Logo do Jornal ODiário.com
Informaçãos Gerais
12/03/2010 - 01h27 - visualizações

Santidade no namoro, é possível?

Autor inforgospel.com

Leia a entrevista com o Pr. Richarde e sua esposa, Priscila, e veja como é possível viver um namoro santo e seja abençoado(a).

Provérbios 28:5 -Os homens maus não entendem o juízo, mas os que buscam ao SENHOR entendem tudo.

Amor Correspondido
Como o próprio nome sugere, o livro escrito pelo pastor Richarde e sua esposa Priscila Guerra(foto), narra uma linda história de amor que mostra que é possível viver um namoro santo – correspondido – que dá certo.

O pastor Richarde (32) e sua esposa Priscila Guerra (31) lançam livro com o testemunho pessoal do namoro que resultou no casamento que está prestes a completar bodas de lã (7 anos de casados). A história é o mais simples e verdadeiro relato da experiência do casal que após se conhecerem, oraram cerca de seis meses, e, namoraram (segundo a Palavra de Deus) dois anos e dois meses até o – tão esperado – dia do casamento. Sem a pretensão de ser, segundo as palavras do próprio pastor Richarde, ‘uma receita de bolo’ ou um passo a passo do namoro correto, o livro pretende ser uma motivação para que outros casais possam experimentar viver em santidade no namoro. Coisas singelas como cartas, pequenas gentilezas, um pouco de romantismo, boa comunicação e, sobretudo, um namoro a três, onde Deus é peça fundamental da relação, são temas marcantes abordados no livro segundo a perspectiva do casal.

Para os casais que estão dispostos a descobrir o segredo que há no livro de Provérbios, capítulo 30, versículos 18 e 19, onde está escrito “Há três coisas que são maravilhosas demais para mim; sim, há quatro coisas que não entendo: o caminho da águia no céu, o caminho da cobra na penha, o caminho do navio no meio do mar, e o caminho de um homem com uma donzela”, este livro é uma importante resposta para matar a curiosidade. Passo então a palavra a quem entende do assunto, e deixo uma pista para te inspirar a ler essa obra: todos os caminhos citados por provérbios não deixam nenhum rastro, tal qual narrado no livro “Amor Correspondido”.

Leia a entrevista que fizemos com o casal e se inspire a viver um namoro segundo a Palavra de Deus. Se me permitem o conselho, leia a entrevista até o fim. Vale a pena!
Lagoinha.com: Como começou o relacionamento?
Pr. Richarde: Nós nos conhecemos na UFMG onde estudávamos Química juntos. Quando entramos na faculdade cada um tinha um relacionamento. Com o tempo a Priscila terminou o namoro dela e eu também terminei o meu, mas tive vários outros depois. Entrei num ciclo de relacionamentos muito ruim para mim e para as pessoas que me relacionava, talvez mais difícil para elas ainda. Tive algumas decepções e com isso tentava preencher o vazio com novas relações.  Tinha época que terminava um namoro e uma semana depois já estava namorando outra. Procurava uma coisa que não era verdadeiramente um relacionamento. A Priscila acompanhou toda essa fase que eu passei muito afastado de Deus. Nunca fiquei sem frequentar a igreja, mas acredito que muitas pessoas ficam como eu fiquei na época, desviadas dentro da igreja mesmo. Quando terminei meu último relacionamento, de uma forma muito traumática, a Priscila e eu começamos a caminhar junto por causa de um trabalho da faculdade. Surgiu um interesse, mas até por precaução ela pediu um tempo, porque ela não queria ser mais uma nesse ciclo vicioso que eu vivia. Isso serviu para me curar, foi muito importante essa fase que nós passamos só orando, conversando bastante, conhecendo os planos um do outro. Isso nos deu segurança quando demos o passo de começar realmente o namoro.
Priscila: Eu também fui muito tratada nesse tempo, mas quando terminei meu último relacionamento orei pedindo a Deus que não queria mais namorar ninguém que não fosse o meu esposo. Por isso Deus ouviu meu coração e me poupou de todo esse processo de começos e términos que o Richarde viveu.

