Mês: setembro 2017



Lula chega a 35% no DATAFOLHA mesmo após ser condenado

O ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) se mantém na liderança da corrida presidencial, com grande vantagem sobre os principais adversários, segundo nova pesquisa do Datafolha, divulgada neste sábado. O petista, condenado em primeira instância pelo juiz Sergio Moro, tem pelo menos 35% das intenções de voto nos cenários testados.

O deputado federal Jair Bolsonaro (PSC) e a ex-senadora Marina Silva (Rede) empatam em segundo lugar. Ele oscila entre 16% e 17% e ela varia entre 13% e 14% nos cenários com o ex-presidente no páreo.

Geraldo Alckmin e João Doria, ambos do PSDB, apresentam desempenho equivalente na disputa com Lula, Bolsonaro e Marina, segundo o levantamento. O governador de São Paulo e o prefeito da capital alcançam 8% das intenções de voto. Doria tem viajado pelo país tentando aumentar seu grau de conhecimento e apostando que com isso poderá subir nas pesquisas, mas isso até agora não se concretizou.

Nos cenários testados para eventual segundo turno, Lula pela primeira vez vence todos os adversários. A exceção é um hipotético confronto com o juiz Sergio Moro (que tem descartado concorrer a presidente), em que há empate técnico.

A pesquisa, que será publicada na edição da Folha deste domingo (1º), foi feita na quarta-feira (27) e na quinta (28). O Datafolha realizou 2.772 entrevistas em 194 cidades. A margem de erro é de dois pontos percentuais para mais ou para menos.

1 Comentário


Atualização da Planta de Valores: uma vitória da cidade

“Essa é uma vitória do diálogo, da sociedade, da cidade de Londrina. Talvez, seja a questão mais discutida pela sociedade, pois foram 16 anos sem atualização”, declarou o prefeito Marcelo Belinati.

A frase registrada pela Folha de Londrina, em sua edição de ontem, foi dita pelo prefeito logo após os vereadores aprovarem em segundo turno a atualização da Planta Genérica de Valores do IPTU.

O prefeito foi vitorioso porque conseguiu demonstrar para a sociedade a necessidade da atualização da planta de valores e dialogando com amplos setores, conseguiu chegar a uma proposta de consenso da maioria. Habilidoso, flexibilizou até onde foi possível a proposta original. Valorizou cada conversa porque sabia que este momento era central para recuperar a cidade de Londrina.

Marcelo conseguiu um feito que estava pendente há 16 anos, desde quando foi atualizada em 2001 no primeiro mandato do petista Nedson Micheletti. Dois prefeitos tentaram sem sucesso neste período.  Barbosa Neto em 2009 viu a Câmara rejeitar a proposta. Alexandre Kireeff, retirou a proposta antes da votação dos vereadores em 2014, depois da pressão da sociedade e ao perceber não teria os votos suficientes para aprovação.

Aliás, pressão o prefeito Marcelo sempre soube que teria e conseguiu resistir, enfrentando a rejeição de parte da mídia, de entidades, imobiliaristas, entre outros. Outra pressão foi de grupos políticos que anteriormente eram favoráveis a revisão da Planta e que agora mudaram de posição.

Independente das divergências, os vereadores assumiram a responsabilidade e aprovaram a Planta Genérica de Valores, que é uma vitória para Londrina, que agora terá um IPTU atualizado e adequado para a atual ocupação imobiliária da cidade.  

1 Comentário


Guardas de trânsito poderão portar armas de fogo no exercício de suas funções

Está à espera da sanção do presidente Michel Temer o projeto que permite o porte de arma de fogo por agentes de trânsito da União, estados, Distrito Federal e municípios. Guardas municipais que também cumpram essa função terão o mesmo direito. O projeto de lei (PLC 152/2015) foi aprovado em votação simbólica, na última quarta-feira (27), pelo plenário do Senado após ser aprovado na Câmara dos Deputados.

De autoria do ex-deputado federal Tadeu Filippelli (PMDB-DF), o projeto altera o Estatuto do Desarmamento (Lei nº 10.826/2003). Pela nova lei, os agentes de trânsito deverão comprovar capacidade técnica e aptidão psicológica para o uso da arma, incluindo formação em centros de treinamento policial.

Segundo o Código de Trânsito Brasileiro (CTB-Lei 9.503/1997), “agente da autoridade de trânsito” é toda pessoa, civil ou policial militar, “credenciada pela autoridade de trânsito para o exercício das atividades de fiscalização, operação, policiamento ostensivo de trânsito ou patrulhamento”.

