lançamento



A solidão de uma estrela

Amaury Meller Filho e Vera Lúcia Fávero Margutti reuniram talentos na criação da obra “A Estrela Solitária”. Com um conteúdo cheio de significados, os autores privilegiaram mais a estética do que a ética, levando em conta a ideia de que a literatura infantil lúdica é uma importante ferramenta para a formação de leitores. Procuraram priorizar a abordagem literária, o que significa desenvolver histórias de forma libertária, sem preconceitos e sem didatismo.  “Escrevemos para entreter, para despertar o prazer de ler e encantar, visando o estímulo à leitura. Naturalmente passamos valores e conhecimentos, tecemos reflexões. E essa dupla função, que cada vez mais se faz necessária, pois a leitura na escola deve ser marcada por momentos lúdicos e prazerosos e que também estimule à alfabetização, que fortaleça a construção de novos conhecimentos e favoreça o desenvolvimento social, emocional e cognitivo das crianças”, destaca Vera.

Os autores contam que uma nova obra é sempre muito desafiadora, começando pelas responsabilidades com a escrita. Definir o que falar de forma que encante, cative e estimule.  Pensar sobre o que passar de bom que contribua com o desenvolvimento social, emocional e cognitivo das crianças.  Depois vem os desafios das publicações, se impresso ou e-book, no caso desta obra Amaury e Vera fizeram das duas formas. E por fim, vêm os desafios da aceitação e distribuição.

“Essa história infantojuvenil fala de uma primeira estrela que nasceu na Via Láctea, sua solidão, necessidades e vontades, e sua relação com o Criador. Oferece a ideia do começo de uma jornada em busca de novas amizades e como a companhia é importante em nossas vidas. Mostra a importância de autonomia e de que nesse mundo vivemos em uma constelação, seja ela de estrelas, de necessidades, de pessoas, de opiniões. A estrela solitária busca levar através de sua fácil leitura, uma viagem na imaginação de como nosso Criador criou o mundo, sua origem, começando pelas estrelas e por fim a humanidade. É um livro para crianças, mas que faz pessoas de todas as idades refletirem sobre suas constelações”, ressalta Amaury.

No livro, além da ideia central de que as criaturas, não só as humanas, são seres relacionais, também reforça através das imagens que a boa convivência com os diferentes é que as fazem seres especiais. E nessa perspectiva estão inclusos os valores de amizade, de liberdade, da autoestima, da aceitação do novo e da coragem para enfrentar os riscos e perigos das tempestades da vida.
“Esperamos que o livro tenha boa aceitação e sensibilize pais e professores, para que seja adotado em escolas e instituições como projetos de leituras, mas principalmente que cative os pequenos leitores para novas descobertas, amplie a compreensão de si e do mundo, incita-lhes o imaginário, provoque perguntas e busque respostas para despertar grandes e pequenas emoções, fortalecendo ainda mais a construção de novos conhecimentos”, apontam os autores da obra.

Foto Abre

Comente aqui


Escritora mirim lança livro

Na obra “Sonhos de Sofia” os leitores vão se surpreender com os manuscritos de Sofia Quinteiro. Aos 10 anos, a moradora de Maringá, muito observadora e criativa repassa de forma sábia conselhos tanto para as crianças como para os adultos. “Convivo com pessoas mais velhas e tiro proveito das conversas para dar significado às experiências vividas no dia-a-dia”, destaca.

Constata-se a maturidade da menina nos trechos do livro, a exemplo: “A depressão é um conjunto de buracos negros em sua mente, aquele que é depressivo está cego, traído pela própria mente”, ao final da página ela ainda aconselha: “procure alegria profundamente”. E assim, a cada página virada o leitor conhece textos sobre caráter, bondade, felicidade e tantos outros assuntos que podem ser classificados como filosofia de vida e até mesmo autoajuda.

“Já enviei alguns dos textos da Sofia para amigas e tive a devolutiva de que foram muito valiosos, às vezes a pessoa está tendo um dia ruim, e depois dos conselhos apresentados na obra, se sentem melhor. É gratificante ver que minha filha, de alguma forma, está contribuindo para o bem estar de outras pessoas”, ressalta a mãe, Neandra Quinteiro.

Foto Abre“O objetivo do livro é mostrar ao mundo que no ponto de vista de uma criança, as reações e soluções de vida são bem mais simples. Serve como lição para qualquer um, seja qual for sua idade”, diz a escritora.

