Logo do Jornal ODiário.com
Bahr Baridades
17/01/2019 - 12h38 - visualizações

Prós e contras sobre a posse de armas

Autor Bahr-Baridades
.

Taí um assunto bem delicado, cuja discussão não é muito fácil. Em 2005 (há longos 14 anos), um referendo apontou que 63% dos brasileiros eram favoráveis ao comércio de armas (não tratou da posse de armas). Só que de lá para cá muita coisa mudou: a criminalidade aumentou, o porte ilegal de armas nas mãos da bandidagem ficou corriqueiro, a entrada de armas ilegais - inclusive de grosso calibre - parece ser mais fácil do que a entrada de cigarros contrabandeados... será que o referendo nos dias de hoje teria o mesmo resultado?

Veja algumas opiniões contrárias à posse de armas:


Haverá mais armas nas ruas, causando ainda mais mortes. Por exemplo, em brigas de trânsito, discussões entre vizinhos, troca de tiros em assaltos.
Uma pesquisa do Datafolha (a se acreditar?) informa que, ao contrário das alegações do presidente Bolsonaro, a maioria da população é contra a posse de armas.
Levantamentos mostram que a maior parte das armas de fogo utilizadas em ocorrências criminosas foram desviadas ou roubadas dos legítimos donos e eram originalmente legais.
A posse de armas provavelmente eximirá tanta responsabilidade da segurança pública (governo).
Mais armas em casa significam mais riscos de acidentes com crianças, mais suicídios, mais brigas de casais, mais feminicídios  e sua utilização até em discussões banais.
As informações declaradas obrigatoriamente na compra das armas poderão ser forjadas, falsificadas e até colocar em xeque as vendas por parte de comerciantes inidôneos.

Algumas opiniões a favor:


O Presidente Bolsonaro defendeu abertamente mudanças no Estatuto do Desarmamento. A posse de armas na zona rural servirá de proteção aos donos das terras (hoje há incontáveis roubos e invasões naquelas propriedades). Diminuíram as dificuldades burocráticas para se comprar e ter a posse de armas. A arma registrada ficará na residência da pessoa que a registrou. Criminosos terão medo ao invadir uma casa para cometer um assalto (ou será o contrário, os bandidos invadirão preferencialmente as casas onde há armas, para roubá-las?). A arma de fogo equivale à posse de uma faca ou canivete (liberados) que servem como proteção pessoal. O decreto cria uma equivalência do nosso país aos Estados Unidos, país que permite ao cidadão a posse de armas em casa.


 

735841
0 Comentários
Foto do usuário que comentou a matéria

Relacionadas