Comissão do Senado rejeita relatório da reforma trabalhista

Em uma reunião tensa, a Comissão de Assuntos Sociais (CAS) do Senado rejeitou, por 10 votos a 9, o texto principal da reforma trabalhista. O resultado foi aplaudido e bastante comemorado por senadores de oposição, que dominaram o debate na reunião de hoje (20).

Com a rejeição do relatório do senador Ricardo Ferraço (PSDB-ES), o voto em separado apresentado pelo senador Paulo Paim (PT-RS) foi aprovado por unanimidade e segue agora para a Comissão de Constituição e Justiça (CCJ), onde o relator é o senador Romero Jucá (PMDB-RR).

Debate

Durante a reunião, senadores do PT, PSB e PcdoB fizeram duras críticas ao texto e disseram estar convencidos de que, da forma como está, a proposta retirará direitos do trabalhador. Outra crítica dos oposicionistas foi o fato de o relator  ter mantido o mesmo texto aprovado pelos deputados ao rejeitar todas as emendas apresentadas, inclusive as 87 da base governista que modificavam pontos do texto considerados polêmicos. O objetivo do relator, ao recusar as emendas, era dar celeridade à tramitação da proposta, já que qualquer mudança de mérito faria com que o projeto voltasse à análise da Câmara dos Deputados.

“Os senhores hoje, se votarem esse projeto, estarão renunciando ao mandato de senador. Estão dizendo: Olha, nós não queremos mais ser senadores. Que a Câmara faça o que bem entender, e nós assinamos embaixo. Vamos botar aqui na entrada da portaria do Senado uma fábrica de carimbos. Cada senador compra um carimbo, carimba o que vem da Câmara e manda para o presidente. É isso o que estamos fazendo. Estamos renunciando”, apelou o senador Paulo Paim (PT-RS).

“O projeto tem muitas falhas, muitos defeitos, mas o Senado não vai mudar absolutamente nada. O Senado só vai dar uma carta branca para, se o presidente quiser vetar, se ele quiser vetar”, disse a senadora Vanessa Grazziotin (PCdoB-AM).

O líder do PMDB no Senado, Renan Calheiros (AL), também criticou a proposta de reforma. Disse que “este é um dia triste para o Senado”, com o avanço de uma proposta que, para ele, causará “males” ao país. “Quando nós somarmos essa reforma trabalhista, com o que de maldade ela contém, com a reoneração de setores da economia, vamos ter um desemprego alarmante no Brasil”, afirmou.

O líder do governo no Senado, Romero Jucá (PMDB-RR), disse que é preciso restabelecer a verdade e defendeu a proposta. “Não se está abrindo a porteira, é falta de responsabilidade dizer isso. Retirar décimo terceiro não é verdade. Estamos fazendo um ajuste para melhorar a situação de empregabilidade do país”, disse Jucá, destacando que o projeto também não trará redução de salários.

Ricardo Ferraço lembrou que a mudança na legislação trabalhista está sendo feita por uma lei ordinária e, por isso, nenhum direito do trabalhador garantido pela Constituição Federal, lei maior do país, estaria ameaçado. “ Estou seguro e convicto de que, pela hierarquia das leis, a legislação ordinária não viola o que está consagrado na Constituição Federal. Estou pronto a acertar contas com o presente e com o futuro daquilo que estou fazendo”, afirmou Ferraço.

Comente aqui


Jardim Leonor recebe Mutirão “Movimenta Londrina”

Nesta quarta-feira (21) e quinta-feira (22), das 9h às 17h, os moradores do Jardim Leonor e região vão receber os serviços prestados pela Prefeitura de Londrina e pelo governo do estado do Paraná durante o mutirão “Movimenta Londrina”. O ponto de encontro para o início das atividades será na praça em frente à Unidade Básica de Saúde do Jardim Santiago, na Rua Aracy Soares dos Santos, 100, região oeste.