Aos quatro anos Sofia já tinha definido o que queria ser quando crescer, “eu nem sabia escrever direito, mas mesmo assim dizia que queria ser escritora”. E como vemos, não demorou muito tempo. “A ideia do livro veio da minha mãe. Ela achou uma agenda minha com todos os textos que compõem o ‘Sonhos de Sofia’ e ficou encantada. Depois disso, começou o trabalho de edição e agora já está pronto para lançamento”, conta.

O curioso, é que em tempos de tanta tecnologia e conectividade, Sofia é adepta ao manuscrito. Todos os seus textos são escritos à caneta, para somente depois, quando necessário, serem digitados. “Agora com o lançamento do livro estou me tornando mais próxima da internet, para estar em contato com os leitores, mas no geral só uso para pesquisas de trabalhos escolares.”

Outro fato que merece destaque é o talento da pequena para os desenhos. Além dos textos que serão publicados, as ilustrações do livro também são criações de Sofia. “Quando eu ainda não sabia escrever, fazia histórias com os desenhos. E depois reunia toda a família para contar o enredo que eu tinha criado, sem palavras, somente ilustração.”

Esse apoio da família veio desde a infância, Neandra enfatiza que ela e o pai de Sofia, Wilson Quinteiro, sempre deram espaço para a filha questionar, falar, contribuir nas conversas como também foram muito pacientes para ouvir a pequena. “Acredito que essa criação intimista que demos foi fundamental. Acrescentou conteúdo para a vida e formação da Sofia, mas o mérito de interpretar os assuntos das conversas e transcreve-los de forma tão simples e ao mesmo tempo tocante, é todo dela”, disse Neandra.

A pequena escritora não vai parar por aí, o “Sonhos de Sofia” é só o primeiro lançamento. Mais duas obras estão em produção. “Escrever, desenhar, para mim é lazer. O que vejo ao meu redor, as situações que presencio, os livros que leio, tudo me inspira. Quando percebo já tenho bastante conteúdo pronto. Antes eles ficavam arquivados na gaveta, hoje quero lançar para o mundo, quero mostrar que as crianças podem ser muito criativas e cheias de talento, só é preciso fazer eles florescerem. Acredite nos seus sonhos, acredite que você é capaz sempre!”, aconselha, Sofia.

 

capa livro Sofia

 

LANÇAMENTO

A escritora Sofia Quinteiro convida todos para a noite de autógrafos de seu livro “Sonhos de Sofia”.

Data: 19 de maio de 2016

Local: Livrarias Curitiba – Shopping Catuaí Maringá

Horário: 19 horas

Comente aqui


Dois novos livros sobre EDUCOMUNICAÇÃO

Com o surgimento do curso de licenciatura em Educomunicação, o universo da convergência dos dois campos vai tomando novos rumos. O surgimento de novas literaturas sobre o assunto já era esperado e a Editora Paulinas foi a responsável pelos últimos lançamentos:

 

Educomunicação: o conceito, o profissional, a aplicaçãocontribuições para a reforma do Ensino Médio

Mais do que discutir o campo da interface entre Comunicação e Educação, o livro aborda várias pesquisas do Núcleo de Comunicação da USP a fim de acompanhar e entender o universo do jovem, fazendo do seu processo educacional o ponto de partida para as principais transformações econômicas e sociais de um país.


Educomunicação – construindo uma nova área de conhecimento

Artigos nacionais e internacionais publicados originalmente na Revista Comunicação e Educação deram vida ao livro dos professores Adilson Citelli e Maria Cristina Castilho Costa, do Departamento de Comunicações e Artes.

 

Comente aqui


Mais atenção com a infância

É até os seis anos que parte significativa do desenvolvimento cognitivo e emocional das crianças acontece. Uma atenção especial com a infância é o tema do Plano Nacional pela Primeira Infância (PNPI), que será lançado na próxima terça-feira, na sede da Organização Pan-Americana de Saúde (Opas), em Brasília. Em seguida, o plano será enviado ao Governo Federal, a fim de propor e alcançar metas até 2022.

O mais interessante do Plano é que além das ideias de inúmeros pesquisadores, especialistas e instituições, o conteúdo também tem relação com as sugestões de crianças que foram ouvidas sobre suas necessidades e vontades. Todo o processo de composição durou dois anos e meio.

