jornal mural



Escola de Itambé tem Jornal Mural

A professora Susany Lucca Gritzence leciona na Escola Municipal Domingos Laudenir Vitorino, em Itambé. Trabalhando semanalmente com o Diário ela desenvolveu o plano de aula “Jornal Mural Escritores do Futuro”, no qual os alunos do 5º ano “B” tiveram o desafio de criar um tipo de impresso expositivo, além da tarefa de mantê-lo atualizado até o fim do ano.

A ideia do projeto surgiu após o estudo dos meios de comunicação. “Repassei aos estudantes conhecimentos sobre como surgiram o telefone, a televisão, o rádio, a internet e em especial o jornal, que apesar de longos anos de existência continua sendo uma das principais fontes de informação”, destaca a professora.

Com a oportunidade de leitura do Diário em sala de aula, as crianças estudaram a estrutura, organização e distribuição de conteúdos no impresso. Para assim, se familiarizarem com o material e ser mais fácil a produção do jornal da escola.

“É legal trabalhar com o impresso porque fazemos os trabalhos em grupos. A professora pergunta: o que é notícia? Então você recorta, lê o texto e depois explica. Dessa forma eu aprendi como organizar o jornal”, ressalta a aluna Kaylainy Pereira Amâncio.

Foto AbreO Escritores do Futuro é dividido em editorias, assim como o Diário. No espaço ‘Histórias da Turma’ é destinado para produções feitas pelos próprios alunos que criaram o jornal mural, podendo ser exposto textos narrativos, informativos, poemas e histórias em quadrinhos; na ‘Curiosidades’ se vê textos de divulgação científica; no ‘Diário’ são notícias importantes e publicações do jornal que dá o nome à editoria, assim como pequenos comentários explicativos sobre as notícias; no ‘Passa Tempo’ apresenta-se charadas e enigmas; o ‘Mensagens’ têm frases e textos produzidos pela turma com temas de reflexão e também pesquisadas sobre auto estima, orações, etc; na ‘Sugestões de Leitura’ o estudante após a ler um livro faz um pequeno comentário sobre a história lida, bem como também, o nome da obra, autor e quantidade de páginas para que outros alunos tenham interesse em conhecer o livro sugerido; a ‘Agenda’ é composta por um calendário com programações mensais ocorridas na escola; e o ‘Espaço Aberto’ é destinado a publicações de trabalhos das outras turmas.

O aluno Pedro Henrique Suniga comenta que o jornal mural foi um dos melhores trabalhos que ele já fez, e o colega Alisson da Silva Santos completa “me senti um jornalista produzindo conteúdo, isso deixou a tarefa mais divertida e fácil de aprender.”

Suzany aponta que as crianças estão mais empolgadas e criativas na realização das propostas didáticas. Por iniciativas próprias elas trazem para a sala de aula textos, adivinhas enigmas e pesquisas que fizeram em casa. “A aprendizagem está mais significativa e vem correspondendo com as expectativas”, diz.

As etapas da construção do jornal mural foram todas feitas pelos alunos, bem como as letras em madeiras que foram desenhadas e enviadas a um marceneiro para cortar, depois ainda teve a etapa da pintura e colocação no painel.

Para divulgar o meio de comunicação que será da escola toda, os estudantes do 5º ano B foram de turma em turma explicando o projeto e pedindo a colaboração dos colegas no cuidado e nas produções para o jornal, destacando que a cada semana uma classe participará da editoria ‘Espaço Aberto’ onde poderão publicar seus trabalhos. “É bom ver a interação da escola toda, assim mais crianças participam e terão chance de aprender coisas diferentes”, comenta a aluna Kauane Vitória Colares.

“O projeto Jornal Mural Escritores do Futuro está contagiando toda comunidade escolar, pois quando os trabalhos são postados no mural notamos a expectativa dos demais alunos que aguardam ansiosos para a realização da leitura. É uma proposta didática que além de informar e entreter, está tornando a leitura algo prazeroso”, conclui a coordenadora pedagógica, Ducimara Moresqui Decol.

