Mês: maio 2018



Juventus é a líder isolada da 2ª Champions League Arena Palhano – Copa Audithorium

Liderança isolada da Juventus, recuperação do Bayern e a primeira goleada da competição em 2018. Este foi o resumo da segunda rodada da 2ª Champions League Arena Palhano – Copa Audithorium – de futebol suíço 2018, que ocorreu no último sábado (dia 19). Ao todo, foram marcados 14 gols.

A partida inicial teve a vitória do Bayern por 2 (César e Daniel) a 1 (Celsinho) sobre o Shaktar.

Na segunda partida o placar de 2 x 1 se repetiu com a vitória da Juventus sobre o Barcelona. Matheus Paim e Valdecir marcaram para os juventinos e Paulo Correria descontou para o time catalão.

Na partida final, a primeira goleada foi mérito do PSG que ensacou o Real Madrid por 6 a 2. Jonatas fez 3, Cléber 2 e Henrique marcaram os gols do PSG. Cristiano e Citroen descontaram para o Real.

As partidas foram apitadas pelo arbitro da Federação Paranaense de Futebol, Edson Moreno.

A terceira rodada está marcada para sábado (dia 26). O primeiro jogo dia, a partir das 15h30, o Barcelona enfrenta o PSG; as 16h30, o Juventus pega o Shaktar e fechando a rodada as 117h30, o Bayern pega o Real Madrid.

Os jogos serão disputados no GRETEL, que fica na Rua Maria Lucia da Paz, 20, na Gleba Palhano.

A 2ª Champions League Arena Palhano – Copa Audithorium – de futebol suíço 2018 tem o apoio de Stefani Móveis, Imobiliária Aurora, Decathlon, Piu Bella Pizzaria, Londri Auto, Orion Instalações, Hipólito Assessoria jurídica, Imuninseto, Citroën Marajo, Ótica Diniz, Medwork Medicina do Trabalho e advocacia Maurílio Viana.

Confira a classificação:

Comente aqui


Governadora Cida: uma liderança notável no cenário político nacional

A governadora Cida Borghetti tem recebido elogios em todo o Brasil e principalmente no Paraná por sua atuação à frente do Estado.

Desde que assumiu o governo, Cida propôs diversas mudanças e tem apresentado a diferença de uma mulher na liderança. Os comentários nos bastidores sobre seu modo de governar,  baseado no diálogo, independente de ideologia partidária, são positivos. A governadora tem demonstrado que é possível manter um bom relacionamento e que a união faz a diferença pelo Paraná, reafirmando o seu trabalho pelo Estado.

Quando deputada estadual, Cida foi a parlamentar que mais apresentou projetos de lei a favor da população. Com sua sensibilidade, simpatia e também pulso firme, ela vem conquistando o respeito e admiração dos paranaenses.

Comente aqui


Ouvidoria-Geral do Município capacita servidores municipais

curso.ouvidoria.VP

Com o objetivo de capacitar os servidores da Prefeitura de Londrina sobre a lei federal 13.460, que entrará em vigor em 21 de junho, a Ouvidoria-Geral do Município promove o curso Transparência na Administração Pública. A iniciativa é realizada em parceria com a Escola de Governo da Prefeitura, na modalidade semi-presencial, e visa esclarecer e preparar os servidores quanto ao Código de Defesa do Usuário do Serviço Público, e outras questões instituídas pela nova legislação.

A primeira aula do curso será realizada na próxima segunda-feira (28), das 13h30 às 17h30, no auditório do Centro Municipal de Educação Infantil (CMEI) Valéria Varonesi. Devem participar 150 servidores. O endereço é Rua Benjamin Constant, 800, ao lado do terminal urbano.

curso.ouvidoria.V2Durante as aulas, também serão abordados temas como transparência na administração pública, o papel da Ouvidoria e a Lei de Acesso à Informação.  A lei federal 13.460 trará importantes ferramentas para tornar o setor público mais eficiente, como prazos, metas, ranking de efetividade e a disponibilização ao cidadão da Carta de Serviço. A legislação promove mais responsabilidades e atribuições aos órgãos públicos e, ao mesmo tempo, mais direitos aos cidadãos.