Enquanto muita gente diz ter saudade da infância, outros não sabem o que ela realmente significa. Este vídeo abaixo eu usei com adolescentes em um centro social de Maringá a fim de reconhecer a realidade deles. Obtive revelações surpreendentes sobre o dia a dia de algumas crianças maringaenses. É preciso atenção com os pequenos, com seu estilo de vida, com seu desenvolvimento físico e mental!!!!

http://www.youtube.com/watch?v=SF1jg8llV6Y
1 Comentário


Livro orienta como educar sobre sexo

Mãe e filho assistem a TV juntos, nada de anormal se não fosse uma pergunta inusitada do garoto de seis anos: ‘mãe, o que é parada gay?’. Tomada por um desespero súbito, sem saber o que é apropriado dizer, a  mãe responde que é uma festa onde pessoas fantasiadas dançam e cantam. A criança se dá por satisfeita e o assunto é encerrado. Os tabus que envolvem sexualidade assombram os pais, que com medo de ‘errar’ acabam dizendo afirmações sem sentido, e os pequenos tomam como verdade. São nessas ocasiões que a família pode iniciar um canal de comunicação sobre sexo com os filhos, conforme afirma a psicóloga e sexóloga Eliany Mariussi que lança, na próxima sexta-feira, o livro ‘Educação Sexual Começa em Casa!’, às 20h, no Flor

lançamento acontece na sexta-feira

Café, em Maringá.

Ela explica que existe uma necessidade de pensar o assunto, afinal a geração dos pais viveu no silêncio sexual, em que se aprendeu noções sobre sexo com os amigos, com os meios de comunicação, mas dificilmente com a família.  “Por isso podemos estar contaminados de pré-conceitos, mitos e tabus. Alguns resquícios negativos são reproduzidos, condenando homens e mulheres a ficarem presos na insatisfação”, alerta Eliany, que tem 20 anos de experiência em psicologia clínica e é membro da Sociedade Brasileira de Sexualidade Humana (SBRASH).

Diálogo familiar

A conversa entre pais e filhos se torna indispensável para formação da criança acerca da afetividade, da construção da personalidade e do desenvolvimento corporal. Quando os pais entram em cena com naturalidade, os filhos tendem a aceitar sem desconfiar, daí a importância de responder ao questionamento, com a mesma simplicidade a que foi perguntado, para isso os pais precisam estar informados. “Aquilo que é iniciado desde cedo não terá necessidade de parar e fazer um discurso enorme sobre, pois aos poucos essa construção foi acontecendo”, orienta a sexóloga.

Nas 140 páginas de ‘Educação Sexual Começa em Casa!’, Eliany ilustra algumas situações que costumam ocorrer nas famílias, como a homossexualidade e o ato de assumir-se gay. A melhor maneira dos pais lidarem com esta realidade é buscando informação e tendo em mente que os filhos também foram pegos de surpresa ao perceber que gostam do mesmo gênero.

“A família não deve acusá-los, ela precisa ficar ao lado deles para ajudá-los a lidar melhor com esta orientação afetivo sexual”, ressalta. No entanto, é comum que o primeiro sentimento familiar seja de fracasso. Como não há ‘o momento ideal’ para falar sobre sexo, a medida que os jovens iniciam o assunto, os pais podem, espontaneamente, dar continuidade à conversa. A criança esclarecida estará mais ciente para lidar com os problemas que surgirem em relação a sua sexualidade. A psicóloga explica que se os pais não dão abertura para falar do assunto com frequência e naturalidade, dificilmente os filhos irão ter a iniciativa.

Comente aqui


Livros, livros, livros…

Fim de ano, férias, natal, presentes e tempo para ler. Tudo isso junto acaba movimentando o mercado editorial, trazendo à tona diferentes lançamentos literários. Uma aposta da Editora Globo é a autobiografia de Keith Richards, guitarrista da banda Rolling Stones, que  ressalta sua infância pobre e a formação da banda na década de 60.

Ainda sobre biografias, ‘A ponte: vida e ascenção de Barack Obama’. Para o jornal a Folha de São Paulo, o principal lançamento será  ‘Hitler’, com 1.024 páginas, que revela a vida do ditador alemão. Críticos afirmam que o livro é a real biografia do personagem que pregava a superioridade racial. O lançamento está previsto para o dia 23 deste mês,  com o preço de R$68,64.

Comente aqui