Durante o dia, os servidores públicos vão realizar serviços de tapa-buracos, desentupimento de galerias pluviais, substituição de guias e tampas de boca de lobo, melhorias na iluminação pública, plantio, poda e erradicação de árvores comprometidas e doação de mudas, além de capina e roçagem dos terrenos públicos e canteiros centrais das ruas e avenidas do bairro.

Os profissionais da Secretaria Municipal de Saúde vão estar à disposição da população para a aferição da pressão arterial e para fazerem o exame de Glicemia Capilar de controle glicêmico (HGT). Os moradores que participarem também poderão receber instruções sobre tuberculose, hanseníase e exames preventivos do câncer de colo de útero e de mamas.

Uma equipe do Setor de Endemias, da Secretaria de Saúde, também irá conversar com os alunos das unidades escolares e de moradores do bairro sobre as diversas doenças relacionadas ao mosquito Aedes aegypti (dengue, febre amarela, chikungunya e zika vírus), ao caramujo africano (meningite eosinofílica ou angiostrongilíase cerebral), ao bicho barbeiro (Chagas), mosquito Palha (leishmaniose), entre outras endemias. No local, haverá maquetes, larvários e expositores para a demonstração.

O governo estadual enviará uma equipe para ajudar nos reparos da iluminação pública de alta tensão, referentes aos serviços prestados pela Copel. Para a troca de lâmpadas queimadas em vias públicas, a população poderá fazer a solicitação através do Call Center da Sercomtel Iluminação, pelo 0800-400-4343 ou por meio do aplicativo “Sercomtel Iluminação”, disponível para aparelhos Android e iOS. A ferramenta é gratuita, funciona 24 horas, e permite o acompanhamento do chamado através do protocolo gerado. A Polícia Militar também estará no bairro intensificando o patrulhamento das ruas.

Os funcionários da ONG E-Lixo recolherão materiais como televisores antigos, cabos, fios, baterias de celular, placas de computador e outros equipamentos eletrônicos. A organização é autorizada pelo Instituto Ambiental do Paraná (IAP) para dar o destino correto a esses materiais sem prejuízo ao meio ambiente.

O objetivo das ações é levar, até os bairros que mais precisam, os serviços municipais e estaduais, otimizando a mão de obra e os insumos disponíveis e aproximando à Prefeitura do cidadão.

O mutirão de serviços é uma parceria firmada entre as secretarias municipais de Obras e Pavimentação, do Ambiente, Assistência Social, de Defesa Social, Saúde, Agricultura e Abastecimento, Companhia Municipal de Trânsito e Urbanização (CMTU), Sercomtel Iluminação, Companhia de Habitação de Londrina (Cohab), além de órgãos estaduais como Sanepar, Copel e Polícia Militar. Informações do NCOM

Comente aqui


Guarda Municipal vai intensificar patrulhamento na rodoviária de Londrina

Informações e foto do NCOM

Com o objetivo de melhorar a segurança na Rodoviária de Londrina, a Secretaria Municipal de Defesa Social vai promover, no local, o patrulhamento ostensivo intensivo a partir desta terça-feira (20). Das 5h às 8h e das 23h às 0h30, haverá intensificação ainda maior das rondas, por se tratar de horários de maior movimentação. De forma paralela, será feito um estudo para ver a necessidade de guarda municipal fixo no local.

De acordo com o secretário municipal de Defesa Social, Evaristo Kuceki, o trabalho será feito da forma como já ocorre em véspera de feriados. Serão duas equipes, totalizando seis guardas e uma equipe com dois guardas e um cachorro. Os guardas farão ronda no entorno da rodoviária e em pontos base (pb’s), pontos estratégicos onde há mais fluxo de pessoas, como a entrada da rodoviária e a Praça dos Viajantes.  

Kuceki ressaltou que o trabalho dará mais tranquilidade para os turistas, assim como para as pessoas que trabalham na rodoviária ou transitam no local. “Com esta ação faremos abordagens em situações ou pessoas com atitudes suspeitas. Será um trabalho constante, visando a segurança das pessoas”, destacou.

