Jornalistas criticam aparato ‘militar’ da posse

Jornalistas são obrigados a ficar horas à espera, sem permissão de se deslocar (Amanda Audi/The Intercept)

“Hoje, há nas avenidas de Brasília uma ostentação militar inadequada numa democracia. Esse rigor remete a imagens do passado, imagens sombrias de 1964”, descreveu em seu blog o jornalista Kennedy Alencar, da CBN, um dos vários a criticar o esquema de segurança montado para a posse de Jair Bolsonaro (PSL) na Presidência da República. “É injustificável o rigor na segurança na posse presidencial de Jair Bolsonaro, especialmente no tratamento destinado à imprensa. Não há razão plausível para a montagem de um esquema de segurança inédito em posses presidenciais no Brasil.”

Quem também lamentou o aparato foi o governador reeleito do Maranhão, Flávio Dino (PCdoB). “A lógica do ‘conflito pelo conflito’, como instrumento ideológico para o exercício do poder, produz hoje suas primeiras vítimas em Brasília: a liberdade de imprensa e o exercício digno do trabalho dos jornalistas”, escreveu em rede social.

Miriam Leitão, de O Globo, também criticou. “A necessidade real de segurança do presidente eleito está sendo usada como pretexto para restringir o trabalho da imprensa. É claro que a segurança do presidente eleito, Jair Bolsonaro, e dos chefes de Estado que estão entre nós exige a imposição de regras, mas o que está acontecendo com os jornalistas é impensável e inaceitável”, afirmou. “Eles só podem ir e voltar para um ponto específico e com o transporte do governo. Mas assim: têm que chegar oito ou nove horas antes da parte do evento que cobrirá, só poderá ficar num mesmo cercado, sob pena de ser retirado do local e responder processo”, relatou.

O título de coluna de Mônica Bergamo, no jornal Folha de S.Paulo, ajuda a entender o clima: “Um dia de cão”.

“Foi, de fato, algo jamais visto depois da redemocratização do país, em que a estreia de um novo governo eleito era sempre uma festa acompanhada de perto, e com quase total liberdade de locomoção, pelos profissionais da imprensa”, comentou a repórter.

“Os organizadores da cerimônia também distribuíram orientações por escrito à imprensa: os jornalistas credenciados deveriam chegar ao CCBB (Centro Cultural do Banco do Brasil), no dia 1º, às 7 horas da manhã.

Como é que é?

Era isso mesmo: embora a posse no Congresso estivesse marcada para as 15 horas, os jornalistas teriam que se concentrar desde cedo, embarcar nos ônibus às 8 horas, chegar no Congresso pouco depois e esperar, sem fazer nada, por mais de seis horas, para ver Bolsonaro entrar no parlamento.

Era preciso levar lanche pois não haveria comida. Tudo precisava ser embalado em sacos de plástico transparente”, relatou ainda Mônica Bergamo.

Autoritarismo

“São autoritárias, antidemocráticas e mesquinhas as restrições impostas ao livre trabalho dos jornalistas profissionais na posse de Bolsonaro. Quebram normas de civilidade e respeito à liberdade de expressão seguidas, no mínimo, desde a posse de Collor”, escreveu Diego Escosteguy. “Goste-se ou não do trabalho da imprensa, ou de um ou outro veículo, todos têm o direito de cobrir a posse e de serem tratados corretamente. Não é algo opcional, uma concessão de um governante. É uma obrigação constitucional”, observou.

Repórter do Correio Braziliense, Vicente Nunes também protestou. “Quando chegaram aos ‘chiqueiros’ nos quais foram confinados, jornalistas foram avisados: não pulem as cordas, se pularem, levam tiro. A que ponto chegamos. E tem gente que defende esse tipo de tratamento autoritário”. Um pouco depois, acrescentou: “Agora, assessoria do Itamaraty diz que jornalistas confinados, quando forem levados para o ‘chiqueirinho’, poderão gritar para as autoridades a fim de chamá-las para entrevistas. Se alguém quiser falar, beleza. Se não, xô notícia.”

Ainda segundo Nunes, jornalistas da França e da China se “rebelaram”, abandonando a sala para onde foram levados no Itamaraty. “Disseram que não aceitariam ficar em cárcere privado até às 17h, quando seriam liberados para fazer registros da posse de Bolsonaro. Essa rebelião deveria ser geral.”

Ele também denunciou possíveis privilégios na cobertura. “Incrível, enquanto a imprensa séria está confinada em ‘chiqueiros’, como chamam os assessores de Bolsonaro, ‘comunicadores amigos’ têm trânsito livre por toda a Esplanada. Isso está mais para Coreia do Norte do que para um país democrático.”

A repórter Amanda Audi, do The Intercept Brasil, fez um relato sobre as condições impostas ao profissionais da imprensa. “Mais de cinco de horas de espera assim: sem cadeira, sem estrutura, sem poder sair, sem nada acontecer”, escreveu, por volta das 13h30, publicando uma foto de um grupo de jornalistas.

O editor-executivo do site, Leandro Demori, foi bloqueado pelo perfil do presidente eleito no Twitter. “Se é o canal de conversa com a população, onde só ali, ele está dizendo, é o lugar em que tem ‘a verdade’, você não pode bloquear nenhum cidadão brasileiro”, contestou, em entrevista ao portal Sul21.

“Essa é a 1ª posse em que jornalistas são proibidos de transitar entre o Palácio, Congresso e Itamaraty – quem vê a diplomação no plenário não pode ver a passagem da faixa”, observou a professora e articulista Carol Pires. “Dentro dos prédios também foram criados setores- portaria, salão ou plenário. Ninguém vê o cenário completo.” Informações da Rede Brasil Atual

Deixe um Comentário

Seu endereço de e-mail não será publicado.