Prefeitura de Londrina exclui empresas da licitação dos uniformes e aciona Ministério Público

Prefeitura de Londrina exclui empresas da licitação dos uniformes e aciona Ministério Público

Informa Marcelo Frazão, que a Prefeitura de Londrina excluiu da disputa quatro empresas que venceram a licitação, ainda em curso, para a compra de uniformes escolares para os alunos das escolas municipais. Trinta e uma empresas entraram no pregão 214/2018 para a venda de 35 lotes de uniformes (calças, camisetas manga-longa, jaquetas e bermudas).

Diante de indícios de conluio, a Secretaria Municipal de Gestão Pública (SMGP) concluiu que três empresas da cidade de Indaial (SC) possivelmente fazem parte de um mesmo grupo econômico. A outra empresa excluída é de Maringá, e teve condenação por improbidade administrativa confirmada por decisão do Tribunal de Justiça (TJ) do Paraná. No total, as empresas excluídas venceram 25 lotes. A licitação tem teto estimado de R$ 3.057.788,00.

A decisão da SMGP foi tomada após uma série de investigações e diligências que incluíram a ida de servidores a Indaial para apurações in loco, onde foram confirmadas várias irregularidades. Em um dos casos, o endereço de uma fábrica de uniformes era, na verdade, um prédio residencial. Em outro, o endereço de uma empresa de confecção era o de uma casa sem qualquer vestígio de atividade fabril. Também foram levantadas diversas “coincidências” de endereços, telefones, e-mails e de ligações familiares e societárias entre as empresas vencedoras envolvidas na licitação. Todas as informações são públicas e podem ser consultadas no link http://bit.ly/licitauniformesPML

“Essa teia de relações nos leva a considerar que três empresas são parte do mesmo grupo econômico, o que fere a competitividade na licitação”, apontou o secretário municipal de Gestão Pública, Fábio Cavazotti. Todas as informações foram enviadas ao Grupo Especializado na Proteção ao Patrimônio Público e no Combate à Improbidade Administrativa (Gepatria) para ampliação das investigações, já que foram coletadas diversas evidências e dados sobre a atuação do grupo – inclusive em outras prefeituras do país. As empresas excluídas ainda têm prazo para a defesa.

O próximo passo é convocar as demais classificadas, que também devem passar por “pente-fino” semelhante.

Novos filtros – Diante da gravidade do caso, a SMGP iniciou a elaboração de um Programa de Planejamento e Integridades das Compras Públicas Municipais, uma espécie de “compliance” que visa instalar novos filtros para aumentar os controles nas licitações da Prefeitura. O decreto, em fase de elaboração, deve instituir rotinas de checagem e fiscalização de documentos e estabelecer restrições a empresas formadas por familiares e parentes que atuem dentro de um mesmo grupo, bem como pontuar novos meios de averiguação dos dados informados por interessadas em disputar licitações na Prefeitura de Londrina.

Deixe um Comentário

Seu endereço de e-mail não será publicado.