O secretário frisou, ainda, que o trabalho da Guarda Municipal, na rodoviária, também visa manter e ampliar o contato dos agentes com a comunidade, aumentando a sensação de segurança. Qualquer cidadão que perceber pessoas em atitudes suspeitas ou estiver em sensação de perigo, deve telefonar para as centrais de emergência da guarda, no 153 ou 199.

Comente aqui


Professores, servidores técnico-administrativos e estudantes da UEL realizam protesto contra o Meta 4

Informações do Sindiprol/ADUEL

Atacada pelo governo Beto Richa (PSDB), que já acumula a inédita marca de responder a três inquéritos autorizados pelo Superior Tribunal de Justiça (STJ), a comunidade da UEL decidiu por resistir e reagir. E a reação será com mobilização, para demonstrar para a sociedade a importância que a UEL tem para Londrina.

Na próxima terça-feira, 20/06, tanto a UEL quanto as outras universidades estaduais, que também estão sob ataque do governo, vão paralisar as suas atividades. Mas essa será uma paralisação com mobilização da comunidade universitária.

Professores, servidores técnico-administrativos e estudantes da UEL estão preparando uma programação para marcar o dia de protesto e resistência em defesa da autonomia das universidades e contra o Meta4, que representa na prática aniquilar a autonomia e submeter as instituições de ensino superior ao controle político – e politiqueiro – do governo. A submissão das universidades à lógica política de qualquer governo já é, por si só, um acontecimento nefasto. A submissão das universidades à lógica do governo Beto Richa, que deve muitas explicações à sociedade e que busca medalha de ouro em número de investigações pelo STJ, é muito mais nesfasto ainda. Por isso resistimos.

Em Londrina, Comissão de Mobilização agendou as seguintes atividades:

MOSTRA UEL NO CALÇADÃO (em frente ao Ouro Verde)
Horário: das 09:00 as 13:00 horas
Serão montadas barracas no Calçadão para mostrar as atividades de pesquisa, extensão e ensino desenvolvidas na UEL e que são voltadas à comunidade.
Convidamos todos os docentes e estudantes que se organizem junto aos seus departamentos e centros de estudos para levarem as atividades de projetos de pesquisa, extensão e ensino.

ATIVIDADES NO CAMPUS
O CCH concentrará as atividades sobre a realidade da Universidade.
São debates e oficinas que ocorrerão das 08:30 as 11:30 horas pela manhã e das 14:00 as 17 horas no período da tarde. Os temas serão divulgados ainda na segunda-feira.

No período da noite, a partir das 18:30 horas, toda a comunidade universitária participará de aulas públicas e de um ato em Defesa da UEL no gramado do CCH (em caso de chuva, mudaremos para outro local). A programação detalhada será confirmada na segunda-feira, 19/06.

2 Comentários


JOESLEY: TEMER é o chefe da maior e mais perigosa quadrilha do Brasil

O empresário Joesley Batista, dono do grupo J&F, que controla a JBS, decidiu quebrar o silêncio e afirmou que o Brasil é hoje presidido por seu maior e mais perigoso criminoso. Sim, ele mesmo, Michel Temer.

“O Temer é o chefe da Orcrim da Câmara. Temer, Eduardo, Geddel, Henrique, Padilha e Moreira. É o grupo deles. Quem não está preso está hoje no Planalto. Essa turma é muita perigosa. Não pode brigar com eles. Nunca tive coragem de brigar com eles. Por outro lado, se você baixar a guarda, eles não têm limites. Então meu convívio com eles foi sempre mantendo à meia distância: nem deixando eles aproximarem demais nem deixando eles longe demais. Para não armar alguma coisa contra mim. A realidade é que esse grupo é o de mais difícil convívio que já tive na minha vida”, disse Joesley, em entrevista à revista Época.

Na entrevista, Joesley falou sobre sua relação com Temer, sempre baseada na troca de favores. “Nunca foi uma relação de amizade. Sempre foi uma relação institucional, de um empresário que precisava resolver problemas e via nele a condição de resolver problemas. Acho que ele me via como um empresário que poderia financiar as campanhas dele – e fazer esquemas que renderiam propina. Toda a vida tive total acesso a ele. Ele por vezes me ligava para conversar, me chamava, e eu ia lá.”