O ouvidor-geral do Município, Alexandre Sanches Vicente, informou que, em um primeiro momento, a capacitação deverá atingir cerca de 600 servidores, entre secretários municipais, diretores, coordenadores, gerentes de áreas e assessores, para que eles possam multiplicar este conhecimento para os demais servidores. “A Prefeitura de Londrina possui cerca de 10 mil servidores, e fica difícil conseguir atingir a todos nessa primeira fase. Por isso, estamos trabalhando desta forma para que todos estejam aptos a atender os cidadãos dentro do que estabelece a nova lei”, afirmou.

Principais mudanças – Entre as principais mudanças previstas pela Lei 13.460, Vicente salientou a Carta de Serviço, que funcionará como um guia ao cidadão sobre todos os serviços prestados pela administração municipal, com detalhamentos, endereços, responsáveis, onde ir, como proceder. “A carta de serviço é inspirada no Decreto Federal 6.932/2009, que já estabelecia informações sobre os serviços. Com a nova legislação, é preciso que haja mais detalhamento sobre estas informações, facilitando a procura dos cidadãos”, disse.

Outras mudanças previstas envolvem prazos para atendimento, avaliação continuada do serviço público pelos cidadãos, publicação de um ranking de efetividade do serviço público no site, e o estabelecimento de metas e resultados no serviço público. “E uma das alterações mais significativas está no que concerne ao papel da Ouvidoria-Geral do Município, que tem estas atribuições ampliadas. Além do trabalho normal, a Ouvidoria será mais fiscalizadora da aplicação da Lei 13.460, cabendo a este órgão a elaboração de relatórios, sugestões de políticas públicas ao prefeito diante das demandas que chegam ao órgão”, enfatizou Vicente.

curso.ouvidoria.V3Carta de Serviço – A Ouvidoria-Geral do Município, juntamente com a Controladoria-Geral e a Diretoria de Tecnologia de Informação (DTI) da Secretaria Municipal de Planejamento, Orçamento e Tecnologia, estão trabalhando com grupos de servidores a elaboração da Carta de Serviços da Prefeitura de Londrina.

Seis turmas de servidores foram capacitadas para levantar as informações sobre todos os serviços prestados pela administração municipal, e fazer o abastecimento do Portal da Prefeitura. “A DTI fará a formatação de todas as informações levantadas, seguindo uma padronização dos textos, para que a Prefeitura fale uma única língua para o cidadão”, explicou o ouvidor-geral.

Escola de Governo – Segundo a diretora da Escola de Governo da Prefeitura de Londrina, Andrea Beluce, a capacitação irá acontecer em três módulos, sendo quatro horas de curso presencial, e outras 16 horas através do portal online. “A aula presencial já está com datas agendadas. Já a parte online, o aluno deverá cumprir com a leitura de conteúdos, assistir aos vídeos e realizando as atividades solicitadas pelo curso. E toda essa carga horária online deve ser cumprida fora do horário de trabalho”, detalhou.

Andrea ressaltou que a expectativa é que o curso seja realizado pelo máximo possível de servidores, tanto da administração direta como indireta. “Essa capacitação será aberta a todos os servidores, pois vai tratar do direito do usuário do serviço público, e todos nós fazemos esse trabalho”, citou.