Comente aqui


Jornal é fonte de conhecimento

O Diário na Escola atende escolas que oferecem tanto o ensino regular, como as instituições de educação especial. A exemplo da Apae de Itambé, que participa do Programa há três anos e ao longo desse período tem constatado boa evolução dos estudantes nas propostas em que há como suporte o uso do jornal impresso.

Foto AbreNa Apae de Itambé o ensino é estendido aos alunos da Educação para Jovens e Adultos (EJA) na modalidade de educação especial. Ao sentir o crescimento didático das turmas, as professoras Neusa Maria de Oliveira e Rosangela Machado Cajueiro da Silva desafiaram os estudantes a produzirem um jornal mural.

Para a proposta ser realizada várias etapas antecederam o processo. De início os alunos leram as matérias publicadas no Diário, impresso que eles têm contato semanalmente. E assim puderam reconhecer a estrutura de uma notícia, as partes que compõem um jornal, e os fatos em destaque.

“O jornal é um meio de comunicação muito importante, é através dele que as pessoas ficam sabendo o que está acontecendo no Brasil e no mundo. Ele também é fundamental em nossa escola, pois nos ajuda a desenvolver a leitura e adquirir maior conhecimento. Eu, por exemplo, gosto de ler as notícias que envolvem o nosso estado e a editoria de Esportes”, destaca o aluno João Pedro dos Santos.

Depois de verificar os fatos publicados no Diário, os estudantes ilustraram as reportagens. Na sequência, as professoras lançaram o desafio para eles criarem textos noticiosos com assuntos da cidade em que vivem.

“O trabalho com jornal é significativo em turmas de alfabetização, uma vez que os alunos necessitam de modelos de material para entenderem a função da escrita, sendo estimulados a ler e a escrever no seu cotidiano. Por isso as propostas com o impresso propiciam maior variedade de informações para que a classe faça seus próprios textos jornalísticos”, enfatiza Rosangela.

Para comtemplar os bons resultados adquiridos após essa atividade, foi confeccionado um jornal mural com todas as produções dos estudantes. Uma ótima ideia, porque é uma forma de valorizar a dedicação dos alunos, não necessita de muitos recursos e os conteúdos ficam em exposição para o conhecimento de todos.

“Nas aulas em que temos o impresso como suporte didático os estudantes revelam maior interesse pela leitura, isso devido ao fato de trazer temas do dia a dia. Durante a etapa prática desta atividade eles se sentiram parte de uma equipe de reportagem, pois tiveram a oportunidade de explicar oralmente as matérias do Diário, ilustraram os textos e ainda viram os resultados divulgados no jornal mural”, expõe a professora Neusa.

A pedagoga Valdilene de Oliveira Silva Vieira comenta que o jornal é um excelente instrumento para divulgação das atividades pedagógicas e conteúdos trabalhados nas áreas do conhecimento. “Os alunos se sentem muito mais motivados quando veem as atividades desenvolvidas em sala publicadas nas páginas do impresso. Aqui na Apae realizamos propostas que contemplam a vivência dos estudantes, a exemplo dos classificados que vendem os artesanatos confeccionados por eles, selecionamos também notícias para que eles possam ilustrá-las e escreverem comentários, entrevistamos alunos para conhecer a opinião deles sobre diversos assuntos e divulgamos o resultado através de gráfico, semelhante aos do Diário. Enfim, a criatividade e dedicação de todos tem ajudado a construir uma boa formação para os estudantes.”

 

Comente aqui


Os ensinamentos das legendas

Foto AbreAs pequenas frases abaixo das fotos publicadas no jornal, não passam mais despercebidas no processo de leitura. Em especial, para os alunos do quinto ano da Escola Municipal Alberto Sofientini, de Astorga. A professora, Valéria Nunes de Jesus desenvolveu com as crianças uma série de atividades nas quais o processo de estudo da oralidade e interpretações textuais foram feitos com as legendas das imagens publicadas no Diário.

A legenda tem como base uma foto ou mais, acompanhada de um texto explicativo sobre o assunto ou da descrição do conteúdo da imagem. Assim, o texto é apenas um acessório para a foto, que é o elemento de maior destaque. A legenda funciona tanto em jornais e revistas como em portais online, por ser uma maneira rápida e eficaz de transmitir informações. Desse modo, é um texto curto e objetivo sobre um fato qualquer, que facilita a compreensão.