Ele menciona o caso em que Temer o pediu para ajudar a financiar a guerrilha na internet, para ajudar a golpear a presidente legítima Dilma Rousseff, a quem devia lealdade institucional, e financiar o golpe de 2016. “Sempre estava ligado a alguma coisa ou a algum favor. Raras vezes não. Uma delas foi quando ele pediu os R$ 300 mil para fazer campanha na internet antes do impeachment, preocupado com a imagem dele. Fazia pequenos pedidos. Quando o Wagner saiu, Temer pediu um dinheiro para ele se manter. Também pediu para um tal de Milton Ortolon, que está lá na nossa colaboração. Um sujeito que é ligado a ele. Pediu para fazermos um mensalinho. Fizemos. Volta e meia fazia pedidos assim. Uma vez ele me chamou para apresentar o Yunes. Disse que o Yunes era amigo dele e para ver se dava para ajudar o Yunes”, afirma.

Segundo Joesley, Temer acredita que os empresários lhe devem favores em razão do cargo que ocupa. “Há políticos que acreditam que pelo simples fato do cargo que ele está ocupando já o habilita a você ficar devendo favores a ele. Já o habilita a pedir algo a você de maneira que seja quase uma obrigação você fazer. Temer é assim”, diz ele.

“Temer é o chefe de Cunha”

O empresário afirma ainda que Eduardo Cunha, o ex-presidente da Câmara que aceitou o impeachment fraudulento e hoje está condenado a mais de 15 anos de prisão, é subordinado a Temer. “A pessoa a qual o Eduardo se referia como seu superior hierárquico sempre foi o Temer. Sempre falando em nome do Temer. Tudo que o Eduardo conseguia resolver sozinho, ele resolvia. Quando ficava difícil, levava para o Temer. Essa era a hierarquia. Funcionava assim: primeiro vinha o Lúcio [o operador Lúcio Funaro]. O que ele não conseguia resolver pedia para o Eduardo. Se o Eduardo não conseguia resolver, envolvia o Michel”, afirma. “Em grande parte do período que convivemos, meu acerto era direto com o Lúcio. Eu não sei como era o acerto do Lúcio do Eduardo, tampouco do Eduardo com o Michel. Eu não sei como era a distribuição entre eles. Eu evitava falar de dinheiro de um com o outro. Não sabia como era o acerto entre eles. Depois, comecei a tratar uns negócios direto com o Eduardo. Em 2015, quando ele assumiu a presidência da Câmara. Não sei também quanto desses acertos iam para o Michel. E com o Michel mesmo eu também tratei várias doações. Quando eu ia falar de esquema mais estrutural com Michel, ele sempre pedia para falar com o Eduardo.”

Joesley relembra que a eleição de Eduardo Cunha para a presidência da Câmara institucionalizou o achaque. “O mais relevante foi quando Eduardo tomou a Câmara. Aí virou CPI para cá, achaque para lá. Tinha de tudo. Eduardo sempre deixava claro que o fortalecimento dele era o fortalecimento do grupo da Câmara e do próprio Michel. Aquele grupo tem o estilo de entrar na sua vida sem ser convidado”, afirma. Ele enfatizou ainda que a turma que governo o Brasil pós-golpe “é a maior e mais perigosa organização criminosa deste país, liderada pelo presidente.” – Arte e texto do portal 247.

Comente aqui


Procon-LD notifica Sanepar para esclarecer sobre reajuste na conta de água

O Núcleo Municipal de Proteção e Defesa do Consumidor de Londrina (Procon-LD) notificou a Companhia de Saneamento do Paraná (Sanepar), para prestar esclarecimentos sobre algumas questões relacionadas ao anúncio feito pela Companhia, em maio deste ano, de que as contas de água no Paraná teriam aumento de 8,53%, a partir de 1 de junho de 2017. O reajuste foi liberado pela Agência Reguladora do Paraná (Agepar).