A Escola de Governo fica disponível na página inicial do Portal da Prefeitura, e pode ser acessada através do link http://bit.ly/EscoladeGoverno. Além deste, outros 500 cursos são ofertados pela plataforma, com emissão de certificado. Texto: NCOM / Fotos: Vivian Honorato

Comente aqui


Governadora determina a extinção imediata de cargos da Sanepar

Por determinação da governadora Cida Borghetti, a demanda judicial sobre a criação dos cargos de consultor estratégico na Companhia de Saneamento do Paraná (Sanepar) será encerrada na fase atual. A decisão é de terça-feira (22) e os cargos serão extintos de imediato, embora ainda existam recursos judiciais que poderiam confirmar a legalidade da criação dos mesmos. Informações da Agencia Estadual de Notícias

Comente aqui


Secretaria de Obras prossegue com a duplicação da Avenida Alziro Zarur

Informa o NCOM, que a Secretaria Municipal de Obras e Pavimentação está concluindo as galerias pluviais, necessárias para dar prosseguimento às obras que visam a duplicação de 180 metros da Avenida Alziro Zarur, no trecho que compreende as Ruas do Tuím e Graúna, região leste da cidade. Ainda nesta semana está no cronograma da pasta a execução do meio-fio, para então iniciar terraplanagem da avenida.

As obras no local tiveram início em 2012, mas ficaram paradas devido a questões judiciais vinculadas a uma chácara localizada no perímetro. A fim de dar prosseguimento às obras, foi necessário fazer a desapropriação de parte do local e a realocação do muro que cerca a propriedade e que estava invadindo o leito da rua.

Segundo o secretário municipal da pasta, João Verçosa, somente no final do ano passado foi concedida autorização judicial para a retomada do alargamento da avenida, contudo, por conta das férias coletivas, as obras reiniciaram no dia 23 de abril deste ano.

Verçosa explicou que, neste momento, a empreiteira está em fase de execução do novo muro, que terá aproximadamente 200 metros de extensão. “As obras estão dentro do cronograma da Secretaria. O próximo passo será a execução do meio-fio, para que possamos liberar o local para que a construtora faça a calçada e então possamos iniciar a pavimentação da via”, disse. O trânsito na região continua sem impedimentos e a previsão é de que as obras sejam finalizadas dentro de 30 dias.

O secretário ressaltou ainda que as melhorias vão proporcionar maior mobilidade para a região oeste. “O serviço permitirá liberar o trânsito no local, que hoje está bastante comprometido, facilitando a mobilidade dos moradores que vão da Avenida Santos Dumont até a Robert Koch, e resolverá um problema que persiste há muitos anos”, destacou.

Custos – O valor da execução do serviço de perfuração do solo, necessário para a colocação de estacas da construção do novo muro e realizado pela construtora, foi contratado por R$ 105.688,98. A limpeza da via, execução dos trabalhos de alargamento e pavimentação da avenida e a construção das galerias e meio-fio, que estão sendo executados pelos servidores da Secretaria de Obras, está custando R$ 120 mil.

As fotos foram tiradas por este escriba ontem ao visitar as obras na Alziro Zarur

Comente aqui


Condenado no mensalão tucano, Azeredo se entrega à Polícia de Minas

Informações da Agência Brasil

O ex-governador de Minas Gerais Eduardo Azeredo se entregou às 14h50 de hoje (23) à Polícia Civil do estado. Segundo a assessoria do Gabinete da Polícia Civil, Azeredo se apresentou espontaneamente à 1ª Delegacia Sul de Belo Horizonte, que fica no bairro Santo Antônio, após negociação entre sua defesa e a polícia. Ele estava acompanhado de advogados.

Ontem (22), o Tribunal de Justiça de Minas Gerais (TJMG) negou o último recurso apresentado pela defesa do ex-governador e ex-senador por Minas Gerais e determinou sua prisão imediata. O tucano foi condenado pelos crimes de peculato e lavagem de dinheiro pela primeira vez em dezembro de 2015, quando foi sentenciado a 20 anos e 10 meses de prisão por participação no chamado mensalão tucano.

Ex-governador de Minas Gerais Eduardo Azeredo
Eduardo Azeredo se entregou nesta quarta-feira à Polícia após ter a prisão decretada pela Justiça (Valter Campanato/Arquivo/Agência Brasil)

De acordo com a Secretaria de Administração Prisional (Seap), o ex-governador será encaminhado à Academia de Bombeiros Militar (ABM) para cumprimento do mandado de prisão.