“Estamos sempre lendo o jornal, mas ter a oportunidade de escrever legendas fez eu me sentir como uma repórter”, conta a estudante Isabella Cristina Fernandes Guandalini.

Ao início da atividade os alunos receberam exemplares do Diário para a leitura. Divididas em grupos as crianças pesquisaram sobre as manchetes, textos chamada, fotos, e desta forma se inteiraram sobre os conteúdos publicados.

O primeiro desafio foi, a partir da matéria lida, criar uma legenda para a foto que estava junto ao texto. Nesse momento, os estudantes deixaram a criatividade fluir. Em seguida, a tarefa foi invertida. As crianças fizeram um desenho – para representar uma imagem – a partir de uma legenda retirada do Diário, sem conhecer o contexto da notícia.

“Essa dinâmica com o jornal favoreceu o desenvolvimento da produção escrita, saindo da rotina das propostas tradicionais, permitindo que os alunos criassem novos textos, interpretando e discutindo em grupo suas dúvidas e confirmando suas hipóteses. Com esse trabalho também foi possível desenvolver atividades voltadas especificamente para a escrita ortográfica e análise linguística das palavras como verbos, tempos verbais, pronomes, entre outros”, destaca Valéria.

A aluna Nathália Souza Sanches Silva relata que trabalhar com o Diário tem sido muito importante para a formação dela. “As informações são sempre fresquinhas, ficamos por dentro de tudo.”

 

 

PRODUZINDO!

Professor, comente com a turma que as legendas também podem ser encontradas em outros suportes, como álbum de fotografias e figurinhas, por exemplo. Caso você disponha desses materiais, leve para a sala e mostre aos estudantes.

Duas propostas podem ser feitas para o trabalho com a escrita de legendas:

  1. Elaboração de um mural com fotos legendadas de situações vividas por cada aluno. As crianças deverão trazer as fotos de casa.
  2. Elaboração de um mural com fotos legendadas referentes a um passeio feito pela turma.

Os procedimentos indicados abaixo valem para as duas propostas. Nessa atividade, os alunos deverão trabalhar em duplas, de forma que um possa ajudar o outro na elaboração do texto.

Primeiramente, peça aos estudantes que lhe ajudem a elaborar a legenda de uma foto levada por você. Após a análise da imagem, a turma cria coletivamente o texto e você o escreve no quadro.

Cada dupla trabalhará com duas fotos. Oriente as crianças para que escrevam a legenda de cada foto junto com o colega. Essa será a primeira versão, que deverá ser entregue para você. É importante ressaltar a turma que a primeira versão de um texto nem sempre é a definitiva. Após a escrita, é preciso revisar a produção.

Depois do trabalho pronto e revisado, faça um mural e exponha as fotos e as legendas produzidas pelas crianças no mural da escola. Além do conhecimento, esta proposta trará interação entre a equipe. Bom trabalho!

Comente aqui


Resultado: Estudantes produzem jornal mural

Na Escola Municipal Tancredo Neves, em Doutor Camargo, os exemplares do Diário além de serem um material informativo, fazem parte do processo de aprendizagem dos alunos. Semanalmente a professora, Rosângela da Silva Oliveira realiza atividades que proporcionam às crianças o estudo do conteúdo didático aliado aos textos de circulação social.

“O jornal em sala de aula proporciona subsídios para que os estudantes possam praticar a leitura e compreender os diferentes gêneros textuais, com isso entendem assuntos do cotidiano, de uma forma mais simples. Percebo que ao ler o Diário o aluno interage com a realidade e faz reflexão sobre as notícias”, enfatiza a Rosângela.

Após meses de trabalho com o impresso, as crianças já identificam os elementos que compõem a capa e os cadernos de conteúdo. Em uma das manhãs de atividade com o material, a professora solicitou que, como de costume, cada aluno realizasse a leitura das matérias publicadas.

“Eu adoro o momento de produção com o Diário, porque sempre descubro coisas interessantes e volto para casa bem informada”, conta a estudante, Alexia Vitória Lima Neves.