Lagoinha.com: Para vocês o que é namoro santo?
Pr. Richarde: O namoro santo é o namoro que Jesus participa do processo, Ele é consultado antes de se tomar decisões. Essa é a grande diferença. É a relação em que o casal não só ouve como obedece ao que Deus quer, não segue suas próprias vontades e coração. Normalmente no relacionamento secular o casal não consulta a Deus, as pessoas fazem parte da relação só para saciar o seu prazer e a sua vontade. Quando isso não acontece a relação termina e logo partem para outra, o que é uma busca muito egoísta. Sei que existem relacionamentos sinceros de pessoas que não conhecem Jesus, mas como elas não conhecem Jesus elas tropeçam muito e não têm essa oportunidade de fazer Deus participar do processo.
Priscila: O namoro santo não é só consultar a Deus, mas também ter muito diálogo entre o casal, para que eles se conheçam bem. Nós pegávamos todo o nosso tempo para ficarmos conversando, descobrindo o que o outro gostava e os planos para o futuro. Por isso, quando casamos nós não enfrentamos grandes problemas de adaptação porque nós já tínhamos resolvido a maioria das coisas que poderiam ser problemas no casamento.

Lagoinha.com: A maioria das pessoas estereotipou o namoro cristão como um namoro sem relação sexual.  Ás vezes essa inclinação faz com que alguns casais não tenham relação, mas tenham outros problemas. O que é realmente o namoro cristão?
Pr. Richarde: O namoro cristão é o namoro sem pecado. Ele tem tudo menos o pecado. O que falta muitas vezes é a noção clara do que é pecado. O pecado é errar o alvo e qual é o alvo? O alvo é a Palavra de Deus. Quanto mais se conhece a Palavra de Deus mais sabemos para onde a nossa seta deve mirar e acertar. Á medida que as pessoas desviam desse alvo, da vontade de Deus, elas estão em pecado e o namoro não é santo. A gente até brinca que namoro cristão pode tudo, só não pode pecar (risos). Ás vezes as pessoas vão para o extremo de que no namoro cristão só não pode fazer sexo. Tem outro extremo também de que não pode absolutamente nada. Eu já vi alguns lugares que falam assim ‘vocês podem mandar um torpedo por semana, esse é o único contato que podem ter’. Assim as pessoas saem da libertinagem e vão para o legalismo. Mesmo porque se acontecer alguma coisa errada os casais vão estar amparados pelo conforto de se submeter a alguém e não á Palavra de Deus. É sempre mais confortável viver no extremo. Porque viver no equilíbrio exige disciplina, observação e obediência. E as pessoas acabam vivendo no legalismo e não na graça. Nós precisamos entender o que é a graça, e viver a graça. A graça é essa possibilidade de viver o Reino de Deus e tudo que Ele pode nos dar, sem reservas, sem limites. O pecado é o obstáculo e nós temos que vencê-lo. Fazer isso, não é fácil, mas coisas simples como estar envolvido ministerialmente, ser acompanhado por casais experientes, evitar situações que levam ao pecado da carnalidade, como roupas impróprias, ficar sozinhos em casa, enfim, evitar uma série de situações que podem abrir brechas para o pecado, faz com que os casais não pequem e levam um namoro saudável até o casamento.

Lagoinha.com: Alguns casais acabam se afastando da igreja quando percebem que o relacionamento não está seguindo os padrões de Deus. O que sugerem para que as frustrações do relacionamento não interrompam a vida cristã?
Pr. Richarde: As pessoas precisam de ajuda. Ás vezes elas são muito orgulhosas, mas precisam buscar apoio com outras pessoas que tenham condições de ajudá-las. Dentro da igreja podemos contar com várias pessoas, como o pastor, os ministérios de casais, o ministério da família, ou uma pessoa que tenha um bom caráter em que seja possível ter liberdade de se abrir com ela. Ás vezes as pessoas caem, se esfriam e elas não buscam essa ajuda com medo de serem julgadas ou serem colocadas em exposição. Por isso, é importante que elas procurem alguém de confiança, que possam confiar para abrir o coração. Geralmente, um casal de jovens quando se casa, para de se envolver ministerialmente na igreja. Isso é um erro grave. O ideal é que eles procurem se envolver no mesmo ministério. Tínhamos um casal no Ministério dos Namorados que um era envolvido com louvor e o outro com evangelismo. Quando se casaram foram juntos trabalhar com aconselhamento de casais. Eles viram que era importante continuarem envolvidos no mesmo ministério para continuarem buscando a Deus e santificando o casamento. O que falta ás vezes é a comunhão, os casais querem receber o tempo todo e ficam enfarados, enfastiados de tanto receber e vão embora, até que desistem de ir á igreja. O primeiro passo é se envolver, e, o segundo é buscar ajuda. É importante procurar ajuda com as pessoas certas porque tem gente que não tem condição de dar aconselhamento para casal, não tem preparação e direção para isso.