“Conforme decisão judicial, em virtude do cargo exercido, Eduardo Azeredo ficará em uma sala de Estado Maior. O local tem 27 metros quadrados, possui uma cama e uma mesa de apoio e um banheiro com chuveiro elétrico. O ex-governador ficará sob custódia da Secretaria de Estado de Administração Prisional, com escolta de agentes penitenciários”, informou, em nota, a Seap.

A secretaria acrescentou que Azeredo terá direito a quatro refeições diárias, com cardápio supervisionado por nutricionistas do sistema prisional. Ele poderá receber visitas, desde que previamente cadastradas pela Superintendência de Atendimento ao Indivíduo Privado de Liberdade da Seap.

Antes de se apresentar, Azeredo chegou a ser considerado foragido da Justiça pela Polícia Civil de Minas Gerais, que, desde ontem (22), tentava cumprir o mandado de prisão expedido pelo TJMG.

Em 2014, o então deputado Eduardo Azeredo (PSDB) renunciou ao mandato tão logo a Procuradoria-Geral da República pediu ao STF sua condenação a 22 anos de cadeia. Azeredo desprezou o foro privilegiado no Supremo e fugiu dos holofotes, apostando na lentidão da Justiça comum de Minas Gerais. Na época, não havia permissão para prisão após o julgamento em segunda instância – fato que determinou nessa segunda-feira a expedição de seu mandado de prisão.

Mesmo assim, ele conseguiu, com a manobra da renúncia, arrastar o processo, referente a 1998 e iniciado em 2005, por mais quatro anos. Ex-governador de Minas, ex-prefeito de Belo Horizonte, ex-senador e ex-deputado, Azeredo é o primeiro tucano de alta plumagem a ter de acertar em presídio as contas com a Justiça.

Criador e criatura

Azeredo é personagem principal do que ficou conhecido como “mensalão tucano” – uma variante do “mensalão do PT”, escândalo que veio a público em 2005 e levou para a cadeia boa parte da cúpula petista em 2012, quando foi concluído o julgamento no STF. Apesar de divulgado após o mensalão do PT, o esquema tucano antecedeu e foi o “pai” do mensalão petista.

Descobriu-se que o publicitário Marcos Valério – condenado e preso por viabilizar o pagamento de propinas a petistas e seus aliados -, havia sido também peça-chave de esquema semelhante para a campanha do então governador de Minas à reeleição em 1998. A Justiça condenou agora Eduardo Azeredo pela acusação de desvio, com a ajuda da agência de Marcos Valério, de R$ 3,5 milhões (R$ 9,3 milhões, em valores atuais) de empresas estaduais.

Comente aqui


Jairo Tamura é o novo líder do prefeito Marcelo na Câmara

Na sessão ordinária desta tarde o presidente em exercício do Legislativo, vereador Ailton Nantes, leu ofício do prefeito Marcelo Belinati indicando o vereador Jairo Tamura como novo líder do Executivo na Câmara, em substituição a Péricles Deliberador, que deixa o cargo após um ano e quatro meses.

Autor: CML/Imprensa/ Devanir Parra

Comente aqui


Novo presidente da Codel, Bruno Ubiratan, pede urgência em projeto sobre terreno para BRF

O presidente do Instituto de Desenvolvimento de Londrina (Codel), Bruno Ubiratan, reuniu-se nesta tarde com os vereadores para explicar detalhes do projeto de lei enviado pelo Executivo à Câmara alterando a lei nº 12.477/2016, que permitiu a doação de área na zona Norte à empresa BRF. Autor: CML/Imprensa/ Devanir Parra

Informa o NCOM, que o novo diretor-presidente do Instituto de Desenvolvimento de Londrina (Codel), Bruno Ubiratan, reuniu-se na tarde desta terça-feira (22) com os vereadores de Londrina, na Câmara Municipal. Na ocasião, Ubiratan, acompanhado do diretor de Técnica e de Desenvolvimento da Codel, Atacy de Melo Junior, justificou o pedido de tramitação de urgência para o projeto de lei 79/2018, que trata do terreno doado pelo Município à empresa BRF, detentora das marcas Sadia, Perdigão e Qualy.