O projeto recebeu o apoio dos senadores Romero Jucá (PMDB-RR), Magno Malta (PR-ES), Reguffe (sem partido-DF), Benedito de Lira (PP-AL), Flexa Ribeiro (PSDB-PA), Cássio Cunha Lima (PSDB-PB), Gleisi Hoffmann (PT-PR), Eduardo Amorim (PSDB-SE), José Medeiros (PSD-MT), Wilder Morais (PP-GO), Humberto Costa (PT-PE), Hélio José (PMDB-DF), Fátima Bezerra (PT-RN), Simone Tebet (PMDB-MS), Antônio Carlos Valadares (PSB-SE), entre outros.

Em comum entre os apoiadores, o argumento de que os guardas de trânsito costumam abordar veículos roubados e criminosos, se expondo ao risco e à periculosidade da atividade. Para a senadora Gleisi Hoffmann (PT-PR), por exemplo, a medida dará mais segurança para os agentes de trânsito.

Já os senadores Lindbergh Farias (PT-RJ), Cristovam Buarque (PPS-DF), Eduardo Braga (PMDB-AM), Antonio Anastasia (PSDB-MG), Vanessa Grazziotin (PCdoB-AM) e Pedro Chaves (PSC-MS) se manifestaram contra o projeto. Segundo Lindbergh, a medida tornará os agentes mais visados e vulneráveis, podendo aumentar o número de conflitos.

Para Cristovam Buarque, a pessoa armada está mais sujeita à violência que uma desarmada. “Guarda de trânsito não ganha para prender ou matar bandidos. Armar mais as pessoas não é a solução. Por que não armar os motoristas de táxi, os motoristas de caminhão? Daqui a pouco vamos querer armar toda a população”, afirmou o senador do Distrito Federal. Informações da Rede Brasil Atual

Comente aqui


Curso de Engenharia de Materiais da UTFPR em Londrina promove o II SEMate

Com informações da assessoria de imprensa

Tem início na próxima segunda-feira (2), indo até sexta-feira (6), a II Semana de Engenharia de Materiais (II SEMate), do curso de Engenharia de Materiais da Universidade Tecnológica Federal do Paraná (UTFPR), campus Londrina. O evento contará com palestras técnicas e visitas a empresas da região. A abertura acontece nesta segunda-feira, no Hotel Crystal, a partir das 9h, se estendendo pela tarde.

O objetivo do II SEMate é aproximar os estudantes do curso da vivência de um engenheiro de materiais atuante no mercado, bem como de empresas existentes no ramo. O evento pretende reunir profissionais atuantes em diversas áreas da Engenharia de Materiais que vão apresentar e discutir temas da área de conhecimento relacionados às tecnologias utilizadas e demais inovações. Também abordarão o fomento do engenheiro de materiais como profissional de ampla importância e participação na sociedade, passando adiante objetos de estudos que despertam fascínio nos graduandos, pós-graduandos e interessados na área.

Para esta segunda edição da Semana de Materiais o tema a ser abordado é “Engenharia de Materiais: Pesquisa, desenvolvimento e atuação nas indústrias”. A abordagem escolhida tem por justificativa uma maior compreensão quanto à funcionalidade da Engenharia de Materiais nos campos de trabalho: áreas acadêmica, tecnológica, científica e de pesquisa.

Em 2017, o evento conta com palestras de profissionais da área, apresentação de trabalhos acadêmicos dos discentes, uma tarde de estágios, que deve aproximar os alunos das empresas atuantes na área de engenharia de materiais, minicursos e visitas técnicas às empresas da região.

A Semana de Engenharia de Materiais é uma organização dos representantes do Centro Acadêmico de Engenharia de Materiais (CAEMA), com o auxílio de docentes do curso. A previsão é que 140 estudantes de graduação, pós-graduação e profissionais participem do evento.

Comente aqui


Câmara de Vereadores aprova nova Planta de Valores de Londrina

Informações da assessoria de imprensa

Desafio enfrentado sem sucesso pelas quatro últimas administrações municipais, a atualização da Planta Genérica de Valores (PGV) que estabelece o valor comercial dos imóveis e portanto base de cálculo para a cobrança do Imposto Predial e Territorial Urbano (IPTU), voltou novamente ao debate este ano, com a apresentação pelo Executivo do projeto de lei nº 191/2017 em tramitação na Câmara de Vereadores desde o início de agosto. Nesta quinta-feira, a proposta da atual Administração que altera a PGV para permitir o aumento do IPTU e reajusta a Taxa de Coleta de Lixo a partir de 2018 foi aprovada pelos vereadores, em segundo e último turno, por 14 votos favoráveis e cinco contrários.