Priscila: Na Lagoinha temos o Ministério dos Namorados que discipula casais. O que falamos para os namorados é para eles não procurarem o ministério dos namorados depois que o namoro está ruim ou com problemas. Para restaurar é muito mais complicado porque já tem feridas. O ideal é que os jovens entrem no ministério ou em outros em sua igreja assim que começam a namorar para ter toda preparação para prevenir conflitos.

Pr. Richarde: Isso é importante porque as pessoas não podem olhar a igreja e os ministérios como UTI’s. Mas, o ministério deve ser encarado como medicina preventiva.

Lagoinha.com: Muitos casais acham que estão sendo vigiados pelos líderes na igreja. Como deve ser feito esse acompanhamento para não assustar os jovens? Pr. Richarde: Isso é um grande sofisma, uma grande ilusão. As pessoas têm medo, ainda mais na sociedade cada vez mais individualista em que vivemos. Elas não querem que ninguém interfira na vida delas. Esse não é o propósito dos ministérios. O ministério deve dar um suporte, aconselhamento e intercessão. No Ministério dos Namorados, por exemplo, casal nos procura e preenche uma ficha com os dados pessoais da moça e do rapaz. Então a gente lê essa ficha e analisa o perfil do casal e tenta encontrar dentro do nosso grupo – que é um grupo grande de casais casados que são acompanhados sistematicamente por nós e foram treinados especificamente para esse tipo de atendimento – quem tem o perfil que combina com aquele casal. O casal de conselheiros entra em contato com o casal de namorados e eles têm encontros esporádicos ou por meio do sistema de Células. Nesses encontros há uma total liberdade para surgir uma amizade entre eles, uma aproximação. Não tem aquela história de ficar cobrando, investigando a vida dos outros. Muitas vezes a gente até incentiva o casal de namorados a procurar os conselheiros, para não ficar só o conselheiro procurando toda hora. São encontros que não são sistemáticos, a não ser que sejam nas Células. São encontros que podem ocorrer em uma pizzaria, lanchonete, no banco da praça da igreja, bem informáveis e agradáveis. Eventualmente se o casal de namorados não deu certo com o casal de conselheiros eles têm toda liberdade de nos procurar para trocarmos os casais.

Lagoinha.com: Como foi esperar em santidade até o casamento?
Pr. Richarde: A única experiência de espera que tive foi o tempo do meu namoro com a Priscila. Para mim esse tempo foi um momento de cura, tempo de submeter à vontade de Deus. Existem dois tempos, o tempo Chronos que é o tempo do mundo. E o tempo de Deus é o Kairós que é a hora certa. Mas, só podemos identificar isso se aquietarmos o coração. Nesse tempo pude aquietar meu coração, identificar quais eram os meus problemas e buscar cura interior e restauração de alma. Eu vinha de namoros carnais. Mesmo quando namorava moças cristãs vivia fora dos padrões de Cristo, então, foi um tempo que tive que me disciplinar, me arrepender do que eu fiz, e encontrar prazer no novo padrão. Essa espera em oração foi essencial para me curar, não foi fácil, mas foi fundamental para a nossa relação. Sem isso talvez eu tivesse comprometido a qualidade da nossa relação.

