Adélli Bazza



O Programa voltou!

Professores, alunos e caros leitores, o Diário na Escola está de volta! Depois de um breve recesso, estamos iniciando nossas atividades com muita coisa nova para 2016. Além do envio dos jornais semanalmente às escolas, continuamos com as colunas publicadas às terças e quartas-feiras com matérias sobre educação e cultura, nossos tradicionais Concursos que agitam as instituições de ensino, e o cronograma de formações que preparamos aos professores participantes do Programa promete inovar a forma de estudo com temas atuais e dinâmicos.

Foto Abre“A proposta pedagógica do Diário na Escola busca estar alinhada à necessidade do professor e do aluno. Mantemos um feedback constante com nosso público, o que nos permite desenvolver um Programa que contemple, não somente a leitura crítica da mídia, mas também que contribua e otimize a aplicação desse conhecimento em seu planejamento de atividades anuais”, destaca a coordenadora do Diário na Escola, Loiva Lopes.

A jornalista, Talita Moretto irá abrir nosso cronograma anual de formações e afirma que a tecnologia já faz parte da nossa rotina, seja pessoal ou profissional. “Mais do que saber usar o computador em sala de aula, o professor precisa estar capacitado para auxiliar e orientar os alunos. O desafio é usar os novos recursos tecnológicos a favor do ensino. Lutar contra a presença deles não é mais visto como uma opção.”

“Na oficina ‘A poesia nos fatos’, propõe-se abordar a constituição do gênero poema, focando, suas condições de produção, suas formas composicionais e recursos linguístico-expressivos de sua composição. Na relação entre as notícias e os poemas, pretende-se destacar como os fatos apresentados pelas notícias e reportagens podem ser retratados de forma poética. Essa abordagem foi pensada, a partir de depoimentos de professores que trabalharam com a produção de poemas com seus alunos no ano passado, mas sentiram uma dificuldade em transformar os fatos do jornal em questões poéticas. O que resultou em textos que apresentam a estrutura do poema, mas que carecem de poesia”, enfatiza a ministrante da capacitação, Adélli Bazza.

Gráficos, tabelas, porcentagem e outros suportes do raciocínio lógico encontrados no impresso auxiliam no estudo da matemática, por isso o Diário na Escola convidou a professora Luciana Lacanallo para ministrar a oficina sobre o tema. “A matemática é uma linguagem, composta por diferentes signos e conceitos, os quais constituem em instrumentos simbólicos. Aprender matemática não é só resolver contas, decorar fórmulas e procedimentos é ler e interpretar dados, fatos e, com o jornal temos um recurso excelente em mãos.”, explica.

Acreditando que a mídia é uma aliada do ensino, a equipe do Programa preparou uma capacitação sobre as possibilidades de trabalho com esse recurso em sala de aula. O assunto será explanado pela jornalista e educadora, Fernanda Amorim. “Vou falar a respeito dos modos como as mensagens veiculadas pelas mídias interpelam os sujeitos, servindo de referência para a construção de suas identidades e modos de ver e estar no mundo”, diz.

Loiva percebeu que não poderia deixar para um segundo plano a leitura crítica da mídia, pois os alunos estão em pleno processo de formação intelectual, e a cada dia mais vulneráveis aos meios de comunicação. “Por isso, trouxemos esses assuntos para serem debatidos. É importante estar aberto a entender esse processo social em curso e irreversível, já que desejamos construir uma nova escola e uma nova educação. Somos otimistas, temos sempre a melhor expectativa que nossas formações irão contribuir de forma efetiva para o trabalho do professor em sala de aula.”

Comente aqui


Prova Brasil é tema de encontro pedagógico do Diário na Escola

No dia 15 de abril cerca de 150 professores, participantes do Diário na Escola, estiveram presentes no primeiro Encontro Pedagógico deste ano, que teve como temática: O jornal como aliado para estudos da Prova Brasil, ministrado pelas professoras mestre Adélli Bazza e Maísa Cardoso.

A educadora de Sarandi, Cecidia Santana Navarrete conta que a capacitação veio no momento exato. “Precisamos de orientação para encaminhar nosso trabalho, com conteúdos que visem um bom desempenho do aluno na Prova Brasil”.