O coordenador do Procon-LD, Gustavo Richa, explicou que, devido a reclamações e insatisfação da população sobre o aumento aplicado, e considerando o questionamento, sobre o referido aumento, protocolado no órgão pela Câmara de Vereadores de Londrina, o Procon-LD realizou um estudo para verificar se o percentual aplicado pela Sanepar, na alteração tarifária, se refere aos 8,53% anunciado.

Segundo Richa, verificou-se, com este estudo, que o aumento na Tarifa Social chegou a pouco mais 14% e, na Tarifa Residencial a mais de 12%, ou seja, superior ao anunciado pela companhia de 8,53%. Outro questionamento do Procon-LD foi com relação ao valor médio do metro cúbico, pois, a partir de agora, todos os usuários da empresa têm que pagar um valor mínimo de 5 metros cúbicos, independente de terem consumido menos que isso. Antes da mudança, a tarifa era de 10 metros cúbicos de água.

“Verificamos que houve um aumento de quase 95% no valor médio do metro cúbico, pois antes a residência que gastasse até 10 metros cúbicos pagaria a tarifa mínima de R$ 33,74 e, agora, a residência que gastar até 5 metros cúbicos pagará o valor de R$ 32,90, o que representa um aumento de 95% no valor cobrado”, explicou.

Richa informou ainda que a Sanepar deverá receber a notificação na próxima segunda-feira (19). A Companhia terá o prazo de dez dias para apresentar esclarecimentos sobre estas questões, contados a partir do recebimento da notificação. Informações do NCOM

Comente aqui


Ministro interino da Cultura pede demissão do cargo

Informações de Ivan Richard Esposito – Repórter da Agência Brasil
Brasília - O secretário executivo do Ministério da Cultura, João Batista de Andrade participa da cerimônia de inauguração da Mostra Brasilis a Brasília (Valter Campanato/Agência Brasil)

Em carta, João Batista de Andrade diz não ter interesse em ser efetivado no cargo de ministro da Cultura – Valter Campanato/Arquivo/Agência Brasil

O ministro interino da Cultura, João Batista de Andrade, pediu hoje (17) demissão do cargo. Em carta enviada ao presidente Michel Temer, Andrade afirma não ter interesse em ser efetivado no comando da pasta.

“Comunico, respeitosamente, meu desinteresse em ser efetivado como ministro da Cultura”, diz trecho da carta divulgada nas redes sociais do Ministério da Cultura. “Assim sendo, confirmo minha disposição para contribuir da forma mais proativa possível com a transição de gestão no Ministério da Cultura, até a nomeação dos próximos ministros da Cultura e seu secretário executivo”, acrescenta o texto.

Então secretário executivo da Cultura, Andrade assumiu interinamente o cargo de ministro em maio, após o deputado Roberto Freire (PPS-PE) anunciar a saída da pasta. À época, Freire atribuiu a decisão ao fato de Michel Temer não ter renunciado à Presidência, como foi sugerido pelo PPS, após vir a público o conteúdo da delação premiada do empresário Joesley Batista, dono da JBS.

De acordo com a assessoria do Palácio do Planalto, o presidente Michel Temer recebeu a carta, mas não deve tomar nenhuma decisão antes de retornar da viagem que fará na próxima semana à Rússia e à Noruega.

Comente aqui


Sercomtel tem 30 dias para elaborar Plano de Saneamento

Informações da assessoria de imprensa

A Agência Nacional de Telecomunicações (Anatel) comunicou oficialmente ontem, 13, ao presidente da Sercomtel, Luiz Carlos Adati, que a empresa passará a ser acompanhada mais rigorosamente pela reguladora. O prejuízo acumulado de R$ 190 milhões nas administrações anteriores acendeu as luzes de alerta. Foi dado prazo de um mês para que a Sercomtel apresente um Plano de Saneamento das contas. Na mesma data, o prefeito de Londrina, Marcelo Belinati, e Adati estiveram em Brasília, para prestar esclarecimentos sobre a situação financeira da operadora. O município detém 55% das ações da Sercomtel e a Copel é proprietária dos 45% restantes.