Lagoinha.com: Como se defender das setas do inimigo durante esse processo de busca por santidade?
Priscila: O mais importante é ter vida com Deus. Nós – mulheres e homens - temos mudança de hormônio, estresse de trabalho. Na hora que queremos aliviar algum problema acabamos achando que é o namoro que está incomodando. O importante é ter uma vida de oração comum, colocar o namoro diante do Senhor e falar com Deus nossas dúvidas, dificuldades e problemas. Uma coisa que sempre tentei fazer é nunca tomar uma decisão sem orar. Porque toda vez que a gente toma uma atitude no impulso acabamos tomando uma decisão precipitada e acabamos errando. Quando temos que tomar uma decisão séria, mesmo que o prazo esteja esgotando, enquanto Deus não falar conosco não podemos tomar uma decisão. Se o prazo se esgotar, não tem problema, porque Deus tem o tempo Dele.
Pr. Richarde: Quando o tema da dificuldade é comum entre o casal, se puder ser exposto os dois devem fazer jejum e orar juntos. Nós jejuamos e lemos a Bíblia juntos desde o namoro, e isso é fundamental. Escolhíamos um livro da Bíblia para ler, então líamos um capítulo durante a semana separadamente e jejuávamos em um dia específico. Ao entregar o jejum a gente compartilhava o que Deus tinha falado daquele capítulo para nós. Ás vezes Deus testificava muito ou complementava o que tinha falado com o outro. Nunca aconteceu de Deus falar uma coisa para a Priscila e outra totalmente oposta para mim. Nunca dava incompatibilidade de achar que tinha um Deus para cada (risos). Deus nos falava de uma forma tão fluida que dava segurança e paz. Isso é o testemunho do que nós fizemos, não é uma receita de bolo, temos que deixar isso bem claro.

Lagoinha.com: Como manter o diálogo na relação?
Priscila: Na relação deve haver um espaço aberto para o diálogo, para o casal poder jogar limpo. A prática de contar as coisas do dia a dia e expor aquilo que estamos sentindo, tanto as coisas que gostamos no companheiro como aquilo que não gostamos, já dá uma abertura para um diálogo. Se existe essa comunicação no namoro, no casamento isso vai ser normal. Isso acontecia muito no nosso namoro no momento do nosso devocional, depois de orarmos e lermos a Bíblia. Essa atitude não deixa os problemas acumularem.

Lagoinha.com: E a família no contexto do namoro?
Pr. Richarde: Eu busquei ser o melhor filho para os meus pais, busquei sempre fazer tudo com excelência, ser o melhor aluno, ser o melhor profissional. Quando nós estabelecemos essa riqueza de excelência, o trato com os pais é recíproco, na maioria das vezes. A não ser que seja um caso familiar muito específico com relação muito conflituosa, que precisa de um apoio maior. Uma família que vê que o filho é dedicado começa a ter respeito e confiança pelo mesmo. Nós conquistamos as coisas fazendo as pessoas nos amar e não colocando medo nelas ou impondo. O desafio das pessoas é ser a melhor pessoa possível, independente do credo. Precisamos descobrir a faceta do Deus Pai, mesmo quando nossos pais não são como imaginamos, nós não precisamos cometer os mesmos erros.
Priscila: Isso é bíblico! Nós devemos honrar pai e mãe para que o Senhor prolongue nossos dias sobre a Terra. A Palavra não fala que devemos honrar pai e mãe que são crentes, que fazem isso ou aquilo para nós, independe do credo. Quando fazemos isso, por causa do mandamento do Senhor, Ele nos abençoa independentemente dos pais que temos, porque essa é a promessa do Senhor. É melhor ser obediente aos pais e honrá-los, do que sermos desobedientes. O Senhor é Pai também e supre nossas carências familiares. A família nos ajuda a entender o papel da mulher e do homem dentro de casa, essa referência é muito importante para nós. Sinto que a minha vida hoje é próspera e abençoada graças aos frutos desse caminho que escolhi andar, não porque sou boa, mas porque escolhi um caminho bom. Assim, recebo os benefícios desse caminho que escolhi.