O Executivo deverá protocolar o pedido de tramitação com urgência na quarta-feira (23). O objetivo é garantir que parte da área cedida para a empresa, e que não será utilizada, retorne para a Prefeitura e, futuramente, possa ser revertida em benefício do Município.

Segundo Ubiratan, o pedido partiu da própria BRF, que se compromete a iniciar as obras do seu centro de distribuição em Londrina assim que a matrícula do terreno seja regularizada para a área solicitada. “Essa é minha primeira missão enquanto diretor-presidente da Codel. O prefeito pediu que fizéssemos tudo dentro do possível para que a demanda seja aprovada de forma ágil”, contou.

O presidente do Instituto de Desenvolvimento de Londrina (Codel), Bruno Ubiratan, reuniu-se nesta tarde com os vereadores para explicar detalhes do projeto de lei enviado pelo Executivo à Câmara alterando a lei nº 12.477/2016, que permitiu a doação de área na zona Norte à empresa BRF – Autor: CML/Imprensa/ Devanir Parra

A lei municipal n° 12.477/2016 havia autorizado a doação de área para a BRF, localizada no prolongamento da Avenida Saul Elkind, na saída para Ibiporã. O terreno, com área total de 171 mil metros quadrados, foi escriturado em nome da empresa em setembro de 2017. No entanto, após revisão do plano de ocupação, o projeto da BRF previu ocupação de somente 101,603 mil metros quadrados. A empresa decidiu, então, encaminhar a devolução da área sobressalente ao Município.

O projeto de lei que regulariza essa devolução também prevê que, dos 70 mil metros quadrados que retornarem, 20 mil sejam destinados à Companhia de Saneamento do Paraná (Sanepar). No local, a Sanepar irá construir um centro de distribuição, oferecendo, como contrapartida, toda a infraestrutura de abastecimento de água e esgoto da região.

Durante o encontro, os vereadores puderam tirar dúvidas sobre o projeto de lei. O diretor-presidente da Codel ressaltou que, para construir o centro de distribuição em Londrina, a BRF estima investir 80 milhões de reais, promovendo a geração de cerca de 600 empregos, diretos e indiretos, na cidade. “Com a instalação da BRF e com a infraestrutura da Sanepar atendendo a região, Londrina só tem a ganhar. A expectativa é que, somente em empregos diretos, 260 novas vagas sejam criadas. E essa iniciativa vai contribuir também por atrair ainda mais empresas para a cidade”, frisou.

O centro de distribuição da BRF em Londrina estima atender o oeste paulista, sul de Mato Grosso do Sul e Paraná. O espaço projetado deverá receber até 150 caminhões por dia, de diferentes portes, que irão movimentar até 15 mil toneladas de alimento/mês.

Agenda – Pela manhã, Bruno Ubiratan teve seus primeiros compromissos como diretor-presidente da Codel. Na sede do SEBRAE-PR em Londrina, ele se reuniu com o gerente da Regional Norte, Fabrício Pires Bianchi, e com o consultor Heverson Feliciano, onde ouviu as demandas da instituição e reforçou o compromisso da Codel com o desenvolvimento da cidade. “Esse primeiro dia está sendo de muito trabalho, de reuniões com o Sebrae e outras entidades, e também muito resolutivo”, afirmou.

Comente aqui


Paralisação de caminhoneiros atinge rodovias de mais de 20 estados

Informações de Luciano Nascimento – Repórter da Agência Brasil

Em seu segundo dia, a paralisação dos caminhoneiros contra o aumento no preço do diesel afetou diversos serviços em todo o país. Aeroportos, indústrias e agroindustrias tiveram suas atividades atingidas pelos protestos nas principais rodovias federais.

A Polícia Rodoviária Federal (PRF) contabilizava, até as 15h57, interrupções em rodovias federais de 22 estados por causa da paralisação. Já de acordo com a Associação Brasileira dos Caminhoneiros (Abcam), que representa a categoria, havia paralisações de caminhoneiros em 23 Estados.