Votaram contra os vereadores Boca Aberta (PP), Felipe Prochet (PSD), Filipe Barros (PRB), Junior Santos Rosa (PSD) e Roberto Fú (PDT). 

Mas a aprovação da matéria não foi tarefa fácil. Depois do início dos trabalhos da Câmara de Vereadores, a sessão ordinária desta tarde foi suspensa em pelo menos três oportunidades, em interrupções que duraram mais de três horas e o projeto do Executivo recebeu sete emendas e uma subemenda. Na decisão final da Câmara de Vereadores prevaleceu o substitutivo nº 1 do Executivo – apresentado na última terça-feira para garantir a aprovação da matéria em primeiro turno – e a emenda nº 5, também do autor do projeto, que estabeleceu novos percentuais para aplicação da alíquota do IPTU nos próximos seis anos. 

Novas regras – Para atender as reivindicações de vereadores e também de entidades da sociedade civil, a proposta apresentada pelo Executivo e aprovada pela Câmara de Vereadores prevê que a aplicação da alíquota de 1% sobre os valores dos imóveis apurados pela nova PGV  –  após deduzidos os descontos previstos no projeto relacionados ao valor da edificação e do terreno – será diluída gradativamente no período de seis anos (2018 a 2023), a partir do índice de 0,6% previsto para 2018, retornando novamente à alíquota cheia (1%) em 2024.

Outra novidade está relacionada à criação do IPTU Social para atender os beneficiários de Programas de Regularização Fundiária e do Programa Minha Casa Minha Vida que pagarão um valor fixo anual de R$ 50,00 por imóvel. Os cadastrados nestes programas também vão desembolsar taxa única anual de R$ 50,00 referente a recém-criada Taxa de Coleta de Lixo Social. Para os demais contribuintes a taxa de coleta de lixo domiciliar ou comercial passará dos atuais R$ 1,11 para R$ 1,44 por coleta/dia, sem o redutor que hoje limita a cobrança a 20% (para a coleta domiciliar) do valor do IPTU. O projeto de lei nº 191/2017 segue agora para sanção do prefeito Marcelo Belinati (PP).   

Comente aqui


Fiscalização de descarte irregular resulta em multa e prisão em Londrina

Um homem foi preso e outro acabou autuado durante nova fiscalização contra o descarte irregular de resíduos em Londrina. A ação integrada entre Companhia Municipal de Trânsito e Urbanização (CMTU), Secretaria Municipal do Ambiente (Sema) e Força Verde ocorreu na tarde desta quarta-feira (27), na estrada de terra localizada próximo ao cruzamento das avenidas Saul Elkind e Angelina Ricci Vezozzo, na região norte de Londrina.

Na oportunidade, dois indivíduos foram flagrados enquanto descartavam entulhos da construção civil em área pública. Na abordagem, um deles foi multado pelo despejo clandestino enquanto o outro, depois de constatado mandado de prisão em aberto por lesão corporal e ameaça, recebeu voz de prisão da Força Verde e foi encaminhado ao 4º Distrito Policial para os procedimentos cabíveis.

De acordo com Josiane Correia, coordenadora de fiscalização da CMTU, o local onde o caso foi registrado é utilizado ilegalmente pela população como ponto de bota-fora. “O espaço costuma ser usado para o despejo dos mais diversos tipos de lixo e, nas últimas semanas, percebemos que o volume de material na área tem aumentado. Diante disso, temos buscado intensificar o patrulhamento, já que a prática é proibida em todos os terrenos públicos e particulares de Londrina”, afirmou.

Por causa da atitude, os fiscais da companhia emitiram auto de infração de acordo com o Código de Posturas do Município, Lei nº 11.468/2011. As circunstâncias do episódio serão analisadas e, a depender do entendimento do diretor de Operações da CMTU, Odivaldo Moreno, o valor da sanção pode chegar a R$ 3 mil.

Josiane ressaltou que, além das fiscalizações de rotina, as ações conjuntas com a Sema e as forças policiais têm ocorrido com frequência. “Temos fechado o cerco contra os poluidores e operações como a de ontem vão continuar se repetindo. Além de extremamente nocivos ao meio ambiente, atos assim trazem péssimas consequências à saúde pública. Tanto pela questão da dengue quanto pela proliferação de outros vetores de doenças”, alertou a coordenadora.