Lagoinha.com: Como é o processo de confessar nossos pecados no namoro?
Priscila: Deus me mostrou um pecado na minha vida que eu não estava conseguindo vencer. Não era de ordem sexual, mas era um pecado pessoal, individual e de caráter. Não estava conseguindo vencer e comecei a ficar muito envergonhada com aquele pecado. Pensava assim ‘Meu Deus, mas eu não posso ser assim porque sou a certinha da relação’. Precisava ser liberta e estava lutando contra o pecado, mas não estava conseguindo. Lembrei então que no livro de Tiago fala para confessarmos nossos pecados para sermos curados. Deus me mostrou que devia confessar esse pecado para Richarde. Lembro que fiquei com muita vergonha de falar com ele. Era como se a máscara da certinha, da religiosidade (que era um pecado que tinha e que depois Deus começou a tratar e está tratando até hoje) estivesse caindo. Contei para e foi esse o momento que Deus começou a ensinar o Richarde a ser sacerdote, a me levar até Deus. Percebi que Deus estava restaurando a vida dele, porque nesse momento de fraqueza minha ele me ajudou, orando por mim, jejuando comigo. Consegui vencer o pecado depois que contei para Richarde e assim vi que ele estava no caminho certo. Deus nunca me deixava no escuro. Sempre me mostrava que Ele estava investindo na vida dele e que ele estava mudando. Deus me mostrava nas circunstâncias do dia-a-dia.

Lagoinha.com: Nem sempre no início, as pessoas têm a sensação que encontram a outra metade da ‘laranja’. O que fazer? Pr. Richarde: Antes do namoro a Priscila já me conhecia e via minhas limitações. Mas, teve uma hora que tive que chegar para ela e contar minha vida pregressa. Não foi fácil falar, nessa fase até acreditei que ia perdê-la. Ela brinca que nesse tempo que fui abrindo meu coração e falando dos meus erros, ela chegou a orar a Deus tentando entender porque ela havia esperado quatro anos. Ela questionou Deus (risos). Isso é bom para as moças aprenderem que não existem homens prontos. Elas tem que ver o potencial dos rapazes e investir um pouco de tempo, de cuidado e de crescimento na Palavra juntos.
Priscila: O rapaz e a moça vão se adaptando um ao outro e construindo a história que querem. Quando o Richarde chegou em minha vida, o jeito que ele estava era completamente diferente do que queria e falei mesmo com Deus que ele não era o que esperava, que aquele não era o meu sonho. Deus foi tratando em mim o preconceito e a religiosidade. Deus começou a me mostrar que Ele podia mudar a vida dele. Comecei a me livrar da religiosidade e a trabalhar a minha submissão também. Eu me aquietei e observava muito. Queria saber se ele estava melhorando, se tinha vida com Deus. Aos poucos, como ele estava sendo transformado, começou a ser aquele o rapaz que queria para mim. Cada vez ele foi se tornando mais obediente a Palavra de Deus. Porque a mudança não é de personalidade é de caráter. A mudança não é de estilo, de jeito, mas sim de caráter. O Richarde não era de usar roupa da moda, eu gostava disso, mas sabia que me casando com ele que não usaria da mesma forma. Ele vai ser assim sempre e vou amá-lo do jeito que Ele é. Eu queria um homem de Deus e não um homem pra me agradar. As pessoas devem ser transformadas para parecerem mais com Cristo e não para nos agradar.

Lagoinha.com: O livro relata muitas experiências de oração entre vocês. Como quebrar o gelo para começar esse processo de oração entre o casal? Priscila: No Ministério dos Namorados a gente ensina isso. É um dos temas tratados mais fortemente: a comunicação. Não dá para falar se é a mulher ou o homem que tem que começar. Cada caso é um caso porque cada casal tem um perfil.
Pr. Richarde: Ás vezes a moça é extrovertida e o rapaz é tímido, então, naturalmente a mulher sempre vai tomar a iniciativa. Ás vezes é o inverso e de vez em quando também os dois são tímidos, aí deve ser aquele silêncio (risos). No Ministério dos Namorados tem um casal de padrinhos casado treinado para orientar cada caso específico ajudando a quebrar o gelo.