Ao constatar que as crianças estavam preparadas para um desafio maior, Rosângela as dividiu em grupos e repassou a proposta da aula, a produção de um jornal mural. “A partir deste momento a classe toda se empolgou pela oportunidade em criar textos da cidade em que vivem”, relata a professora.

Foto Abre

Para isso, cada grupo ficou responsável por uma parte do impresso. Com o nome “Jornal da Tarde” os alunos escreveram notícias para os diferentes cadernos, entrevista pingue-pongue, gráficos, previsão do tempo, anúncios publicitários e classificados.

A estudante Juliana Bezerra fala sobre a diversão em criar os conteúdos. “A sala toda interagiu e discutimos sobre os temas a serem publicados”, e a colega Camili Silva de Oliveira completa, “com a leitura do Diário eu aprendi a escrever palavras novas e melhorei a minha pronúncia”.

Depois de todos os textos prontos, as crianças fizeram a diagramação do material com desenhos e imagens ilustrativas, não esquecendo do destaque para o cabeçalho e para as manchetes. “Foi um trabalho maravilhoso, ver o resultado me deixou cheia de orgulho”, ressalta a professora Rosângela.

Para que toda a equipe da escola tivesse a oportunidade de se manter informada sobre as notícias e os anunciantes de Doutor Camargo, o “Jornal da Tarde” ficou em exposição para leitura.

Comente aqui


Jornal na escola: letramento e cidadania

Foto Abre 01 ANa Escola Municipal Amábile Tonetto Pozzobon, em Astorga, diversas atividades com o Diário são realizadas todas as semanas. As professoras, Elis Regina Rodrigues e Heliane Cristina Martins Silva destacam que os exemplares tornam as aulas mais prazerosas e despertam o interesse pela leitura em seus alunos dos quintos anos.

Elis desenvolveu um “quebra-cabeça” com o jornal. A educadora recortou textos e fotos das páginas do impresso e colou em sulfites. Em uma página o texto, em outra a foto. “Depois desta etapa pronta, separei a turma em grupos e eles iniciaram a busca da matéria que se encaixasse com o conteúdo representado na imagem. Foi uma aula muito dinâmica, pude ver o prazer deles em realizar o que estava proposto”, conta.

A partir disso, os estudantes se sentiram curiosos na leitura da notícia. “Me diverti com meus colegas de classe nessa aula e quando percebi já tinha lido quase todo o jornal na ansiedade em encontrar textos e fotos correspondentes”, comenta a aluna Eduarda Perugini.

A coordenadora pedagógica, Sônia Peixoto Luna enfatiza que além de um momento de descontração, o estudo com o uso do Diário estimula a criticidade da criança e a interação de trabalhos em grupos.

“Nesta proposta os estudantes perceberam que, muitas vezes, o texto não verbal é utilizado para despertar a atenção e aguçar a curiosidade do leitor, pois foi exatamente isso que aconteceu durante a realização desta atividade”, fala Elis.

Foto Abre 01 BJá a professora Heliane, aproveitou a discussão entre os alunos sobre uma das manchetes do Diário e desenvolveu um debate com a turma. “A notícia de que primos brincavam com uma pistola, a arma disparou e matou uma das crianças, causou polêmica entre os estudantes. Aproveitei o momento para esgotar o assunto”, diz.

A educadora conta que os alunos ficaram chocados com o fato e se mostraram indignados com a falta de responsabilidade dos familiares por terem uma arma de fogo em casa e a deixarem em local de fácil acesso para os meninos.

Heliane pediu para que todos realizassem a leitura da matéria e após argumentarem a respeito das informações contidas no texto, foi produzido um painel informativo com a opinião dos alunos sobre o ocorrido.

“Percebi que conhecer os fatos da sociedade podem nos alertar dos riscos de uma brincadeira impensada. As aulas com o jornal trazem muito aprendizado e contribuem também para a nossa formação cultural”, ressalta o estudante Nicolas Gomes.

Luciane Nogueira é coordenadora na escola e relata sobre os bons resultados desta proposta. “Mais do que o aprimoramento da leitura, esta produção demonstrou a criticidade dos alunos a respeito do uso ilegal de armas e os perigos em se ter objetos como este dentro de casa.”