Ela orientou que os moradores com resíduos a serem descartados busquem as unidades do Ponto de Entrega Voluntária (Pev) para não caírem na ilegalidade. Situados na rua Capitão João Busse, no jardim Nova Conquista, e na Aníbal Balarotti, no Residencial Vista Bela, os espaços estão aptos a receber boa parte dos materiais gerados nos domicílios.

Além de entulhos, podas e galhos de árvores, nos locais podem ser dispostos sofás, colchões e móveis em madeira. O funcionamento é de segunda a sexta-feira, das 8h às 17h, e aos sábados, das 8h às 12h. A expectativa da CMTU é que, até o final do ano, outros dois Pevs sejam instalados na cidade. O objetivo é ampliar a disponibilidade de áreas para o despejo correto de resíduos, reforçando as estruturas já existentes nas regiões leste e norte. Texto NCOM

Comente aqui


Dados do 2º quadrimestre apontam Município de Londrina com projeção de déficit de R$ 47 mi

Informa o NCOM, que a Prefeitura de Londrina encerrou a execução orçamentária e financeira projetando déficit nas fontes de recursos livres para dezembro de 2017, da ordem de R$ R$ 47.887.235,00. Os dados foram apresentados na noite de ontem, quarta-feira (27) às 19h, em audiência pública de prestação de contas, realizada na Câmara Municipal de Londrina, conforme prevê a Lei de Responsabilidade Fiscal (LRF). A audiência foi conduzida pelo controlador-geral do Município, João Carlos Barbosa Perez, e pelo secretário municipal de Fazenda e Planejamento, Orçamento e Tecnologia, Edson de Souza.

Segundo o secretário de Fazenda, houve uma queda na projeção de déficit para o exercício de 2017. “Estamos trabalhando para buscar um equilíbrio das contas públicas, tanto com relação às receitas, como aprimoramento do sistema de cobrança e Profis, quanto em ações focadas na despesa como: redução de contratos terceirizados, redução de contratos de aluguel, redução de horas extras, redução de funções gratificadas, suspensão de repasse a Caapsml, todos os esforços para fechar o ano como a Lei de Responsabilidade Fiscal (LRF) preconiza”, contou.

Ele ressaltou que a projeção do déficit ainda preocupa bastante, já que a folha de pagamento da prefeitura é de R$ 50 milhões. “Há possibilidade de realizarmos novos contingenciamentos, contudo estou muito esperançoso com o Profis, para outubro, que é último mês para o pagamento em cota única com 100% de desconto nos juros e multas. Assim, teremos recursos suficientes para fechar as contas da Prefeitura”, adiantou.

O controlador-geral do Município, ressaltou que a administração está executando uma série de ações visando o equilíbrio fiscal, que é o que a lei de Responsabilidade Fiscal preconiza, garantindo assim o salário dos servidores e também o pagamento de todos os compromissos assumidos.

audiencia.prefeitura.foto CML.imprensa.Devanir Parra.2Dados – Da previsão de arrecadação de receitas próprias (R$ 485.456.000,00), foram arrecadados 72,48% correspondentes a R$ 351.866.000,00. As receitas próprias referem-se ao Imposto Predial e Territorial Urbano (IPTU), Imposto sobre Serviços de qualquer Natureza (ISS), Imposto de Renda Retido na Fonte, Imposto sobre a Transmissão Intervivos de Bens Imóveis (ITBI), e Taxas e Contribuição de Melhoria.

Da previsão de arrecadação de IPTU, no valor de R$ 160.120.000,00, foram arrecadados 80,04% o que corresponde a R$ 128.157.000,00. Com relação ao ITBI, estava prevista uma arrecadação de R$ 42.854.000,00, porém o Município arrecadou 79,74% do valor, correspondentes a R$ 34.171.000,00.

A despesa com pessoal, no último ano, ou seja, de setembro de 2016 a agosto de 2017, foi na ordem de R$659.126.000,00, representando 43,28% da receita corrente líquida do Município de R$ 1.522.876.000,00, abaixo do que estabelece a LRF de 54%.

O município aplicou em saúde, nos oito primeiros meses do ano, o montante de R$ 145.942.000,00, ou 23,32% sobre as receitas oriundas de impostos e transferências constitucionais, índice este, que até o final do exercício deverá superar o limite mínimo constitucional de 15%. Despesas referentes à manutenção e desenvolvimento da Educação somaram 22,77%, correspondendo a R$ 143.183.000,00, que até o final do exercício também deverá superar o limite constitucional de 25%.