Em Brasília, a concessionária Inframerica, que administra o Aeroporto Internacional Juscelino Kubitscheck, decidiu contingeciar o combustível estocado no aeroporto, por causa da possibilidade de falta de querosene para abastecer as aeronaves. Isto porque os veículos que transportam a querosene de aviação estão retidos em rodovias interditadas no entorno do Distrito Federal.

Em São Paulo, os protestos afetaram diversas rodovias. A Rodovia Régis Bittencourt foi interditada na altura do quilômetro 279, em Embu das Artes, segundo informou a Arteris, concessionária responsável pela via que liga São Paulo à Região Sul do país.

Também foi registrada interrupção em trechos da Rodovia Castello Branco devido aos protestos em sua pista expressa. Pouco depois das 20h, a CCR Via Oeste, que administra a via informava em sua página na internet que o tráfego tinha voltado ao normal.

Em Santos, no litoral paulista, as operações de recepção e entrega de mercadorias nos terminais do Porto de Santos também foram atingidas. De acordo com a Companhia Docas do Estado de São Paulo (Codesp), apesar de o bloqueio ter impedido o acesso de veículos de carga, reduzindo a recepção e entrega de mercadorias, as operações de atracação e carga e descarga de navios ocorrem normalmente. Segundo a Codesp, no momento, 25 navios estão atracados no porto público e 13 nos terminais.

No Rio Grande do Sul, a paralisação afetou a linha de produção da General Motors, devido a falta de abastecimento de componentes para a montagem de veículos. A empresa informou que suspendeu a produção na fábrica de Gravataí, na Região Metropolitana de Porto Alegre, na tarde desta terça-feira. Além da paralisação, a GM disse também enfrentar “dificuldades na distribuição de veículos à rede de concessionárias.”

No Rio de Janeiro, foram identificadas ações do movimento em cinco rodovias federais que cortam o estado. Na BR-493, em Itaboraí, houve bloqueio da passagem de caminhões no quilômetro 0. Na BR-273, conhecida como Rodovia Presidente Dutra, a pista no sentido São Paulo teve duas faixas interrompidas na altura do quilômetro 204, em Seropédica. Também entre os quilômetros 274 e 276, em Barra Mansa, houve presença de caminhoneiros no acostamento, sem grande impacto no tráfego. Foram ainda registradas manifestações nas margens da BR-393, em Volta Redonda; da BR-465, em Nova Iguaçu; e da BR-101, em três pontos: nos municípios de Itaguaí, em Itaboraí e em Campos dos Goytacazes.

Segundo o presidente do Sindicato dos Transportadores Autônomos de Cargas de Volta Redonda e Região Sul Fluminense (Sinditac-VR), Francisco Wild, além da alta do combustível, há outras três motivações para o movimento. Uma delas é a cobrança da votação do Projeto de Lei 528/2015, que cria uma tabela com valores mínimos para o frete cobrado no transporte rodoviário de cargas.

A proposta já foi aprovada na Câmara dos Deputados e aguarda apreciação no Senado. As outras duas razões da paralisação, segundo ele, são o repúdio à suposta corrupção nas balanças de pesagem e a falta de confiança na fiscalização das cargas.

A Associação Brasileira de Proteína Animal (ABPA), que representa mais de 140 agroindústrias em todo o país, disse por meio de nota que “os bloqueios impedem o transporte de aves e suínos vivos, ração e cargas refrigeradas destinadas ao abastecimento das gôndolas no Brasil ou para exportações”.

Reações

Diante do impacto das paralisações, o ministro da Fazenda, Eduardo Guardia, anunciou no início da noite que o governo vai eliminar a Contribuição de Intervenção no Domínio Econômico (Cide) cobrada sobre o diesel. Em acordo feito com o Congresso Nacional, o governo se comprometeu a assinar um decreto eliminando o tributo sobre o diesel assim que o Congresso Nacional aprovar o projeto de reoneração da folha de pagamento, para compensar as perdas.

