Os quadrinhos de Isac

A linguagem visual e características lúdicas fazem das histórias em quadrinhos bons instrumentos para a alfabetização, além de contribuírem para o interesse pela leitura e pela escrita nas crianças. Com o estudante da Escola Municipal Tisuro Tsuji Barros Cunha em Sarandi, não foi diferente. Isac de Araújo Capeline tem 11 anos e é um destaque dentro da instituição por conta dos desenhos que reproduz.

Foto Abre“Ele é um aluno bastante tímido, mas quando coloca no papel tudo o que sente e tem de conhecimento, é um verdadeiro artista. Desde o primeiro dia deste ano letivo percebi que ele tinha algo a mais para mostrar, e com as aulas vieram os resultados”, destaca a professora de Isac, Maria Aparecida Landim.

Landim conta que na maioria das propostas de atividades Isac pede a autorização para incluir os quadrinhos na produção. “Muitas vezes solicito a escrita de um texto, algo simples, e ele me vem com muito mais. Além do texto divido em balões – algo que tem que ser pensado, medido e organizado – a ilustração vem a complementar e torna o trabalho fantástico”, diz.

Isac é apaixonado pelas histórias em quadrinhos (HQs) desde os três anos. “Meus primeiros desenhos são bem feios, confesso. Mas desde muito cedo já comecei a ilustrar. Lembro que o primeiro trabalho que fiz foi um tipo de revistinha com personagens dinossauros contando o filme Jurassic Park”, ressalta.

Como as HQs em geral unem palavra e imagem, elas contemplam tanto alunos que já leem fluentemente quanto os que estão iniciando, pois conseguem deduzir o significado da história observando os desenhos. A curiosidade em saber o que está escrito dentro dos balões cria o gosto pela leitura.

A professora de Isac aponta a facilidade do aluno em desenhar sobre qualquer tema, desde assuntos interdisciplinares até questões de cunho social. “O último trabalho que me chamou a atenção foi sobre a matéria publicada no jornal O Diário em que se noticiou a respeito dos cadáveres dos cães encontrados numa estrada rural. Esse fato comoveu o Isac, casou indignação e ele conseguiu reproduzir não só o conteúdo da notícia, como também os sentimentos dele, em quadrinhos.”

O jovem ilustrador dá algumas dicas para a criançada que assim como ele adora desenhar. “As HQs são muito divertidas, tanto para ler quanto para produzir. O importante é a gente gostar do que está fazendo, assim a missão fica fácil. Antes de começar o trabalho sempre vejo bem o espaço de papel que tenho disponível, meço os quadrinhos e o segredo é começar escrevendo as falas nos balões, a parte divertida de desenhar, deve ficar para o final.”

Sempre com o objetivo de motivar o aluno, Landim tem conciliado as propostas didáticas do currículo escolar com o talento de Isac. “Ele precisa aprender e desenvolver todo o tipo de conteúdo, mas sempre é possível aliar com o que ele sabe fazer de melhor. Quero incentivá-lo a continuar produzindo para que um dia ele seja um artista reconhecido”, ressalva.

Deixe um Comentário

Seu endereço de e-mail não será publicado.