Comente aqui


Ibope: Governo Temer bate recorde histórico de rejeição

governo michel temer ibope rejeição

A reprovação do governo Temer alcançou mais um patamar recorde. Segundo uma nova pesquisa CNI/Ibope divulgada nesta quinta-feira (28), apenas 3% consideram a atual gestão boa ou ótima. Para 77%, o governo é ‘ruim ou péssimo’.

Este já é o quarto trimestre consecutivo de piora na popularidade do presidente Michel Temer.

Além das notícias sobre corrupção relacionadas ao governo, a liberação de exploração da Renca, na Amazônia, foi a notícia mais lembrada pela população.

A pesquisa avalia que, como a reprovação das políticas de meio ambiente aumentou (de 70% para 79%), isso ajuda a explicar parte da queda na popularidade de Temer.

O levantamento ainda avaliou outros dois critérios: a forma de governar e a confiança no presidente. Sobre a forma de governar, 89% dos brasileiros disseram que desaprovam, enquanto 7% aprovam e 4% não souberam ou não responderam.

Em relação à confiança no presidente, os índices foram ainda piores: 92% dos entrevistados não confiam em Temer; 6% confiam; e 2% não responderam.

Comparação com governo Dilma

A pesquisa Ibope também pediu aos entrevistados que comparassem as gestões de Temer e da antecessora, Dilma Rousseff, na Presidência da República.

Segundo o levantamento, 8% dos entrevistados consideram o governo do peemedebista melhor; 31%, igual; 59%, pior; e 2% não souberam ou não responderam.

Avaliação do governo:
Ótimo/bom: 3%
Regular: 16%
Ruim/péssimo: 77%
Não sabe/não respondeu: 3%

Maneira de governar:
aprovam: 7%
desaprovam: 89%
não souberam ou não responderam: 4%

Fonte: Pragmatismo Político

Comente aqui


Prefeitura dá sequência as duplicações de Faria Lima e Aminthas de Barros

Informa a Rádio Paiquerê, que com o objetivo de duplicar a avenida prefeito Faria Lima e a avenida Aminthas de Barros, na zona sul de Londrina, a prefeitura declarou como utilidade pública áreas que ficam perto das vias. Os decretos municipais para fins de Licenciamento Ambiental foram publicados no Jornal Oficial do município.

Para a obra de duplicação da Prefeito Faria Lima, o documento prevê o trecho entre rua João Batista Ribeiro Neto e avenida Maringá, na bacia do Ribeirão Cambé. Já para a duplicação da avenida Aminthas de Barros, o projeto trata do trecho entre avenida Higienópolis e rua Professor Júlio Estrela Moreira e também duplicação da rua Antonio Moraes de Barros e parte da avenida Souza Naves, entre a Júlio Estrela Moreira e rua Henrique Dias.

Segundo o diretor presidente do Instituto de Pesquisa e Planejamento Urbano de Londrina (Ippul), Nado Ribeirete, a expectativa é começar as obras até o final do ano, com recursos contratados junto à Caixa Econômica Federal. Ribeirete explicou que o projeto prevê uma rotatória na Souza Naves, perto da entrada para o Hospital do Câncer, mantendo o monumento a Bíblia.

O município também decretou utilidade pública em três lotes, que somam cerca de 1,6 mil metros quadrados, nas proximidades do conjunto Jamile Dequech, onde foi construído o viaduto na PR 445. A publicação do decreto de utilidade pública ainda estava pendente desde que foi executada a obra.
Comente aqui


Confira as alíquotas da planta que está em debate na Câmara

A Câmara dos Vereadores deve avaliar amanhã em segunda votação, o projeto de Lei que atualiza a Planta Genérica de Valores. Caso se confirme a proposta aprovada ontem, em primeira votação, o valor venal dos imóveis da cidade, terão nos próximos anos, as seguintes alíquotas:

O infográfico é da Folha de Londrina. 

Segundo o secretário de Fazenda e Planejamento, Edson de Souza, se o projeto for aprovado amanhã, a arrecadação com IPTU terá um acréscimo de R$ 110 milhões para 2018, ou seja, passa de R$ 190 milhões (2017) para R$ 300 milhões no próximo ano. 

“É obvio que teremos que fazer um reestudo (com a diferenciação da alíquota) pois a mudança terá uma diminuição no valor de arrecadação de R$ 87 milhões do valor inicialmente previsto, então temos essa missão de realocar esse montante”, disse o secretário para a edição da Folha de Londrina de hoje. 

Comente aqui