A Petrobras também anunciou que a partir de amanhã (23), a gasolina e o óleo diesel ficarão mais baratos nas refinarias de todo o país. De acordo com a estatal, o preço da gasolina cairá 2,08% e o do diesel, 1,54%.

A queda no preço da gasolina ocorre depois de 11 aumentos consecutivos nos últimos 17 dias e de o preço do produto ter fechado os primeiros 21 dias do mês de maio com alta acumulada de 16,07%. Com a queda de 2,08% que entra em vigor amanhã, o preço da gasolina nas refinarias cairá para R$ 2,0433

A Associação Brasileira dos Caminhoneiros, no entanto, reivindica a isenção de PIS, Cofins e Cide sobre o óleo diesel utilizado por transportadores autônomos e também propõe medidas de subsídio à aquisição de óleo diesel, que poderia se dar por meio de um sistema ou pela criação de um Fundo de Amparo ao Transportador Autônomo. “É imprescindível uma política de isenção dos impostos incidentes no oléo diesel e o controle dos aumentos do combustível”, disse o presidente da Abcam, José da Fonseca Lopes.

De acordo com a associação, a incidência tributária é responsável por 27% do preço final do diesel, dos quais, apenas 1% é da Cide, 12% referentes a Pis/Cofins e 14% ao ICMS. “A cobrança da Cide é de R$ 0,10 por litro de gasolina e de R$ 0,05 por litro de diesel. Até um posicionamento efetivo do Governo, a entidade pede firmeza nos protestos de todas as regiões do país”, disse a associação.

Comente aqui


TJMG determina prisão imediata do tucano Eduardo Azeredo

Informações de  Alex Rodrigues – Repórter da Agência Brasil 

O Tribunal de Justiça de Minas Gerais (TJMG) negou hoje (22) o recurso apresentado pela defesa do ex-governador e ex-senador por Minas Gerais, Eduardo Azeredo (PSDB), e determinou sua prisão imediata.

O tucano foi condenado pelos crimes de peculato e lavagem de dinheiro pela primeira vez em dezembro de 2015, quando foi sentenciado a 20 anos e 10 meses de prisão por participação no chamado Mensalão Tucano. Em agosto do ano passado, a condenação foi confirmada em segunda instância e a pena aplicada ao político foi reduzida em 9 meses, para 20 anos e um mês.

O recurso negado hoje (22) pela 5ª Câmara do TJMG era o último possível na segunda instância, permitindo a prisão de Azeredo a qualquer momento. O relator do processo, Júlio Cesar Lorens, e o revisor, desembargador Alexandre Victor de Carvalho, votaram favoravelmente à rejeição dos recursos e pela decretação da prisão imediata do ex-governador, sendo seguidos por outros três desembargadores.

Atendendo a um pedido da defesa, o desembargador Alexandre Victor de Carvalho sugeriu que a expedição do mandado de prisão aguardasse a publicação do acórdão dos embargos julgados hoje, em razão da possibilidade de interposição de novo recurso. O relator, no entanto, defendeu a manutenção da imediata expedição do mandado de prisão, sendo seguido pelos demais desembargadores.

Azeredo foi denunciado pelo suposto envolvimento em um esquema de corrupção montado para beneficiar sua campanha de reeleição ao governo mineiro, em 1998. Segundo o Ministério Público Federal (MPF), mais de R$ 3 milhões foram desviados de empresas estatais mineiras. Para o MPF, a prática dos crimes só foi possível por meio de “esquema criminoso” montado pelo publicitário Marcos Valério, condenado na Ação Penal 470, o processo do mensalão.

Em 2014, Eduardo Azeredo renunciou ao cargo de deputado federal, perdendo o foro privilegiado no Supremo Tribunal Federal – o que fez com que seu processo fosse remitido à Justiça de primeira instância, em Minas Gerais, retardando o julgamento.

Comente aqui