Logo do Jornal ODiário.com
Sem Categoria-76
21/08/2008 - 06h26 - visualizações

ECUMENISMO E POLÍTICA

Autor Dom Anuar Battisti

ECUMENISMO E POLITICA

Ao se falar de Ecumenismo, se pensa logo em religiões que buscam caminhar juntas, deixando de lado as diferenças, buscando o que as une. Unidade é a palavra chave da caminhada ecumênica. Aqui em Maringá, o Movimento Ecumênico completa amanhã, 11 anos de organização. Certamente essa data não ficará no esquecimento, pois já foi marcada uma celebração na Igreja de Confissão Luterana no Brasil e uma jantar de confraternização. Que bom contar com gente de cabeça aberta e de visão futura, encarnando aqui o desejo de Jesus, que orando ao Pai, suplica: “que todos sejam um com nós somos um” (Jo17,21). Nesta caminhada, ainda pequena, participam as seguintes comunidades: Igreja de Evangélica de Confissão Luterana no Brasil, Igreja Metodista Central, Igreja Evangélica Luterana, Comunidade São Marcos, Membros da Igreja Presbiteriana Independente do Brasil, Igreja Católica Apostólica Romana, Igreja Episcopal Anglicana.
Neste contexto, é importante lembrar que a caminhada de unidade se faz com gente que pensa diferente, que tem uma maneira diferente de orar e crer, com uma organização diferenciada. Porém, descobriram no caminho muita coisa em comum e que podem unir esforços para ações conjuntas de fraternidade e solidariedade. Nestes anos, têm acontecido várias atividades, destacando de maneira especial a semana de oração pela unidade dos cristãos, e a reflexão conjunta sobre temas da atualidade. Neste caminho queremos estreitar laços e formar uma mentalidade onde o diferente deve ser amado e respeitado como sendo o próprio. Amar a religião do outro como amamos a nossa própria religião. Já passou o tempo de pregações agressivas e proselitistas que marcaram época no passado, mas que hoje não encontram espaço entre as pessoas mais esclarecidas.
Penso que neste tempo de pleito eleitoral, todas as religiões estão participando na conscientização dos leitores, a fim de depositar o voto em pessoas que tenham condições de construir o bem comum de todos, independentemente de religião, raça, cor ou condição social. É inconcebível e contradizem os princípios democráticos, qualquer campanha sobre candidatos enfatizando ser desta ou daquela religião. É desagregador da unidade e do bem de todos, uma religião apresentar um único candidato para que todos votem nele. Isso compromete a liberdade e a consciência da livre escolha do eleitor. Vale sempre e em todos os ambientes da convivência social o respeito pela diversidade e a pluralidade de pensamentos. Porque todos devem pensar e ver a realidade do mesmo ponto de vista?
O Conselho Mundial de Igrejas na Fórmula da Unidade de 1961 afirma: “Por isso é necessário conhecer com alegria e estimular os valores genuinamente cristãos, derivantes de um patrimônio comum, que se encontram entre irmãos de outras confissões, a fim de que todos possam agir no que diz respeito às tarefas para as quais Deus chama o seu povo”. Nosso Deus, o Deus da Bíblia tem como característica fundamental a comunhão entre as três pessoas da Santíssima Trindade. O povo que é Dele não pode viver a não ser na mesma comunhão. Portanto, o ecumenismo se caracteriza pela busca de entendimento, na aceitação do diferente, no respeito pela desigualdade. O ecumenismo também deve existir na prática da política partidária, de maneira especial no pleito eleitoral que estamos vivendo.

548932
0 Comentários
Foto do usuário que comentou a matéria

Relacionadas