O encontro teve início falando sobre a leitura, cada um dos seus níveis, seguiu para os descritores exigidos na Prova e por último para questões e atividades práticas com o jornal impresso.

Para a ministrante Maísa algo muito importante é a possibilidade de “praticar a prática” através das oficinas. “Os encontros são momentos de discussão teórica da Linguística Aplicada que são vivenciadas nos exercícios propostos nas oficinas. O grupo que esteve presente está de parabéns, pois participaram muito e produziram discussões, repensaram e refletiram sobre suas perguntas de avaliação de leitura através da elaboração das questões em grupos. As trocas, as ideias compartilhadas e as dúvidas que surgem quando vamos para a parte prática da oficina são fundamentais, pois auxiliam a explorar mais ainda os conhecimentos adquiridos na discussão teórica.”

Maísa destaca que aquela dúvida, “Como isso pode ser pensando em sala de aula?” acaba sendo minimizada, quando, na segunda parte da oficina, o professor produz materiais e troca experiências. “Creio que essa é uma qualidade incomparável do Programa. Todos saem ganhando!”, enfatiza.

A professora de Flórida, Patrícia de Paiva Grilo concorda com o que a palestrante apontou acima. “De forma clara e objetiva nos foi apresentado os descritores de leitura da Prova Brasil esclarecendo como aplicar atividades que envolvam este assunto”.

A ministrante Adélli obseva que a oficina foi realizada com o objetivo de apresentar o jornal como subsídio para o trabalho em sala de aula e, consequentemente, preparar os alunos para a Prova Brasil. “Focamos o desenvolvimento da leitura em sala, visto que a prova constitui-se como um importante instrumento de avaliação, entre outras habilidades, da leitura desses alunos. Sabemos que um bom domínio de leitura é necessário não só nas aulas de Língua Portuguesa, mas para a aprendizagem de qualquer disciplina. Mais que isso, ler e interpretar é condição para a vida de todo cidadão. Por isso, foi muito satisfatório perceber a preocupação dos professores participantes da oficina, com o trabalho de leitura nas suas salas de aula.”

Durante o dia, foram discutidas diversas formas de realizar atividades de leitura, principalmente por meio da elaboração de perguntas. Como resultado desse trabalho, os professores propuseram inúmeras questões sobre textos encontrados no jornal, as quais poderão ser utilizadas por eles em suas turmas.

“Como professora, considero esse trabalho extremamente gratificante, por poder trocar conhecimento com profissionais comprometidos. No final, ganhamos todos: formadores, professores e alunos. Que venham as próximas oficinas!”, afirma Adélli.

A professora de Itambé, Suelena Yoshie Giraldelli Jaqueta participou pela segunda vez de um encontro promovido pelo Diário na Escola e conta que, “toda contribuição para o enriquecimento de conhecimento e ideias para trabalharmos e nos prepararmos para a Prova Brasil é sempre muito importante”.

A concessionária VIAPAR subsidia a participação de cerca de 900 alunos no Diário na Escola, dando oportunidade aos professores dessas de receberem a capacitação necessária para trabalhar com o jornal em sala de aula. Natália Godoy é estudante de Letras da Universidade Estadual de Maringá (UEM) e participa do Programa Institucional de Bolsa de Iniciação à Docência (PIBID) no Colégio Estadual João XXIII, em Maringá, com o apoio da VIAPAR, semanalmente, ela recebe o jornal no colégio e pode realizar atividades com seus alunos do 1º ano do ensino médio. “Gostei muito da iniciativa do Programa em promover encontros como este, todos estavam muito interessados e pudemos aprimorar nossos conhecimentos com palestrantes que souberam passar de forma adequada seus conhecimentos.”

No momento da oficina em que os participantes desenvolveram atividades práticas, o resultado foi excelente, por isso nas próximas semanas a equipe do Diário na Escola vai preparar um material que será encaminhado para todas as instituições de ensino parceiras, com sugestões de atividades produzidas pelos professores que estiveram na oficina.

O próximo encontro pedagógico está agendado para dia 22 de maio com os educadores da rede municipal de Maringá e terá como temática; O trabalho com o jornal: A diversidade dos gêneros presentes no universo jornalístico.

Comente aqui