Lagoinha.com: Por que acreditam que a mulher não deve ser submissa?
Priscila: Submissão é estar debaixo da missão de alguém. De acordo com a Palavra o homem pode ter a missão de ser rei, profeta ou sacerdote. Como rei, ele deve organizar a casa no sentido financeiro e tomar decisões, como sacerdote deve levar as pessoas até Deus, como profeta deve levar a Palavra de Deus até as pessoas. Resumindo, essas são as funções básicas. Imagine a mulher que está sob alguma dessas missões. Qual mulher não vai querer ser submissa e ajudar o namorado ou esposo a desenvolver esse papel? A mulher deve agir assim mesmo quando o esposo não desempenha nenhum desses papéis. Porque ela deve cumprir os mandamentos do Senhor e esperar a recompensa de ver as promessas do Pai se realizando em sua vida. Crer e esperar a promessa chegar, mesmo que no momento o esposo ou o namorado não esteja vivendo essa realidade. No namoro santo onde o casal já pratica esses fundamentos deixa o casamento muito mais fácil. Essa é a vontade de Deus para o relacionamento.

Lagoinha.com: Qual o segredo para ter sabedoria na relação? Priscila: No livro de Tiago fala que todos aqueles que necessitam de sabedoria devem pedir a Deus que dá á todos liberalmente. Mas, não devemos pedi-la duvidando no coração, pois quem não crê não pode receber. Eu tenho a experiência de crer absolutamente na Palavra de Deus e sempre pedi ao Senhor sabedoria. Deus organiza tudo sem que a gente ao menos tenha planejado. Por isso, o segredo é cumprir o que a Bíblia fala.

Lagoinha.com: Hoje em dia aumentou muito o número de casamentos, mas também o de divórcios. Na opinião de vocês, por que isso? Pr. Richarde: O problema é que as pessoas estão atrás da alma gêmea, da outra metade. A Palavra de Deus diz que “e dois se tornarão um”. Então, isso quer dizer que, uma pessoa inteira e outra pessoa inteira se tornarão uma só. Quando nós ouvimos essa Palavra imaginamos que nós vamos nos tornar um porque meio mais meio é igual a um. A matemática de Deus é diferente. Por isso, as pessoas precisam casar completas. Ela não precisa casar para que alguém a complete. Por essa razão a maioria dos casamentos está sendo frustrados. As pessoas devem casar para fazer o outro feliz, para complementar a vida do outro. Existem aspectos da nossa personalidade que precisamos tê-los completos antes de casar. Exemplos como: caráter, organização, responsabilidade, saber dizer não, saber dizer sim, saber separar a família do casamento. Existem aspectos que não podemos lançar a expectativa no outro. Não podemos pensar ‘sou muito tímida, não converso com ninguém, mas quando a gente casar meu namorado vai cumprir esse papel’, porque não vai e não pode ser assim.
Priscila: Dessa forma você vai jogar na outra pessoa um peso que ela não vai conseguir carregar. Quando se casa com o objetivo que a outra pessoa vai dar conta de fazer o que não damos conta, e outra parte acaba não dando conta, aí vem frustração. Nesta hora as pessoas costumam procurar uma terceira pessoa para preencherem o vazio, para fazer o que elas não dão conta de fazer e esperavam que a esposa ou o esposo fizesse. Por isso entram nesse ciclo de casa e descasa, porque na verdade as pessoas não estão casando completas. Quando estamos completos a outra parte da relação pode ter dificuldades e diferenças, mas os dois fortes vão lutar para resolver o problema. Quando uma das partes tem alguma dificuldade para ser completa, ela precisa buscar em Deus e não no outro. Ambos podem se ajudar, mas cada um vai construir sozinho o que está faltando. É de dentro para fora.
Pr. Richarde: É muito difícil sermos completos, porque estamos todos no processo. Mas, não podemos casar com o objetivo de suprir as áreas que somos deficientes nas outras pessoas, porque são áreas que cada um precisa investir na sua própria vida. Ambos podem se ajudar, podem complementar, mas não podem completar. Isso não é uma coisa que inventei da minha cabeça. Tem dois autores americanos que são muito respeitados, que se chamam Henry Cloud e John Townsend. Eles escreveram o livro ‘Limites no casamento’, e retratam isso de uma maneira bíblica fantástica e muito interessante.

