Logo do Jornal ODiário.com
Bahr Baridades
29/01/2019 - 09h17 - visualizações

O que acontece com nossa engenharia?

Autor Bahr-Baridades
.

Nesta sexta-feira dia 25 rompeu-se a barragem 1 do complexo Mina do Feijão, da mineradora Vale, em Brumadinho (MG), a cerca de 60 km de Belo Horizonte, na região metropolitana. Quase treze milhões de metros cúbicos de rejeitos de minério despencaram da barragem atingindo a área administrativa da Vale, comunidades da região, e o rio Paraopeba, na Bacia do Rio São Francisco.

Um viaduto sofreu um rebaixamento de  cerca de 2 metros em novembro de 2018, na Marginal Pinheiros, zona oeste de São Paulo, danificando veículos que por lá circulavam. Especialistas apontaram nítido desgaste na infraestrutura e descumprimento de regulações

Um trecho do Eixão, uma das principais vias expressas de Brasília, desabou em fevereiro de 2018.

A Ciclovia Tim Maia, inaugurada em Janeiro de 2016, teve um pedaço desmoronado após forte ressaca do mar na região; duas pessoas morreram.

Em 2015 ocorreu o rompimento da barragem de Fundão, localizada no subdistrito de Bento Rodrigues, a 35 km do centro do município brasileiro de Mariana, Minas Gerais, na mineração controlada pela Samarco Mineração S.A., um empreendimento conjunto das maiores empresas de mineração do mundo, a brasileira Vale S.A. e a anglo-australiana BHP Billiton.

Um viaduto em obras desabou, em Belo Horizonte, matando ao menos uma pessoa e ferindo outras 22, em 2014. A obra fazia parte do pacote das obras de mobilidade da Copa do Mundo e não tinha ficado pronta a tempo para o Mundial.

A queda de três vigas da obra do trecho sul do Rodoanel atingiu três veículo, deixou três pessoas feridas e interditou a pista sentido São Paulo da rodovia Régis Bittencourt, em Embu, em 2009.

Em 20 de novembro de 1971, o Rio de Janeiro viveu uma de suas maiores tragédias: um trecho de 50 metros do Viaduto Paulo de Frontin desabou sobre o cruzamento da Rua Haddock Lobo com a Avenida Paulo de Frontin, na Tijuca, matando 29 pessoas e ferindo outras 18.

Fica a pergunta: o que está acontecendo com a engenharia brasileira? Quem controla a qualidade das obras? Há engenheiros cuidando da manutenção?

735845
0 Comentários
Foto do usuário que comentou a matéria

Relacionadas