“O Programa O Diário na Escola tem contribuído efetivamente na formação dos professores que utilizam o jornal como recurso didático em sala de aula. Nestes anos parceria estamos colhendo ótimos resultados, pois além de formar leitores competentes, contribui, sobretudo, para a formação em conjunto de cidadãos participativos e providos de informações atualizadas”, ressalta a assessora pedagógica da secretaria de educação de Astorga, Elena Pericin.

Foto Abre 02

EXPOSIÇÃO. Painel apresenta opiniões dos alunos a respeito da manchete do Diário.

Comente aqui


A vitrine do impresso

Na prática do ensino os professores buscam inúmeras formas e técnicas de trabalhar os conteúdos, com a finalidade de facilitar o conhecimento para o aluno. Geralmente, durante as atividades desenvolvidas em sala de aula, o professor utiliza revistas, gibis, panfletos, e cada vez mais, os jornais.

De costume, nos primeiros contatos com o material, os estudantes são motivados a folear os exemplares e descobrir os diferentes textos que podem ser encontrados: artigos, crônicas, charges, reportagens e outros.

Assim como o lide da notícia – primeiro parágrafo de um texto – tem o poder de seduzir ou afastar o leitor, a capa do jornal vive o mesmo dilema. A primeira página do impresso pode fazer com que você “consuma” aquele veículo ou que opte por outro, mais atrativo, mais criativo, com uma manchete mais quente ou relevante.

Pensando nisso, a professora Josilene Ghiraldi Corona, do Colégio Estadual Neide Bertasso Beraldo, de Paiçandu, realizou com seus alunos do Programa Mais Educação uma atividade para apresentar os elementos que compõem a capa do jornal O Diário do Norte do Paraná.

“Durante a aula identificamos quais informações fazem parte do cabeçalho, manchetes, textos chamada, fotos, legendas, publicidade e todos os outros itens que constroem a primeira página do impresso”, conta Josilene.

Para que outros estudantes do Neide Bertasso pudessem ter acesso a este conteúdo foi preparado um cartaz para ser exposto no pátio da instituição. “Desta forma, funcionários e alunos conseguiram adquirir novas informações sobre o jornal. O que facilita no momento da leitura”, destaca a pedagoga Juliana dos Santos.

A aluna Camila Silva comenta que a oportunidade de realizar atividades utilizando o impresso é única. “Nas aulas descobri a importância do jornal na minha vida e na da sociedade, com o conhecimento das notícias me torno não só leitor, como também um cidadão informado.”

Josilene destaca que os exemplares do Diário tornaram as aulas mais prazerosas. “Por ser um material novo, diferente do que eles costumam ter acesso, os estudantes se sentem interessados pela leitura e pelas produções textuais.”

JORNAL MURAL. Exposição estende conhecimento a todos que circulam pelo colégio.

JORNAL MURAL. Exposição estende conhecimento a todos que circulam pelo colégio.

Comente aqui


Mural de Trabalhos

A professora Carla Amábile Gallo, da Escola Municipal Monsenhor Celso de Astorga, desenvolveu com os alunos do 5º ano “A” um jornal mural. A proposta surgiu a partir da matéria “Dengue está concentrada no oeste e noroeste” publicada em O Diário. Após a leitura da notícia, a professora solicitou aos alunos que pesquisassem sobre a o mosquito proliferador da dengue, as causas da doença, as formas de prevenção, e depois de todo o material reunido os alunos confeccionaram um jornal mural na escola. Confira:

Comente aqui


Mural do Participante

Aproveitando o tema reciclagem discutido na coluna de O Diário na Escola no último dia 13 de março, as crianças atendidas pela LBV em Maringá produziram um jornal mural sobre meio ambiente.

Primeiro os alunos fizeram uma discussão e um debate sobre o assunto, leram a matéria da coluna de O Diário na Escola e em seguida montaram o jornal mural com textos e imagens que foram escolhidos pelas próprias crianças, assim como o nome da publicação.

A atividade foi realizada por quatro turmas da instituição.

Crédito da foto: Paulo Araújo

Comente aqui