Ao divulgar o balanço de 2016, dois meses depois de assumir a empresa, o novo presidente Luiz Carlos Adati, já havia chamado atenção para os números e as projeções negativas. Foi uma decisão difícil, que impactou o mercado. “As medidas da Anatel expõem a saúde financeira da empresa e é bom que isso aconteça. Da nossa parte não existe clima nem disposição para mascarar a realidade. É preciso enfrentar números para fazer a mudança esperada pelos acionistas’”, avalia Adati.

A Anatel já vinha supervisionando as operações e a contabilidade da Sercomtel desde 2009, com reforço em 2012, e chegou a sugerir medidas de contenção de despesas e também a cobrar planos para readequação econômica e financeira. Segundo relatórios de inspeção da Agência, as ações não surtiram o resultado previsto. Agora, a Agência decidiu apertar mais o cerco e deu prazo de um mês para que a atual diretoria apresente um plano completo de saneamento financeiro. Durante a reunião, foi constatado que, nas respostas às observações da Agência em relatórios periódicos apresentados anteriormente pela empresa, há inconsistências recorrentes.

Desde março, já foram tomadas 78 medidas de contenção de gastos e geração de receitas, que devem somar R$ 5 milhões até o fim deste ano – entre elas revisão de contratos e corte profundo nas despesas operacionais. “Temos consciência de que apenas a economia não basta, por isso estamos focados em dois grandes projetos, ainda sob sigilo, que deverão ancorar o crescimento da empresa no setor de tecnologia. Em meio a toda esta crise, a gente precisa reinventar caminhos’, aposta Adati.

Comente aqui


Prefeito Marcelo assina decreto que garante funcionamento de Food Trucks e Food Bikes

O prefeito de Londrina, Marcelo Belinati, assinou nesta quarta-feira (14), o decreto municipal nº 739, que regulariza e disciplina o funcionamento dos Food Trucks e Food Bikes em Londrina. A assinatura ocorreu em solenidade no gabinete do prefeito, durante a tarde, com a presença do presidente da Companhia Municipal de Trânsito e Urbanização de Londrina (CMTU-LD), Moacir Sgarioni, e secretários municipais.

O decreto municipal compreende como atividade de Food Truck e Food Bike a comercialização de produtos e alimentos, que podem ser perecíveis ou não perecíveis. Esta comercialização poderá ser exercida somente por pessoa jurídica, em locais públicos ou privados. A nova legislação moderniza e desburocratiza a prática da atividade em Londrina, substituindo o decreto anterior, de 2016, que foi revogado.

Para o prefeito de Londrina, o decreto favorece o bom profissional, e também seus clientes. “A legislação afasta aquele que não está adequado, e por isso a importância de haver uma regulamentação, dentro do Município, para que a gente possa estimular, cada vez mais, essas atividades e tantas outras. A nossa missão é mudar os paradigmas da economia em nossa cidade. Isso vai permitir que a gente alcance um novo ciclo de desenvolvimento econômico, algo que Londrina não vê há muitos anos. E as atividades de Food Truck e Food Bike fazem parte disso”, contou.

Marcelo destacou que o decreto faz parte do processo de desburocratização da Prefeitura. “É uma iniciativa que tira as coisas do papel e transforma em realidade. Com a regulamentação dos Food Trucks e Food Bikes, todos ganham: o consumidor, que vai ter um produto sob fiscalização da Vigilância Sanitária; o bom profissional, que vai continuar exercendo sua atividade adequadamente; e ganha a cidade de Londrina, porque esses empreendedores, que antes trabalhavam de forma informal, trabalharão na regularidade, vão recolher impostos, e a Prefeitura terá mais recursos para investir naquilo que é importante em nossa cidade”, explicou.