Lagoinha.com: Como surgiu a ideia do livro? Priscila: Nós percebemos, indo em congressos e encontros de jovens que todas as vezes que nós conversávamos com os jovens sobre a nossa história, isso animava e incentivava os casais a ter uma vida com Deus. Isso era um entusiasmo para que eles também pudessem viver o que nós vivemos. Como nós não conseguimos ir a todos os lugares, pensamos que se escrevêssemos o livro, ele poderia ir por nós. O livro pretende ser essa semente, essa fonte de inspirar relacionamentos, que assim como o nosso deu certo.
Pr. Richarde: Na verdade, as igrejas hoje investem muito pouco nesse tipo de ministério. Eu já rodei o Brasil inteiro... Bahia, Rio Grande do Sul, Cuiabá... Já rodei a Europa, já preguei na Itália, na Alemanha. Já fui a muitos lugares em igrejas grandes como também em pequenas e muitas não têm um ministério desses. Nós tentamos trazer para o livro uma tradução bem humana mesmo, porque nenhum de nós é super homem. Nós sabemos das dificuldades de cada situação e que não somos perfeitos.
Priscila: Na época em que a gente começou a namorar estava no auge o livro ‘Sua perfeita fidelidade’, do casal, Erick e Leslie. Na época, me inspirou e pensei ‘quero ter um namoro assim’. Ou seja, uma menina lá nos Estados Unidos que nunca me viu e talvez que nem vá me ver, mudou minha vida aqui no Brasil. Nós pensamos que talvez se pudéssemos escrever um livro com a nossa história outros casais também pudessem ser abençoadas, edificadas e transformadas também.
Pr. Richarde: Porque apesar do livro desse casal americano ser muito bacana, ele ainda pode ser lido como algo irreal. Isso porque o casal não morava na mesma cidade na época do namoro, o contato deles era mínino por correspondência. Muitos jovens podem achar que é outra cultura também e tem outra construção de pensamento. As pessoas podiam achar que no Brasil é diferente, porque é um país tropical e que o livro está ultrapassado. Por isso, nós queríamos trazer uma leitura mais atual dentro do nosso contexto. Daqui a pouco vão ser outras pessoas que vão poder mostrar suas histórias. Todo mundo gosta de saber do testemunho das pessoas. Os programas de televisão que fazem mais sucesso são os de fofoca. Só que quando nós contamos a nossa história, a nossa fofoca, mostramos como Deus atuou.

Lagoinha.com: Expectativa para o livro Pr. Richarde: Não é o nosso objetivo que o livro se torne o 67° livro da Bíblia. Nós não queremos impor novas leis ou criar uma doutrina. Nós queremos apenas que o nosso testemunho sirva de inspiração para outras pessoas. Para que elas saibam que é possível ter um namoro santo, que vai se desdobrar em um casamento equilibrado. Queremos que os casais percebam que é possível ter um relacionamento onde podemos experimentar todas as coisas boas da vida sem cair no pecado, na perversidade, na lascívia. E que isso vale tanto para o rapaz como para a moça, vale tanto para a pessoa que está seguindo firme na igreja, como para aquela que está buscando um caminho para se alinhar à Palavra de Deus, vale tanto para a pessoa que está esperando há muito tempo, como para aquela que está esperando há pouco tempo. Nosso desejo é que a nossa história sirva de motivação e que ela possa alcançar o coração das pessoas.

Para mais informações sobre o livro “Amor Correspondido” fale com o Pr. Richarde Guerra, líder do Ministério dos Namorados na Mocidade (31) 8489-3057 / Ou mande um e-mail para [email protected]

Acesse o blog do Ministério dos Namorados e fique de olho nos estudos e reflexões sobre o tema www.namoradosonline.blogspot.com.br


Via: Lagoinha - Por Thalita Daher – [email protected]
630188
0 Comentários
Foto do usuário que comentou a matéria

Relacionadas