator, integrante do canal. Ele afirma que, de qualquer forma, uma multa de R$ 53 foi aplicada ao motorista pela infração.

“Acho a ação válida. É um trabalho de conscientização. Não conheço o grupo, mas, se o objetivo é chamar a atenção para que as pessoas não façam o uso indevido da vaga, tudo bem”, comenta o secretário.

Confira abaixo os vídeos da ação:

Comente aqui


Decisão da Suprema Corte PRÓ-CASAMENTO GAY gera celebração global

FONTE: BRASIL 247

A decisão da Suprema Corte dos Estados Unidos, nesta sexta-feira (26), que tornou o casamento entre pessoas do mesmo sexo garantido pela Constituição em todo o país gerou uma imensa repercussão em todo o mundo. Lideranças políticas, artistas e ativistas comemoraram a iniciativa. Para expressarem seu apoio, através das redes sociais, as pessoas estão alterando a cor de suas fotos de perfis incluindo as cores do arco-iris, símbolo da luta dos homossexuais; no Brasil, os perfis da presidente Dilma e do ex-presidente Lula fizeram a homenagem, além de parlamentares como Jean Wyllys e Jandira Feghali, e artistas como Mateus Solano e Ana Carolina; o fundador e CEO do Facebook, Mark Zuckerberg, também alterou a sua imagem

images-cms-image-000442456

247 – A decisão da Suprema Corte dos Estados Unidos, nesta sexta-feira (26), que tornou o casamento entre pessoas do mesmo sexo garantido pela Constituição em todo o país gerou uma imensa repercussão em todo o mundo. Lideranças políticas, artistas e ativistas comemoraram a iniciativa. Para expressarem seu apoio, através das redes sociais, as pessoas estão alterando a cor de suas fotos de perfis incluindo as cores do arco-iris, símbolo da luta dos homossexuais. No Brasil, os perfis da presidente Dilma e do ex-presidente Lula fizeram a homenagem, além de parlamentares como Jean Wyllys e Jandira Feghali. O fundador e CEO do Facebook, Mark Zuckerberg, também alterou a sua imagem.

A decisão da Suprema Corte veio em resposta a uma ação coletiva que tramitava na Justiça americana e é tomada como jurisprudência para casos semelhantes. A notícia é uma vitória da luta de anos de ativismo e batalhas judiciais dos movimentos pelos direitos civis de homossexuais.

Em discurso, o presidente americano, Barack Obama, homenageou os “heróis anônimos” que lutaram pelo reconhecimento legal do casamento gay. Antes, no Twitter, ele havia afirmado que a decisão era um “grande passo em nossa marcha pela igualdade”. Depois da decisão, ativistas tomaram a frente da Suprema Corte e cantaram o hino nacional com bandeiras do movimento.

Abaixo matéria da Agência Brasil:

Decisão que garante casamento gay reafirma igualdade, diz Obama

Leandra Felipe – Correspondente da Agência Brasil/EBC Edição: Maria Claudia
Após a decisão da Suprema Corte dos Estados Unidos, proferida hoje (26), que garante o direito do casamento gay para casais homossexuais, o presidente Barack Obama disse que a mudança ressalta a igualdade dos norte-americanos. “Quando todos os americanos são tratados como iguais, nós todos somos mais livres”, disse, em um discurso na Casa Branca.

A decisão apertada da Suprema Corte, por cinco votos a quatro, estabeleceu garantias constitucionais da proteção igualitária ao matrimônio entre pessoas do mesmo sexo. A partir de agora, os tribunais estaduais não podem mais proibir casamentos entre homossexuais. Todos os 50 estados devem obedecer a lei.

Um dos juízes mais conservadores segundo a imprensa norte-americana, Anthony Kennedy, escreveu em nome da corte que a decisão é uma esperança para os homossexuais que querem se casar. “As pessoas que querem uma união com o mesmo sexo, já não serão condenadas a viver na solidão, excluídas das mais antigas instituições de nossa civilização. Elas pedem a mesma dignidade aos olhos da lei. A Constituição lhes garante esse direito”.

Kennedy votou com os quatro juízes liberais a favor e garantiu que a lei fosse alterada. Do lado de fora da Suprema Corte, manifestações favoráveis e contra a decisão aconteceram durante e após o anúncio da sentença.

A mudança também garante que casamentos celebrados em estados que permitiam o casamento possam ter valor legal nos estados que proibiam.

Antes de se pronunciar na Casa Branca, Barack Obama comentou a decisão em sua conta no Twitter e no Facebook. “Hoje damos um grande passo na busca da igualdade. Agora os casais do mesmo sexo podem se casar”. Ele usou a hashtag #lovewon (o amor ganhou) no Twitter e postou uma foto em seu perfil no Facebook. Milhares de usuários compartilharam a mensagem de Obama.

1 Comentário