O presidente da CMTU ressaltou que a regulamentação da atividade atende a um pedido dos empreendedores que atuam com Food Trucks e Food Bikes. “É a realização de um sonho, a legalização dessa atividade, que permite o exercício da profissão dentro da formalidade. É nosso dever trabalhar na legalidade, por isso a CMTU atuou para que esse decreto acontecesse”, afirmou.

Regulamentação – O coordenador de Controle de Espaços Públicos da CMTU-LD, Alexandre Zuliani, afirmou que esse novo decreto vem para regulamentar a atividade de Food Trucks e Food Bikes, prevista na lei municipal 12.357/2015. “Existia um decreto anterior que já tratava deste tema. Porém, algumas colocações acabavam dificultando a prática desta atividade no município, por falta de clareza em determinados pontos. O decreto 739/2017, assinado hoje pelo prefeito Marcelo Belinati, corrigiu essas deficiências e ampliou a possibilidade da atuação dos Food Trucks e Food Bikes em nossa cidade”, disse.

De acordo com a legislação, para realizar o comércio de alimentos através de Food Trucks ou Food Bikes, é preciso obedecer as seguintes condições: veículo licenciado junto ao Departamento Estadual de Trânsito (DETRAN); empresa com o Alvará de Licença de Localização e Funcionamento; veículo vistoriado e  licenciado pela Secretaria Municipal da Saúde.

Quanto à comercialização em locais públicos, o empreendimento deve obter autorização da CMTU-LD, além dos documentos citados anteriormente. O Alvará de Licença de Localização e Funcionamento deve ser solicitado junto à Secretaria Municipal de Fazenda. Foto e texto do NCOM

Comente aqui


Avenida dos Pioneiros ganha rotatória com flores e espelho d’água

A avenida dos Pioneiros, na altura do prédio da Universidade Tecnológica Federal do Paraná (UTFPR), na região leste de Londrina, está mais bonita com a rotatória que recebeu flores, iluminação especial e a instalação de um espelho d’água.  Este foi o resultado da parceira da Companhia Municipal de Trânsito e Urbanização (CMTU) e MRV Engenharia, que aderiu hoje (dia 14), ao programa Boa Praça. A empresa adotou o local em troca da exploração de publicidade e será a responsável por aquela rotatória pelos próximos três anos.

O prefeito Marcelo Belinati, que participou da solenidade que oficializou a adesão ao programa pela empresa, hoje à tarde, disse que as parcerias do programa Boa Praça garantem uma cidade mais bonita porque oferta a um espaço público a conservação e oportuniza a Prefeitura cuidar de outras áreas.

Marcelo agradeceu à MRV Engenharia pela parceria com a cidade. “Não é somente a rotatória, mas é um investimento imobiliário que vai gerar 2.500 empregos e vai valorizar toda uma região da cidade”, declarou.

O prefeito falou que estes investimentos representam o esforço para reconstrução da cidade, com o destravamento da economia e a geração de emprego e renda. Ele citou o Compras Londrina, que será lançado em breve pelo Município; o corte de comissionados;  a economia com os contratos; o Banco do Empreendedor e a modernização da Lei de Industrialização, que é de 1993.

O presidente da CMTU, Moacir Sgarioni, lembrou que este foi o primeiro acordo firmado depois que a atual gestão da CMTU reformulou o Boa Praça. Quando foi criado, em 2015, o programa previa apenas a realização de manutenções básicas, deixando a critério dos interessados a proposição de benfeitorias para as áreas cedidas. Agora, há a exigência do plantio de plantas perenes – mais resistentes às variações climáticas e com ciclo de vida maior – num perímetro de pelo menos 15% do espaço. Outra condição para as novas adoções é a pintura dos meios-fios do entorno na cor branca.

O objetivo das alterações é incrementar os cuidados mínimos a serem feitos pela iniciativa privada nos logradouros públicos. “A intenção é que, com essas mudanças, os empresários não executem somente o corte do mato, mas promovam também o ajardinamento e o embelezamento do local, contribuindo para tornar a cidade mais bonita e harmoniosa”, explicou o presidente da CMTU.

 

Comente aqui